Paper recycling workshop as educational practice in the context of public schools in rio de janeiro municipality



Baixar 0.63 Mb.
Página6/16
Encontro29.11.2019
Tamanho0.63 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   16
Histórico do papel
O papel foi inventado na China. Os chineses utilizaram diversas espécies de vegetais, como, lâminas de bambu e folhas de palmeiras, seda, amoreira, cânhamo, entre outros e seu exemplar mais antigo data de 200 AC (PAPELOTECA, 2014). O Ocidente foi apresentado a esse material pelos árabes que estavam interessados em uma forma de divulgar os ensinamentos de Maomé. Os árabes também fizeram algumas modificações na produção do papel, empregando principalmente restos de trapos e de fibras de linho que acabaram por conferir aparência e resistência similares à do pergaminho, método que foi adotado pela Europa sob seu domínio nos anos 1100 (SCAL, 2010).

Após a impressão da Bíblia em papel, não houve mais fronteiras para o uso deste material, que passou a substituir totalmente o pergaminho. (PAPELOTECA, 2014).




Baixar 0.63 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   16




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino fundamental
ensino médio
Processo seletivo
minas gerais
Conselho nacional
terapia intensiva
Curriculum vitae
oficial prefeitura
Boletim oficial
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
Poder judiciário
educaçÃo física
saúde conselho
assistência social
santa maria
Excelentíssimo senhor
Conselho regional
Atividade estruturada
ciências humanas
políticas públicas
outras providências
catarina prefeitura
ensino aprendizagem
secretaria municipal
Dispõe sobre
Conselho municipal
recursos humanos
Colégio estadual
consentimento livre
ResoluçÃo consepe
psicologia programa
ministério público
língua portuguesa
público federal
Corte interamericana