Palavras Chave: cras, estágio, prevenção, promoção de saúde Resumo



Baixar 28,95 Kb.
Encontro11.08.2018
Tamanho28,95 Kb.





RELATO DE EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO NO CRAS

Laís Figueiredo de Freitas; Kaila Dotto; Karen Eidelwein

Ciências Humanas, Psicologia.

Palavras Chave: CRAS, estágio, prevenção, promoção de saúde
Resumo

O Centro de Referência de Assistência Social Hidráulica é um serviço pertencente à proteção social básica do Sistema Único de Assistência Social que tem por finalidade prevenir a ocorrência de situações de vulnerabilidade e risco social no território (composto de 7 bairros), por meio do desenvolvimento das potencialidades dos usuários e do fortalecimento de seus vínculos familiares e comunitários.É nesse contexto que se desenvolve a prática de estágio em Psicologia Institucional e Comunitária do 4º ano do Curso de Psicologia. O estágio tem duração de um ano letivo e carga-horária total de 240h. Dentre as atividades desenvolvidas no estagio, destaca-se o trabalho de planejamento e coordenação de um grupo com adolescentes e 2 grupos com crianças. Os grupos têm como objetivo a prevenção e fortalecimento de vínculos. O grupo de adolescentes tem por volta de 15 participantes, o de crianças maiores tem 7 e o de menores 11. Todos os três grupos ocorrem uma vez por semana com duração aproximada de 1h. Com os adolescentes são realizadas atividades de dinâmicas grupais, jogos interativos, discussões sobre temas diversos e passeios. Já com as crianças são trabalhadas propostas de socialização e aprendizagem através de atividades lúdicas. Para a realização do trabalho têm-se como suporte teórico-metodológico as ideias de Bleger 1e Baremblitt2, dentre outros autores do campo da Psicologia Institucional e Comunitária. Como resultados para adolescentes e crianças que participam dos grupos destacam-se: o aumento do grupo de amizades, uma vez que compartilham objetivos e interesses; melhora da autoestima e aprendizagem de outras formas de lidar com conflitos. Como estagiaria, o resultado é a aprendizagem com relação à coordenação de grupos de convivência.




1 Bleger, J. (1989). Psico-higiene e psicologia institucional. 2º Ed. Porto Alegre: Artes Médicas.


2 Baremblit, G. (1992) Compêndio de análise institucional e outras correntes: teoria e prática. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos.




Compartilhe com seus amigos:


©psicod.org 2017
enviar mensagem

    Página principal