Olhares da História 2 Brasil e mundo



Baixar 3,11 Mb.
Página593/678
Encontro01.06.2019
Tamanho3,11 Mb.
1   ...   589   590   591   592   593   594   595   596   ...   678
Pratique

2 a) Porque, para esse historiador, a Revolução Industrial não deve ser analisada tendo-se em vista somente o que ela acrescentou ou subtraiu aos indivíduos; ela deve ser analisada como um processo social bastante complexo, que resultou em transformações profundas nas sociedades e na vida dos indivíduos.

b) Com a industrialização, a antiga organização corporativa da produção utilizada pelos artesãos foi eliminada, dando lugar a uma forma de relação entre os donos dos meios de produção, por um lado, e os trabalhadores assalariados, por outro. A especialização no trabalho ganhou espaço: nas fábricas, um operário passaria a ser responsável por apenas uma das etapas da produção, desconhecendo as demais etapas e os outros procedimentos. O artesão da Idade Média era, ao contrário, responsável por todas as etapas da produção.

c) Com base nos estudos e nos conhecimentos que os alunos possuem a respeito da produção industrial, tanto do passado como do presente, é esperado que apontem que o trabalho realizado pelos operários modernos passou a se caracterizar pela agilidade. Uma pessoa, sozinha, não era mais responsável por todas as etapas da produção. Adam Smith, em sua obra A riqueza das nações, publicada em 1776, descreve de maneira bastante informativa o processo de produção de alfinetes no cenário industrial. Smith dizia que, nas fábricas, dez operários, dividindo o trabalho de produção de alfinetes (cada um responsável por uma etapa), produziriam em um dia 48 mil alfinetes. Já numa produção artesanal, um artesão sozinho produziria vinte alfinetes em um dia. Pelos cálculos de Adam Smith, isso significaria apenas duzentos alfinetes produzidos por dez artesãos em um dia.




Compartilhe com seus amigos:
1   ...   589   590   591   592   593   594   595   596   ...   678


©psicod.org 2019
enviar mensagem

    Página principal