Olhares da História 2 Brasil e mundo



Baixar 3,11 Mb.
Página485/678
Encontro01.06.2019
Tamanho3,11 Mb.
1   ...   481   482   483   484   485   486   487   488   ...   678
Comentários e respostas

Atividades

Retome

1 a) Na época da chegada de Cabral às terras da América, o governo de Portugal ainda dirigia seus recursos financeiros para o comércio com o Oriente. Além disso, os portugueses não encontraram de imediato, nas terras da América, metais preciosos ou outras grandes riquezas que pudessem ser exploradas rapidamente.

b) Até cerca de 1530, a Coroa portuguesa enviou algumas expedições às terras americanas. Uma delas confirmou a existência do pau-brasil, que passou a ser explorado com o trabalho dos indígenas. Outra organizou e fundou feitorias no litoral fluminense. As feitorias não só serviam para armazenagem de produtos extraídos, como protegiam as terras de possíveis invasores estrangeiros.

c) Naquele momento, o comércio lucrativo que os portugueses realizavam com o Oriente começava a entrar em crise. Além disso, a ameaça de invasões de outros exploradores europeus às áreas da América ocupadas pela Coroa portuguesa fez com que ela desse início, efetivamente, ao seu projeto de colonização.

2 a) Naquela ocasião, comemoravam-se os 500 anos de "descobrimento" das terras que hoje compreendem o Brasil. b) Diversos povos indígenas, em 2000, apresentavam uma visão bastante crítica a respeito das comemorações oficiais dos 500 anos de Brasil: para eles, o que estava sendo comemorado não representava um "descobrimento", e, sim, um processo de dominação. A chegada dos portugueses a estas terras representava (e ainda representa), para os indígenas, o início de um complexo processo de dominação cultural, social, política e econômica que marcou para sempre sua história. É provável que a maior parte dos alunos não tenha nenhum conhecimento sobre os eventos ocorridos no ano de 2000 no país em que vivemos. Seria interessante compartilhar com eles algumas notícias e relatos sobre os diversos movimentos de crítica, protagonizados pelos indígenas, à comemoração dos 500 anos. Naquela ocasião, lideranças indígenas, bem como homens, mulheres e jovens das mais variadas etnias indígenas do Brasil, expressavam o desejo de recontar sua história, sem a necessidade de mantê-la atrelada exclusivamente à trajetória da formação do Brasil a partir da chegada dos portugueses. O que já se dizia, à época, é que o Brasil possuía muito mais que 500 anos de história, pois os indígenas ocupavam esse território havia muito tempo.

318

c) De algum modo, sim. O último parágrafo do trecho de reportagem diz que os indígenas Pataxó pretendiam erguer, na praia de Coroa Vermelha, um monumento formado pelo mapa da América do Sul e sobre ele a escultura de um casal indígena; já os representantes da comemoração "oficial" desejavam construir no mesmo local um monumento na forma de uma caravela. Ideologicamente, cada monumento passa uma mensagem muito forte: por um lado, o casal indígena representaria os antigos donos destas terras, e até mesmo a fertilidade, a herança social e cultural indígena. De outro, a caravela representaria a chegada dos portugueses à América e a dominação da população local.



3 a) O sistema de capitanias hereditárias consistia na doação de faixas de terra aos capitães-donatários. Essa doação era regulamentada e organizada por documentos: a Carta de Doação e os forais.

b) Entre as atribuições e os direitos dos donatários estavam a nomeação de funcionários, a fundação de vilas, a distribuição de sesmarias, a aplicação da justiça, a arrecadação de impostos e a defesa de suas terras. Além disso, eles deveriam fazer com que o estanco (monopólio real do pau-brasil) fosse cumprido. Essas funções se relacionam diretamente com o projeto de colonização da América portuguesa: a ocupação efetiva das terras (distribuição de sesmarias e fundação de vilas) garantiria a posse de áreas cada vez maiores do território e era uma forma de expulsão dos povos indígenas desses locais; a aplicação da justiça reflete o desejo de transpor, para a América, a organização burocrática portuguesa; a defesa do estanco, por fim, traduz o principal interesse da Coroa naquele momento, a extração do pau-brasil.

c) Era o chamado governo-geral. Consistia em uma forma centralizada de governo, sobrepondo-se aos poderes dos donatários. Assim como os capitães-donatários, os governadores-gerais tinham poderes e atribuições. Entre eles, reprimir invasores estrangeiros, fundar povoações, incentivar o plantio de cana-de-açúcar e promover expedições para procurar metais preciosos.

4 Os estudiosos dão o nome de plantation ao padrão de exploração agrícola marcado pelo latifúndio monocultor, pela utilização do trabalho escravo e pela exportação da produção. Sim, a plantation servia perfeitamente aos interesses da Coroa portuguesa na América, já que sua intenção era explorar e extrair riquezas do território recém-conquistado de maneira eficaz e com o máximo de lucros. A plantation, com seu caráter monocultor, garantia não só o abastecimento de açúcar aos mercados estrangeiros, como faria com que todas as outras atividades econômicas da colônia girassem em torno de seu produto principal. A exportação da produção açucareira e o tráfico de escravizados também garantiram lucros elevados à metrópole.

5 Eles eram responsáveis por diversas etapas do comércio de açúcar: o transporte, o refino e a comercialização propriamente dita. É importante destacar que, após o refino do açúcar, o produto era comercializado nos mercados europeus por flamengos, holandeses e portugueses.

6 a) Um engenho era, de modo geral, constituído de áreas florestais e de plantações de cana-de-açúcar, bem como da casa-grande, da capela e da senzala. Comente que a moenda, a casa das caldeiras e a casa de purgar formavam a fábrica de açúcar, ou seja, o engenho propriamente dito.

b) Os africanos na condição de escravos, que eram responsáveis pela quase totalidade do trabalho na colônia, e as pessoas livres, que se dedicavam a atividades complementares nos engenhos e em alguns núcleos urbanos em formação. Entre as pessoas livres estavam comerciantes, artesãos, feitores, padres, militares, etc. No "topo" da sociedade açucareira estavam os senhores de engenho.






Compartilhe com seus amigos:
1   ...   481   482   483   484   485   486   487   488   ...   678


©psicod.org 2019
enviar mensagem

    Página principal