Olhares da História 2 Brasil e mundo



Baixar 3,11 Mb.
Página474/678
Encontro01.06.2019
Tamanho3,11 Mb.
1   ...   470   471   472   473   474   475   476   477   ...   678
Pratique

5 a) De acordo com o texto, entre as funções dos mapas, desde a Antiguidade, estão as seguintes: conhecer as áreas dominadas, conhecer as possibilidades de ampliação das fronteiras, demarcar territórios e representar a visão de mundo de determinado povo. O texto ainda considera que, "mais do que uma ferramenta de orientação e localização, os mapas se transformaram num recurso importante para a expansão das civilizações". É interessante que os alunos percebam que o trecho de reportagem defende a ideia de que os mapas não são neutros.

b) Para os autores da reportagem, a Cartografia não é algo neutro. Confeccionar um mapa não significa somente criar uma espécie de "guia" para localização ou orientação no espaço; significa, também, criar um documento que expressa os interesses, os anseios e os objetivos daqueles que o produziram. Desse modo, muitas vezes, um mapa não representa somente os acidentes do relevo, os caminhos, os recursos naturais, as estradas e as fronteiras. Ele representa as possibilidades de conquistas de territórios e os interesses econômicos, sociais e políticos que estão em jogo em determinada área.

c) Tanto os mapas como as chamadas cartas náuticas (documentos cartográficos que trazem a representação de áreas oceânicas, mares, rios, baías, lagos, etc.) produzidos à época das Grandes Navegações tinham, em sua essência, a missão de orientar os navegantes. Por isso, o caráter informativo dos mapas era extremamente útil. É importante considerar, porém, que aqueles mapas não eram "neutros", já que traziam dados a respeito de áreas novas, anteriormente desconhecidas dos europeus, que poderiam ser usados em uma eventual conquista ou colonização. O fato de mapear o litoral do continente africano, por exemplo, registrando as áreas em que havia exploração de ouro, ou as áreas com recursos naturais importantes, é indicativo do desejo de exploração de territórios, que veio a marcar a expansão marítima.

d) É provável que os alunos digam que, para eles, os mapas servem quase que exclusivamente como ferramentas que auxiliam a localização no espaço. Hoje, a relação entre os mapas e os usuários comuns tornou-se pessoal, já que qualquer indivíduo pode acessar mapas em seu smartphone, em seu tablet ou em seu computador. No entanto, pode-se pensar que, mesmo exercendo um caráter informativo nos meios digitais da atualidade, a Cartografia ainda pode ser considerada algo "não neutro". Por exemplo: ao fazer uma busca simples por uma rua ou um bairro em mapas na internet, podemos nos deparar com representações cartográficas que apresentam os estabelecimentos comerciais (lojas, restaurantes, etc.) existentes ao redor do endereço procurado, o que configura uma ação planejada de marketing. Além disso, ainda hoje os mapas podem servir como ferramentas legitimadoras de conquistas e de domínio de determinadas áreas.



6 a) Segundo o texto, informações como dados geográficos e dados de interesse mercantil a respeito das novas áreas eram levados para a Europa. A coleta de informações nas viagens marítimas e seu registro em forma de mapas ou de textos e, posteriormente, a chegada dessas informações à Europa, ou seja, às mãos dos governantes, são elementos indispensáveis à expansão marítima europeia.

314

Governantes e grupos mercantis estabelecidos na Europa deveriam ficar a par das novidades encontradas nas viagens e, a partir das informações recebidas, tomar decisões a respeito dos passos que dariam posteriormente.

b) Os dois textos se relacionam na medida em que tratam, de forma semelhante, das informações geográficas registradas em mapas e do uso dessas informações por alguém (algo que fortalece a hipótese de que a Cartografia não é uma ciência "neutra").




Compartilhe com seus amigos:
1   ...   470   471   472   473   474   475   476   477   ...   678


©psicod.org 2019
enviar mensagem

    Página principal