Olhares da História 2 Brasil e mundo


História, racismo e luta política



Baixar 0.8 Mb.
Página383/678
Encontro01.06.2019
Tamanho0.8 Mb.
1   ...   379   380   381   382   383   384   385   386   ...   678
História, racismo e luta política

Até sua morte, em 1986, Diop publicou diversos livros sobre história e cultura negras. Neles, criticava as concepções eurocêntricas e revelava novas evidências sobre a importância da África para o desenvolvimento da humanidade. Foi uma figura pública essencial à construção de uma identidade africana, baseada em pesquisas solidamente comprovadas.

O movimento pan-africanista, desde a década de 1930, impulsionou a afirmação de uma unidade africana e formulou críticas às visões racistas de alguns intelectuais europeus. Muitos ativistas eram poetas e escritores que se tornaram, posteriormente, líderes políticos nos seus países de origem.

Diop não produziu apenas uma crítica ideológica à dominação colonial, mas sistematizou uma teoria inovadora, fundamentada em vasta pesquisa histórica e arqueológica, que levou os especialistas europeus e norte-americanos a reconsiderarem a maioria de suas conclusões sobre o Egito antigo e, portanto, sobre a importância e a influência das culturas negras para a formação de civilizações mediterrâneas, como a greco-romana.

No trecho a seguir, Diop explica a importância da cultura egípcia para os povos africanos.

257

A estrutura da realeza africana, em que o rei é morto, real ou simbolicamente, depois de um reinado de duração variável - em torno de oito anos -, lembra a cerimônia de regeneração do faraó, através da festa de Sed. Os ritos de circuncisão já mencionados, o totemismo, as cosmogonias, a arquitetura, os instrumentos musicais, etc., também são reminiscências do Egito na cultura da África Negra. A Antiguidade egípcia é, para a cultura africana, o que é a Antiguidade greco-romana para a cultura ocidental. A constituição de um corpus de ciências humanas africanas deve ter isso como base.

DIOP, Cheikh Anta. Origem dos antigos egípcios. In: História Geral da África II. África Antiga. Editado por Gamal Mokhtar. 2. ed. Brasília: Unesco, 2010. p. 32.

A partir de vestígios arqueológicos, de esculturas e objetos antigos, Diop sintetizou suas conclusões sobre a origem negra (negroide) do povo egípcio e indicou que pessoas representadas como "brancas" (semitas ou indo-europeias) eram caracterizadas como estrangeiras ou prisioneiras.

[...] as representações dos homens do período proto-histórico, e mesmo do período dinástico, são absolutamente incompatíveis com a ideia de raça egípcia difundida entre os antropólogos ocidentais. Onde quer que o tipo racial autóctone esteja representado com alguma clareza, ele é nitidamente negroide. Em parte alguma elementos indo-europeus ou semitas são representados como homens livres, nem mesmo como cidadãos comuns a serviço de um chefe local. Eles aparecem invariavelmente como estrangeiros submetidos. As raras representações encontradas trazem sempre marcas inequívocas de cativeiro: mãos atadas atrás das costas ou amarradas sobre os ombros. Uma estatueta protodinástica representa um prisioneiro indo-europeu com uma longa trança, de joelhos e as mãos atadas ao corpo. As características do próprio objeto mostram que ele devia ser o pé de um móvel e representava uma raça conquistada. A representação é, com frequência, deliberadamente grotesca, como ocorre com outras figuras protodinásticas, mostrando indivíduos com o cabelo trançado à maneira que Petrie denomina rabo de porco (pigtail). Na tumba do rei Ka (I dinastia), em Abidos, Petrie encontrou uma plaqueta representando um indo-europeu cativo, acorrentado, com as mãos atrás das costas. Elliot-Smith acha que o indivíduo representado é um semita.

DIOP, Cheikh Anta. Origem dos antigos egípcios. In: História Geral da África II. África Antiga. 2. ed. Brasília: Unesco, 2010. p. 9.

LEGENDA: Escultura em ébano, gesso e ouro representando a rainha egípcia Tiye, esposa de Amenhotep III e mãe de Akhenaton, 18ª dinastia, cerca de 1403-1365 a.C.

FONTE: Werner Forman Archive/Bridgeman Images/Keystone Brasil/Museu Egípcio, Berlim, Alemanha.





Baixar 0.8 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   379   380   381   382   383   384   385   386   ...   678




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
Processo seletivo
ensino fundamental
ensino médio
terapia intensiva
Conselho nacional
minas gerais
oficial prefeitura
Curriculum vitae
Boletim oficial
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
saúde mental
educaçÃo infantil
direitos humanos
Centro universitário
educaçÃo física
Poder judiciário
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
Conselho regional
ensino aprendizagem
ciências humanas
políticas públicas
ResoluçÃo consepe
outras providências
secretaria municipal
catarina prefeitura
recursos humanos
Dispõe sobre
Conselho municipal
Colégio estadual
consentimento livre
psicologia programa
ministério público
conselho estadual
público federal
Serviço público