O senso e a consciência moral



Baixar 5,13 Kb.
Encontro04.12.2019
Tamanho5,13 Kb.

O SENSO E A CONSCIÊNCIA MORAL

(Elisabeth Simoni Fabro - CRTE - CETEPAR - Curitiba-Pr.)

Muitas vezes sentimos indignação diante da injustiça, assim como também sentimos responsabilidade quando ficamos sabendo sobre a pobreza ou a miséria e então participamos de campanhas, colaboramos em situações de precariedade num ato de solidariedade.

Outras vezes levados por algum impulso incontrolável como a emoção ou o medo, fazemos coisas que nos trazem arrependimentos, remorso, culpa ou vergonha; estes sentimentos traduzem o nosso senso moral.

Diante do cinismo dos mentirosos, dos que usam outras pessoas como instrumentos para seus interesses e para conseguirem vantagens à custa da boa-fé dos outros, ficamos indignados e sentimos cólera.

Se vivemos situações de angústia e de aflição, ou sabemos de pessoas que também sofrem desse mal, como por exemplo a questão do desemprego ou das irregularidades no ambiente de trabalho. Situações que enfrentamos que nos fazem manifestar nosso senso moral. As mais dramáticas ou menos dramáticas - surgem e nos trazem dúvidas quanto à decisão a tomar; não só exprimem nosso senso moral, mas também põem à prova nossa consciência moral, pois exigem decisões sobre o que fazer, justificativa para nossos atos, não só para acomodar a nossa consciência, mas também porque devemos assumir as conseqüência da decisão que tomamos, dos atos que praticamos e das proporções que estes possam alcançar em relação aos outros. Essa postura demonstra responsabilidade na nossa opção.



Assim podemos entender que o senso moral e a consciência moral referem-se a valores (justiça, honradez, espírito de sacrifício, integridade e generosidade).

Embora o conteúdo dos valores variem, podemos perceber que os sentimentos e as ações nascidos de uma opção entre o bom e o mal ou entre o bem e o mal estão referidos a algo mais profundo e isto significa que o nosso desejo de afastar a dor e o sofrimento e de alcançar a felicidade, seja por ficarmos tranqüilos com nossa consciência e por obtermos a aprovação das outras pessoas. Portanto dizem respeito às relações que mantemos com os outros, nascem e existem como parte da nossa vida intersubjetiva.


Compartilhe com seus amigos:


©psicod.org 2019
enviar mensagem

    Página principal