O normal e o patológico



Baixar 29 Kb.
Encontro03.06.2019
Tamanho29 Kb.

O normal e o patológico
O ser humano, em toda sua existência, sempre buscou o conceito das coisas que o cercava e dessa forma, mas não somente através dela, foi construindo o conjunto de saberes e conhecimentos científicos ou não que temos na atualidade. Consta do dicionário a seguinte definição para o verbete conceito: “1 Aquilo que o entendimento concebe. 2 Idéia, juízo, opinião” (ROCHA, Ruth Minidicionário da Língua Portuguesa, 13ª Ed, pag. 184) e disso decorre o fato de que conceitos podem ser dotados da subjetividade daquele ser que o formula. Não foge a isso o conceito de normalidade e patologia que se construiu ao longo dos anos e até hoje suscita polêmicas e debates sobre sua real importância e imprecisa definição, coisas que podem ser bem verificadas se pesquisarmos a fundo exemplos na história de humanidade: pessoas que foram condenadas loucas, sem ter havido, para tanto, motivo aparente; não indo longe, vemos exemplos nítidos em nosso querido país, como bem mostrou o filme “Bicho de 7 Cabeças”, no qual um adolescente é internado em um hospital psiquiátrico sem ter qualquer tipo de problema psíquico evidente (e mesmo que o tivesse, a internação ainda seria uma ‘alternativa’ dúbia e um tanto falha, é só lembrar que na semana em que este trabalho está sendo produzido, comemora-se a semana de luta antimanicomial).
O conceito de normal foi cunhado ao longo dos anos, dos séculos e em geral é usado para se referir a comportamentos que seguem a norma, o padrão, ou seja, aquilo que a sociedade elege como certo e correto; é um conceito claramente cultural e, de certa forma, quantitativo, pois seleciona aqueles comportamentos que são característicos da maioria e os elege certos, sendo, portanto, a minoria, o errado, o anormal. Essa definição se dá por oposição, uma vez que se estabelece aquilo que é (o conceito de normal) e, por contraposição, define-se aquilo que não é (conceito de normal), dessa forma, o patológico é visto como aquilo que se contraria ao normal; é esse conceito que a teoria psiquiátrica se propõe a defender e é colocado em xeque pelo Devereux, em seu livro: “Essais d'Ethnopsychiatrie Générale”.
Evidentemente, um conceito bastante frágil e dotado de inconsistências. No entanto, há outras definições e entendimentos acerca do que é normal e do que é patológico; como já dito, o homem busca o tempo todo conceituar e buscar definições para as coisas do mundo, relacionadas à vida, etc. e desse modo é que as diversas linhas teóricas e pensamentos dentro da Psicologia se dispuseram ao longo de seu desenvolvimento a elaborar também seus conceitos acerca da dicotomia da qual o presente texto aborda. Sendo assim, iremos encontrar menções sobre o tema no Behaviorismo de Skinner, na Gestalt, na Psicanálise de Freud, no Estruturalismo, enfim, na Psicologia como um todo.
Está claro, pois, que a questão da normalidade e patologia (ou anormalidade) é uma questão ainda delicada e confusa. É nesses termos que o filme “Bicho de 7 Cabeças” se desenvolve. A história é centrada na família de Neto, adolescente que vive em uma família de estrutura frágil e complicada, mas não é esse o foco da discussão, talvez não numa esfera de maior ou de primeira ordem, mas a relevância está no fato de que a questão do normal e patológico surge quando o pai do Neto descobre no casaco dele um cigarro de maconha. A partir daí, um ciclo de acontecimentos converge, ocasionando sua internação em um hospital psiquiátrico. Isso explica o nome do filme e suscita novamente o debate acerca do que é normal e do que é patológico e como esse conceito é concebido na sociedade geral e no âmbito profissional da psicologia.
O pai de Neto, ao encontrar um cigarro de maconha no bolso do moletom de seu filho, toma uma decisão que se mostrou perigosa no decorrer do filme: internar o rapaz em um hospital psiquiátrico, decisão esta que tem apoio do resto da família (irmã, sobretudo ela, e a mãe, apesar de todo o sofrimento que ela demonstra ao compactuar com a internação do filho). Evidentemente, Neto estranha a internação e pede a todo momento que seja libertado daquele ambiente que para ele é estranho, inóspito, diferente. Não sendo atendido, tenta fugir na primeira oportunidade que lhe aparece, o que resulta em fracasso, dadas as condições físicas (dopado, cansado e frágil) em que se encontrava.
Passado algum tempo no hospital psiquiátrico e, portanto, ter vivido experiências confusas e conturbadas ali, Neto é tirado de lá por seu pai. Contudo o rapaz passa a desenvolver comportamentos adversos: certo grau de melancolia, ansiedade, etc. O mais notável dá-se quando estava namorando uma garota e, de repente, quebra o espelho do local onde estavam. A partir daí, segue-se um conjunto de ações que culminam em uma nova internação do Neto.
É notável, no entanto, que Neto não apresenta o mesmo comportamento que tinha quando fora internado pela primeira vez: ele volta mais esperto, hábil e desafiador. Não tem mais aquela vontade de sair dali; é um comportamento que quase beira ao conformismo.
Por fim, esse comportamento quase-conformista diante da situação que lhe é imposta revela uma atitude surpreendente do Neto ao final do filme: o quase suicídio e o desenrolar do filme, culminando com o arrependimento do pai por ter sido tão ineficiente em relação à situação do filho.
Essas são algumas cenas do filme que deixam bem evidente a discussão normal X patológico. Até que ponto, o comportamento de Neto poderia ser considerado patológico, anormal, sendo necessária uma internação em um hospital psiquiátrico? O comportamento de Neto era normal? Em quais condições a internação torna-se uma medida necessária? Internações são, de fato, necessárias nesses casos?
De acordo com a linha teórica da Psicologia fundada por Skinner, a resposta para a maioria das indagações feitas acima seria não. É preciso, pois, entender o Behaviorismo, sobretudo o Radical (fundado por Skinner) para que se possa compreender o porquê do não às perguntas.
Skinner, bem como diversos teóricos dentro da Psicologia, preocupou-se em estudar e entender o funcionamento dos indivíduos, buscando a resposta para a pergunta: “Por que os organismos agem como agem?” Usando o repertório teórico do Behaviorismo de Watson, Skinner chega à conclusão de que o comportamento dos indivíduos é multideterminado a partir da interação daqueles com o ambiente, mas não de uma forma mecânica. Essa multideterminação deve-se ao fato de que, diferentemente do Behaviorismo watsoniano que se baseia unicamente no esquema S-R, Skinner elege o esquema S-R-C para explicar sua teoria, ou seja, o comportamento, também, pode ser condicionado, ‘programado’ diante de um dado evento.
Sendo assim, para o Behaviorismo Radical, a dicotomia que se estabelece entre o que é normal e o que é patológico perde seu sentido original, uma vez que para essa linha teórica o comportamento é multideterminado, transformando-se de acordo com as contingências do ambiente (tudo que interage com o organismo, segundo Skinner), ou seja, aquilo que aprendemos desde cedo chamar de anormal/patológico por ser diferente da norma, do padrão, para o Behaviorismo skinneriano não passa de um comportamento, também, normal, como qualquer outro que siga aqueles parâmetros de normalidade e aceitação impostos pela nossa cultura, que foi condicionado, adaptado a uma série de contingências resultantes de sua interação com o ambiente.
Nesse aspecto, verifica-se que no filme “Bicho de 7 Cabeças”, sobretudo nas quatro cenas extraídas e citadas acima, o Neto não apresenta qualquer comportamento que evidencie anormalidade e ou patologia, a ponto de ser necessária uma internação (e, aliás, como já citado, mesmo que apresentasse um comportamento tão destoante ao padrão, a internação seria um método bastante questionável e dúbio). No entanto, o filme serve para aquecer o debate sobre essas questões e de como uma decisão tomada de maneira errada ou irresponsável pode afetar a vida de um indivíduo. Antes de tentarmos estabelecer os parâmetros que definem a normalidade ou a anormalidade de um indivíduo, é preciso observar que a questão maior é que se está lidando com pessoas, com seres que existem além dos rótulos que lhe são impostos, que são tão normais quanto nós mesmos, ditos normais.

Baixar 29 Kb.

Compartilhe com seus amigos:




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino fundamental
Processo seletivo
ensino médio
Conselho nacional
minas gerais
terapia intensiva
oficial prefeitura
Curriculum vitae
Boletim oficial
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
Poder judiciário
educaçÃo física
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
Conselho regional
ensino aprendizagem
ciências humanas
secretaria municipal
outras providências
políticas públicas
catarina prefeitura
recursos humanos
Conselho municipal
Dispõe sobre
ResoluçÃo consepe
Colégio estadual
psicologia programa
consentimento livre
ministério público
público federal
extensão universitária
língua portuguesa