O efeito das primeiras Impressões



Baixar 14.89 Kb.
Encontro05.09.2018
Tamanho14.89 Kb.

O efeito das primeiras Impressões

A complexidade da formação das impressões decorre do seu carácter e da multiplicidade de factores intervenientes. Solomon Asch conduziu uma investigação em que apresentou a diversos sujeitos uma lista de características de uma pessoa. Em seguida, pediu-lhes que manifestassem a sua opinião acerca das pessoas e, apesar de as características serem as mesmas, avaliaram mais positivamente uma delas porque tinha as características positivas em primeiro lugar.

Concluiu-se que a primeira informação é a que tem maior influência sobres as nossas impressões. Portanto, a ordem com que conhecemos as características de uma pessoa não é indiferente para a formação de impressões sobre ela.

Estes estudos são importantes porque uma das primeiras impressões é a sua persistência, uma vez que mesmo que recebamos informações que contradizem a nossa impressão inicial, temos dificuldade em alterar as nossas convicções – rejeição a integrar informações.

na sua formação: as pessoas mais felizes criam impressões mais positivas que as que estão, normalmente, de mau humor.

Expectativas

Quando conhecemos alguém não nos ficamos apenas com a primeira imagem que resulta desse primeiro contacto: criamos expectativas que decorrem das características que apreendemos nesse encontro. A partir de alguns indicadores, prevemos o seu comportamento e as suas atitudes, isto é, desenvolvemos determinadas expectativas – modos de categorizar as pessoas através dos indício e das informações, prevendo o seu comportamento. As expectativas são mútuas, o outro com quem interagimos desenvolve, também, expectativas em relação a nós.

Neste processo estão envolvidas duas operações básicas: indução e dedução. É pela indução que passamos da percepção à inclusão da pessoa numa categoria. É pela dedução que, a partir do momento em que reconhecemos a categoria a que uma pessoa pertence, passamos a atribuir-lhe determinadas características. Tal como as impressões, as expectativas são facilitadoras da nossa leitura do mundo.

Tal como outros processos cognitivos, as expectativas formam-se no processo de socialização por influência dos nossos valores, crenças e história pessoal. A psicologia social dedica um grande interesse ao estudo das expectativas porque, em certa medida, nós comportamo-nos tendo em conta o que os outros esperam de nós.

Expectativas, Estatuto e Papel

Um exemplo muito claro da importância das expectativas na vida social é-nos dado pelas relações duradouras que se estabelecem entre pessoas como o marido e a mulher. Ao exercer funções respectivas, há um conjunto de expectativas mútuas que regulam essas relações.

A cada estatuto corresponde um papel, isto é, um conjunto de comportamentos que são esperados de um indivíduo com determinado estatuto – complementaridade entre estatuto e papel. Numa sociedade, os papéis sociais prescrevem todos um conjunto de comportamentos-padrão, de tal forma institucionalizados que os seus membros sabem quais as reacções que os seus comportamentos podem provocar – expectativa de conduta.

O efeito das Expectativas

Uma área que tem despertado interesse é a que estuda o efeito das expectativas dos professores relativamente aos alunos, e as suas consequências no processo de aprendizagem.

Robert Rosenthal desenvolveu uma experiência em que os professores foram convencidos de que determinada turma era muito desenvolvida a nível intelectual. Na verdade a turma era composta por elementos aleatórios que, quando foram avaliados, mostravam um rendimento académico superior aos restantes alunos. Numerosos estudos deste investigador mostraram que os professores com expectativas de bons resultados por parte de alguns alunos, tratam-nos de forma diferente. Em resposta, as crianças desenvolvem uma auto-imagem das suas capacidades escolares e trabalham mais – auto-realização das profecias. É o que alguns autores designam por efeito Pigmalião, isto é, as consequências que advêm do processo de profecia.

O efeito de Rosenthal – aprendizagem afectada pelas expectativas dos professores – tem três componentes:

. Os alunos em que os professores apostam tendem a ter bons resultados;

. Os alunos de quem não se esperam grandes resultados tendem a sair-se menos bem;

. Os alunos que fazem progressos, contrariando as expectativas, são vistos negativamente pelo professor.

Atitudes


É muito comum na linguagem corrente fazer equivaler o conceito de atitude ao de comportamento. Contudo, em psicologia social, o termo atitude tem um outro sentido e significado. Uma atitude é uma tendência para responder a um objecto social, de modo favorável ou desfavorável. Assim, não é um comportamento, mas sim um predisposição. Permitem-nos interpretar, organizar e processar as informações.

Componentes das atitudes

. Componente cognitiva – constituída pelo conjunto de ideias, de informações e crenças que se tem sobre um dado objecto social. É o que consideramos verdadeiro sobre o objecto.

. Componente afectiva – conjunto de valores e emoções, positivas ou negativas, relativamente ao objecto social.

. Componente comportamental – conjunto de reacções, de respostas, face ao objecto social. É uma disposição para agir

É a partir de uma informação ou convicção (cognitiva), a que se atribui um sentimento (afectiva), que desenvolvo um conjunto de comportamentos (comportamental).

EXEMPLO

Uma atitude negativa de uma pessoa relativamente ao tabaco pode basear-se numa crença de que há uma relação entre o tabagismo e o cancro de pulmão (cognitiva). Essa pessoa não gosta do fumo e experimenta sentimentos desagradáveis em ambientes de fumadores (afectiva). A esta atitude estão frequentemente associados comportamentos como não fumar e convencer os outros a não fumar.



Atitudes e Comportamento

As atitudes não são directamente observáveis: inferem-se por comportamentos. Também é possível, a partir de um comportamento, inferir a atitude que esteve na sua origem. Por outro lado, as reacções de uma pessoa face a uma situação podem permitir prever a atitude que lhe está subjacente.

É mais provável uma atitude afectar um comportamento quando esta é forte, relativamente estável, relevante para o comportamento, importante e facilmente retida pela memória. As atitudes baseadas em experiências indirectas, como ter ouvido falar, têm menos influência no comportamento que as baseadas na experiência directa.

Formação e mudança de Atitudes

As atitudes formam-se e aprendem-se no processo de socialização, no meio social onde estamos inseridos.

Agentes sociais – responsáveis pela formação de atitudes – pais e família, escola, grupo de pares e os media. Os pais são como modelos com os quais as crianças se tentam identificar.

Actualmente os media têm muita influência na formação de novas atitudes e reforço das que já existem, tudo isto através de publicidade, telenovelas e filmes. É através da observação, identificação e imitação dos modelos que se aprendem, que se formam atitudes. Esta aprendizagem ocorre ao longo da vida, mas tem particular prevalência na infância e adolescência. Isto não significa que depois destas idades as atitudes não possam mudar. Há, no entanto, uma tendência para a estabilidade das atitudes. As experiências vividas pelo próprio podem conduzir à alteração das atitudes.

Dissonância Cognitiva



Leon Festiger, psicólogo social, levou a cabo uma investigação a partir da qual elaborou a teoria da dissonância cognitiva. Sempre que uma informação ou acontecimento contradiz o sistema de representações, as convicções, a atitude de uma pessoa, gera-se um mal-estar e uma inquietação que têm de ser resolvidos: ou se muda o sistema, ou se reinterpreta a informação que o contradiz, ou se reformulam as crenças.

A dissonância cognitiva é um sentimento desagradável que pode ocorrer quando uma pessoa sustenta duas atitudes que se opõem. Por exemplo, uma pessoa gosta de fumar, mas sabe que isso lhe faz mal, está, então, perante uma dissonância cognitiva que lhe pode provocar angústia e inquietação.

Baixar 14.89 Kb.

Compartilhe com seus amigos:




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino fundamental
ensino médio
Processo seletivo
minas gerais
Conselho nacional
terapia intensiva
Curriculum vitae
oficial prefeitura
Boletim oficial
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
Poder judiciário
educaçÃo física
saúde conselho
assistência social
santa maria
Excelentíssimo senhor
Conselho regional
Atividade estruturada
ciências humanas
políticas públicas
outras providências
catarina prefeitura
ensino aprendizagem
secretaria municipal
Dispõe sobre
Conselho municipal
recursos humanos
Colégio estadual
consentimento livre
ResoluçÃo consepe
psicologia programa
ministério público
língua portuguesa
público federal
Corte interamericana