O efeito da educaçÃo na reduçÃo da criminalidade stephen Machin, Olivier Marie e Suncica Vujic'



Baixar 1,32 Mb.
Página4/10
Encontro17.10.2018
Tamanho1,32 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10
Exemplo de Estimativas de Associações entre Criminalidade e Educação


Dados

Descrição

Criminalidade

Educação

Homens

entre 18 e 40 anos



Mulheres entre 18 e 40 anos



















Offenders Index

Database, Inglaterra e País de Gales


Comparou dados do OID sobre condenações com dados da GHS sobre educação por idade e ano, 1972-1996*

Log (condenações por 1.000 habitantes)

Sem qualificações
Idade da saída do sistema educacional

0,40

(0,09)


-0,21

(0,03)


-0,04

(0,18)


-0,19

(0,07)




















Censo


Amostra individual 3%,



Taxa de aprisionamento

Sem qualificações

1,61

(0,06)


[0,60]

1,72

(0,30)


[0,04]



















British Crime Survey

Dados autorrelatados




Já foi preso

Já compareceu em juízo na condição de réu



Sem qualificações

Sem qualificações



0,84

(0,08)


[15.90]
0,90

(0,07)


[12,70]

1,13

(0,10)


[7,30]
1,01

(0,10)


[3,90]

Observações. *Coeficientes de regressão dos mínimos quadrados ponderados da população relatada (erros padrão entre parênteses). O tamanho da amostra é de 410 células idade-ano para homens entre 18 e 40 anos e mulheres entre 18 e 40 anos. Inclui variáveis ​​de controle GHS (proporção nascidos britânicos, proporção empregados, proporção não-brancos, proporção vivendo em Londres);

Fonte. Censo de 2001, direitos autorais CAMS (c) da Coroa. Coeficientes logit relatados (erros padrão entre parênteses, efeitos marginais x 100 entre colchetes). O tamanho da amostra é de 278.831 homens e 212.197 mulheres. As especificações incluem um conjunto completo de dummy de idade, 15 dummies de país de nascimento, dummies de não-brancos, 5 dummies de estado civil, dummy de nunca trabalhou, dummies de país de residência; ‡ coeficientes logit relatados (erros padrão entre parênteses, efeitos marginais x 100 entre colchetes). Com base nas British Crime Surveys 2001/2-2007/8 agrupadas. O tamanho da amostra de já foi preso é de 6.526 homens e 8.073 mulheres. O tamanho da amostra de já compareceu em juízo na condição de réu é de 9.837 homens e 12.252 mulheres. As perguntas feitas foram exatamente: ‘Alguma vez você já foi preso pela polícia por algum motivo?’ e ‘Você já compareceu em juízo na condição de pessoa ACUSADA de cometer um crime?’ As especificações incluem um conjunto completo de dummies de idade e ano. Ver Machin et al. (2010) para mais detalhes.

1.3. A reforma na Idade de Saída do Sistema Educacional

A identificação de um impacto causal sobre o crime é gerada a partir de um aumento na idade do ensino obrigatório que afetou jovens de 15 anos na Inglaterra e no País de Gales no início da década de 1970. Seguindo a abordagem de Lochner e Morettis (2004), que explora as mudanças na lei do ensino obrigatório nos estados dos EUA, utilizamos o aumento da idade da

escolaridade obrigatória de 15 para 16 anos que entrou em vigor na Inglaterra e no País de Gales em setembro de 1972 (afetando a coorte de crianças que concluíram os estudos em 1973) como uma variável instrumental em nossa análise empírica.6





Figura 1. Descontinuidades na Educação Depois do Aumento da Idade da Escolaridade Obrigatória.



(a) Sem Qualificações Educacionais; (b) Idade de Saída do Sistema Educacional

Observações. Com base em dados da General Household Survey de 1972 a 1996, de homens entre 18 e 40 anos. As linhas denotam suave polinômio ponderado do kernel ajustado aos pontos de dados antes e depois da descontinuidade denotada pela linha vertical. A área em cinza é o intervalo de confiança de 95%.


6 Houve um primeiro aumento na idade do ensino obrigatório de 14 para 15 anos que entrou em vigor em abril de 1947. Este fato e (com menos frequência) a lei que enfocamos neste estudo foram considerados em uma literatura eemergente na área de economia do trabalho e da saúde. O enfoque de Harmon e Walker (1995) e Oreopoulos (2006) é no impacto causal da educação sobre a renda (ver também a forte crítica de Devereux e Harts (2010) ao documento de Oreopoulos). Galindo-Rueda (2003), Chevalier (2004) e Chevalier et al. (2005) consideraram o efeito da renda dos pais na educação de seus filhos. Oreopoulos (2007), Doyle et al. (2007) e Lindeboom et al. (2009) examinam o impacto da educação sobre a saúde. Somos os primeiros a considerar as reformas na idade do ensino obrigatório na Inglaterra e no País de Gales para estudar o impacto causal da educação na criminalidade. Na realidade, não dispomos de dados suficientes sobre a participação de jovens na criminalidade antes e depois do aumento da idade da escolaridade obrigatória de 1947, e por esta razão podemos considerar apenas a lei de 1972.

O aumento da idade da escolaridade obrigatória gera uma descontinuidade nas políticas educacionais na época em que a reforma foi implementada. Na próxima Seção do artigo, demonstraremos os resultados de uma análise empírica das relações entre a mudança na lei, criminalidade e educação utilizando variáveis ​​instrumentais (IV, na sigla em inglês) e métodos de descontinuidade de regressão (RD, na sigla em inglês). No entanto, antes de passarmos a este ponto, ilustraremos primeiro as descontinuidades induzidas pela reforma. A Figura 1 utiliza dados da GHS para demonstrar a idade média da saída do sistema educacional e a proporção da variável sem qualificações educacionais para homens entre 18 e 40 anos nascidos entre 1950 e 1965. A linha vertical na Figura 1 mostra o momento da mudança na lei. Há uma queda muito clara e marcante na proporção da variável sem qualificações educacionais na Figura superior e um aumento acentuado na idade média da saída do sistema educacional na Figura 2. Evidentemente houve uma grande descontinuidade nos resultados educacionais induzida pela mudança na lei. A natureza de não-sobreposição dos intervalos de confiança antes e depois da descontinuidade na Figura 1 revela que as mudanças foram, de forma clara, estatisticamente significativas. A Figura 2 também revela uma queda acentuada na taxa de condenação no OID para homens que abandonaram a escola após a referida reforma. Há uma queda muito clara e redução distinta na taxa de condenação (definida nos Dados do Apêndice A) em descontinuidade, após o que cresce a tendência em condenações. A existência de descontinuidades claras e significativas tanto em criminalidade quanto em educação é altamente sugestiva de um impacto causal, cujo tema e detalhes exploraremos, de forma empírica, a seguir.



Figura 2. Descontinuidades em Criminalidade Depois do Aumento da Idade da Escolaridade Obrigatória

Observações. Com base nos Offenders Index Data de 1972 a 1996, de homens entre 18 e 40 anos. O gráfico revela resíduos oriundos de regressão da taxa de criminalidade por 1.000 habitantes masculinos destendenciada a partir de um modelo contendo controles da GHS (proporção nascidos britânicos, proporção empregados, proporção não-brancos e proporção vivendo em Londres), dummy de ano e idade. As linhas denotam suave polinômio ponderado do kernel ajustado aos pontos de dados antes e depois da descontinuidade denotada pela linha vertical. A área em cinza é o intervalo de confiança de 95%.




Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10


©psicod.org 2017
enviar mensagem

    Página principal