O efeito da educaçÃo na reduçÃo da criminalidade stephen Machin, Olivier Marie e Suncica Vujic'



Baixar 1,32 Mb.
Página1/10
Encontro17.10.2018
Tamanho1,32 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   10


O EFEITO DA EDUCAÇÃO NA REDUÇÃO DA CRIMINALIDADE*
Stephen Machin, Olivier Marie e Suncica Vujic'
Neste artigo, estudamos o potencial da educação na redução da criminalidade, apresentando estimativas estatísticas causais com base em uma lei que mudou a idade do ensino obrigatório na Inglaterra e no País de Gales. Estruturamos a análise em uma configuração de regressão-descontinuidade e descobrimos reduções significativas nos crimes contra o patrimônio a partir de reduções na proporção de pessoas sem qualificações educacionais e aumento na idade de saída do sistema educacional que resultaram da mudança na lei. As conclusões revelam que melhorar a educação pode render benefícios sociais significativos e pode ser uma ferramenta política fundamental no esforço para reduzir a criminalidade.
A redução da criminalidade é prioridade na agenda política pública, não apenas em virtude dos grandes benefícios econômicos e sociais proporcionados. Na verdade, pesquisas sobre as determinantes da criminalidade apontam em várias direções de como a redução da criminalidade pode ser alavancada. Um número significativo de pesquisas realizadas por cientistas sociais avalia o potencial de gastos com recursos para combater o crime (como aumento da presença de polícia, ou novas tecnologias de combate ao crime), ou com políticas específicas para combater o crime.1 Outros trabalhos se concentram mais nas características de criminosos e investigam quais as características que estão mais associadas à elevada participação criminal. Neste último caso, políticas que visam tais características, se implementadas com sucesso, podem ser utilizadas para combater o crime.

* Autor correspondente: Suncica Vujic, Departamento de Administração, da London School of Economics, Houghton Street, London WC2A 2AE, UK. Email: s.vujic@lse.ac.uk. 


Esta é uma versão profundamente revisada de Machin et al. (2010). Machin e Vujic agradecem ao Economic and Social Research Council pela doação RES-000-22-0568 para financiamento da pesquisa. Marie agradece à Executive Research Agency da União Europeia pela doação Marie Curie IEF número 252572. São extremamente gratos pelo apoio do Office for National Statistics – ONS (e do General Register Office for Scotland e da Northern Ireland Statistical Research Agency, quando pertinente), do Center for Complex Systems Research CCSR e do Census of Population Programme do Economic and Social Research Council – ESRC / Joint Information Systems Committee – JISC. Os autores são os únicos responsáveis ​​pela interpretação dos dados. A Coroa é detentora dos direitos autorais sobre os dados do Censo e sua reprodução tem a permissão do Controlador do Her Majesty's Stationery Office – HMSO e da Queens Printer for Scotland. Comentários oportunos foram recebidos de Brian Bell, Lance Lochner, dois árbitros e participantes de inúmeros seminários e conferências.

Trata-se de um artigo de acesso aberto sob os termos da Creative Commons Attribution License, que permite o uso, a distribuição e reprodução em qualquer meio, desde que a obra original seja devidamente citada.


Nota de Correção: Este artigo foi inicialmente publicado on-line em 12 de maio de 2011, sob uma licença de publicação por assinatura. Desde então o artigo está disponível on-line, e a declaração de direitos autorais assim como a licença foram atualizadas em agosto de 2014.

1 Evidências no Reino Unido sobre a relação entre crime e a polícia (no contexto dos ataques terroristas de julho/2005 ocorridos em Londres) são apresentadas em Draca et al. (2011) e evidências da redução da criminalidade a partir de uma política específica (Street Crime Initiative) constam de Machin e Marie (no prelo).

Neste artigo, nos concentramos em uma dessas características que despertou a atenção na literatura sobre ciências sociais quantitativa a respeito das determinantes da criminalidade, ou seja, a educação. Nessa literatura, há um número (relativamente pequeno) de trabalhos que tentam estabelecer uma conexão causal entre criminalidade e educação (particularmente, o papel seminal de Lochner e Moretti, 2004) e uma vasta literatura a partir de vários segmentos dentro das ciências sociais que não o faz.2 Uma desvantagem associada a quase todos esses últimos trabalhos é que é difícil determinar se a direção da causa flui da educação para a criminalidade (e não ao contrário). Isso, é claro, é de fundamental importância, se o objetivo é identificar respostas políticas adequadas para resultados empíricos.

Nosso foco é analisar de forma empírica o potencial da educação na redução da criminalidade e, neste sentido, apresentamos evidências estatísticas causais com base em uma lei que mudou a idade do ensino obrigatório na Inglaterra e no País de Gales. Como o aumento da idade do ensino obrigatório gerou aumentos acentuados na educação para as pessoas afetadas, estruturamos nossa análise em uma configuração regressão-descontinuidade levando em consideração coortes de nascimento, pouco antes e depois da alteração na lei. Demonstramos que houve redução significativa de crime contra patrimônio, fato que é associado à educação adicional que a população recebeu (ou foi forçada a receber) a partir do aumento na idade do ensino obrigatório. As implicações destes resultados são claras. Não apenas revelam que melhorar os níveis de educação e realização de indivíduos que de outra forma estariam expostos à participação no crime pode atuar como uma ferramenta política fundamental no esforço para reduzir a criminalidade, mas também que essas melhorias na educação podem render benefícios sociais consideráveis.

O restante do artigo está organizado da seguinte forma. A Seção 1 oferece uma breve discussão sobre os fundamentos teóricos a respeito da relação entre educação e criminalidade, descreve as fontes de dados utilizadas, revela algumas evidências descritivas sobre a associação entre criminalidade e educação e discute a reforma na idade do ensino obrigatório pertinente ao nosso estudo. A Seção 2 descreve as estratégias empíricas que implementamos e apresenta os resultados, juntamente com um cálculo dos benefícios sociais que decorrem do efeito da educação na estimativa de redução da criminalidade. As observações finais são feitas na última Seção do artigo.






Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   10


©psicod.org 2017
enviar mensagem

    Página principal