Novas práticas de atenção ao parto e os desafios para a humanização da assistência nas regiões sul e sudeste do Brasil



Baixar 84,92 Kb.
Página7/7
Encontro01.12.2019
Tamanho84,92 Kb.
1   2   3   4   5   6   7
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1 – Patah LEM, Malik AM. Modelos de assistência ao parto e taxa de cesárea em diferentes países. Rev Saúde Pública 2011; 45(1):186-194.


2 - Barros FC, Vaugham JP, Victora CG. Why so many caesarean sections? The need for a further policy change in Brazil. Health Policy Plan 1986; 1(1):19-29.

3 - Barbosa GP, Giffin K, Angulo-Tuesta A, Gama AS, Chor D, D’Orsi E, Reis ACGV. Parto cesáreo: quem o deseja? Em quais circunstâncias? Cad Saúde Pública 2003; 19(6):1611-1620.


4 – Bergholt T, Ostberg B, Legarth J, Weber T. Danish obstetricians personal preference and general attitude to elective cesarean section on maternal request: A nation-wide postal survey. Acta Obstet Gynecol Scand 2004; 83(3):262-266.
5 - Lurie S. The changing motives of cesarean section: from the ancient world to the twenty-first century. Arch Gynecol Obstet 2005; 271 (4):281-285.
6 – ANS Online: Novos modelos de atenção ao parto. Qualidade da Saúde. Disponível em: http://www.ans.gov.br/aans/noticias-ans/qualidade-da-saude/2734-novos-modelos-de-atencao-ao-parto. Acessado em 10 de novembro de 2015.
7 - Rattner D. Humanização na atenção a nascimentos e partos: breve referencial teórico. Interface – Comunic Saúde Educ 2009; 13(1): 595-602.

8 - Dias MAB, Domingues R. Desafios na implantação de uma política de humanização da assistência hospitalar ao parto. Cien Saude Colet 2005; 10(3):699-705.


9 - Borges MR, Madeira LM, Azevedo VMGO. As práticas integrativas e complementares na atenção à saúde da mulher: uma estratégia de humanização da assistência no Hospital Sofia Feldman. Rev Min Enferm 2011; 15(1):105-113.
10 - Machado NXS, Praça NS. Centro de parto normal e assistência obstétrica centrada nas necessidades da parturiente. Rev Esc Enferm USP 2006; 40(2):274-279.
11 - Schmidt N, Abelsen B, Qian P. Deliveries in maternity homes in Norway: results from a 2 year prospective study. Acta Obstet Gynecol Scand 2002; 81:731-7.
12 - Jackson DJ, Lang JM, Swartz WH, Ganiats TG, Fullerton J, Ecker J, et al. Outcomes, safety, and resource utilization in a collaborative care birth center program Compared with traditional physician-based perinatal care. Am J Public Health 2003; 93:999-1006.
13 - Campos SEV, Lana FCF. Resultados da assistência ao parto no Centro de Parto Normal Dr. David Capistrano da Costa Filho em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cad Saúde Pública 2007; 23(6):1349-1359.
14 - Hodnett ED. Pain and women’s satisfaction with the experience of childbirth: a systematic review. Am J Obstet Gynecol 2002; 186(5):160-172.
15 – Puccini RF, Pedroso GC, Silva EMK, Araújo NS, Silva NN. Equidade na atenção pré-natal e ao parto em área da Região Metropolitana de São Paulo, 1996. Cad Saúde Pública 2003; 19(1):35-45.
16 - Neumann NA, Tanaka OU, Victora CG, Cesar JA. Qualidade e equidade da atenção ao pré-natal e ao Parto em Criciúma, Santa Catarina, Sul do Brasil. Rev Bras Epidemiol 2003; 6(4):307-318.
17 - Primo CC, Amorim MHC, Castro DS. Perfil Social e Obstétrico das Puérperas de uma Maternidade. Rev Enferm UERJ 2007; 15(2):161-167.
18 - Leite FMC, Barbosa TKO, Bravim LR, Amorim MHC, Primo CC. A influência das características socioeconômicas no perfil obstétrico de puérperas. Aquichan 2014; 14(4): 571-581.

19 - D'Orsi E, Chor D, Giffin K, Angulo-Tuesta A, Barbosa GP; Gama AS; Reis AC, Hartz Z. Qualidade da atenção ao parto em maternidades do Rio de Janeiro. Rev Saúde Pública 2005; 39(4):646-654.



20 - Marque FC, Dias IMV, Azevedo L. A Percepção da Equipe de Enfermagem sobre a Humanização do Parto e Nascimento. Esc Anna Nery Rev Enferm 2006; 10(3): 439 – 447.
21 - Nagahama EEI, Santiago SM. Práticas de atenção ao parto e os desafios para humanização do cuidado em dois hospitais vinculados ao Sistema Único de Saúde em município da Região Sul do Brasil. Cad Saúde Pública 2008; 24(8):1859-1868.
22 - Lopes RCS, Donelli TS, Lima CM, Piccinini CA. O Antes e o Depois: Expectativas e Experiências de Mães sobre o Parto. Psicologia: Reflexão e Crítica 2005; 18(2):247-254.
23 - Souza JP. Mortalidade materna e desenvolvi­mento: a transição obstétrica no Brasil. Rev Bras Ginecol Obstet 2013; 35(12):533–535.
24 - Resende LV, Rodrigues RN, Fonseca MC. Mortes maternas em Belo Horizonte, Brasil: percepções sobre qualidade da assistência e evitabilidade. Rev Panam Salud Publica 2015; 37(4/5):218–224.
25 - PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE. Bole­tim de Análise do Estado de Saúde da Popu­lação Residente de Belo Horizonte: análise dos indicadores do nível municipal ciclo de vida - gestante. Belo Horizonte: Prefeitura Municipal de Belo Horizonte 2011.
: uploads -> artigos
artigos -> Psicologia de orientaçÃo positiva: uma proposta de intervençÃo no trabalho com grupos em saúde mental
artigos -> A construçÃo da masculinidade
artigos -> Análise de Discurso: Potencialidades Investigativas para a Violência de Gênero
artigos -> Novos sentidos para a atuaçÃo do psicólogo no programa de saúde da família
artigos -> Título Completo
artigos -> Fatores associados à adesão à Terapia Antirretroviral em adultos: Revisão integrativa de literatura
artigos -> Crenças e influências sobre dietas de emagrecimento entre obesos de baixa renda
artigos -> O presente artigo descreve o perfil da violência de gênero na cidade de Mendes através da análise dos dados obtidos na leitura
artigos -> A construçÃo da masculinidade
artigos -> Gender inequalities in non communicable disease mortality in Brazil Desigualdades de gênero na mortalidade por doenças crônicas não transmissíveis no Brasil


Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7


©psicod.org 2019
enviar mensagem

    Página principal