Nome da Disciplina



Baixar 8,07 Kb.
Encontro15.06.2018
Tamanho8,07 Kb.

Nome da Disciplina:

LITERATURA PORTUGUESA: DIALOGISMO E HISTÓRIA NA NARRATIVA EM LÍNGUA PORTUGUESA

Semestre: 2010-2; nº de Créditos: 4 créditos

Professor Responsável: Regina Zilberman



Súmula

A literatura portuguesa desde a Idade Média tem como um de seus temas recorrentes a fundação do reino português por D. Afonso Henriques. Outros períodos da história lusitana, como a ascensão de D. João I ou as vitórias de tropas de Portugal sobre as das províncias espanholas, assumem igualmente caráter fundacional quando expostos por cronistas, historiadores, poetas e ficcionistas. Por sua vez, o processo inverso – como a invasão da Península Ibérica pelos maometanos ou a derrota de D. Sebastião I no Marrocos – é exposto como perda da autonomia ou decadência. Tais modalidades de narração implicam um silenciamento por rejeição ou negação, como, no primeiro caso, da herança ibérica, ou, no segundo, da herança árabe. As teses sobre linguagem de Walter Benjamin e as concepções de Sigmund Freud sobre luto, melancolia e trauma embasarão a análise do material literário.

Se, de uma parte, a literatura portuguesa se constrói enquanto diálogo com a história, manifestando acontecimentos tornados fundacionais ou silenciando o que é de natureza traumática, de outra, ela suscita uma troca de natureza intertextual com a produção brasileira. Para caracterizar esse processo será examinada a relação dialógica entre Eça de Queirós e Machado de Assis, com ênfase nos romances O crime do padre Amaro e O primo Basílio, do primeiro, e Memórias póstumas de Brás Cubas, do segundo. A teoria da linguagem de Mikhail Bakhtin fundamentará a análise das obras de Eça de Queirós e Machado de Assis.

leituras básicas:

ASSIS, Machado de. Crítica literária. São Paulo: Mérito, 1959.

ASSIS, Machado de. Memórias póstumas de Brás Cubas. São Paulo: Mérito, 1959.

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem. 13. ed. São Paulo: Hucitec, 2009.

BAKHTIN, Mikhail. Problemas da poética de Dostoievski. 4. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

BENJAMIN, Walter. A doutrina das semelhanças. In: Obras escolhidas: magia e técnica, arte e política. Vol. 1. São Paulo: Brasiliense, 1985.

BENJAMIN, Walter. Experiência e pobreza. In: Obras escolhidas: magia e técnica, arte e política. Vol. 1. São Paulo: Brasiliense, 1985.

BENJAMIN, Walter. On the mimetic faculty. In: Selected Writings. V. 2: 1927-1934; Cambridge and London: The Belknap Press of Harvard University Presss, 1999.

BENJAMIN, Walter. Problemas da sociologia da linguagem. In: Sobre arte, técnica, linguagem e política. Lisboa: Antropos, 1992.

BENJAMIN, Walter. Sobre a linguagem em geral e sobre a linguagem humana. In: Sobre arte, técnica, linguagem e política. Lisboa: Antropos, 1992.

CAMÕES, Luis de. Os Lusíadas. In: ___. Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2002.

FREUD, Sigmund. Além do princípio do prazer. In: ___. Obras psicológicas de Sigmund Freud. Escritos sobre a Psicologia do Inconsciente. Rio de Janeiro: Imago, 2006. V. II.

FREUD, Sigmund. Luto e melancolia. In: ___. Obras psicológicas de Sigmund Freud. Escritos sobre a Psicologia do Inconsciente. Rio de Janeiro: Imago, 2006. V. II.

HERCULANO, Alexandre. Eurico, o prestíbero. São Paulo: Ática, 1998.

HERCULANO, Alexandre. O bobo. São Paulo: Ática, 1998.

HERCULANO, Alexandre. O monge de Cister. Rio de Janeiro: Ediouro, s. d.

LEÃO, Duarte Nunes de. Primeira parte das crônicas dos reis de Portugal. Lisboa: Pedro Crasbeeck, 1600.

QUEIRÓS, Eça de. O crime do padre Amaro. Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2000.



QUEIRÓS, Eça de. O primo Basílio. Porto Alegre: L&PM, 1998.

SARAMAGO, José. História do cerco de Lisboa. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.


Compartilhe com seus amigos:


©psicod.org 2017
enviar mensagem

    Página principal