Natureza: Pedido de Reexame (Representação)



Baixar 66.32 Kb.
Página2/5
Encontro30.11.2019
Tamanho66.32 Kb.
1   2   3   4   5
6. Em consequência das irregularidades que não foram elididas, no que interessa ao presente recurso, a Segunda Câmara, por meio do Acórdão 2286/2013, deliberou:

9.1. com fundamento nos arts. 235 e 237, inciso III, do Regimento Interno/TCU, conhecer da presente Representação, para, no mérito, considerá- la parcialmente procedente;

9.2. aplicar, nos termos do art. 58, incisos II e III, da Lei n. 8.443/1992, multa a Sra. Heloiza Helena Mendonça Almeida Massanaro, no valor de R$ 10.000,00 (dez mil reais), fixando- lhe o prazo de 15 (quinze) dias, a contar da notificação, para que comprove, perante o Tribunal (art. 214, inciso III, alínea a, do RI/TCU), o recolhimento da dívida ao Tesouro Nacional, atualizada monetariamente a partir da data deste Acórdão até a data do efetivo recolhimento, se for paga após o vencimento, na forma da legislação em vigor;

(...)

7. Inconformada com o julgamento, a responsável ingressou com pedido de reexame, conforme Peça 29, p. 1 – 10.

EXAME DE ADMISSIBILIDADE

8. Reitera-se o exame de admissibilidade (peças 31 e 32), ratificado pelo Exmo. Ministro Relator Aroldo Cedraz (peça 34), que concedeu efeito suspensivo aos itens 9.2 e 9.3 do Acórdão 2.286/2013 – TCU – 2ª Câmara, eis que preenchidos os pressupostos recursais aplicáveis à espécie.

EXAME TÉCNICO

Ocorrência: “irregularidades na contratação do Instituto de Arquitetos do Brasil – GO (IAB-GO), com vistas à organização de concurso público de estudo preliminar de arquitetura no valor total de R$ 177.600,00, mediante inexigibilidade de licitação;”.

Argumento

9. Em resumo, expõe que o conjunto de fatos desencadeados a partir da contratação do IAB-GO é que: a) o fundamento da contratação é devidamente justificado pela documentação que instruiu a representação; b) Houve o apontamento de possíveis irregularidades no conjunto de atos do procedimento; c) O Conselho Federal determinou a anulação da contratação; d) imediatamente a gestora do CRP-09 decretou a nulidade do contrato; e) comunicou à contratada e lhe assegurou o devido processo legal; f) determinou a apresentação da prestação de contas e a restituição dos valores não executado no contrato; g) o IAB-GO cumpriu a determinação e devolveu o saldo não utilizado; h) remanesceu tão somente a divergência quanto a um dos itens da prestação de contas.

10. Destaca que não houve irregularidade na sua atuação, motivo pelo qual a sanção aplicada é descabida inadequada e injusta.

11. Considera injustiçada com essa penalidade, visto que o único ato de resguardo da coisa pública, que não foi evidentemente tomado pela então gestora, foi aquele determinado pela parte final do parágrafo único do art. 59 da Lei 8.666/1993, que assim determina:

Parágrafo único. A nulidade não exonera a Administração do dever de indenizar o contratado pelo que este houver executado até a data em que ela for declarada e por outros prejuízos regularmente comprovados, contanto que não lhe seja imputável, promovendo-se a responsabilidade de quem lhe deu causa.

12. Ressalta que a anulação se deu por questões de organização documental, ocorrência que não é de responsabilidade da recorrente. Nesse sentido, cita o Acórdão 4854/2010 – 2ª Câmara, onde o Relator transcreve trecho do Parecer do MP/TCU que opina no sentido de que não se pode imputar à Presidente do Conselho o dano apurado nos autos, quando houver a identificação dos responsáveis diretamente envolvidos no ilícito. Lembra, ainda, que naquele caso, a dirigente do Conselho teve a sua responsabilidade afastada.

13. Pede, ainda, a redução do valor da multa, considerando a baixíssima gravidade da conduta da então Presidente da entidade.

Análise

14. Não procede a afirmação da recorrente de que sua condenação cingiu-se “tão somente a divergência quanto a um dos itens da prestação de contas.” Aliás, em relação a esse ponto, é importante destacar que o Relator entendeu que embora houvesse dano ao erário, o valor era inferior ao limite mínimo fixado por este Tribunal para a instauração de tomada de contas especial (art. 6º, inciso I, da IN 71/2012), dispensando, por consequência, a instauração de tomada de contas especial.

15. Embora não se tenha perseguido a recuperação do dano causado ao erário por meio de TCE, os prejuízos identificados tiveram reflexos no julgamento do processo, posto que foram considerados atos antieconômicos.

16. Com se vê, a multa aplicada baseou em um conjunto de atos e não somente em ocorrências isoladas. Por exemplo, da contratação do Instituto de Arquitetos do Brasil, conforme assinalado no Voto que fundamentou o Acórdão recorrido, sobressai uma série de irregularidades:



Baixar 66.32 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino fundamental
ensino médio
Processo seletivo
minas gerais
Conselho nacional
terapia intensiva
Curriculum vitae
oficial prefeitura
Boletim oficial
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
Poder judiciário
educaçÃo física
saúde conselho
assistência social
santa maria
Excelentíssimo senhor
Conselho regional
Atividade estruturada
ciências humanas
políticas públicas
outras providências
catarina prefeitura
ensino aprendizagem
secretaria municipal
Dispõe sobre
Conselho municipal
recursos humanos
Colégio estadual
consentimento livre
ResoluçÃo consepe
psicologia programa
ministério público
língua portuguesa
público federal
Corte interamericana