Marcos Cabral Uso da Língua Tétum no ensino-aprendizagem do Português le na Universidade Nacional Timor Lorosa´e



Baixar 2,09 Mb.
Página43/44
Encontro21.06.2019
Tamanho2,09 Mb.
1   ...   36   37   38   39   40   41   42   43   44

Anexo 12: Transcrição 11


Ficheiro: Voz 39
E1: em primeiro lugar queria saber quais são as suas habilitações literárias?

Prof: as minhas habilitações literárias … eu já tirei o curso de licenciatura aqui na UNTL depois fiz a … o... a pós graduação e estou a seguir o mestrado aqui na UNTL

E2: em que área?

Prof: na área de língua portuguesa

E1: em que ano começou e conclui a sua formação académica?

Prof: conclui em 2005, mas só graduei em 2007 porque na altura era muito difícil a graduação e a universidade tinha que esperar todas as faculdades, então fazia de uma só vez agora já não, todos os noas duas vezes, mas na altura não porque nós tínhamos acabado o curso em 2005 mas só em 2007 que fomos graduados

E2: que conseguiram terminar a graduação

Prof: sim sim, em 2005 acabamos mas a graduação só foi em 2007

E2: e nessa altura já ensinava?

Prof: quer dizer antes de seguir aqui a licenciatura também já ensinava, dava cursos na altura trabalhava com com com em com o Instituto de Camões, Instituto de Camões, dava cursos por todos os lados, na altura quer dizer eramos quatro ou cinco quando abriram o Instituto de Camões eramos os primeiros a trabalhar com o Camões

E2: e esteve a dar aulas nessa altura?

Prof: eu já estava a dar aula

E2: mas onde em que áreas?

Prof: na área de polícia, polícia

E2: português para os polícias

Prof: para os polícias sim, para a enfermagem, e para os de da rádio timor […..], dava cursos a estes a estas pessoas sim

E1: Há quanto tempo leciona na UNTL, e a que níveis de escolaridade é que ensina aqui na UNTL?

Prof: desde 2005, 2005 como professor … convidado, mas depois em 2007, 2007 depois da graduação, na altura eu já era funcionário mas na instrução primária, funcionário de pois de 2007 eu fiz a transferência como funcionário para UNTL, não só eu mas também três colegas fizeram a transferência fomos transferidos da instrução primária para a UNTL, porque na altura estavam a precisar de professores que ensinassem a língua portuguesa

E2: o professor falava bem português era fluente aproveitou, a instrução primária também era em Díli?

Prof: aqui em Díli sim, uma escola chamada Marineira lá em baixo ao lado do campo de aviação

E1: a que níveis de escolaridade ensina?

Prof: porque, na escola primária ensinava alunos da escola primária, depois nos cursos vários cursos, há outros há uns que tem ensino secundário há outros que têm ensino pré-secundário, e todos juntos numa classe ensinava dava aula a esses...

E2: e aqui na UNTL?

Prof: aqui na UNTL no primeiro ano sim, também trabalhava na Fundação da Universidade portuguesa

E2: ah na FUP?

Prof: sim na FUP


E2: também trabalhei na FUP

E1: quais são as áreas disciplinares que ensina?

Prof: só ensinava português, só língua portuguesa

E2: sim, só língua portuguesa, quando é que parou de ensinar?

Prof: para?

E2: agora já não está a ensinar?

Prof: não, estou a ensinar, mas nas ciências sociais

E2: ah por isso é que estava a dizer que não estava aqui … porque veio de lá

[Risos]

Prof: da comunicação social



E2: sim já sei já me lembro, aqui não está, está sempre é na [Caicoli]

Prof: pois é, em Guetoli, porque na altura quando começou a comunicação social não havia professores que soubessem a língua portuguesa então puseram-me lá como diretor do departamento

E2: de comunicação social?

Prof: de comunicação social, depois de dois anos da nossa estadia aqui nesta faculdade, depois de dois anos, quando o novo reitor subiu, o ainda reitor, agora ex-reitor, o Dr. Aurélio, subiu então eles

chamou-me e disse-me então vocês estão aqui na faculdade de ciências de educação podiam estar ali na de ciências de sociais, agora vou mudar-vos para ciências sociais, e foi daí que nós fomos transferidos

E2: foi mais alguns colegas

Prof não era eu só

E2: ah sozinho

Prof: era eu e há outros professores que nos ajudavam por exemplo a Maria Madalena, e outros professores como o […..] na altura ainda ela ainda não era funcionário, não era funcionário, só agora é que é funcionário para ciências sociais

E2: e dá aulas de português para no curso de ciências sociais de comunicação social

prof: sim comunicação social sim

e2: há algum curso, agora por acaso anteriormente fizemos também uma entrevista ao professor ao professor doutor José Tabua, que está ali na secretária de estado na juventude e desporto, e ele perguntava-me perguntou-nos se havia algum curso de assistente social na faculdade de ciências sociais, onde o professor está a dar aulas, eu também estive, não existe pois não?

Prof: não não

E2: é que acho que querem criar uma licenciatura em assistência social

Prof: ainda não

E2: porque está relacionado com as ciências sociais, e ele estava a perguntar mas eu não tinha a certeza

Prof: ali só existe a comunicação social

E2: relações internacionais, eu também dei aulas de português a administração pública

Prof: sim sim

E2: não sei se tem mais algum curso

Prof: não

E2: relações internacionais, comunicação social, acho que são estes três

Prof: política publica, desenvolvimento comunitário

E2: desenvolvimento comunitário, ainda tem mais esses dois, ainda são alguns cursos

Prof: sim sim

E2: e é no primeiro ano que dá português à comunicação social?

Prof: sim é no primeiro ano
E2: eles só têm no primeiro ano?

Prof: só, deviam ter mais ainda, mas o currículo

E2: mais... pois é que o de relações internacionais só tem no primeiro ano, todos eles se calhar só têm no primeiro ano

Prof: só no primeiro ano, a língua portuguesa precisa muito

E2: principalmente nesses cursos não é?

Prof: mas pronto puseram só um ano fica só um ano

E2: tem turmas de muitos alunos, que eu vi

Prof: só no primeiro ano sessenta e tais alunos, agora este ano vamos receber sessenta e tal alunos

E2: o professor estava a dar aulas ao curso de relações internacionais quando eu cheguei à faculdade, por isso é que o professor me deu a sua turma

Prof: não, não eu dei a turma de administração pública

E2: administração pública é verdade, tinha muitos alunos, foi sem senhora, fui substitui-lo é verdade, agora é que me estou a lembrar

[RISOS]


E1: a senhora também não lembrou do nome do professor?

E2: não associei não, agora já percebi, pensei que fosse outra pessoa com o mesmo nome, porque eu sabia que o professor não estava aqui por isso nunca pensei que fosse ter a entrevista aqui, mas pronto

E1: é o professor que prepara os seus próprios materiais didáticos? em que se baseia?

Prof: sim, baseio nos conhecimentos, nos conhecimentos, nos livros que vieram de Portugal, como por exemplo a gramática, nós sempre utilizamos isso, mas embora algumas dificuldades .. pronto, nós sempre baseamos nos livros de Portugal e na nossa na nossa experiência de vida, experiência de vida

E1: utiliza algum manual didático ou apoia-se em alguma ferramenta de ensino para dar as suas aulas?

E2: se utiliza alguma ferramenta? Ali na faculdade de ciências sociais não há muitos materiais para utilizar se calhar, para usar

Prof: não há muito com certeza, muito menos ainda ah livros de português

E2: projetores e assim

Prof: projetores sim, mas há muitas vezes que há sempre falhas nos projetores, então nós escrevemos no quadro ou então fazemos ditados por exemplo aos alunos, eles escreviam embora tenham muitas dificuldades mas pronto podem lá escrever alguma coisa

E1: quais são as maiores dificuldades que encontra a ensinar português?

Prof: a maior dificuldade que nós encontramos … nos alunos principalmente sobre a conjugação dos verbos, esta é a maior dificuldade, outra dificuldade é a escrita, a escrita, porque complicam com o tétum, porque no tétum há palavras portuguesas que nós emprestamos e esses muitas vezes nós fazemos ditamos em português mas eles escreviam em tétum porque não conhecem como se deve escrever a palavra então erram muito a a... no.. na escrita além disso principalmente os verbos nos tempos, não conseguem definir ou decifrar qual é o tempo presente, passado e o futuro, então eles misturam tudo, principalmente quando queremos referir uma coisa no futuro confundem e sempre fazem esses erros

E1:considera que conhecer a língua tétum pode ser um facto fulcral no processo do ensino e aprendizagem do português?

Prof: quer dizer a língua tétum, precisamente a língua língua tétum tétum Bahasa existe muitas palavras portuguesas, portanto eu não digo que o tétum por exemplo é um obstáculo mas talvez o tétum ajuda a compreender mais a lição porque não compreendendo em português nós podemos explicar em tétum e então os alunos podem compreender através da nossa explicação, às vezes eles têm dificuldades por exemplo na escrita mas compreendem, têm dificuldade em expressar mas compreendem o que nós queremos dizer, porque a nossa explicação é em tétum portanto os alunos embora tenham dificuldade em expressar mas eles compreendem o que nós queremos dizer

E1: em casa quais são as línguas que fala?

Prof: eu?

E2: quais são as suas línguas maternas? Se tem mais que uma

Prof: falo tétum, mombai e português

E2: e o bahasa ainda?

Prof: e o bahasa ainda

E2: mas em casa qual é língua que utiliza?

Prof: utiliza-se mais a língua tétum

E2: a mulher também é de Díli, a sua mulher?

Prof: não eu também não sou de Díli, somos de Ainaro

E2: os dois?

Prof: os dois sim … somos de Ainaro, portanto ela também compreende a língua portuguesa muitas vezes nós falamos em …

E2: em mambae

Prof: não em português, português, a nossa língua materna é mambae

E1: se já ensinou noutros distritos ou não,

Prof: no tempo do colonialismo antes da vinda da invasão indonésia eu ensinava em Curso, ensinava a língua portuguesa em Curso, eu já era professor desde 1972, e ensinava em … em Oecússi depois disso em Eernera mas num posto administrativo de Atutbulico, quando surgiu a guerra civil entre a PBC e a..

E2: foi sempre professor?

Prof: eu sempre fui professor no tempo da indonésia quer dizer mudei um bocadinho da profissão mas também continua na educação, porque na altura eu era chefe da educação do distrito de Manufhai

E2: na ocupação indonésia?

Prof: na ocupação indonésia, desde 1985 a 1999 eu era chefe de serviços de educação de Manufera

E1:queria saber quais são as maiores dificuldades a ensinar a língua portuguesa?

E2: basicamente o que o professor Marcos está a perguntar é se nos distritos onde ensinou, [eucussi, Einara, Iki?] se encontram mais dificuldades em algum distritos em particular a ensinar português, se acha que os alunos se há alunos que aprenderam melhor deste três que falou, se notou mais dificuldades em algum deles?

Prof. Foi no distrito de Eucussi, porque na altura na altura... as pessoas não sabiam falar o próprio tétum, elas só falavam baique-lo [….???] mais ou menos, e muitas vezes há sempre essa dificuldade, há dificuldade por exemplo quero transmitir alguma coisa mas não consigo porque esses alunos não compreendem não sabem a língua tétum então tinha que recorrer a outro interprete

E2: eles falavam a língua materna deles?

Prof: a língua materna e o português então era essa a maior dificuldade

E2: e tinha um colega intérprete que ajudava

Prof: não colega não, era uma pessoa vindo daqui para o lugar para Eucussi, que falavam com falavam baiqueno porquê? Porque eles estão lá há mais tempo e depois casavam-se com pessoas de Eucussi então eles compreendiam o português e o baiqueno, essas pessoas é que eram tradutores

E2: porque é que o professor foi para Eucussi nessa altura?
Prof: na altura porque foi depois do curso, depois do curso como é da educação é que colocou-me lá

E2: ah foi colocado lá

Prof: sim sim, de 1972 a 1973, um ano só

E2: foi para longe

Prof: sim, esta eram as dificuldades, agora em [auturico??'] já não, porque as pessoas falavam tétum portanto entendiam

E2: tétum, quando não percebiam português podia sempre falar em tétum

Prof: sim em tétum sim

E1: em que situações de aprendizagem precisa de recorrer ao tétum?

Prof: ah... nas palavras mais difíceis, palavras mais difíceis, tinha que recorrer ao tétum e como eles não compreendiam os alunos não compreendiam perguntavam o que significa isto, então eu explicava em tétum mas geralmente os alunos compreendem só nas palavras mais difíceis ou uma palavra nova por exemplo, essas nós tínhamos que explicar em tétum para os alunos compreenderem melhor

E1: em algumas destas situações de aprendizagem deparou-se com algum ou alguns alunos que não conseguiam comunicar em nenhuma das línguas que domina?

E2: pois em Oecússi se calhar já teve um pouco essa experiência, os alunos não falavam tétum talvez fosse mais difícil compreenderem

Prof: agora ou antes,

E2: desde o tempo que começou a ensinar

Prof: como eu disse hoje ao bocado, a maior dificuldade que eu tive foi no Oecuse porque os alunos não compreendiam tétum, mas agora fora disto os alunos compreendem

E2: até porque em Díli toda a gente fala tétum

Prof: agora expressar assim livremente é que não conseguem

E2: isso é mais complicado, temos que dar tempo ao tempo

Prof: … se alguma coisa em português a gente explica, eu faço os alunos conseguem explicar entender

E1: na sua opinião quais lhe parecem ser as maiores motivações dos seus alunos em aprender português?

Prof: nós temos que obrigá-los a ler, temos que obrigar os alunos a ler, porque aqui falta leitura, os alunos não compreendem depois leem pouco agora nós temos que fazer para que os alunos possam ler, se eles conseguem ler eles compreendem o que nos queremos dizer

E1: acredita que haverá interesse por parte da nova geração de jovens estudantes em aprender português? Porquê?

Prof: ah sim, como como o português é língua oficial de maneira que eu tenho a certeza de que os alunos cedo ou tarde eles devem aprender e conseguir falar o português porque além do tétum o português também como uma das línguas oficias de Timor, portanto todo o cidadão deve saber a língua portuguesa e além disso no... no... discurso do... Ministro, do Ministro da Educação, na altura quando se deu a tomada de posse, ele disse que a língua portuguesa é a língua de ensino para toda a escola todos os níveis de educação em Timor-Leste, portanto todos os alunos devem saber falar português

E1: mas eu ouvi que neste momento no ensino básico tem no primeiro ano até o quarto ano agora vai ensinar o tétum, e eu vi através dos professores do ensino básico está muito preocupado com essa situação e... qual é a sua opinião sobre isto?

Prof: quer dizer, é uma das preocupações de todos os professores, principalmente a instrução primária , mas estão a ensinar a língua tétum?


E1: sim tétum , agora neste momento todos os materiais que são com tétum até ao quarto ano, agora só o quinto ano para cima que vai ensinar a língua portuguesa

Prof: mas segundo a minha opinião isto é uma uma … não é uma boa ideia, não é uma boa ideia, porque desde criança desde a nascença nós devemos ensinar o português, porque o tétum a criança fala, em casa, já sabe, porque é que precisa meter ali no currículo o tétum desde a primeira classe até à quarta classe, eu não concordo com essa ideia, nós devemos nós devemos pôr a criança desde a nascença desde a idade da escola portanto a ensinar o português, agora o tétum.. mas eu não concordo com essa ideia, com essa ideia porque isso, aí aí há pessoas que como não gostam do português fazem todos os possíveis para

E1: porque eu ouvi as professoras que ensinam no ensino básico, nós conversamos elas diz que não se satisfaz com esta situação

E2: com certeza, elas não concordam

E1: faz uma confusão para as crianças, elas disse assim, mas não sei

[Risos]
AGRADECIMENTOS FINAIS





Compartilhe com seus amigos:
1   ...   36   37   38   39   40   41   42   43   44


©psicod.org 2019
enviar mensagem

    Página principal