Marcos Cabral Uso da Língua Tétum no ensino-aprendizagem do Português le na Universidade Nacional Timor Lorosa´e



Baixar 2,09 Mb.
Página31/44
Encontro21.06.2019
Tamanho2,09 Mb.
1   ...   27   28   29   30   31   32   33   34   ...   44

Referências bibliográficas


Albuquerque, D. 2012. Bilinguismo e multilinguismo em Timor-Leste: aquisição, interação e estudo de caso. IN PERcursos Linguísticos. V. 2. Nº 6. Disponível em https://www.academia.edu/2087704/Bilinguismo_e_multilinguismo_em_Timor-Leste. [consultado a 26/02/2016]

Batoréo, H. 2007. Enquadramento Cognitivo para a Estrutura Narrativa: uma Proposta de Olhar para a Narrativa a partir da Perspectiva da Linguística Cognitiva de Leonard Talmy. IN Veredas – Revista da Universidade Federal de Juiz de Fora. V. 10. Nº 01 e 02 – Jan/Dez. Brasil: Editora da UFRJ. Pp 21-32. Disponível em http://www.revistaveredas,ufjf.br/volumes/veredas_portugal/artigo02.pdf. [consultado a 13/13/2016]

Batoréo, H.; Casadinho, M. 2009. O Português – uma língua pluricêntrica: O Caso de Timor-Leste. De que forma os timorenses perspectivam e avaliam uma das suas línguas oficiais falada apenas por cinco por cento da população? In: Revista Portuguesa de Humanidades, Estudos Linguísticos. V13. Nº1. Braga: Universidade Católica Portuguesa de Braga. Pp.63-79.

Batoréo, H. 2010. Ensinar Português no Enquadramento Poliglóssico de Timor-Leste. IN Palavras. V 37 Lisboa: Associação de Professores de Português. Pp 55-65.



      1. Bernabé, F. H. 2008. O Uso da Língua Materna no Ensino de Língua Estrangeira. In Diálogos Pertinentes – Revista Cientifica de Letras. V. 4 Nº4 jan/dez. Franca (SP). Pp. 247-257. Disponível em http://publicacoes.unifran.br/index.php/dialogospertinentes/article/viewFile/232/186 [consultado a 03/04/2016]

      2. Brito, R. 2009. O Português de Timor Leste. Comunicação do SIMELP –Évora. Disponível em http://www.simelp2009.uevora.pt/pdf/mes/03.pdf , [consultado a 03/11/2015 ]

Brito, R. 2011. Papel do português em Timor-Leste. IN Agália - Revista de Estudos na Cultura. Agália: Publicaçom Internacional da Associaçom Galega da Lingua. Nº104. Pp. 79-99.

Carvalho, M. J. 2003. Panorama Linguístico de Timor: Identidade Regional e Pessoal, IN Revista de Letras e Cultura Lusófonas. Nº 14. Portugal: Instituto de Camões. Pp. 65–89.

Certeau, M. 2002. A escrita da História. 2 Ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002. Disponível em http://minhateca.com.br/alcides.deabreu/Documentos/Livros+Hist*c3*b3ria+em+pdf/Michel+de+Certeau++A+Escrita+da+hist*c3*b3ria+%28pdf%29%28rev%29,5141944.pdf [Consultado a 11/2014].

Constituição da República Democrática de Timor-Leste. “Jornal da República”. Série I. Nº 1. 4 de junho de 2993.

Corte-Real, B. 2004. Os especialistas e a tarefa do ensino da língua em Timor-Leste, IN Várzea de Letras. Nº 9/10. outubro/novembro. Timor: UNTL.

Costa, L. 2005. Línguas de Timor. IN Dicionário Temático da Lusofonia. Lisboa: Texto Editores.

Dias, C.; Morais, J. A. 2004. Interação em sala de Aula: Observação e Análise. IN Referência. Pp. 49-56. Disponível em (http://www.esenfc.pt/public/index.php?module=rr&target=publicationDetails&pesquisa=&id_artigo=38&id_revista=5&id_edicao=10). [consultado em 15/10/2015]

Ellis, R. 1994. The study of second language acquisition. Oxford. UK: Oxford University Press, Pp 824.

Faleiros, M. H. V. 2004. A influência de atividades orais na produção oral e escrita de alunos de inglês como L2. Dissertação de Mes­trado em Ciências e Práticas Educativas. França: Universidade de Franca. 131pp.

Figueiredo, F. A. 2004. Timor: a presença portuguesa 1769-1945). Dissertação de doutoramento. Porto: Universidade do Porto/ Faculdade de Letras.

Flores, C. 2013. Português Língua Não Materna: Discutindo conceitos de uma perspectiva linguística. IN M. J. Grosso (Dir). Português Língua Não Materna: Investigação e Ensino. Lisboa: LIDEL. Pp. 36-46.

Freixo, M. J. V. 2012. Metodologia Cientifica Fundamentos, Métodos e Técnicas. 3rd ed. Lisboa: Instituto Piaget. Pp. 31-286.

Gonçalves, M.R. 2012. A língua portuguesa e o conflito intergeracional em Timor-Leste. IN R. Teixeira; Silva et al. (eds.) III SIMELP: A formação de novas gerações de falantes de português no mundo. Macau: Universidade de Macau.

Grosjen, F. 1992. Another view of bilingualism. IN R. J. Harris (Ed). Cognitive processing in bilingualism.Amsterdam. North Holland: Elserver Science.

Hammaarberg, B. 2001. Roles of L1 and L2 in L3 Production and acquisition. IN B. Hufeisen; U. Jsser (Eds.) CENOZ: Cross-Linguistic influence in third language acquisition. Psycholinguistic perspectives. Clevedon: Multilingual matters. Pp. 21-41.

Henriques, P. (2015) Contributos para um estudo comparativo sobre as dificuldades na aprendizagem de PLE: um estudo de caso. Porto: FLUP.

Hull, G. 1998. The languages of Timor 1772-1997: a literature review. IN Estudos de Línguas e Culturas de Timor-Leste. Nº 1. Pp. 1-38.

Hull, G. 2001. A língua portuguesa em Timor: uma perspectiva australiana. Palestra apresentada na conferência Identidade e Língua: desafios e prioridades para a educação em Timor-Leste, organizada pelo Centro de Documentação e Informação Amílcar Cabral em Díli e Baucau, 17.2.2001 e 18.2.2001.

Leiria, Isabel (2008), “ Orientações Programáticas de Português Língua não Materna” (PLNM) – Ensino Secundário Lisboa: Ministério da Educação/Direção Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular (DGIDC).

Mello, H. A. B. 2004. L1: madrinha ou madrasta? O papel da L1 na aquisição da L2. IN Sinóptica. V. 16. Nº 2. Goiânia. Pp. 213-242.

Pinto, M.G. 2013. O plurilinguismo: um trunfo?. IN Letras de Hoje. V. 48. Nº 3. Porto Alegre. Pp. 369-379.

Platero, L. 2002. Trabalhando habilidades, construindo competências: leitura e escrita. Disponível em htttp://www.sbs.com.br. [Consultado a 24/04/2016].

Poppi, F. 2004. L'interazione orale nella classe di L2. Disponível em http://puntoedu.indire.it . (Progetto Formazione D.M. 61). [consultado em 30 de julho de 2016].

Ramos-Horta, J. 1994. Timor-Leste – Amanhã em Díli. Lisboa: Publicações Dom Quixote.

Reis, P. 2011. Observação de alunos e Avaliação do Desempenho Docente. Lisboa: Ministério da Educação/Conselho Científico para a Avaliação de Professores.

Rocha, D. C. A. 2008. O Papel da Língua Materna na Negociação de Significados e na Promoção do Aprendizado de Inglês como Língua Estrangeira”. IN I Simpósio Internacional de Letras e Lingüística: SILEL- Múltiplas perspectivas em Linguística. V. 1. Pp. 801-880.

Ruak, T. M. 2001. A Importância da Língua Portuguesa na Resistência Contra Indonésia. In Camões – Revista de Letras e Culturas Lusófonas. Nº 14 Jul-Set. Lisboa: Instituto Camões.

Schutz, R. 2006. Interferência, Interlíngua e Fossilização. In English made in Brazil. Disponível em http://www.sk.com.br/sk-interfoss.html [consultado a 15/03/2016]

Taylor-Leech, K. 2005. The ecology of language planning in Timor-Leste. IN Development Bulletin. Nº 68. Pp. 116-119.

Taylor-Leech, K. 2009. The language situation in East Timor. IN Current Issues in Language Planning. 10 (1). Pp. 1-68. Disponível em http://dx.doi.org/10.1080/14664200802339840. [Consultado a 11/01/2016]



  1. Terra, M. R. 2004. Língua Materna (LM): um recurso mediacional importante na sala de aula de aprendizagem de Língua Estrangeira (LE). IN Trab. Lin. Aplic. V 43. Campinas. Pp. 97-113.

Thomaz, L.F. 2002. Babel Loro Sa’e: o problema linguístico de Timor Leste. Lisboa: Instituto Camões.

Ximenes, R. L. 2015. Língua Portuguesa em Timor Leste, o Dilema entre a Memória o Problema Identidade. IN Jornal Nacional Diário (online). Disponível em http://www.jndiario.com/opiniaun/lingua-portuguesa-em-timor-leste-o-dilema-entre-a-memoria-e-o-problema-da-identidade/. [Consultado em 20/10/2015].






Compartilhe com seus amigos:
1   ...   27   28   29   30   31   32   33   34   ...   44


©psicod.org 2019
enviar mensagem

    Página principal