Julianna pereira gandra



Baixar 246.74 Kb.
Página8/14
Encontro16.01.2020
Tamanho246.74 Kb.
1   ...   4   5   6   7   8   9   10   11   ...   14
Pharmacon, em grego, remete-nos tanto às poções benéficas da antiguidade Greco-romana, como por exemplo, a poção que Hermes ofereceu a Ulisses como antídoto contra um veneno, na Odisséia de Homero, como também pode designar a cicuta, o veneno que Sócrates deveria tomar.

Logo, sendo remédio e, ao mesmo tempo veneno, o pharmacon não é ora um, ora outro, mas sim os dois ao mesmo tempo (REIS, 2007:30).


No que se refere ao sentido proposto acima, essas substâncias eram consideradas bem naturais e eram utilizados pela cultura local, e continham na mesma substância: a cura e a morte; remédio e toxina, alimento e veneno.

Até o início da Revolução Industrial, séculos XVIII e XIX, além das bebidas alcoólicas fermentadas e destiladas, conhecia-se o consumo das chamadas “plantas mágicas” que eram destinadas a vários fins, podendo ser estes: religioso, festivo, nutricionais e o terapêutico.

A destilação da bebida alcoólica foi introduzida pelos árabes na Europa e o seu consumo durante a Idade Média era visto com grande apreço, sobretudo as bebidas fermentadas eram associadas ao bem estar e a saúde do indivíduo, sendo considerado como tratamento para algumas enfermidades.

Com o passar do tempo o comércio foi aprimorando-se e as plantas passaram pelo desenvolvimento da química e farmacologia, podendo assim extrair seu alcaloide, ou seja, o seu princípio ativo puro das plantas, e estas ficavam com o seu teor ainda mais apurado e forte.


Tudo começa com a descoberta da morfina (1806), e segue com codeína (1832), a atropina (1833), a cafeína (1841), a cocaína (1860), a heroína (1883), a mescalina (1896) e os barbitúricos (1903). (ADIALA, 1996:35).
Bucher (1991), afirma que não existe sociedade sem drogas, por isso é preciso adequar as políticas públicas a essa característica. Sendo no esquadrinhamento da vida social, ou seja, da necessidade de vigilância, de controle social3 na nova ordem burguesa, que a medicina científica expandirá no século XIX, difundindo a noção de doença Social4.
Foi nesse contexto em que se deu a transformação da antiga bebedeira no moderno alcoolismo. O ponto de vista científico das falas médicas, ajustava-se às necessidades de construção e manutenção da ordem burguesa e de “invenção” de novas tradições. Destaca-se, neste período, a imbricação entre as regras morais e higiênicas, convergindo com rigor sobre os modos e procedimentos sociais. (SANTOS,1995: 89).
Oliveira (2006) afirma que é preciso romper com esses paradigmas conservadores, pois o vínculo do homem com substâncias psicoativas não vem de hoje e sim de milênios, sendo considerados até mesmo elementos terapêuticos. É pouco provável que o ser humano abra mão da utilização de modo abusivo dessas substâncias, que ocasionam muitos problemas como mortes prematuras, entre outros, mas conviver com essas substâncias é com certeza o desafio dos dias atuais, onde há um profundo comprometimento com o consumismo na sociedade capitalista e muito pouco com a vida e as culturas humanas.



    1. CRIMINALIZAÇÃO DAS DROGAS

No século XIX, nas Faculdades de Medicina da Bahia e do Rio de Janeiro, já havia o discurso da existência de uma grande relação entre as doenças e os graves problemas públicos relacionados com a classe pauperizada, ou seja, com a maior parte da população. Este discurso alcançou os intelectuais e políticos no final do mesmo século, e incluía o consumo excessivo de bebidas “espirituosas” como causa da miséria.

Neste contexto a medicina começou a realizar um trabalho educativo, onde o principal objetivo era não deixar a população mais pobre entrar para a criminalidade de origem alcoólica, servindo também de regra moral na orientação de como deveriam comportar-se, pois era visto a “necessidade de reformar a cultura e os hábitos desta gente, os quais emergiam com toda força após o fim do trabalho escravo” (SANTOS, 1995:66).
A preocupação com esta população que não possuía nada, além de sua força produtiva e da sua capacidade de sobreviver, deixara de ter um trato doméstico – entre os senhores de escravos e a polícia – e passou a ser um problema público. Um problema de administração dos espaços públicos, da saúde pública, da ordem pública. E contagiava grande parte dos médicos formados no Rio de Janeiro (idem: 65).

As famílias dos engenhos e demais autoridades públicas estavam muito mais preocupadas em controlar e eliminar a desordem - visto que estavam sustentados e baseados ainda no trabalho escravo, marcados pela intolerância, utilizando assim da repressão para se conseguir o que queriam; do que com as práticas de educação higiênica que estavam sendo pregada no Brasil, através do Movimento da Medicina Social, a fim de preparar as famílias para a modernização do país.

No que diz respeito a embriaguez, ou as formas de lidar com a chamada “bebedeira pública”, a partir do século XIX, podemos afirmar que continuava-se a utilizar da repressão na sociedade brasileira. “De forma geral, essa questão pertencia à esfera de atuação policial, e o desfecho podia ser tanto uma lição de moral ou alguns safanões quanto a cadeia ou hospício”5.
Ociosidade deve ser combatida não só porque negando-se ao trabalho o indivíduo deixa de pagar sua dívida com a sociedade, mas também porque o ocioso é um pervertido, um viciado que representa uma ameaça a moral e aos bons costumes. Um indivíduo ocioso é um indivíduo sem educação moral, pois não tem noção de responsabilidade, não tem interesse em produzir o bem comum nem possui respeito pela propriedade. Sendo assim, a ociosidade é um estado de depravação de costumes que acaba levando o indivíduo a cometer verdadeiros crimes contra a propriedade e a segurança individual. Em outras palavras, a vadiagem é um ato preparatório do crime. (CHALHOUB, 2001:74-5).

Como a preocupação médica, em particular da psiquiatria, sobre o alcoolismo e uso de outras drogas somente se dava quando o intemperante ameaçava a propriedade privada e a integridade física de si e da sua família (BIRMAN, 1978), estavam dadas as condições históricas para associar a “embriaguez pública” à vadiagem: Tal situação iria se tornar uma “figura jurídica que legitimava a repressão policial aos frequentadores dos botequins, biroscas, tavernas e quiosques das cidades” (COSTA, 1989:73), geralmente lugares de socialização dos trabalhadores (CHALHOUB, 2001), esta prática era considerada de educação higiênica da saúde pública, mas com uma intervenção estatal de controle e eliminação as desordens sociais.

“A questão da purificação nacional passava necessariamente pelo tema do uso não médico de drogas psicoativas. Era necessário o combate aos “vícios modernos”, os narcóticos, e os “vícios antigos”, o álcool e o tabaco”6.
Portanto a Lei Federal 4.294 de 1921, ratificou o início da trajetória moderna no Brasil na produção legislativa alinhada a ‘matriz proibicionista’ as drogas, diante de um cenário nacional favorável a interseção entre forças da saúde pública e da segurança pública. No entanto, a composição dessas forças investiu na criminalização do tráfico ilícito do uso não terapêutico de certas drogas – cocaína, ópio e seus derivados - cujos “traficantes” eram compostos por “cafetões, prostitutas, cafetinas, estrangeiros e profissionais da saúde “corrompidos pela cobiça”“, (...) os usuários, “oriundos das classes altas, jovens sofisticados na sociedade produtiva”, foram destinados à recuperação no hospital psiquiátrico. Tal tendência para diferenciar a intervenção pública sobre frações de classe e grupos étnicos (...) pode ser considerada uma das estratégias do controle sanitário do Estado sobre as nascentes populações urbanas no país, e de forma mais precisa sobre os trabalhadores urbanos (LIMA, 2009:204).

Martin Jelsma (2011), afirma que a ausência de medidas de controle poderia afetar de forma negativa a saúde pública, mas é importante ressaltar que “a guerra antidrogas é um desperdício de recursos, pois investe mais em reprimir e matar do que para tratar”7.

No dicionário Aurélio, a palavra criminalidade significa qualidade de quem é criminoso, onde o mesmo é aquele considerado réu, malfeitor, assassino, bandido. É dessa forma que os usuários de álcool e outras drogas são vistos em nossa sociedade, como alguém que cometeu um crime (transgressão da Lei). Será que essa é a melhor conotação para uma pessoa que precisa de cuidado? Dessa forma, estamos excluindo ao invés de acolher o usuário em suas particularidades, pois o mesmo é sujeito de direitos.

Falar em direitos humanos nos dias atuais não é um discurso meramente filosófico e sim político e de discussão pública. Onde é possível observar que estamos numa ação contraditória por parte do Estado, que em seu discurso diz garantir os direitos sociais, políticos, civis e ecológicos dos cidadãos brasileiros; mas no que diz respeito ao usuário de álcool e outras drogas seu discurso é meramente repressor das atividades condenadas criminalmente8.





    1. O USUÁRIO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS: DOENTE OU CRIMINOSO?

Droga, conforme já mencionado neste trabalho, é o nome genérico de substâncias naturais ou sintéticas, que alteram comportamento físico e emocional daqueles que as consomem. O seu uso indiscriminado pode provocar rapidamente a sua dependência, prejudicando o indivíduo no meio social ao qual está inserido.

Os problemas causados pela mesma são gravíssimos, se caracterizando por alterações físicas ou mentais, onde dificultam o controle do uso ou sua total abstinência. (CMF, 2011:01)

Ao usar a droga, em um primeiro momento, o indivíduo acredita estar fazendo bem para si, pois a substância logo após ser usada, causa um certo bem estar, onde o indivíduo é levado a consumir cada vez mais em maiores quantidades.9

Os jovens acreditam que consumindo drogas simplificarão seus problemas, e serão melhores aceitos em meios sociais aos quais estão inseridos, mas com o passar do tempo tornam-se dependentes das substâncias, não percebem quando o consumo se mostra compulsivo e destinado à evitar a ação de sintomas de abstinência e cuja intensidade é capaz de ocasionar problemas sociais, físicos e/ou psicológicos. (CMF, 2011:02)

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), uso nocivo é "um padrão de uso de substâncias psicoativas que está causando dano à saúde", podendo ser esse de natureza física ou mental.

Para Marques (2002), a dependência química é uma doença de caráter biopsicossocial, progressiva, incurável e potencialmente fatal. O seu uso inadequado pode trazer consequências graves, tanto orgânicas, como psicológicas e sociais.

Em nossa sociedade está cada vez mais comum termos em nosso convívio pessoas dependentes químicas. Esse fato convoca a sociedade a buscar permanentemente informações sobre a questão, pois são vários os dependentes que estão morrendo e não tiveram a oportunidade de saber que tinham uma doença e que esta poderia ser estacionada10. Então, nos informar sobre o assunto é primordial para compreender sobre a dependência.

Devemos considerar o fato de que a própria sociedade estimula o consumo de álcool e outras drogas, principalmente através de propagandas na televisão que chamam a atenção, especialmente no que diz respeito ao álcool que é uma droga lícita. (idem:103)

A dependência química é uma das doenças psiquiátricas mais frequentes da atualidade. No caso do cigarro, de 25% a 35% dos adultos dependem da nicotina. (MARQUES, 2002)

A prevalência da dependência de álcool no Brasil é de 17,1% entre os homens e de 5,7% entre as mulheres, segundo o “1º Levantamento Domiciliar Sobre o Uso de Drogas Psicotrópicas” no país, realizado em 2001 pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). (OLIVEIRA, 2003)

A dependência química é uma doença que atinge a sociedade de forma assustadora, onde devemos dar uma atenção especial quanto à possibilidade de proporcionar meios para que os indivíduos se tratem e se mantenham em recuperação. (MARQUES, 2002: 105)


O problema da droga no Brasil não tem sido tratado de maneira a se levantar políticas capazes de atuar de forma a concorrer com credibilidade dentro das especificidades do seu uso, sendo tratada ainda de maneira repressora. (BAPTISTA, 2006)

É preciso considerar a importância de se ter um olhar mais atento para as drogas lícitas, pois são as mais consumidas. Tendo em vista os “fatores de risco” na população o que é uma questão de educação e saúde pública. Não apenas a substância, mas os fatores sócio culturais e econômicos, personalidade do usuário e suas motivações pessoais concorrem para o envolvimento do jovem nas drogas. (BUCHER, 1991)

O uso abusivo de substâncias psicoativas e a dependência química de drogas lícitas ou ilícitas é um complexo problema de saúde pública, sendo considerada uma das facetas da questão social contemporânea da sociedade brasileira e também mundial. As mesmas destroem a vida do ser humano em diversos aspectos: sociais, psicológicos, econômicos e políticos; deixando de dar prioridade à repressão para que seja investido em prevenção, deixando claro a importância de se investir no indivíduo dependente, “deixando de lado o caráter penal onde há uma base jurídico-penal e médica-psiquiátrica, que abordam a dependência química, na primeira como “caso de polícia” e na segunda como “doença mental””. (OLIVEIRA, 2003:193)

Devem-se acolher os usuários em suas diferenças, pois os mesmos têm características próprias, sendo de profunda relevância entender os motivos que os levaram e impulsionaram a usar drogas, sendo assim, é necessário conhecer o usuário11, pois desta forma,


Torna-se compensador acompanhar o indivíduo que chega ao centro de recuperação desmoralizado, fracassado diante de si mesmo, da família e de toda a sociedade e comprovamos que, através de sua boa vontade, acompanhada de um desejo interno de viver uma nova vida, conquista e se mantém em recuperação. (MARQUES, 2002:106)
Oliveira (2003), afirma que “mesmo o Brasil já tendo avançado muito no que diz respeito à maneira de pensar e intervir com a situação, ainda existe discursos moralistas, simplistas, reducionistas e dogmáticos”, que abordam o usuário de álcool e outras drogas como criminoso, sendo que a dependência química já é vista como doença, e esta afeta o indivíduo em vários âmbitos de sua vida, social, psicológico, econômico e político, podendo-o levar a morte.

Embora no país ainda prevaleça o entendimento da questão como comportamento antissocial, quando se diz respeito ao álcool, e como criminalidade, quando está associado ao consumo das drogas consideradas ilícitas; é preciso que o usuário seja atendido em suas diferenças e particularidades. Apesar da exclusão social e a ausência de cuidados atingirem nossa sociedade De forma histórica e ininterrupta, devem-se contemplar as reais necessidades, implicando assim a disposição para atender aos seus direitos dos usuários de Álcool e outras drogas, onde a dignidade da pessoa humana, como valor supremo da ordem constitucional, não pode ser passível de prevenção quanto ao seu conteúdo essencial, onde o Estado é obrigado a promover sua proteção e promoção efetiva, ao qual os sujeitos estão em vulnerabilidade ou em risco social12.

















O ser humano ao nascer, já traz consigo a capacidade infinita de realizar, com êxito, qualquer atividade, bastando para isto pensar, decidir e agir, com otimismo e autoconfiança”.





Baixar 246.74 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   4   5   6   7   8   9   10   11   ...   14




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino fundamental
ensino médio
Processo seletivo
minas gerais
Conselho nacional
terapia intensiva
Curriculum vitae
oficial prefeitura
Boletim oficial
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
Poder judiciário
educaçÃo física
saúde conselho
assistência social
santa maria
Excelentíssimo senhor
Conselho regional
Atividade estruturada
ciências humanas
políticas públicas
outras providências
catarina prefeitura
ensino aprendizagem
secretaria municipal
Dispõe sobre
Conselho municipal
recursos humanos
Colégio estadual
consentimento livre
ResoluçÃo consepe
psicologia programa
ministério público
língua portuguesa
público federal
Corte interamericana