José Veríssimo e a educação física



Baixar 79 Kb.
Página1/2
Encontro05.11.2019
Tamanho79 Kb.
  1   2



JOSÉ VERÍSSIMO E A EDUCAÇÃO FÍSICA NO PARÁ
Ney Ferreira França1
Resumo

Este trabalho é parte da dissertação de mestrado realizada no programa de pós-graduação (mestrado) da Universidade do estado do Pará- UEPA. Ele tem por objeto analisar criticamente a concepção de educação física de José Veríssimo defendida principalmente em duas obras, quais sejam, “notícia geral sobre o colégio americano” e “educação nacional”, mostrando assim sua participação na implementação da educação física nas escolas do Pará.

Isto é importante, pois pouco ou nada se tem pesquisado sobre este tema em na última década do século XIX, no Pará, também por que ele pode indicar como se deu este processo e também pela importância que teve o intelectual José Veríssimo para a educação e educação física no estado do Pará.

Para tanto é necessário buscar as múltiplas determinações do fenômeno para a construção de uma síntese que permita alcançar compreender melhor o objeto, que precisa ser entendido num contexto local e nacional daquele período.

A partir da análise das obras a cima citadas e de outras que tratam da educação e educação física no século XIX, e do contexto político e social do final deste no âmbito nacional e local, far-se-á uma busca pelos princípios e valores nos quais estava baseada sua concepção de educação e sociedade. Por isso, buscando analisar as múltiplas determinações que condicionaram a educação física ser da forma que era e não de outra, tentou-se construir uma síntese que pudesse se aproximar ao máximo da realidade na qual estava imersa revelando toda a riqueza de elementos presentes.

Neste sentido, além das obras de José Veríssimo já referenciadas também contribuíram para este estudo obras como: “A escola pública: História e historiografia” (200), cujos organizadores são José C. Lombardi, Demerval e Mª Saviani; Educação física no Brasil: A história que não se conta. (1994) de Lino castellani Filho; “Educação Física: Raízes europeias e Brasil” (1996) de Carmem Lúcia Soares e “A pedagogia na escola e no exército” (1999) de Amarílio Ferreira Neto.

Pelo material analisado observou-se que a concepção de educação física estava compreendida nos marcos de um projeto de educação liberal modernizador compreendendo uma educação física que pudesse disciplinar
Palavras Chaves: Educação Física. Historiografia. Intelectualidade.

Introdução


José Veríssimo, intelectual que teve um papel muito importante no cenário paraense, e nacional na educação e na literatura, ocupou cargos públicos como diretor da instrução pública no Pará, depois de fundar e ser diretor por oito anos do colégio americano e no Rio de Janeiro diretor do Ginásio Nacional, defendeu a inclusão da educação física nas escolas paraenses com toda uma fundamentação teórica.

Os textos principais em que defendeu e abordou a educação física dentro de uma proposta de uma educação moderna, são “Notícia Geral sobre o colegio americano”, publicado em 1888, e “A educação nacional” em 1890, em plena mudança de regime político. Estas obras tratam no geral da educação, porém, cada uma apresenta um capítulo sobre a educação física.

Mesmo com características diferentes carregam elementos riquíssimos, pois no primeiro caso trata-se de relatos a respeito de como vinha sendo desenvolvida a educação naquele estabelecimento, ou seja, abordava métodos, objetivos, como o currículo deveria ser organizado e apresentava os fundamentos básicos norteadores das diferentes disciplinas entre elas a educação física. No caso do segundo, é uma espécie de análise de como se encontrava a educação no Brasil logo após a proclamação da república, mas nem por isso, deixou de trazer indicativos fundamentais para a educação no país e da importância da educação física na educação.

Considerando-se que para realizar uma análise de determinado período histórico dentro de um recorte educacional não se pode deixar de considerar outros aspectos que influenciaram diretamente os princípios e valores educativos da época. Isto é fundamental dentro da análise que se pretende fazer, uma vez que nenhuma prática acontece isoladamente sem sofrer ou deixar de influenciar outros aspectos da vida social.

Pensando nisso, então perguntou-se em que contexto econômico, político e educacional escreveu as duas obras que tratam entre outros da educação física? E quem foi este intelectual que tanto contribui para a inserção da educação física neste estado? Tentando responder a estes questionamentos está situada a primeira e segunda parte deste artigo. Mas só a resposta a estes não resolverá o problema objetivo principal deste trabalho. É fundamental também, perguntar qual a concepção de educação física estava presente em seus escritos?
A cidade de Belém

A cidade de Belém do Pará no século XIX, palco de vários acontecimentos importantes entre eles a revolução popular da Cabanagem2, foi sem dúvida uma das mais importantes do Brasil, principalmente nas últimas três décadas daquele século e na primeira do século XX. Isto, quando se fortaleceu o extrativismo do látex (ciclo da borracha), que produziu junto com a proclamação da república, e suas consequencias político-administrativa uma verdadeira revolução na paisagem de Belém.

Se a economia brasileira desta fase estava assentada na monocultura do café no centro sul do país, em substituição a produção açucareira concentrada principalmente no nordeste, na região norte principalmente nos estados do Amazonas e do Pará estava em plena ascensão a produção e comercialização do látex, chegando a quase se igualar ao café em exportações na balança comercial brasileira3.

SARGES (2002), afirma que a produção do látex paraense já existia desde o início daquele século, sua importância era grande, tanto que foi usada no revestimento de mochilas e fabricação de sapatos. No caso dos sapatos, houve uma produção e exportação significativa saindo de 47.787 pares de sapatos em 1940, chegando-se a 138.873 pares em 1850. No entanto, a comercialização da borracha ganha maior força entre os anos de 1870 e 1910, superando o cacau na pauta de exportações do estado com 4.890,089 quilos contra 3.381.246 quilos de cacau.

Para confirmar isto:

Somente a partir da segunda metade do século XIX é que o Pará adquiriu um relativo desenvolvimento econômico em decorrência da produção e exportação do látex de terminado pelas exigências da indústria internacional.[...] (SARGES 2002, p.75)


Esta verdadeira explosão teve como ponto facilitador, em meados da década de 50, a autorização da abertura dos rios da Amazônia a navegação estrangeira, quando se estabeleceram várias empresas estrangeiras de navegação inglesas, francesas que exploraram comercialmente as linhas fluviais.

[...] A navegação a vapor introduzida em 1853, teve grande importância econômica para a exportação da borracha e comércio internacional. Inicialmente, sobre o monopólio de Irineu Evangelista de Souza- barão de Mauá- que concessão do governo imperial, a navegação do rio amazonas abre-se aos ingleses e americanos a partir de 1866.[...]. (SARGES p. 76)

Esta expansão econômica vertiginosa provocou várias mudanças sociais e culturais além daquelas ligadas diretamente a produção gomífera. Com relação aquelas, podemos citar o processo de urbanização de cidades como Belém e Manaus, as leis e normas criadas para organizar a utilização de espaços públicos e privados, um crescimento também populacional e no caso de Belém, também um afastamento das famílias, que moravam no centro, para locais mais afastados. Já nas atividades que estavam imediatamente atreladas a produção da borracha tem-se um surto migratório, devido a falta da mão de obra, especialmente de nordestinos fugindo da seca, possibilitando um aumento da produção do látex, e também o fortalecimento do sistema de aviamento4.

Neste período, Com a Proclamação da República muda-se o sistema político-administrativo e com ele uma série de mudanças se efetivam. Assim toma maior impulso o desenvolvimento urbano da cidade de Belém, o poder administrativo passa para a intendência municipal.

A cidade que no período de 1890 a 1900, passou de uma população de 61.997, para 96.560 segundo censo da época5, um aumento de mais de 50% em dez anos, experimentou um desenvolvimento sem precedentes na sua história, fruto também do extrativismo da borracha, então em plena ascensão.

Com a mudança do sistema político-administrativo toma maior impulso o desenvolvimento urbano da cidade de Belém, agora a província passa a ser estado e Belém passa a ser administrada por uma intendência, cuja primeira cadeira será ocupada por Antônio Lemos, que marcará sua administração com mudanças profundas, por meio de um projeto urbanizador, sanitário e paisagístico.

As mudanças ocorridas em Belém e comandadas por Antônio Lemos como a urbanização, construções de infra-estrutura, prédios públicos e privados e medidas sanitárias tinham o caráter de oferecer atrativos para os capitais advindos de fora do país, Pois:

era preciso adequar a cidade às transformações capitalistas, investindo capital e diversificando suas aplicações em outras atividades. Para isso, se engendrou todo um processo de modernização da cidade de forma a facilitar o escoamento da produção e de divisas para os países centrais” (SARGES 2002, p.137)

No entanto, como a história do desenvolvimento de Belém nos informa as benesses econômicas, estruturais e culturais só alcançaram o centro da cidade, onde morava e circulava a elite local e os estrangeiros. As riquezas produzidas com crescimento econômico provocado pelo ciclo da borracha foram usufruídas apenas por essa elite local e pelo capital internacional neste sentido: “Nota-se que a expansão modernizadora de Belém subordina-se mais as necessidades econômicas do que aos objetivos práticos, ou seja, ao atendimento das necessidades básicas da população”. (Ibdem, p. 138).

No plano educacional, a cidade também passou por mudanças pelo menos formais, administração e organização escolar também alteradas buscavam mudanças que atendessem aos novos princípios e valores difundidos principalmente pela intelectualidade da época.

Os governo da província nomeava o diretor da instrução pública que era o responsável,entre outras atribuições, por implantar os regulamentos da instrução pública.

A educação no Brasil que desde:

[...] O ato adicional de 1834, colocou as escolas primárias e secundárias sob a responsabilidade das províncias, renunciando, assim, a um projeto de escola pública nacional. Ao longo do século XIX o Poder Público foi normatizando, pela via legal, os mecanismos de criação, organização e funcionamento das escolas que nesse aspecto, adquiriam o caráter de instrução pública. Mas, de fato, essas escolas continuavam funcionando em espaços privados, a saber as próprias casas dos professores.(SAVIANI 2005, p. 10)


No Pará, a situação era bem precária fato este comprovado por FRANÇA (2002) ao analisar “a instrução pública no Pará em 1890”6 relatório por ele produzido e apresentado ao governo do estado na qual o autor discorre sobre a as muitas mazelas que possuíam as escolas, bem como as propostas para sua superação baseadas em princípios liberais. Mazelas estas, que se deviam ao descaso do poder público, a centralização das decisões sobre a educação no presidente da província, a falta de preparo da assembléia provincial ao formular as leis educacionais, as relações políticas que estabeleciam com os professores.

Os problemas começavam na desorganização da instrução primária , passavam pelos equívocos criados para o ensino normal e alcançava a indisciplina e inutilidade do Liceu Paraense, chegando a desorganização do ensino literário e técnico do ensino profissional e técnico.

O império tinha a necessidade de formar determinado homem e para tanto organizava a educação com um fim específico, com uma certa metodologia e num currículo que propicia-se a chamada formação humanista. Assim, por exemplo, tem-se um rol de disciplinas que deveriam garantir essa formação tanto no ensino primário quanto no secundário considerados seus objetivos específicos.

Na passagem, para a república as escolas passaram para a tutela dos governos estaduais que agora responderiam pela implementação da educação nestes estabelecimentos.

Aqui podemos observar a adequação da educação a um modelo que desse conta de formar um ser humano capaz de contribuir para implementar a nova ordem econômica capitalista, que neste final de século se irá sentir com todo o peso em nível local com o extrativismo do látex, Promovendo-se então várias mudanças.

É importante frisar que bem antes da proclamação da república, já existiam experiências que continham princípios, valores, objetivos, diferentes daqueles apregoados pela educação do Governo imperial.

Isto aconteceu em escolas particulares, como no “Colégio Americano”, e em alguns estabelecimentos públicos como é o caso do Liceu Paraense que desde 1862, quando passou a se chamar colégio paraense já propunha a realização de concurso para o cargo de professor de educação física7, disciplina esta que será defendida com mais vigor no final do século XIX, como verdadeira expressão de uma educação moderna compatível com os novos tempos. Assim se operam várias reformas em todo país entendendo-se que:

No âmbito educacional, reformar o ensino significava criar uma mentalidade nova que se adequasse às exigências do tempo. Nesse contexto, a escola desempenharia um papel fundamental, na medida em que caberia a ela se organizar e difundir as novas idéias, que serviam de base para a transformação que se desejava operar no país (FRANÇA 2004, p)


O cenário que se apresentava com todas as especificidades locais sofria diretamente o poder do capitalismo nas suas mais diversas relações, econômicas, políticas e educacionais, agora é importante compreender como foi a participação de José Veríssimo, importante intelectual para a educação no estado do Pará.
José Veríssimo

Neste cenário, não por acaso, é que surgiu um grande número de intelectuais colocando na pauta das discussões temas variados no sentido de construir um discurso que embasasse as mudanças necessárias para formar um país moderno e civilizado aos moldes dos paises europeus, as referências para os paises latino americanos, entre eles o Brasil.

Este segmento crescente em sua renovação pretendia subsidiar as alterações necessárias ao país, ou seja,

Esses intelectuais atentos às transformações que se operavam no mundo e no país, delinearam um conjunto de ações que visavam, enquanto intenção expressa, inserir o país no rol das nações mais avançadas do capitalismo internacional[...]. (ibdem, p.23)


Entre estes, e em meio a tudo que vinha acontecendo em Belém, surge a importante figura de José Veríssimo Dias de Matos, que sem dúvida teve um papel destacado não só na educação paraense, onde ocupou cargos públicos, como em outras atividades, como escritor e crítico literário, embora não sejam estas o nosso objeto neste ensaio.

José Veríssimo, que nasceu em Óbidos no Pará em 1857, estudou no Rio de janeiro, onde voltou a morar até seu falecimento em 1916.. Desenvolveu boa parte de suas atividades em Belém, onde fundou e dirigiu o colégio americano (1883-1890), foi diretor da instrução pública neste mesmo ano e produziu uma série de atividades ligadas a produção de textos para revistas e jornais8 locais.

Nesses escritos apresentará como referências os escritos positivistas de Comte, Spencer e Stuart Mill, como aliás a maior parte da intelectualidade brasileira, naqueles que não eram literários evidentemente, isto poderá ser observado mais adiante quando analisarmos as obras sobre a educação.

As obras de literatura do autor mostram um outro aspecto deste intelectual também afeito a arte.

Por meio de uma cŕitica contínua e por vezes muito dura, pode-se afirmar que seus escritos revelam muito claramente sua preocupação a favor de um novo pensamento na cultura ancorado nas novas teorias copiadas da Europa pela intelectualidade brasileira.

Assim pode-se dizer que:

As considerações realizadas por José Veríssimo, nos Estudos Brasileiros (1877-1885) sobre o Movimento Intelectual Brasileiro nos Últimos Dez Anos (1873-1883), representam um alerta para a situação lastimável em que se encontravam a ciência, a filosofia e a literatura no país, como também o despertar de uma nova mentalidade cultural interessada em discutir e difundir as novas idéias do século. (FRANÇA, 2004 P.26)
Assim, mesmo reconhecendo sua importância para o desenvolvimento no estado por tudo que fez pela implementação de uma instrução e educação de qualidade no Pará, não se pode deixar de afirmar que José Veríssimo é um legítimo representante do pensamento burguês e liberal, defensor das idéias republicanas e, por conseguinte, do positivismo que contribuiu para implementação de teorias como a eugenia e o higienismo no Brasil que como já vimos anteriormente também transformou radicalmente o desenho das cidades brasileiras como Belém.

O desenvolvimento e propagação dessas idéias acontecerão, principalmente acreditando-se que:

A crença generalizada de que a construção de um país se faz por meio da educação inspirava-se nas obras de Comte, Herbert Spencer e Stuart Mill, onde a educação ocupa lugar de destaque. As idéias desses teóricos exerceram uma influência significativa no Brasil. A meta a ser atingida pelas elites brasileiras era inserir o país no século, reforçando o pressuposto de que, para se alcançar o nível das populações dos países mais avançados do capitalismo internacional, era necessário e indispensável superar o “atraso cultural” existente39. Atingir as marcas do progresso científico das sociedades modernas estaria na dependência direta da renovação cultural, da reforma do ensino e do aperfeiçoamento da instrução pública. (FRANÇA, 2004, p.29).
Nesta perspectiva, José Veríssimo ao a proferir o discurso de inauguração do “Colégio Americano” afirma:

Para um dos espiritos mais poderosos deste século, o eminente philosopho inglez Herbert Spencer, a educação- e sob este título ele compreende também a instrucção- tem por fim preparar-nos “para a vida completa”9,como se expressa elle, pelo estudo dos principaes generos de actividade que constituem a vida humana; actividade que ele classifica assim: 1ª que tem por fim de directo a conservação do indivíduo; 2ª a que provendo às necessidades da sua existencia, contribue indirectamente para sua conservação; 3ª aquella cujo o ojectivo é a manutenção e educação da família; 4ª a que aasegura a conservação da ordem social e política; 5ª finalmente, a actividade de gênero variado empregada a preencher os ocios da existencia pela satisfação dos gostos e sentimentos. (VERÍSSIMO 1888, p.8)


Neste bojo, destacará a importância da educação física, que deveria ser considerada tão importante quanto a educação moral, o que ocupará boa parte de sua atenção ao pensar o tipo de educação que considerava ideal. Por isso, em suas propostas considerará a educação física como disciplina essencial a formação de uma sociedade evoluída.
O Colégio Americano

A educação preconizada e implementada no Colégio Americano, fundado e dirigido por José Veríssimo em março de 1884, que funcionou até 1890, se tornou referência de instrução e educação na cidade de Belém, localizado na estrada de Nazaré, era, em relação a época considerada como moderna pois:

Os princípios pedagógicos aí delineados tinham como referência a ciência positiva, de matriz positivista e evolucionista. Esse ideário pode ser visualizado em várias passagens dos escritos que compõem a nova edição da Noticia Geral Sobre o Colégio Americano. (ibdem, p.23)
Este ideário positivista adotado no Brasil, que segundo Guiraldelli Junior foi aquele de matriz comteana10, baseado na objetividade, na observação dos fatos e na neutralidade científica, influenciou praticamente quase toda a intelectualidade brasileira a partir da segunda metade do século XIX e embasaram um novo projeto de nação, pelo qual passava fundamentalmente a educação escolar.

Para este projeto educacional que elevasse o Brasil ao grupo de paises desenvolvidos e civilizados era necessário uma escola que desenvolve-se princípios, valores e hábitos capazes de garantir uma nova formação, que preparasse os homens para atuar num sociedade moderna e assim o colégio americano tentou cumprir esse papel.

Nesta nova educação, ganha espaço então disciplinas que estivessem em consonância com tais princípios, no currículo então, aparecem química, biologia, física e matemática as línguas modernas como o francês e o inglês, pois: “A ciência e o pensamento científico deveriam substituir as práticas tradicionais, presas ao estudo do sobrenatural ”. (FRANÇA, 2004 p. 36)

Além destas, surge a educação física como disciplina que privilegiava a formação de homens cuidando do desenvolvimento físico para suportar a nova ordem, já que a formação intelectual, já estava sendo garantido. Tudo isso na perspectiva de um disciplinamento e moralização. Assim:

Nesse processo de valorização da disciplina, do tempo e da ordem, em que se fundamentava a educação escolar das elites, ministrada pelos colégios, ganhava espaço a Educação Física, na medida em que o físico disciplinado se colocava como condição necessária e indispensável para a consolidação da nova ordem sócio-econômica. Disciplinar o físico representava, entre outras coisas, disciplinar o espírito e a moral, para a manutenção de uma sociedade da ordem. (ibdem p.46)
Seguindo esta tendência ela (educação física) terá um papel destacado, ocupando uma parte significativa no Colégio americano, merecendo espaços bastante relevantes nos relatos, mesmo que não entre no rol junto das outras disciplinas e que o vencimento pago aos professores seja menor em relação as outras disciplinas.

Isto é facilmente percebido em passagens como:

Além das materias referidas referidas funcionarão regularmente os cursos de música dirigido pelo conhecido professor, o sr Pinto de França, de Ginástica Pelo sr F. Ory, aquelle duas, este uma vez por semana, não tendo eu sinão a louvar a dedicação e assiduade do dous distinctos professores.(Ibdem p.22)

Ou então:

Entre as modestas mas sinceras tentativas que tem feito o Collégio Americano no sentido de introduzir no seu systema geral de ensino algumas das melhorias pedagógicas mais bem aprovados nos paizes de alta cultura, uma das que melhor tem vingado é a da educcação physica, para cuja terceira festa annual tive a honra de convidar-vos, em nome em nome dos meus alunos, que espero que o sejam com honra, os heróes d`ella (VERÍSSIMO, 1888 p.26)
A educação física adotada no colégio e ministrada pelo militar Fortunato Ory, que compreendia a ginástica, os jogos e os exercícios militares, estava dentro das proposições teóricas que vinham acontecendo no país desde o início do século XIX, qual seja, o higienismo e do militarismo. “A educação física no Brasil se confunde em muitos momentos de sua história com as instituições médicas e militares” (SOARES 1994, p.85)

O higienismo largamente difundido pelos médicos, de influência direta do positivismo irá trazer a ginástica, entre outras medidas, como estratégia para modelar e disciplinar o físico das classes dominantes fosse no campo ou na cidade, objetivando a saúde, por meio de todo um conjunto de procedimentos e para toda a família.

CASTELLANI FILHO (1994) Ao tratar da questão também afirma algo semelhante, de que o discurso médico higienista, assim como o militarismo, foi fundamental na solidificação da educação física como capaz de contribuir para forjar indivíduos saudáveis e fortes através da família, mudando seus hábitos e costumes, pois era incapaz de incutir novos valores e proteger assim seus membros, incluindo-se as crianças.

Também concorreu para o desenvolvimento da educação física brasileira as instituições militares, desde a criação da escola militar, chamada de Real Academia Militar, no início do século XIX11, até o final do período conhecido como “Estado Novo”, deixando marcas profundas até hoje percebidas na prática pedagógica de muitos professores como a disciplina, hierarquia, obediência12.

Neste sentido, no estabelecimento criado por José Veríssimo, a educação física estava em pleno acordo com as teorias da época e dentro dos preceitos que concorreram para a sua sedimentação na sociedade brasileira, pois trazia claramente elementos a pouco tratados em suas proposições, disciplinando o físico, o espírito, assim:

Não há pois, sinão razões de prezarmos a gymnástica, como um meio da educação physica, si quizermos dotar a nossa pátria de não só cidadãos instruídos e moralisados, mas sãos principalmente si forem seguidos n`esse ensino os preceitos da pedagogia de mãos dadas com a hygiene.

Estes sábios conselhos, reunidos acima na opinião de Laisné, tem sido sempre postos em pratica no systema de educação physica do COLLEGIO AMERICANO, Systema que além dos cuidados hygiênicos, cuja falta n`uma casa d`estas é quasi um crime, abrange os exercícios militares, os longos passeios, a gymnastica methodicamente aprendda, e em larga copia, os jogos mais recomendados na educação corporal como a barra, o piquete, o salto-carneiro, o round, o quadrado, o cavalheiro, a balle-aux-pots, a balla do caçador e outros que exigiam apparelhos especiaes como o cricket, o lavou-tennis, etc, para os quais se acha o colllegio covenientemente apetrechado, e que eu vi com imenso prazer bem aceitosda da maior parte dos nossos alumnos”.

Aulas de gymnastica regulares, exercicios diarios de gymnastica hygienica, sem aparelhos, partidas de cricket e de todos aquelles jogos, em muitos dos quaes tomava parte activa o distinto professor que a tez annos dirige o ensino de gymnastica n`esta casa, passeios fóra da cidade, uma regulamentaçãostrictamente pedagogica das horas de trabalho e de recreio- são os meios postos em prtaica pelo COLLEGIO AMERICANO para dar aos alumnos que lhe são confiados a educaçõa physica que o futro da família, da pátria e da humanidade, está reclamando com não menos imperio com que a educação intellectual. Si apezar dos sacrificios que tenho feito e da lucta que metem sido necessario sustentar, já com os preconceitos das familias, não tenho realisado inteiramente o intuito que me dirige, tudo hei feito para consegui-lo, convencido que estou que, justamente em nosso paiz, onde um clima menos benigno debilita os organismos, mais imperiosa é a necessidade de prepararmos nossos filhos para a lucta da vida, não só guarnecendo-lhes o espirito e melhorando-lhes os sentimentos, mas, e principalmente, avigorando-lhes o corpo, em respeito ao principio da philosophia antiga, corroboradoe experimentalmente verificado pela sciencia moderna : espirito são em corpo são. ( VERÍSSIMO, 1888, p.30)

Assim não podemos deixar de afirmar, em que pese todos os avanços aduzidos pelo Colégio Americano, dentre eles a implementação da educação física que “se orgulhava em ter iniciado no estado”, bem como de considerá-la “à altura de um princípio integral de educação”(Ibdem p.26), de que seu ensino era baseado numa visão de homem dicotomizado, fragmentado e destinado a elite da capital e daqueles que pudessem pagar por ela, comprometido assim com o projeto de desenvolvimento das idéias liberais, então em plena ascensão no Brasil.

A EDUCAÇÃO NACIONAL


A idéia básica aqui é analisar qual a concepção de educação física, analisando o capítulo em que trata da mesma, mas possibilitando ao leitor ter uma visão geral que garanta sua interpretação dentro de uma totalidade da obra.

Acredita-se que nessa obra, José Veríssimo traz uma concepção mais definida da educação física, pois esta, foi escrita após seis anos em que foi diretor do Colégio Americano e um ano como diretor da instrução pública do Pará.

Escrita pela primeira vez em 1890, no Pará, tendo sido reeditada outras duas vezes é sem dúvida uma obra muito importante na trajetória de José Veríssimo, por ele mesmo assinalada logo nas primeiras páginas, mas também no cenário educacional brasileiro, que passava por uma mudança substancial, a passagem do sistema Monárquico para uma república.

A edição a que se teve acesso foi a 3a de 1986, a última, e que está estruturada em: uma introdução a esta edição, escrita por José Alexandre Barbosa, uma introdução de 1906, quando o livro foi editado pela segunda vez e uma introdução da primeira edição. Seguida de oito capítulos.

Na primeira introdução, desta 3a edição o autor a cima referido faz um apanhado geral sobre a obra de José Veríssimo e sobre a “Educação Nacional” e da dificuldade de realizar uma crítica e conceituá-la como análise e interpretação das obras de arte. Na segunda introdução tem-se uma análise decepcionada e pessimista de José Veríssimo sobre o primeiro governo republicano e a transferência de Benjamin Constant para o Ministério da Instrução, na introdução a primeira edição ele faz uma análise da cultura brasileira e do atual estágio sob o julgo da república recém implantada.

Nos capítulos seguintes com muita argúcia e desenvoltura vai tratando dos temas: I A II educação nacional; III As características Brasileiras; IV A Educação do caráter; V A geografia Pátria e a educação nacional; VI A História Pátria e a educação Nacional; VII A Educação da Mulher Brasileira; VIII Brasil e Estados Unidos e a Conclusão.

Como categoricamente se informou, intenciona-se aqui a análise do capítulo III a Educação Física, para tentar se evidenciar como o autor percebia a educação física após dirigir o colégio americano por seis anos e também diretor da instrução pública do estado do Pará.

Analisando este capítulo, o autor começa por chamar Herbert Spencer para fazer, por meio de uma citação, a crítica ao fato de que apenas no final daquele século se começava a falar de educação física no Brasil, quando na Europa isto já acontecia desde o início daquele século e apoiado ainda nesse autor afirma que o entendimento correto da educação física não está só na ginástica ou nos exercícios físicos, mas abrange a higiene:

Não é só esta verdadeira e ultimíssima compreensão dessa forma de educação que, não obstante preconizada desde montaigne, Locke, J.J. Rosseau, Hufeland e Froebel,57 apenas agora começa a sair do domínio da especulação para o da prática. Como deixa manifesto a citada passagem de Spencer, a educação física não se limita apenas, como o vulgarmente se supõe, aos exercícios físicos, mas abrange a Higiene, considerada esta última conjunto de “regras a seguir na escolha dos meios convenientes para entreter a ação normal dos órgãos nas diversas idades, constituições, condições da vida e profissões58 (VERÍSSIMO 1986, p. 83)
Esta educação física deveria começar antes mesmo da criança nascer, com os cuidados higiênicos da mãe devendo continuar na infância na perspectiva de formar gerações sãs e fortes, pois os hábitos de que constituíam a educação das crianças por parte das famílias estavam impregnados de vícios que impediam os ideais de uma educação moderna.

Outros aspectos ressaltados por José Veríssimo neste capítulo, são: a questão da psicologia científica como base para uma educação e educação física, a observação de que os exercícios deveriam ser selecionados, idade da segunda infância como ideal para serem iniciados, a dificuldade de implementar um sistema de educação física, pois as pessoas instruídas estavam envolvidas com outras atividades e costumes não aceitando exercícios físicos.

Destaca-se ainda a forma como ele abordou a educação física desenvolvida na Europa e nos Estudos Unidos, valorizando a importância que tinha ginástica, os jogos e outras formas de exercitar o corpo e o quanto eles contribuíam para a formação de uma nação com homens fortes, disciplinados, patrióticos e em alguns destes fazendo parte dos programas escolares.

Pensava ainda, que para um país como este que possuía características diferentes dos paises europeus cujo sistema educacional estava desenvolvido e a educação física era privilegiada, precisava-se ajustar as suas especificidades.

Neste sentido, percebe-se que a concepção de educação física presente em José Veríssimo é aquela que pensava uma educação do físico, representada em um corpo forte e saudável, cujo propósito era servir à construção de uma sociedade moderna e civilizada.
Á guisa de conclusão

Longe de condenar ou absolver incondicionalmente este intelectual tão importante para a educação física entre outras áreas, tentou-se realizar uma crítica rigorosa dos seus escritos no sentido analisar qual a concepção de educação física estava presente no pensamento do projeto educacional proposto para o país que ele defendeu de maneira firme no estado do Pará. Ao fazê-lo consegue-se também perceber qual a concepção de homem, de mundo, de educação e educação física, que é extremamente importante para entender o desenvolvimento da educação até os dias atuais e a partir de estudos como este construir uma compreensão minuciosa da constituição da área e de sua importância para a educação.



Nesta perspectiva, a importância do intelectual José Veríssimo no desenvolvimento da educação e educação física, no estado do Pará como viu-se neste texto é inegável, assim como o caráter liberal de suas idéias e propostas, seja nos escritos do “Notícia Geral sobre o COLLEGIO AMERICANO” ou no “A Educação nacional”.





Compartilhe com seus amigos:
  1   2


©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
santa catarina
Prefeitura municipal
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
Processo seletivo
ensino fundamental
Conselho nacional
terapia intensiva
ensino médio
oficial prefeitura
Curriculum vitae
minas gerais
Boletim oficial
educaçÃo infantil
Concurso público
seletivo simplificado
saúde mental
Universidade estadual
direitos humanos
Centro universitário
Poder judiciário
saúde conselho
educaçÃo física
santa maria
Excelentíssimo senhor
assistência social
Conselho regional
Atividade estruturada
ciências humanas
políticas públicas
catarina prefeitura
ensino aprendizagem
outras providências
recursos humanos
Dispõe sobre
secretaria municipal
psicologia programa
Conselho municipal
Colégio estadual
consentimento livre
Corte interamericana
Relatório técnico
público federal
Serviço público
língua portuguesa