Idéias de Negócios que podem mudar sua Vida Quebra-galhos profissional



Baixar 354.64 Kb.
Encontro03.03.2019
Tamanho354.64 Kb.

Idéias de Negócios que podem mudar sua Vida

Quebra-galhos profissional


Ganhe dinheiro com a solução de problemas dos outros
Sabe aquele quadro que precisa ser pendurado desde o dia em que você se mudou, os presentes de aniversário que você não comprou por falta de tempo e aquele show ao qual você não foi porque os ingressos já haviam se esgotado? Para resolver problemas do gênero, quem não tem vontade de contar com aquela supergovernanta, igual às que vemos nos filmes? O único senão é que dificilmente encontraremos alguém assim pelo caminho. Quem se vê em pequenos apuros, porém, pode recorrer a profissionais dispostos a ser uma espécie de "faz-tudo". Pois é exatamente o que se propõe a fazer a empresária Laura Bortolai, de São Paulo, criadora da Help Home. Laura garante que a demanda cresce e que há espaço para novos empreendedores no ramo, ainda mais nas grandes cidades, onde o corre-corre impede a execução de tarefas do dia-a-dia. Segundo ela, além da dona-de-casa sem tempo, os principais clientes são as pessoas solteiras e idosos que moram sozinhos.

Se você gosta de lidar diretamente com o público e está disposto a encarar diferentes desafios a cada chamado, investir no ramo pode ser uma excelente oportunidade para criar seu próprio negócio. Não é preciso dispor de muito espaço ou contratar um batalhão de profissionais para colocar a empresa em operação. O ideal é formar parcerias com equipes de eletricistas, pedreiros, pintores, marceneiros, arrumadeiras, faxineiras, etc. Mas Laura alerta: é preciso tomar muito cuidado na seleção desse pessoal. "Só contrate gente de confiança e competente para não comprometer seu negócio." Mesmo assim, é recomendável que você supervisione de perto os trabalhos.

A Help Home organiza armários, despensas, documentos, cuida de jardins, faz pequenas reformas, mudanças e até reservas em restaurantes. A empresária conta que já teve que comprar dezenas de presentes de amigo-secreto para funcionários de uma empresa. Ela garante que cumpriu a missão com louvor.

Lições ao pé do ouvido


Cresce a procura por aulas de inglês por telefone
Falar inglês é cada vez mais um requisito básico de uma carreira profissional bem-sucedida. Só que a falta de tempo de quem mora em grandes centros urbanos é um dos principais empecilhos para os interessados em freqüentar as aulas. Nesse caso, um professor do outro lado da linha telefônica pode ser um ótimo aliado. Isso mesmo: aulas de inglês por telefone. Trata-se de uma oportunidade para quem quer montar um negócio com baixo investimento.

O método funciona da seguinte forma: antes de começar o curso, cada aluno é avaliado para saber qual seu nível de conhecimento e a carga horária adequada, segundo Liliane Coutinho, dona da By Telephone, de São Paulo. Em horário previamente combinado, o aluno liga para o professor e assim começa a aula, que pode ser acompanhada por um livro didático.

Alunos executivos — A grande vantagem é que professor e aluno não precisam se deslocar de um lado para o outro e os horários podem ser flexíveis. Outro ponto favorável é o baixo custo. Liliane, por exemplo, cobra cerca de 20 reais por hora de aula, com pagamento via boleto bancário. À medida que a demanda aumenta, é possível formar parcerias com outros professores. Eles atenderão em nome da escola, sem que estejam necessariamente no mesmo endereço.

O público-alvo, em sua grande maioria, é composto de executivos com agendas apertadas, de acordo com Liliane. Por isso, é comum que os horários mais procurados sejam logo no começo da manhã, na pausa para o almoço ou depois do expediente. A dona da By Telephone diz que sua empresa já tem 18 anos e atende mais de 150 alunos.

Ao contrário do que se pode imaginar, o curso não foca só a conversação, segundo a empresária. Exercícios por escrito são feitos nos livros. Ela acredita que esse tipo de aula tende a se tornar cada vez mais procurado, já que o método é eficaz, pois exige concentração do aluno. "Mas é necessário que do outro lado da linha haja um professor experiente, que adote metodologia adequada", diz. n L.V.

Estilo e arte sobre rodas


A demanda por serviços de tuning aumenta dia a dia
Oque era conhecido em outros tempos como "envenenar" o carro mudou de nome e ganhou um perfil contemporâneo. Conhecido, atualmente, como tuning, cuja tradução exata do inglês seria "ajuste fino", o serviço consiste em modificar o automóvel por meio de equipamentos e acessórios, seja para melhorar seu desempenho, seja para deixá-lo com visual diferente.

De acordo com o gosto do cliente, as mudanças podem variar de simples alterações nos pára-choques, para conferir ao bólido um visual mais agressivo, à conversão do motor para nitrogênio, para que ele ganhe mais velocidade. Rodas, pneus, amortecedores e molas, ou seja, praticamente todas as partes do automóvel, podem ser alteradas. Há também acessórios, como adesivos e néon, que podem ser inseridos no veículo, para quem gosta de chamar a atenção.

Segundo o empresário Eduardo Bernasconi, organizador da primeira edição da X-Treme Motorsport, a feira do setor realizada em 2002, existem, atualmente, mais de 12.000 lojas especializadas no país e o mercado cresceu, de 2002 até hoje, cerca de 300%. Marco Aurélio Costa e Silva, da KM Tuning, garante que a agenda de sua oficina está sempre lotada e que 90% do público é jovem.

Quem pretende oferecer o serviço deve tomar alguns cuidados em relação à segurança dos carros, que, depois das modificações, pode diminuir. Além disso, o Departamento de Trânsito (Detran) tem leis severas para coibir certas alterações nos veículos e alguns acessórios são proibidos. n L.V.


Seja bem-vindo


A assessoria para executivos estrangeiros é uma boa oportunidade de negócio
Acada ano, centenas de milhares de estrangeiros chegam ao Brasil para tratar de negócios. Só em São Paulo desembarcam anualmente 600.000 turistas corporativos. Muitos vêm de mudança ou pretendem ficar um bom tempo aqui e precisam encontrar moradia, escola para os filhos, enfim, adaptar-se ao país. Quem fala inglês, francês, alemão e espanhol e tem conhecimento básico sobre os hábitos dos países de origem dos estrangeiros, para poder interagir com eles, pode ganhar dinheiro com isso. A oportunidade está sendo aproveitada por empresas como a Welcome São Paulo, administrada por Renata Covas e Maria do Carmo Marine.

Elas contam que, antes de atender cada cliente, pedem a ele que preencha um questionário e, conforme seu perfil e suas necessidades, lhe apresentam, por exemplo, opções de apartamentos para alugar, atividades de lazer, decoradores, etc. Segundo as sócias, é preciso escolher cuidadosamente os parceiros que serão indicados aos clientes para garantir qualidade no atendimento.


Quem pretende montar um negócio do gênero não precisa fazer grandes investimentos na estrutura da empresa. É possível começar apenas com um escritório que tenha espaço suficiente para receber um pequeno grupo de pessoas – alguns turistas de negócios vêm com esposa e filhos –, um telefone e um computador. O preço gira em torno de 50 dólares por hora de trabalho. De acordo com Renata, para procurar uma residência, por exemplo, são necessárias, em média, 30 horas. n Roberta Saviano

Comida light congelada


Hábitos saudáveis e vida corrida das grandes cidades ajudam a aquecer o mercado
Na esteira da preocupação crescente de homens e mulheres de todas as idades com a saúde e a estética, o mercado de alimentos diet e light não pára de engordar. Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Alimentos Dietéticos e para Fins Especiais (Abiad), o crescimento alcança cerca de 25% ao ano desde 1999. A questão é que, com a correria do dia-a-dia, principalmente nas grandes cidades, ficou difícil conseguir manter sob controle as calorias, sem ter que viver só de iogurtes e gelatinas. Por que, então, não atender o público interessado em cuidar da silhueta com a venda de comida diet e light congelada? Embora a oferta de alimentos congelados esteja saturada, a linha de pratos diet e light ainda é pouco explorada e pode ser uma boa oportunidade para novos negócios. No futuro, se você for bom de vendas, poderá fornecer para supermercados, como faz o Saison Frozen Spa, de Itaipava (RJ), desde que tenha recursos para investir em equipamentos mais potentes. Quem tem pouco capital pode começar preparando pequenas quantidades diretamente para os consumidores. Isso permite uma produção totalmente artesanal, com a utilização de eletrodomésticos residenciais.

Os negócios na área de alimentos, porém, exigem cuidados especiais com a higiene, a conservação e os prazos de validade dos alimentos. O acompanhamento de um nutricionista é indispensável, mas pode ser terceirizado, assim como o serviço de entregas. n R.S.


Serviços sem


preconceito para todas as tribos
Os negócios dirigidos a públicos específicos não param de crescer
Aoferta de serviços para grupos de afinidade, como, por exemplo, idosos, solteiros ou GLS (sigla que define gays, lésbicas e simpatizantes), é muito comum em países do Primeiro Mundo e uma tendência em alta no Brasil. A diferença entre uma empresa que atende a grupos heterogêneos e uma que se dedica especialmente aos grupos de afinidade está mais na forma como o serviço é prestado do que em sua estrutura. A programação deve ser escolhida de acordo com o perfil de cada grupo e é imprescindível que o relacionamento com a clientela esteja livre de qualquer preconceito. Por isso, o empresário que pretende atuar na área deve selecionar e orientar muito bem os seus funcionários e também escolher cuidadosamente os parceiros que prestarão serviços, como transporte e hospedagem.

O novo empreendimento pode ser uma agência de turismo ou uma operadora especializada no atendimento a grupos de afinidade, por exemplo. Quem já atua no setor pode ampliar o leque de serviços oferecidos atualmente à clientela, incluindo no pacote passeios a pontos turísticos, eventos culturais e até restaurantes. Pontualidade e segurança, obviamente, são questões essenciais.

Se o alvo for o público GLS, um filão que apresenta grande potencial de crescimento, é preciso ter em mente que o grupo quer ir a programas apropriados, o que não significa, necessariamente, que gosta de viver em guetos. Ou seja, além de eventos específicos, como a Parada Gay de São Paulo, a mais tradicional do país, o roteiro pode incluir também shows, visitas a museus, restaurantes e peças de teatro destinados ao público em geral. "A prestação de serviços para o público GLS cresce a cada ano e já representa 50% do meu negócio", diz Jane Rodrigues, dona da Libertè Turismo e Eventos, agência de Campinas, no interior de São Paulo, que oferece roteiros específicos, mas atende a todos os tipos de clientes. Quando inaugurou a empresa, em 1995, o público GLS representava 2% do faturamento, informa a empresária, que hoje tem uma lista de recém-formados em turismo interessados em estagiar na sua agência.

Além do atendimento a grupos de afinidade, a oferta de serviços a grupos de interesse, como os que apreciam a gastronomia, passeios de aventura, etc., é outra atividade promissora. A Viagens Nobres, do Rio de Janeiro, aberta há oito anos como operadora de turismo convencional, viu suas vendas aumentarem 50% nos últimos dois anos, segundo Carla Freitas, sócia da empresa, com a oferta de pacotes específicos para quem quer cavalgar, pescar, caminhar na mata, conhecer novos pratos. O segredo, diz ela, é contratar especialistas que atuem como consultores em cada tipo de passeio, o que ajuda a atender às expectativas do grupo. n Wagner Roque


Redondas em domicílio


Bufê de pizza para festas atrai demanda crescente
Herança da imigração italiana, a pizza faz parte do circuito gastronômico nacional, particularmente em São Paulo. A incorporação de novos ingredientes abrasileirou, aos poucos, a famosa redonda. De carne-seca a brigadeiro, ninguém dispensa um generoso pedaço. Não é à toa que o número de pizzarias não pára de crescer. Só na capital paulista, elas somam 5.850 endereços. Mas, se você acredita que o mercado nessa área está saturado, talvez seja o caso de rever sua posição. Ao contrário do que muita gente imagina, um novo tipo de pizzaria está ganhando espaço na praça. Trata-se do bufê de pizza em domicílio. Contratadas para festas e eventos, as empresas montam verdadeiras pizzarias na casa do cliente, sem esfumaçar o ambiente, já que os fornos, em geral, são elétricos.

Experiente no ramo, o pizzaiolo Walter Bellini investiu na idéia e criou há três anos, em São Paulo, a Pizza Boa. Com sistema à la carte, oferece 27 sabores salgados e três doces. As pizzas, no tamanho brotinho, são montadas e feitas na hora. Como trabalha com porção individual, as massas já são pré-assadas.

Aos interessados em aproveitar a oportunidade, eis aqui uma dica: toda a estrutura, como forno, balcão, talheres e pratos, é de responsabilidade da empresa contratada. "Antes de fazer a festa é importante conhecer o local, para facilitar o trabalho no dia do evento", explica Bellini.

É essencial, ainda, saber de forma antecipada o total de convidados. Normalmente, as empresas exigem um número mínimo de 30 pessoas. É aconselhável levar uma quantidade de ingredientes a mais para evitar imprevistos. O preço deve ser cobrado por pessoa. O número de funcionários e de utensílios necessários dependerá, é claro, do porte da festa. Quando precisa realizar vários eventos num único dia, Bellini contrata empregados terceirizados, já treinados por ele. "É importante manter o padrão de qualidade", afirma.


RODÍZIO DOMÉSTICO — Outra opção é organizar o bufê em sistema de rodízio, no qual os garçons circulam entre as mesas, oferecendo os diferentes sabores preparados pelo pizzaiolo de plantão. Neste caso, as pizzas costumam ser do tamanho tradicional e a massa é preparada na hora. "É preciso atender com agilidade os convidados, porque o serviço não pode demorar", diz Valdir Dias Jorge, sócio do bufê La Fragata Pizza.

O sucesso do negócio dependerá, entre outros fatores, do cumprimento dos horários, além do cuidado com a higiene e a organização. O empreendedor deve estar consciente de que muitas pizzarias tradicionais também oferecem o serviço de bufê em domicílio. Para fugir da concorrência, uma saída é apostar em preços mais atraentes, sem prejuízo da qualidade. "A maior propaganda é o boca-a-boca", afirma Bellini. "Qualquer deslize pode arranhar a imagem do negócio."


Baladas para pré-adolescentes


Bufê para a moçada que tem entre 10 e 14 anos
pode ser uma boa oportunidade de negócio
Quem tem filhos ou sobrinhos com idades entre 10 e 14 anos sabe como é difícil agradá-los quando o assunto é entretenimento. Justiça seja feita, os pré-adolescentes não têm muita opção para se divertir só com pessoas de sua tribo. É uma fase cruel nesse sentido. Eles não estão mais em idade de freqüentar bufê infantil, nem prontos para entrar nas baladas da turma que já tem mais de 18 anos. Com a intenção de preencher o vácuo do mercado, alguns empresários estão abrindo bufês voltados para os pré-adolescentes, conhecidos nos Estados Unidos como tweens (mistura de teen com between, que, em inglês, significam, respectivamente, adolescente e no meio de). A grande aceitação das casas abertas no ramo comprova que esta é uma oportunidade que promete render bons lucros.

O Blast (que em inglês significa festa ótima), inaugurado em 2003 em São Paulo, foi criado para atender os pré-adolescentes e, de acordo com Karin Mancusi, dona do empreendimento, caiu no gosto da moçadinha. Ela diz que, antes de abrir o negócio, pesquisou o perfil do público e o ponto ideal para instalar o bufê. Escolheu a Vila Olímpia, na zona sul da cidade, que concentra boates para jovens de classe média e média alta.


A decoração do Blast lembra a das casas noturnas da região. Na pista de dança há um sistema de iluminação que projeta uma infinidade de cores, escolhidas de acordo com o tipo de festa e o ritmo da música, normalmente eletrônica. Em geral, são contratados DJs para cuidar do som, o que torna a festa ainda mais parecida com uma autêntica balada para o aniversariante e seus amigos. "Os pré-adolescentes sonham com o dia em que terão idade para freqüentar as noitadas do bairro", diz Karin. "E, quando fazem uma festa no estilo, sentem-se realizados."

Muita agitação — Não se pode esquecer que, para os tweens, festa pouco movimentada é sinônimo de mico. Colocar o bar – que não deve vender bebida alcoólica para menores – longe da pista, por exemplo, obriga o jovem a circular pelo ambiente, uma oportunidade de ouro para que ele possa ver e ser visto. Performances com acrobatas ou malabares e atividades que utilizem a internet também são bem-vindas. Alguns itens requerem investimentos maiores, mas podem ser incluídos aos poucos, conforme o movimento da casa e o perfil dos freqüentadores.

Lembre-se: os diferenciais não devem implicar custos altos demais para o cliente. Karin afirma que os empreendedores que decidirem entrar no ramo podem tomar como base os investimentos iniciais de um bufê infantil – tirando os brinquedos, claro. É possível começar somente com um funcionário fixo e contratar os demais como free-lancers, de acordo com o movimento. Os preços também podem ter como referência os bufês infantis. Para seu conhecimento, um bufê infantil consegue fazer até oito festas por mês, cobrando R$ 1.500 em cada uma, segundo Renato Laredo, dono do bufê Algodão Doce. Afinal, quem paga a festa dos pré-adolescentes são os pais. E eles ainda preferem pensar que, como seus pimpolhos, as despesas com as festas não cresceram. n L.V.

É brincadeira!


Os espaços para a criançada se divertir ganham popularidade
Natação, escola, inglês, judô, balé... Nos dias de hoje, tem muita criança por aí com mais compromissos que os adultos. Acontece que, muitas vezes, elas acabam sem tempo nem espaço para fazer o que mais gostam: brincar. Além disso, os pais, quase sempre muito ocupados, também não podem se dedicar a seus pimpolhos como gostariam. Para agradar a gregos e troianos surgiu a brinquedoteca, cuja procura aumenta a cada dia, principalmente nas grandes cidades do país.

A brinquedoteca difere do chamado daycare, espaço no qual as crianças podem fazer artesanato, lição de casa ou simplesmente dormir, e das escolinhas convencionais. Na brinquedoteca, a ordem é brincar, brincar, brincar. Alguns empreendimentos do gênero, como a Apoio Total, de São Paulo, permitem até que a criançada leve seus próprios brinquedos. Segundo Evani Costa, psicóloga e dona da empresa, é uma tática para que a criança se sinta ainda mais à vontade. Mas, mesmo assim, ela diz que procura renovar com freqüência o estoque de jogos, castelos, carrinhos, bonecas, fantasias, etc. colocados à disposição da turma. Para os que apreciam música, a Apoio Total oferece aulas de sensibilização musical e de artes, uma forma de permitir que eles aprendam enquanto se divertem. O preço cobrado pelo serviço, segundo Evani, pode variar de acordo com a freqüência da criança à brinquedoteca. Os pais também podem adquirir um banco de horas e gastá-las de acordo com a necessidade.

A segurança é um fator que deve ser levado muito a sério por quem vai investir no ramo. Na Apoio Total, por exemplo, não existe portão elétrico. A porta da frente é trancada a chave, para que somente os adultos consigam entrar e sair sozinhos. A vigilância também deve ser redobrada. Afinal, os pimpolhos não ficam limitados a uma sala. Podem correr de um lado para o outro, o que aumenta o risco de queda. Convém contar com ao menos um profissional de educação física para coordenar as atividades das crianças, além de um psicólogo e de um pedagogo. Os brinquedistas, denominação dos monitores que lidam diretamente com as crianças, podem ser estagiários das áreas citadas.

Superlotação perigosa — A demanda pela brinquedoteca é grande, mas poderia ser ainda maior se não fosse a resistência que muitos pais têm em deixar o seu filho brincar à vontade com outras crianças. Nas férias, a procura chega a aumentar 90%, segundo Evani, o que requer cuidado para não colocar um número excessivo de crianças num mesmo ambiente. A melhor propaganda no ramo ainda é o boca-a-boca, porque as mães costumam valorizar as recomendações das amigas que têm filhos da mesma idade que os seus. Mas se você pensa em abrir uma brinquedoteca pode divulgar a empresa por meio da distribuição de folhetos em casas e prédios da vizinhança. Ou, então, oferecer convênios com escolas do bairro. n L.V.


Aprendizado sem fronteiras


Sistema de educação a distância oferece novas oportunidades
Nos dias de hoje, a atualização profissional tornou-se, mais do que nunca, fundamental para conquistar uma vaga no mercado de trabalho, cada vez mais concorrido em todas as áreas. A maior dificuldade para se manter atualizado, quase sempre, é a falta de tempo. Não é por acaso que o ensino a distância, via internet, tornou-se uma das atividades mais promissoras do momento. As estimativas são de que o mercado cresça algo em torno de 35% ao ano daqui para a frente, segundo dados da e-Learning Brasil, portal dedicado ao tema. Eis aí, portanto, um ramo promissor para quem quer montar seu próprio negócio.

Para não perder tempo, você pode tomar alguns atalhos. Um dos caminhos, que não exige grandes investimentos, é o licenciamento de cursos a distância com a marca Educartis, empresa americana que desenvolve programas de formação e educação continuada.

O empreendedor se torna um agente educacional e tem acesso a conteúdo online fornecido pela Educartis, que fornece treinamento pessoal e dá ao interessado o direito de usar os mais diferentes tipos de conteúdo para cursos de curta duração, que podem ser técnicos, de aperfeiçoamento, motivacionais, etc.

Investimento acessível — Com o uso de um datashow e um notebook, incluídos no valor do investimento inicial, o licenciado passa aos alunos as lições que recebe via internet. "Ele funciona como um tutor, se encarregando de conseguir local e alunos para ministrar os programas", afirma o executivo da Educartis, Maurício Curi. Ou seja, é possível oferecer cursos em espaço próprio ou levá-los para dependências de empresas, escolas, auditórios, espaços comunitários, etc. O preço sugerido por aula é de 10 a 20 reais.

O valor do investimento, que aparece no quadro abaixo, inclui não apenas a taxa de licenciamento, a comunicação visual e o material de apoio, como também a compra dos equipamentos (notebook, impressora, som). Mas a organização fica toda por conta do empreendedor, que pagará mensalmente uma taxa de 900 reais ao licenciador. Antes de entrar no ramo, no entanto, convém avaliar quais as possibilidades e as necessidades de programas educacionais na região em que você pretende atuar.

Turismo para os idosos


Agência de passeios para pessoas com mais de 60 anos de idade é uma boa opção
A expectativa de vida do brasileiro aumenta a cada ano, cai a taxa de natalidade e assim a população se torna cada vez mais velha. O Censo do IBGE de 2000 mostrava que havia no Brasil 14,5 milhões de pessoas com mais de 60 anos, ou seja, 8,6% da população. Em 2002, os idosos somavam 16 milhões de habitantes, representando 9,3% da população – um crescimento de 8% em dois anos. A importância que o envelhecimento do país adquiriu pode ser medida pela aprovação do Estatuto do Idoso pelo presidente Luís Inácio Lula da Silva. Longe de formar um grupo de excluídos, os idosos são um poderoso contingente de consumidores que até pouco tempo atrás eram desprezados pelos marqueteiros e representam uma excelente oportunidade para quem deseja iniciar ou incrementar um negócio.

Uma das opções para quem quer atuar nesta área é montar uma agência de turismo que ofereça, para grupos de idosos, viagens e passeios urbanos em vans ou ônibus. A agência paulistana Graffit, por exemplo, oferece passeios que incluem pontos turísticos da cidade de São Paulo e são programados conforme o gosto do público. Segundo o empresário Carlos Silvério, diretor da agência, o ideal é apresentar roteiros que proporcionem aos clientes certa dose de nostalgia.

Além dos cuidados básicos, como segurança e pontualidade, pode-se oferecer diferenciais, como a escolha de trilhas sonoras de acordo com o perfil de cada grupo, para serem ouvidas durante o trânsito. Ou então procurar estimular a formação de grupos fixos para novos passeios. Um alerta: é fundamental que, em caso de utilização de ônibus para o transporte dos idosos, sejam escolhidos veículos que tenham degraus mais próximos do chão.

A terceirização do serviço de transporte pode ser conveniente para que você não tenha que se preocupar com assuntos que nada têm a ver com o negócio propriamente dito, como manutenção mecânica, recrutamento de motoristas e espaço para estacionar os veículos.

Apesar de o faturamento mencionado no quadro ao lado ser bastante atraente, é bom que os candidatos a ingressar no ramo saibam que se trata de um valor bruto, faturado por uma empresa já estabilizada, como a Graffit. A margem de lucro, segundo Silvério, fica em torno de 15%. O valor total a ser pago pelo cliente depende dos gastos com transporte, hospedagem, ingressos, jantares, etc.

Cinema em casa


Demanda por serviços de projeto e instalação de home theater está em alta
Quem não gosta de assistir a bons filmes, com a mesma qualidade de som e imagem de um cinema moderno, no conforto do lar? Por que, então, não aproveitar e abrir um negócio numa área que oferece um enorme potencial de crescimento? Com a popularização do chamado home theater (nome que se dá à combinação dos mais diferentes equipamentos eletrônicos, como TV, videocassete, aparelho de som, DVD e caixas acústicas), puxada pela queda de preços ocorrida nos últimos anos, a demanda por serviços de projeto e instalação aumentou proporcionalmente.

Afinal, quem deseja ter um home theater de verdade, muitas vezes, quer criar um ambiente especial para as suas sessões privadas de entretenimento. Para isso, a aparelhagem deve estar disposta em móveis planejados e os equipamentos devem ser definidos de acordo com o tamanho do cômodo em que se pretende instalar o home theater.

Segundo informações da Associação Brasileira das Empresas de Áudio e Vídeo (Abeav), o setor deve faturar 1,5 bilhão de reais em 2003. A previsão de crescimento para 2004 é de mais 20%. O caso da Studio Rivera, empresa de São Paulo que atua no ramo, é emblemático da explosão do mercado. Quando a empresa foi aberta, há quatro anos, recebia dez chamados de clientes por mês, segundo o empresário Thiago Rivera, dono da empresa. Hoje, diz ele, as chamadas se multiplicaram por três – e a previsão é de que as vendas continuem em alta.

Isso não significa, porém, que qualquer aventureiro que abrir um negócio do gênero vai se dar bem. De acordo com Rivera, só se obtém sucesso na área com conhecimento técnico, pontualidade e muito capricho em cada trabalho. Mas quem ainda não tem as habilidades técnicas necessárias e quer ingressar no ramo pode freqüentar os cursos oferecidos pelo Senai com apoio da Abeav.

Proteção nunca é demais
Além da receita com a instalação dos equipamentos, a manutenção também pode reforçar o caixa
Muros com cercas elétricas, edifícios com circuito fechado de TV, porteiros eletrônicos, luzes acionadas por sensores. A demanda crescente por equipamentos do gênero ainda torna superatraente a abertura de uma empresa de instalação de sistemas eletrônicos de segurança.

Segundo dados da Abese, a entidade que reúne as empresas de segurança eletrônica, o setor deve crescer 10% em 2004.

Assim como em outros ramos, porém, boa parte da receita vem da manutenção. O empresário Klain Gonçalves, dono da Klaintel, que instala basicamente cercas de segurança e circuito fechado de TV, por exemplo, diz que 50% de seu faturamento tem origem na manutenção. O ideal é que as empresas atuem numa região específica para não deixar o cliente na mão nem ter gastos desnecessários com transportes. A atualização tecnológica dos equipamentos e dos funcionários é fundamental para a empresa não perder competitividade.

Mais que um acessório para carros


Pára-brisas que dificultam a visão de fora para dentro do veículo ganham as ruas
A insegurança dos motoristas em relação aos ladrões que atuam nas grandes cidades aumenta na mesma proporção que o número de carros em circulação. Para amenizar o problema, é crescente o número de pessoas que optam pela aplicação de película plástica – a mais conhecida é a da marca Insulfilm – nos vidros dos automóveis.

A película dificulta a visão de fora para dentro e não prejudica a do motorista, mas é preciso levar em conta que existem determinações legais em relação ao grau de transparência que os vidros devem ter. Além disso, ela impede que o vidro se despedace em caso de alguém quebrá-lo.

Poucas atividades devem ter apresentado crescimento maior do que a venda dessa película nos últimos anos. Ainda assim, representa oportunidade para quem quer abrir uma oficina especializada ou para quem tem empresa de instalação de alarme e de som conseguir aumentar sua receita. Outra vantagem é que a película plástica pode ser instalada também em vidros residenciais, já que está crescendo a demanda pelo uso doméstico.

O empresário Antônio Luciano da Silva, um dos sócios da Som Forte, de São Paulo, por exemplo, diz que a aplicação da película plástica é manual e pode ser feita pelo mesmo profissional que instala alarmes, rádios e alto-falantes. "Em geral, os dois serviços são solicitados pelo mesmo cliente", diz Silva.

A oficina deve ter espaço para, no mínimo, quatro carros com portas abertas. A localização da empresa em vias de grande movimento e perto de concessionárias ou de revendas de veículos usados ajuda a atrair o público-alvo. Apesar de haver grande concorrência no ramo, o empreendedor deve utilizar somente material de boa qualidade, mesmo que seja mais caro, para evitar dor de cabeça mais tarde, em razão de reclamações dos consumidores.

Jardinagem com sofisticação


Cresce a procura por soluções para clientes da classe média alta
Omercado de floricultura e paisagismo vem crescendo ano a ano no Brasil. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Floricultura (Ibraflor), em 2002 o setor movimentou nada menos que 3 bilhões de reais. Entre os principais motivos para o crescimento está o fato de que as pessoas valorizam cada vez mais os ambientes ecologicamente corretos. Assim, plantas e flores estão se tornando imprescindíveis quando o assunto é decoração. Só que, agora, o setor ganhou uma pitada de glamour, devido ao aumento da demanda por parte de consumidores mais exigentes. São pessoas que, além de comprar vasos, plantas e ferramentas de jardinagem, contratam serviços de paisagismo.

Para se ter uma idéia do potencial do mercado, o Garden Center, de São Paulo, atende basicamente pessoas da classe média alta e registra aumento nas vendas de 10% ao ano, segundo Fábio Godoy, gerente da empresa. Com 1.800 metros quadrados de área, decoração impecável e cascatas ao ar livre, a loja, de acordo com Godoy, recebe cerca de 12.000 pessoas por mês.

Quem pretende abrir um negócio no ramo deve se instalar em região próxima ao público consumidor. É essencial saber escolher os itens que vão compor o estoque e a decoração da loja. É fundamental, dizem os lojistas que já atuam na área, criar um cenário atraente. Além dos produtos oferecidos em floriculturas convencionais, recomenda-se também a venda de plantas exóticas, arranjos diferenciados e ferramentas. "Os clientes querem a comodidade de encontrar tudo em um mesmo lugar", afirma José Carlos Monteiro Ávila, um dos sócios da Avila’s Garden, também de São Paulo.

Se o estabelecimento oferecer o serviço de manutenção de jardins e contar com um profissional de paisagismo, melhor ainda. Ele poderá criar projetos para os clientes, indicando o tipo de planta que melhor se adapta ao solo e à incidência de luz do espaço disponível.

Outra tendência no ramo são as flores artificiais, que no passado recente eram consideradas bregas, mas ganharam status de produtos ideais para ambientes internos com ar condicionado. Logicamente, os produtos devem ser de bom gosto e ter acabamento impecável. A Jardim Contemporâneo, em São Paulo, apostou na idéia. "As empresas, principalmente, optam por este tipo de decoração para evitar gastos de tempo e dinheiro com manutenção", afirma

Garotada radical


As crianças agora são o público-alvo de quem oferece passeios ecológicos
Não é nenhuma novidade que os passeios ecológicos e os esportes radicais se tornaram febre entre os adultos. Agora é o público infantil o alvo das empresas do setor. Embora seja uma tendência ainda recente, é uma boa oportunidade para quem quer iniciar um negócio no ramo ou incrementar um já em funcionamento, como é o caso de uma agência de turismo. Cláudio Guedes, sócio da agência de ecoturismo Trilharte, do Rio de Janeiro, por exemplo, era dedicado somente a atividades ecológicas para adultos. Há dois anos, passou a criar serviços para o público mirim e garante que a procura vem aumentando sem parar. Segundo ele, a Trilharte promove comemorações de aniversários infantis e excursões escolares, levando os pequenos clientes a locais cercados de verde e com direito a aventuras, como mostra a foto abaixo.

Quem pretende investir na atividade deve montar roteiros variados e atraentes para a garotada. Também é bom firmar parcerias com escolas e empresas, já que os passeios são sempre em grupos. O principal alerta ao empresário novato no ramo é o cuidado na seleção dos guias que acompanharão as crianças nos passeios. Todas devem ser bem preparados, com habilidade para lidar com a garotada. Os passeios escolares normalmente são acompanhados por professores, mas mesmo assim é recomendável que os guias tenham noções de biologia e geografia, para que o passeio seja realmente educativo.

Assim que monta um pacote, a empresa precisa avisar os pais com antecedência que tipo de roupa as crianças devem vestir e o que precisam levar nas mochilas. Exigir autorização por escrito, assinada pelos responsáveis, ajuda a evitar problemas futuros.

Passeio de jipe — Na Trilharte, o preço é cobrado por criança e cada serviço extra é acrescentado separadamente. "É aconselhável evitar grupos muito grandes", afirma o proprietário. "O ideal é que tenham entre dez e 20 crianças." A elaboração do roteiro de atividades também exige cautela. A trilha deve ser de fácil acesso e os esportes, selecionados de acordo com as limitações do grupo. O desafio deve ser compatível com a idade da garotada. "No rapel, por exemplo, a altura da escalada em geral é de sete metros para crianças de 8 a 13 anos", diz Guedes. Outro serviço que pode ser incluído no pacote e que ajuda a atrair o público infantil são os passeios de jipe. n R.S.


Informática na terceira idade


Cada vez mais procurados, os cursos de computação para idosos oferecem boas perspectivas
De acordo com uma pesquisa da consultoria Indicator/GFK, a maior parte dos idosos do país hoje leva uma vida ativa e 25% deles são responsáveis pelo sustento da família. São 15 milhões de homens e mulheres que movimentam 7 bilhões de reais por mês. Ou seja, estão muito longe do estereótipo dos velhinhos que passam seus dias fazendo tricô ou jogando dominó. Com a expectativa de vida do brasileiro na casa dos 70 anos de idade e subindo ano a ano, o público da terceira idade compõe um mercado crescente, cada vez mais disposto a consumir e a aprender. E nos dias de hoje, em que os computadores já se tornaram peças comuns das residências, é natural que haja interesse das pessoas mais velhas em aprender a manejar essas máquinas. Ou seja: oferecer cursos de informática pensando nessa parcela da população pode ser uma boa oportunidade de negócio.

As psicólogas Arlene Leardi e Amarilis Velloso Maradei, por exemplo, fundaram em 1996 a Vila das Artes, em São Paulo. Agregaram aulas de informática à sua oferta de cursos como dança de salão, alongamento e teatro. Segundo Arlene, hoje o curso de computação responde pela maior fatia do faturamento da Vila das Artes. E não pense que os alunos querem aprender apenas o básico. "Eles demonstram interesse por assuntos como o tratamento de imagens com o uso de software e até pela montagem de filminhos no computador", diz a empresária.

Quem planeja montar um negócio no ramo, no entanto, deve começar tomando alguns cuidados básicos. É essencial, por exemplo, que o prédio tenha facilidades de acesso, estacionamento e salas de aulas com iluminação adequada para os idosos. A atenção dispensada aos alunos durante as aulas também interfere no rendimento deles. Recomenda-se que as turmas tenham no máximo seis pessoas e que as aulas sejam ministradas respeitando as limitações comuns às pessoas dessa faixa etária. Para isso, é essencial que o empresário do ramo contrate somente professores que, além de hábeis em ensinar informática, sejam especializados no atendimento a pessoas mais velhas. Que, aliás, costumam ser bons alunos.

Há vagas para pimpolhos


O chamado day care é uma boa opção para quem já trabalha com a criançada e quer ampliar os seus ganhos
A vida corrida das grandes cidades impede que os pais se dividam satisfatoriamente entre os cuidados com os filhos e os compromissos do dia-a-dia. Normalmente, eles mantêm as crianças em escolinhas ou contratam babás em tempo integral. Acontece que, hoje, muita gente está preferindo opções mais flexíveis, para recorrer a elas em ocasiões especiais, como nos dias em que é preciso ir ao cabeleireiro, ao supermercado ou à reunião no meio da tarde, quando precisam deixar os pimpolhos sob os cuidados de profissionais treinados e confiáveis, por algumas horas.

Foi com tal proposta que surgiu recentemente no mercado um negócio conhecido como day care, que oferece serviço de babá cobrado por hora. Enquanto permanecem no local, as crianças podem brincar sob orientação de monitores, fazer artesanatos, lição de casa ou descansar.

Como se trata de idéia ainda recente, apesar da boa aceitação em grandes cidades como São Paulo, o day care é uma boa opção para quem já tem um hotelzinho, bufê infantil ou escolinha e quer incrementar o negócio. Quem já trabalha com a criançada ou mesmo quem pretende abrir uma empresa no ramo deve dispor de ambientes como fraldário e banheiros adaptados às crianças, além de atender às demais exigências referentes à segurança das instalações.

A empresária Inês Reingenheim inaugurou, em junho, o day care Passatempo, em Moema, bairro de classe média alta paulistano. O local, que possui as características mencionadas acima, recebe meninos e meninas a partir de 2 anos. Além de atividades de entretenimento, a garotada pode fazer pesquisas na internet e lição de casa. O Passatempo cobra 12 reais por hora por criança, mas o preço pode cair se os pais fecharem um pacote de horas mensais.

Já o Amor Perfeito, em Perdizes, bairro de classe média de São Paulo, foi fundado há três anos como um day care no estilo hotelzinho infantil, o que inclui possibilidades de pernoite. Em seguida, as empresárias Irani Batista e Maria Ivonete Ribeiro, sócias no negócio, anexaram uma escolinha ao empreendimento. Só aceitam crianças de até 6 anos. Segundo Maria Ivonete, a procura aumenta nas férias escolares. Mas é fundamental estipular uma lotação máxima, para que as crianças sejam bem atendidas e os pais fiquem tranqüilos.

Flashes por todos os lados


Venda de câmeras fotográficas para festas ganha mercado no país
Sabe aquelas cenas de festas de casamento, formaturas e aniversários que acabam ficando de fora dos álbuns de fotos e só estão guardadas na memória dos anfitriões e dos convidados, por falta de um fotógrafo por perto para registrá-las? Pois agora já existe uma forma de captar todos os detalhes da festa, sem precisar contratar um exército de fotógrafos profissionais para fazê-lo. Uma idéia importada dos Estados Unidos e que está fazendo sucesso no Brasil é a distribuição de câmeras fotográficas de baixo custo entre os convidados, para que eles próprios registrem as cenas que quiserem da festa. Fica a critério do anfitrião revelar as fotos ou deixar essa incumbência também com os convidados.

Quem quiser montar um negócio no ramo pode alugar ou vender as máquinas, que por enquanto são importadas e já vêm com filme e flash. A Wedding Cameras, de São Paulo, por exemplo, vende cada câmera por 26 reais e aluga por 18 reais. Roberta Ferreti, sócia da empresa, garante que há demanda. Ela alerta os novos empreendedores do ramo, porém, sobre a necessidade de fazer as encomendas antecipadamente e em quantidade suficiente para dar conta dos pedidos, que tendem a crescer mês a mês. "Além da oscilação do dólar, a importação demora", afirma. Outra dica: é importante testar o equipamento antes de escolher a marca com a qual você pretende trabalhar. A empresa pode formar parceria com empresas de eventos, de formaturas e bufês. n R.S.


Pisos elevados


A instalação dá bons lucros
Quem tem um computador em casa ou no escritório sabe o que isso significa. Nada mais desagradável do que o emaranhado de fios interligando o micro com impressoras, scanners e outras máquinas. Em vez de reclamar dos problemas trazidos pela tecnologia, procure oferecer a solução. Os chamados pisos elevados, formados por placas de madeira sustentadas por estruturas metálicas, são capazes de transformar o ambiente. Embaixo das placas podem ser passados não apenas os fios, mas também as tubulações do ar-condicionado e hidráulicas. Se você for entrar no ramo poderá vender tanto o material quanto a instalação, segundo Marco Pucci, da Tate Pisos Elevados, de São Paulo.

A qualidade da mão-de-obra é vital, de acordo com Sílvio Soares, da NDN & Retrofit, também de São Paulo, e é preciso operar dentro das regras da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Mas você e seus funcionários podem adquirir e aperfeiçoar seus conhecimentos em cursos técnicos de cabeamento. Embora ainda haja espaço na região Sudeste para a oferta do serviço, é nas regiões Norte e Nordeste que estão as melhores oportunidades, segundo os empresários do ramo. n L.v.


Um oásis na cidade


As clínicas prometem cuidar do bem-estar e da beleza dos clientes
Em meio à agitação das grandes cidades do país, o spa urbano, também conhecido como day spa, que surgiu nos últimos anos, representa uma espécie de ilha de tranqüilidade. A atividade se enquadra no setor de bem-estar pessoal, mas distingue-se das clínicas de terapias orientais porque inclui, além de tratamentos para relaxamento, uma série de serviços voltados para a estética. Ao contrário dos spas tradicionais, em que o paciente se interna num local afastado por alguns dias, o day spa permite sessões diárias, sem que o cliente precise abrir mão de suas atividades cotidianas.

Se você pretende investir nesse ramo pode seguir os passos do bem-sucedido Corpo e Mente, de São Paulo, que oferece tratamentos para eliminar o estresse e também para quem quer perder os quilinhos a mais. Na opinião de Elaine Santos, sócia do empreendimento, o primeiro passo para trabalhar no ramo é jogar limpo com o cliente. "Não adianta prometer que a pessoa vai ficar com um corpo que, na verdade, ela nunca terá", afirma Elaine.

Para oferecer o melhor atendimento ao cliente, é importante conhecer um pouco sua vida e seus hábitos para sugerir as melhores alternativas de horários e serviços que podem ser oferecidos dentro de sua rotina. Segundo Elaine, a personalização do atendimento é a chave do sucesso do negócio. "Não dá para atuar como produção em série, ou seja, colocar o cliente numa sala com outras pessoas e uma esteticista que nem sabe seu nome", diz ela. No Corpo e Mente, alguns serviços ganham ainda mais sofisticação e passam a servir como referencial para os clientes, como a drenagem linfática, que é feita com luz apagada, ao som de música relaxante. Mas o novo empresário do ramo deve saber que, como em qualquer atividade, tudo isso requer profissionais capacitados e ambientes bem divididos. A empresa pode agregar serviços extras, como caminhadas diárias, ginástica com personal trainer e acompanhamento a grupos que estimulam a perda de peso. O Corpo e Mente oferece, ainda, aromaterapia, aulas de ioga e ginástica indiana. Para não aumentar demais os custos com mão-de-obra, os serviços de esteticistas e de professores, remunerados conforme a quantidade de atendimentos, podem ser terceirizados pela empresa.

O fim da papelada


A gravação de arquivos em CD-ROM pode facilitar a vida das empresas
Em muitas empresas ainda é comum encontrar pilhas de papéis em prateleiras, armários ou sobre as mesas. Mas o que para elas é um problema pode ser uma grande oportunidade para quem quer começar um novo negócio. A digitalização de documentos, que procura eliminar a papelada e diminuir o espaço ocupado pelo arquivo morto por meio da transferência dos dados e informações para um CD-ROM, dificilmente deixará o empreendedor sem clientes para atender.

Para quem se dá bem com informática, não dispõe de muito espaço para se instalar e nem pretende contratar muitos funcionários pode ser a atividade ideal. Basta dispor de um bom scanner e de computadores de última geração.

Para se ter idéia de uma das vantagens da digitalização, os discos são capazes de armazenar textos, fotografias e filmes feitos com câmeras digitais. Num CD cabem de 10.000 a 14.000 imagens. Ou seja, um pequeno disco pode guardar o equivalente a dezenas de livros. O serviço começa com a higienização do material de papel, ou seja, a retirada de carbonos, clipes e grampos. Depois, vêm a reprodução digital dos documentos, o tratamento e o armazenamento das imagens.

Na opinião do empresário Paulo Eduardo Geene, da New Image, que atua no ramo, a maior parte das empresas desconhece os benefícios do serviço, ainda considerado supérfluo por muitos executivos e empresários. Segundo Geene, quem começa a usar o serviço, porém, não quer mais parar. Se ele está certo no que fala, isso só comprova o enorme potencial existente na área. n L.V.


Um banho de conveniência


A Blindex inaugura um novo formato de venda em shopping center
O setor de decoração oferece sempre oportunidades para novos empreendimentos. Se você tem afinidade com o ramo e quer abrir um negócio próprio pode optar por uma franquia da Blindex, marca de vidros temperados para box de banheiro. Entre as vantagens do formato oferecido estão os seguintes fatores: cada quiosque exige espaço de apenas 9 metros quadrados e não é preciso mais do que três funcionários por unidade, o que torna a administração do empreendimento menos complexa se comparada à maioria dos negócios.

Fundada em 1951, a empresa vai abrir em janeiro seus primeiros dois quiosques de venda de vidros em shopping centers de São Paulo, que funcionarão como modelos para a futura expansão de seus pontos-de-venda. Os quiosques, de 9 metros quadrados, são equipados com computador para simular como ficariam os diferentes tipos de box no espaço de que o cliente dispõe. "A idéia é oferecer mais comodidade e conveniência aos clientes", afirma André Giglio, da Francap, consultoria de São Paulo especializada em franquias.

Segundo Leopoldo Garcés Castiella, diretor comercial da Pilkington Brasil, multinacional inglesa proprietária da Blindex, o plano é abrir franquias nas principais capitais do país. A Pilkington se apresenta como líder de mercado, com produtos destinados à indústria de automóveis, de eletrodomésticos e da construção civil. "Os candidatos não precisam ter experiência no ramo", ele afirma.

No ano passado, a Pilkington pôs em prática o projeto de franquias de unidades de produção dos vidros Blindex. Neste caso, a empresa oferece a parceria a poucas dezenas de produtores de vidros temperados do país. Os candidatos à franquia industrial precisam investir em fornos que custam, em média, 3 milhões de reais, para a produção de vidro do tipo float, usado como base para a produção do vidro temperado. Mas, independentemente do poder aquisitivo do candidato a franqueado e se ele vai optar por indústria ou pelo quiosque de box, é fundamental que avalie com cautela o potencial do mercado em que pretende atuar antes de tomar a decisão.

Papelaria ecologicamente correta
Cresce demanda por reciclados
A demanda por produtos reciclados aumenta na mesma proporção do crescimento do grau de conscientização da população sobre o assunto. Para se ter idéia da evolução, em 1996 chegou ao Brasil o conceito ISO 14000 e desde então mais de 1.000 empresas já foram certificadas por trabalhar dentro de normas que respeitam o meio ambiente. Só nos últimos dois anos 400 empresas foram incluídas na lista de ecologicamente corretas, segundo Jacques Demajorovic, mestre em Administração e Planejamento Urbano e autor do livro Sociedade de Risco e Responsabilidade Socioambiental (Editora Senac, 40 reais, 277 páginas).

Abrir um negócio voltado para a preservação do meio ambiente, portanto, tende a se tornar cada vez mais um bom negócio. Algumas atividades exigem investimento alto, como a reciclagem de vidro ou de alumínio, por exemplo. Mas o empreendedor que dispõe de pouco capital pode começar montando um comércio de produtos reciclados. Como existe uma variedade muito grande de materiais convém definir o foco, ao menos no início do negócio, para obter resultados mais atraentes.

Uma sugestão é a montagem de uma papelaria de material reciclado para vender cartões, agendas, caixas de presente e materiais escolares e de escritório, entre outras coisas. O papel permite a confecção de peças criativas. Mas, como os produtos costumam ser mais caros do que os convencionais por serem artesanais, os clientes, em geral, pertencem à faixa de maior poder aquisitivo da população. A clientela inclui também profissionais como arquitetos, decoradores e artesãos.

A loja deve ter vitrines e balcões que facilitem a exposição dos materiais, porque, como em qualquer negócio, o visual é fundamental para o sucesso do empreendimento. De acordo com Martha Genta, da Espaço do Papel, de São Paulo, é preciso considerar que a atividade sofre uma queda nos meses de dezembro a março por conta das férias escolares. Nesse período, o empresário pode promover cursos de aperfeiçoamento para artesãos, o que ajuda a estimular o negócio e aumentar as vendas.


Vacinação antiestresse


Os banhos de ofurô e as massagens atraem cada vez mais o consumidor
Correria, falta de tempo para descansar e para se alimentar corretamente, estresse. A agitação do dia-a-dia nas grandes metrópoles brasileiras é a melhor propaganda que poderia haver para os serviços ligados ao bem-estar pessoal. Trata-se de um mercado que cresce, em média, 30% ao ano no país desde 1998, segundo estatísticas de empresários do setor. Quem tem afinidade com o ramo e quer montar um negócio promissor pode abrir uma clínica de terapias orientais, com massagem e banho de ofurô. Na mesma linha, o spa urbano, que será abordado mais detalhadamente na página 57, também é uma atividade em alta nas capitais e grandes cidades do país.

Acima da expectativa — Na tentativa de aproveitar a oportunidade, o empresário Marcos Motta abriu, há três anos, a clínica Kan Tui, em São Paulo, nome que, em japonês, significa água e lago. Instalada em um sobrado no Brooklin, bairro paulistano de classe média, a clínica oferece, além dos serviços citados acima, reeducação alimentar e reeducação postural global (RPG). "Em 2003, esperava crescer 30% em relação a 2002, mas cheguei a 60%", diz Motta.

Segundo ele, quem entrar no ramo deve contratar como funcionários fixos apenas o pessoal administrativo. Os demais profissionais podem ser autônomos. As instalações requerem bom planejamento para oferecer conforto e segurança aos clientes. Se houver escadas, é recomendável colocar material antiderrapante no piso. Portas largas e macas resistentes facilitarão o atendimento a pessoas obesas.

Como se trata de uma atividade em constante expansão, o empreendedor atento poderá aumentar suas chances de lucro. Motta notou, por exemplo, que muitos clientes queriam comprar ofurôs para instalar em casa. Ele decidiu, então, contatar o fabricante para representá-lo comercialmente e dar assessoria sobre como preparar o banho. Recentemente, ele firmou parceria com uma unidade do Hotel Meliá localizada no bairro do Itaim Bibi, também em São Paulo, para oferecer o banho de ofurô como serviço opcional aos hóspedes. Um funcionário da Kan Tui fica de plantão no hotel e, quando solicitado, leva um ofurô móvel até o quarto do hóspede e, com todo o ritual oriental, prepara o banho com os sais.

Além do revólver e da espingarda
Produtos que estimulam a imaginação e o lado lúdico da criançada ganham mercado
As crianças, em geral, adoram montar e desmontar brinquedos coloridos de madeira que lhes permitem usar a imaginação e estimulam seu lado lúdico, principalmente as que têm até 6 anos de idade. E não são só elas que gostam dos chamados brinquedos educativos. Os pais, cada vez mais, dão preferência a eles na hora de comprar um brinquedo para seus filhos. Talvez, por isso, o consumo de brinquedos educativos esteja crescendo, em média, 30% ao ano desde 1999, segundo dados da Abrine, a entidade que reúne as empresas do ramo.

Se você pretende abrir um negócio do gênero, é preciso, antes de qualquer outra coisa, definir com cuidado o que é realmente brinquedo educativo. Os produtos não devem ter cantos vivos, farpas, nem partes que possam ser engolidas pelas crianças. E todo material só pode ser pintado com tinta atóxica. A grande maioria dos fornecedores é de artesãos e pequenas fábricas, mas é possível encomendar produtos exclusivos, segundo o empresário Walter David Dudeck, dono da paulistana Holz Meister (mestre em madeira, em alemão). Isso ajuda a tornar sua empresa mais competitiva.

Os brinquedos devem ser dispostos em prateleiras acessíveis para as crianças, com um visual colorido, agradável e divertido. Assim como acontece no comércio de brinquedos convencionais, nas lojas de brinquedos educativos o movimento também cresce significativamente no Dia das Crianças e no Natal, quando o faturamento de uma loja do ramo chega a triplicar em relação aos demais meses do ano. Em compensação, em janeiro e fevereiro as vendas caem até 50%, o que exige boa administração dos estoques e do caixa para não operar no vermelho. n W.R.

Butique para cowboys urbanos


A cultura rural conquista as cidades e abre oportunidades para lojas do gênero
Todos os anos são realizados mais de 1.200 rodeios no Brasil, que movimentam cerca de 1,5 bilhão de reais. Se considerarmos que cada evento reúne milhares de pessoas, dá para ter uma idéia do potencial que existe por trás dessa movimentação toda. Trata-se de um setor que, nos últimos anos, cresceu ao menos 7% ao ano, segundo dados do Clube dos Independentes, responsável pela organização do maior rodeio do Brasil, em Barretos, interior de São Paulo.

Com um mercado de tal envergadura e eventos tão bem produzidos, muitas vezes glamourizados pela TV, não é de admirar que a imagem do "caipira" também tenha mudado – e para melhor. A legião de adeptos da cultura country, formada por jovens de classe média e média alta não economiza nas compras de roupas típicas e acessórios.

Abrir uma loja do gênero, portanto, pode ser uma boa oportunidade de negócio. O estabelecimento deve ter visual bem cuidado, segundo Diogo Calazans, da loja Young Horse, de São Paulo.

O lojista pode, por exemplo, vender peças para selaria, decoração e também oferecer consertos de chapéus, recorrendo a terceiros. Mas é preciso tomar muito cuidado com peças de couro de animais exóticos, que exigem autorização do Ibama, a entidade de controle da fauna e da flora do país.


Parece tecido,mas não é


Misto de papel e pano,o material permite fabricar uma gama enormede produtos
Toucas e aventais para médicos e dentistas, máscaras respiratórias, luvas, toalhas de mesa, lençóis descartáveis, porta-CDs. A lista de produtos que podem ser feitos com Tecido Não-Tecido (TNT), um misto de papel com pano, ultrapassa os 400 itens e não pára de crescer. Entre os motivos está o fato de essa malha ser barata e higiênica. Isso tem contribuído para que o material ganhe cada vez mais espaço no mercado, principalmente no setor médico-hospitalar. Outra área que também utiliza o TNT é a de embalagens, seja para presentes, roupas ou calçados.

A popularização dos produtos feitos com TNT tem contribuído para que o mercado cresça em média 10% ao ano, de acordo com dados da Associação Brasileira das Indústrias de Não-Tecido (Abint). Segundo Anderson Eugenio, dono da Delta Descartáveis, que produz artigos para o setor médico-hospitalar, o fabricante precisa seguir as regras estabelecidas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Além disso, a empresa precisa obter licença da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e de órgãos ligados ao meio ambiente para operar dentro da lei. Para conseguir resultados atraentes, porém, é necessário produzir em grandes quantidades e tornar-se fornecedor de laboratórios, hospitais, lojas e empresas em geral.

Calcinhas descartáveis — Já o empresário que planeja fabricar embalagens de TNT não enfrenta, é claro, tantas exigências de órgãos públicos. Em contrapartida, começa com perspectivas menores de faturamento. Mas também pode reduzir os investimentos em equipamentos e contratação de pessoal, além de terceirizar algumas etapas do trabalho, como estamparia e costura. Desde que mantenha o foco na sua atividade principal. É exatamente o que faz Waldir Cirillo, dono da Arte da Embalagem. "Não abro mão do processo final, que inclui colocação dos cordões nas embalagens, nem do controle de qualidade", diz ele.

Como se trata de um setor em franco crescimento, no qual o Brasil ainda é considerado emergente por especialistas da área, quem for abrir uma confecção pode fabricar inicialmente um ou dois produtos e depois ampliar o leque, conforme as necessidades detectadas a partir do relacionamento com o cliente. Além dos artigos básicos já citados, o TNT permite a confecção de protetores para volantes, saquinhos de lixo para carros, revestimento barato de colchões e até calcinhas descartáveis para as mulheres utilizarem na hora da depilação.

De acordo com o tipo de produto que a empresa fabricará, devem ser escolhidos os tipos de TNT, que têm gramaturas diferentes para cada aplicação. As cores também são muito variadas e os fornecedores costumam ter dezenas de opções. Uma dica: os não-tecidos de propileno são opções ideais para os empresários iniciantes, pois são mais baratos. n L.V.

Boa leitura com rotatividade


Monte sua locadora de livros
Você pode achar estranho, mas o comércio de livros está crescendo no país. De acordo com o Sindicato Nacional de Editores de Livros (SNEL), de 2001 para 2002 houve um aumento de 7% nas vendas e neste ano o bom resultado deve se repetir. Não fossem os altos preços das publicações e a carência de pontos-de-venda, os índices de crescimento poderiam ser ainda maiores, considerando-se que as feiras de livros têm se constituído num grande sucesso de público e renda.

Num cenário tão favorável, uma boa alternativa de negócio, que exige investimento relativamente baixo e permite que as pessoas possam ler sem gastar muito dinheiro, é a locadora de livros, com entrega em domicílio. Além da economia, o cliente pode contar com a comodidade do delivery, o que é um chamariz a mais, principalmente em grandes centros urbanos, nos quais o tempo das pessoas é cada vez mais escasso.


O investimento inicial se destina basicamente à aquisição de livros. Segundo cálculos da empresária Michele Nascimento Bus, proprietária da Praxis Libris, o ideal é ter um catálogo de, no mínimo, 1.000 exemplares, para começar. Nem há necessidade de os títulos serem todos diferentes. Um bom título pode ter grande demanda, como ocorre nas videolocadoras, e exigir a compra de várias cópias. Também não é preciso que todos os livros sejam novos. Alguns podem ser adquiridos em sebos.

Como não há necessidade de ponto comercial, é possível montar o negócio em uma sala da própria residência, com prateleiras que permitam uma boa organização. É certo, porém, que o empresário precisa dispor de linhas telefônicas para atender os chamados e contar com um serviço de entrega eficiente, que pode ser terceirizado ou feito por motoqueiros próprios. Os clientes pagam taxas mensais à locadora, que costumam variar entre 30 e 50 reais, e podem alugar quantos livros quiserem no período.

A presença de lançamentos no catálogo é obrigatória. Por isso, é preciso ficar atento às listas dos títulos mais vendidos publicadas nos jornais, revistas semanais e na internet. E reservar uma parte do faturamento para aquisição de novos títulos a cada mês.

Michele acha fundamental oferecer atendimento personalizado. Ela organiza uma ficha de cada associado com a lista de todas as obras que ele já alugou e sua opinião sobre cada uma. Assim, consegue avaliar o gosto do cliente e recomendar novas leituras. Outra dica para atrair o público: oferecer sinopses dos livros disponíveis e criar uma lista de espera para os mais procurados.

Depois de consolidada no mercado, a locadora pode criar convênios para atender funcionários de empresas. Mas é preciso cuidado para manter uma quantidade de exemplares disponíveis proporcional ao número de clientes cadastrados. Assim, você não precisa fazer grandes investimentos nem corre o risco de deixar o cliente na mão. n R. S.

Pit stop paraduas rodas


O aquecido mercado demotos cria oportunidadespara revendas e oficinas
Ninguém dúvida que as motocicletas tornaram-se uma mão na roda para muita gente, seja para trabalhar, para fugir de congestionamentos, para economizar combustível ou para se aventurar em estradas acidentadas. Não é por acaso que o faturamento do setor cresceu 30% em 2003, gerando uma receita de 5,8 bilhões de reais, de acordo com a Associação Nacional dos Fabricantes e Atacadistas de Moto.

O aumento do número de motos produzidas no Brasil, que alcançou aproximadamente 1 milhão no ano passado, representa uma boa oportunidade não apenas para revendedores, mas também para oficinas. Aos que desejam ingressar no ramo, porém, convém escolher com cuidado a região na qual pretendem se instalar. "O perfil do público e os tipos de motos variam muito", afirma Decino de Oliveira Filho, proprietário da Moto Hobby, de São Paulo.

Um alerta: fique atento em relação ao tamanho do local do empreendimento. Além de uma área para consertar as motos, é importante dispor de espaço para estacionar ao menos uma caminhonete, normalmente utilizada por corredores de motocross para transportar suas motos. É recomendável também que a oficina esteja localizada numa região de fácil acesso. Quem pretende trabalhar com motocross também precisa de um carro equipado com ferramentas para realizar consertos onde o cliente estiver. Mesmo que seja em cidades vizinhas. O empresário pode oferecer, ainda, os chamados serviços de customização, ou seja, a personalização de motos no estilo Harley Davidson.

Sem falar nos serviços de troca de óleo e lavagem. Ao contrário do que acontece com os carros, há poucos lugares especializados em lavagem de motos. Cada modelo necessita de um cavalete específico para suspendê-lo. O preço da lavagem costuma variar de acordo com o tipo de moto. Mas, em geral, custa mais caro do que a lavagem de automóveis. n R.S.


A moçada que não é mais criança


Os chamados tweens querem um atendimento exclusivo
Os jovens com idades entre 10 e 14 anos gostam de escolher suas roupas, querem se vestir de acordo com a moda e são muito exigentes. Em geral, os meninos preferem bermudões, camisas largas e bonés, e as meninas adoram jeans. O problema é que os tweens, mistura de teens (adolescentes, em inglês) com between (no meio de), não encontram muitas lojas só para eles. Até os donos dos poucos estabelecimentos do gênero que existem no mercado concordam que o setor está longe da saturação e dizem que ainda há muito espaço a ser explorado por novos empreendedores.

A empresária Carla Dalla Vecchia, dona da loja Vice Versa, de São Paulo, por exemplo, decidiu abrir sua loja para pré-adolescentes depois de realizar uma pesquisa que lhe mostrou a enorme oportunidade existente na área. Segundo ela, a escolha do endereço da loja deve levar em consideração o poder aquisitivo do público que se pretende atingir. A partir daí o empresário poderá definir também o padrão e o preço das roupas, assim como o leque de fornecedores. Não faltam fabricantes de marcas famosas dedicados a produzir artigos para os tweens, como Zion, Spezzato, Rosa Chá, Lucy in the Sky e até a tradicional Lacoste. Além da variedade de marcas, a loja deve ser também um espaço bem produzido, com som ambiente e música no estilo que eles gostam. n Adriana Monteiro Fonseca


Para a galera de bom gosto


Ganham espaço as lojas de objetos de decoração para o público jovem
Modernos, caretas, ecléticos... Os jovens podem ser de diferentes tribos e estilos, mas uma coisa todos têm em comum: não abrem mão de ter seu cantinho, do seu jeito. Não é para menos que o quarto dessa galera geralmente é seu reduto sagrado. E boa parte adora comprar objetos de decoração que tenham seu estilo. Trata-se de uma população nada desprezível. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os adolescentes no Brasil, com idades entre 12 e 18 anos, somam cerca de 35,2 milhões.

A maior parte das lojas de decoração ainda é voltada para o público mais maduro. Isso indica que há muito espaço para lojas especializadas nos jovens, o que inclui os adolescentes e também as pessoas de vinte e poucos anos. A demanda é muito grande, segundo Bety Pasmanik e Ana Cristina Montrioni, que em 2002 abriram a loja LánaLisboa, em São Paulo. Almofadas, porta-retratos, murais e outros objetos de design moderno funcionam como um convite para atrair esses consumidores exigentes. O segredo do sucesso, afirma Bety, está na arrumação da loja e na exclusividade de produtos. As donas da LánaLisboa garantem que fazem uma peregrinação semanal por feiras e eventos de São Paulo, sempre em busca de novidades. "Nesse negócio, é preciso saber garimpar bons produtos, conhecer o que está na moda e ir atrás de objetos inusitados", afirma Bety.

A Terra Madre, outra loja focada no público jovem, tornou-se conhecida pela originalidade de seus produtos. Heloísa Galves, a proprietária, chama a atenção para a importância de vender objetos exclusivos fornecidos por artesãos e designers.

Muita variedade — Quem é candidato a empreendedor no ramo pode optar pelo sistema independente, como fez a LánaLisboa, ou se tornar um franqueado de empresas como a Terra Madre, que adotou essa tática de expansão no ano passado. Uma franquia da marca exige investimento de 100.000 reais e permite faturamento mensal em torno de 50.000 reais, segundo Heloísa. Mas é fundamental saber escolher o ponto, que pode ser próximo a faculdades e colégios. E inovar sempre. "Esqueça os altos investimentos em estoque. É fundamental reservar capital para comprar mercadorias ao longo do mês", diz Heloísa. A chave do negócio, segundo a empresária, é oferecer muita variedade e poucas peças repetidas. Afinal, quanto mais exclusivo for o produto, mais interessante ele se tornará aos olhos do jovem, que detesta se sentir uma pessoa comum.

O retorno do autorama
Aluguel de pista e manutenção de carrinhos atrai o consumidor
Sucesso entre as crianças na década de 60, o bom e velho autorama conquistou também os adultos no século 21. Hoje, existem até mesmo campeonatos estaduais e brasileiro de Slot Car, como o hobby passou a ser conhecido entre os especialistas do ramo. Há grande procura e ainda pouca concorrência, segundo Ricardo Teixeira, da Monza Autorama, de São Paulo. Uma loja com uma boa pista, para a clientela disputar corridas com os seus bólidos, pode ser um grande negócio.

A Monza Autorama, que existe há 23 anos, é ponto de encontro dos fãs do esporte e seu público, curiosamente, tem crescido nos últimos anos. O local oferece três pistas para competição, locação de carrinhos e ainda vende diversos modelos de autorama. Os consumidores encontram ali até uma oficina mecânica para conserto das miniaturas. Segundo Teixeira, é imprescindível ter um bom estoque de carrinhos para reposição imediata, caso o de algum cliente venha a quebrar.

A organização de campeonatos internos ajuda a atrair clientes, principalmente nos meses de férias escolares, quando o movimento da loja tende a cair. Teixeira, que recebe cerca de 40 clientes por dia, avisa que é preciso ter disposição para trabalhar além do horário comercial, porque à noite a procura é maior. Mas o esforço, de acordo com ele, compensa. Teixeira diz que o negócio oferece alta margem de lucro. Os principais gastos são com a manutenção das pistas e a compra de carrinhos. E pode acreditar: os marmanjos se esbaldam no autorama, tanto ou mais que as crianças. n L. V.

Adrenalina sempre a mil


Esportes praticados ao ar livre oferecem boas perspectivas
Há poucas décadas, seguir pela mata adentro ou navegar pelos rios não era um programa muito requisitado no Brasil, apesar da nossa natureza exuberante. Muito pelo contrário. Mas a crescente conscientização ambiental e um interesse cada vez maior pela ecologia levaram à popularização de muitas atividades ao ar livre, das mais radicais a simples caminhadas.

Atualmente, existem mais de 20 modalidades de esportes praticados em rios, árvores ou montanhas, para quem gosta de muita adrenalina – rapel, mountain bike, rafting, canoagem, trekking, bóia cross, escalada e off-road, entre outros.

Segundo a Organização Mundial de Turismo, enquanto o turismo cresce 7,5% ao ano, o ecoturismo cresce mais de 20% no mesmo período. Hoje, já representa 5% do turismo mundial e, na próxima década, se as projeções forem confirmadas, deverá alcançar 10%.

O diretor da Free Way Adventures, Edgar Werblowsky, empresa que atua no ramo há mais de 20 anos, diz que um pré-requisito essencial para quem pretende aproveitar a oportunidade é respeitar e gostar da natureza e de lidar com pessoas. Para o bom andamento do negócio, o segredo, segundo ele, é trabalhar com pequenos grupos que tenham interesse bem focado. Outra recomendação de quem já atua na área é iniciar o empreendimento em locais pouco conhecidos para a prática dessas atividades. "A Chapada Diamantina, a Amazônia e o Pantanal, por exemplo, já se tornaram muito comuns na rota dos aventureiros", diz Werblowsky. "É preciso garimpar novidades."

CUIDADO REDOBRADO — O amadorismo dos empresários é outro fator para o qual o diretor da Free Way Adventures chama a atenção. O empreendedor que se propuser a entrar no ramo deve estar apto para isso, ou seja, ter feito cursos que o habilitem a manejar a operação com toda a segurança ao esportista. É necessário oferecer serviços de forma profissional, equipamentos de qualidade e instrutores bem formados. Não existem normas da Embratur, a estatal responsável pelo desenvolvimento do turismo no país, que padronizem a atividade. "Não é porque eu fiz um rapel e gostei que estou apto a conduzir outras pessoas na mesma atividade", afirma Werblowsky. "Um acidente grave pode levar uma pequena empresa à falência." n L.V.

Para os chefs de fim de semana


O aluguel de cozinhas modernas para quem gosta de preparar refeições para os amigos atrai um público crescente
Que tal reunir os amigos para um jantar preparado por você mesmo? E, o que é melhor, sem ter de sujar a cozinha de sua própria casa ou do seu apartamento. Nada mal, não é mesmo? Com o crescimento do número de chefs de fim de semana espalhados pelo país, um novo tipo de negócio, que promete bons lucros, surgiu no mercado – o aluguel de uma cozinha de alto padrão com toda a infra-estrutura para eventos gastronômicos. A oportunidade pode ser explorada tanto por quem já tem um negócio no ramo e dispõe de espaço de sobra para ampliar sua atuação quanto por quem pretende abrir uma empresa exclusivamente para esse fim.

A Suxxar, ex-fabricante de coifas e agora uma pequena rede de acessórios de cozinha nacionais e importados com três lojas em São Paulo, se encaixa no primeiro caso. Segundo Tuti Muriel Generali, sócia da empresa, o espaço gastronômico deve ser bem planejado. Além de uma cozinha fechada, com freezers, geladeiras e pia, o local deve ter uma área aberta, com fogão, mesa e fornos, para o anfitrião cozinhar sob o olhar dos convidados. Afinal, é esta a proposta do negócio.

A decoração precisa ser feita com bom gosto, de forma a criar um ambiente o mais aconchegante possível. Como nunca se sabe exatamente que tipo de cardápio será preparado no local, é recomendável oferecer desde panelas básicas até uma área com churrasqueira de alvenaria e forno de pizza. O ideal é incluir também utensílios com designs modernos e práticos, para que o usuário se sinta realmente um chef de cozinha. É fundamental incluir no preço da locação uma margem para reposição de objetos quebrados. Afinal, muita gente que se propõe a encarar o fogão nem sempre tem as habilidades necessárias.

Além do aluguel do espaço, é possível agregar outros serviços, como mão-de-obra de seguranças, manobristas, ajudantes de cozinha e de limpeza e até um chef de cozinha de verdade. Os profissionais podem ser contratados por empreitada, mas têm que ser bem escolhidos, já que atuam com os clientes e funcionam como cartão de visita de sua empresa.

Para que o negócio tenha futuro, é indispensável que o empreendedor se mantenha atento ao agendamento das festas, porque o local deve estar sempre limpo e organizado para o próximo cliente e os acessórios, em perfeito estado. Se o espaço for uma extensão de uma loja de artigos de cozinha, pode servir como canal de divulgação dos produtos vendidos. "Todos os acessórios disponíveis na cozinha são encontrados em nossas lojas", afirma Tuti. Só em dezembro de 2003 o crescimento nas vendas da loja foi de 28%, de acordo com ela, principalmente em razão do estímulo provocado nos clientes por eventos realizados no espaço anexo. n R.S.

Muito além da insulina


Comércio de produtos para diabéticos, um mercado ainda pouco explorado
Lojas dedicadas a públicos específicos ganham cada vez mais espaço entre consumidores de todos os níveis sociais, principalmente nas grandes cidades, onde a vida agitada da população dificulta o deslocamento de um lado para o outro. Afinal, quem não gosta de encontrar boa parte do que está procurando no mesmo endereço? Não é diferente quando o assunto são os produtos para diabéticos. Só quem sofre com a doença ou tem alguém na família com o problema sabe o quanto é difícil encontrar, numa mesma farmácia ou supermercado, remédios, alimentos e outros produtos que fazem parte do seu kit de sobrevivência.

Do ponto de vista empresarial, esse público representa um mercado enorme. No Brasil, segundo a Associação Nacional dos Diabéticos (Anad), existem cerca de 13 milhões de pessoas com a doença. Portanto, montar um comércio no ramo tem tudo para ser um bom negócio. Mas é preciso começar escolhendo bem o ponto. Bairros de classe média ou média alta e loja com estacionamento na porta são fatores a serem considerados.

A empreitada requer cuidados, já que o negócio envolve a saúde dos clientes. A loja deve ter um farmacêutico e contar com vendedores que conheçam as mercadorias para orientar os clientes. Também é necessário que os produtos tenham registro no Ministério da Saúde, segundo Selma Regina Granado, da Pró Dia, loja paulistana cuja franquia custa em torno de 60.000 reais e permite faturamento mensal de 80.000 reais. Para ela, quem vai entrar no ramo tem que se manter atento às novidades e oferecer variedade. Insulinas, doces e comida congelada estão entre os itens mais procurados. O empreendedor deve se manter sempre atento às novidades do mercado e às necessidades do seu público para formar um mix de produtos o mais adequado possível.
Uma boa alternativa para cativar os clientes é criar um endereço eletrônico por meio do qual a loja venda os mais diferentes itens, com entrega em domicílio, claro. A estratégia facilita e muito a vida dos clientes, o que é um fator fundamental quando o assunto é saúde. Afinal, nem sempre a pessoa está em condições de se deslocar de um lado para o outro para comprar os produtos de que necessita.

O site da loja pode também dar dicas de alimentos saudáveis e saborosos para os diabéticos, indicar leituras de seu interesse, anunciar promoções e ainda funcionar como um instrumento de interação entre clientes, como acontece no site da Pró Dia. Segundo Selma, o cliente da loja pode se cadastrar na página da empresa na internet e assim receber atendimento personalizado. n R.S.


Negócio vitaminado


Cuidados com a boa forma estimulam as vendas de suplementos alimentares
Vivemos a era da chamada "geração saúde", em que um número cada vez maior de pessoas quer "malhar" nas academias e consumir alimentação equilibrada e saudável. Tal mudança de comportamento da população estimulou o aparecimento de lojas de suplementos alimentares, que despontam como uma das boas oportunidades de negócio existentes atualmente no mercado.

O ideal, segundo os especialistas em varejo, é se instalar próximo a academias ou em corredores de grande circulação de pedestres, de preferência em bairros de classe média e média alta. O estabelecimento deve ser arejado, limpo e ter os produtos bem organizados em prateleiras e gôndolas, a fim de facilitar a vida do cliente. As lojas podem vender, além dos complementos vitamínicos, alimentos funcionais, que ajudam na prevenção ou tratamento de doenças. Mas, atenção: os produtos precisam ter registro no Ministério da Saúde (MS), segundo José Vilas Boas, sócio da Natural Quality, que atua há cinco anos na área.

Vilas Boas aconselha o empreendedor novato a contar com a ajuda de um farmacêutico, principalmente na seleção do mix de produtos, mas diz que tal profissional pode ser terceirizado. Os vendedores também devem ser bem treinados para que possam saber exatamente que tipo de produto o cliente procura. Um estabelecimento do ramo chega a vender mais de 500 itens por mês. Isso quer dizer que a qualidade, o prazo de validade e as condições de armazenamento dos produtos são fatores que requerem atenção especial por parte do empreendedor. Outra questão delicada são os produtos importados, que chegam a representar 60% do mix. Seus preços variam de acordo com a cotação do dólar, o que exige boa administração do caixa e do capital de giro. No verão, o movimento da loja tende a aumentar significativamente. n R.S.

Gasolina ou álcool?


A demanda por carros bicombustíveis abre espaço para quem quer montar sua oficina de conversão
Com o preço da gasolina nas alturas, as vendas de carros bicombustíveis, ou seja, aqueles que aceitam tanto gasolina quanto álcool, têm apresentado um grande crescimento nos últimos tempos. Os flexfuel, nome técnico dos veículos bicombustíveis, estão no mercado desde 2003. Só em 2004, já representaram 18% do total de veículos novos vendidos no país, segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). E os especialistas no setor acreditam que em 2005 essa categoria automotiva deverá responder por 70% das vendas nacionais.

Embora as grandes montadoras já produzam diversos modelos de veículos flexfuel, quem não consegue comprar um carro novo também pode desfrutar da nova tecnologia. Com isso, a conversão de veículos usados convencionais para bicombustíveis vem se popularizando. Abrir uma oficina especializada nesse tipo de conversão, portanto, pode ser uma boa oportunidade para iniciar um negócio. Quem já atua no ramo de conserto de automóveis também pode aproveitar sua infra-estrutura para oferecer o serviço de conversão.

A mudança consiste basicamente na instalação de um chip que permite alternar os tipos de combustível no mesmo carro. Alex Gomes Sobrinho, dono da Microcare, uma das empresas que fabricam o tal chip, explica que a grande maioria dos veículos pode ser transformada em bicombustível, o que representa um gigantesco mercado consumidor em potencial. Walter Capua, dono da oficina Power Car, de São Paulo, conta que a conversão leva cerca de quatro horas e custa entre 400 e 650 reais. Por ser um processo simples, ele diz que é possível fazer mensalmente dezenas de conversões.

Para obter sucesso no ramo, é ideal que o empresário já tenha conhecimento de mecânica de automóveis. Ele não deve se esquecer também de que é preciso ter muito cuidado para que o carro não sofra avarias durante a execução do serviço. Além disso, o mecânico tem de saber exatamente quais as peças de um carro a gasolina que precisam ser substituídas para que não sofram a corrosão provocada pelo álcool.

Outro ponto que deve ser considerado por quem vai investir no ramo é a sazonalidade. Capua, da Power Car, diz que os meses de pico são os mais quentes do ano, quando muita gente viaja e quer economizar combustível nas estradas. Em compensação, o movimento cai bastante no inverno. n L.V.

Uma boa trilha a ser seguida


Equipamentos e roupas para quem gosta de atividades radicais
O ecoturismo e o turismo de aventura representam mercado promissor no Brasil, com faturamento anual estimado em cerca de 200 milhões de reais e crescimento de 20% ao ano, segundo dados da Associação Brasileira de Esportes de Aventura (Abea). Nesta trilha prosperam as lojas que vendem roupas e equipamentos para quem pratica atividades radicais, como biking, montanhismo, rafting e trekking. Outro sinal do gigantesco potencial existente no ramo é a Adventure Fair, maior feira de ecoturismo e esportes de aventura do hemisfério sul. Na quinta edição do evento, realizada em novembro de 2003 em São Paulo, foram gerados 65 milhões de reais em negócios, contra 55 milhões de reais em 2002.

Um dos exemplos de loja que aproveita muito bem o potencial do mercado é a Cia. da Aventura, de São Paulo. Segundo a empresária Carla Moran, sócia da empresa, o negócio é mais indicado para quem conhece ou pratica esportes de aventura. Afinal, é preciso atender bem o cliente. Como estratégia de marketing, a loja pode oferecer cursos de escalada, de filmagem e de fotografia de esportes de aventura, além de organizar passeios de ecoturismo.


Ponto para a cachaça


Casas especializadas na bebida fazem sucesso
Já vai longe o tempo em que cachaça era bebida de pobre. Cada vez mais a famosa branquinha ganha ares de sofisticação e agrada aos paladares mais exigentes. Os governos e os produtores também estão fazendo esforço de marketing para dar uma nova imagem à bebida, que já conquistou o mercado internacional e tornou-se o terceiro destilado mais consumido no planeta, com promessas de ganhar ainda mais espaço no exterior. Segundo o Programa Brasileiro de Desenvolvimento da Cachaça (PBDAC), em 2003 o Brasil exportou mais de 20 milhões de litros.

Com tudo isso, o próprio brasileiro está redescobrindo a cachaça. A quebra de preconceito, aliada à enorme variedade – são fabricadas mais de 5.000 marcas no país –, vem estimulando o aparecimento de casas especializadas em servir a bebida, batizadas de cachaçarias. Muitas chegam a oferecer centenas de marcas.

Quem quiser montar um negócio do gênero deve oferecer também um cardápio criativo, com petiscos para acompanhamento. Foi o que fez o empresário João da Silva, da Cachaçaria Paulista, de São Paulo. Silva recomenda criatividade para elaborar drinques à base do destilado, o que também costuma agradar ao público. Na escolha do ponto, deve-se optar por locais de vida noturna intensa, já que as cachaçarias costumam ser freqüentadas por clientes de alto poder aquisitivo.

Já existe até mesmo a possibilidade de você escolher uma franquia para ingressar no ramo. A Água Doce Cachaçaria, também de São Paulo, é um exemplo de franqueadores do ramo que estão bem posicionados no mercado. O investimento inicial é de 100.000 reais, para um faturamento previsto de 40.000 reais mensais.

Garantia de um bom mergulho
O verão estimula a demanda por instalação e manutenção de piscinas
Chega o verão e, com ele, as oportunidades de ganhar dinheiro em diversos setores, entre os quais os serviços de instalação e manutenção de piscinas. Um dado que pouca gente conhece e que serve de estímulo para os empreendedores interessados em abrir um negócio na área é o fato de o Brasil ser o segundo colocado no ranking mundial dos países com o maior número de piscinas, com 1,3 milhão de unidades – atrás apenas dos Estados Unidos.

Quem pretende mergulhar no ramo, de acordo com os empresários mais experientes, deve se especializar num tipo específico de piscina – fibra de vidro, alvenaria com revestimento de azulejo ou vinil – em razão de a mão-de-obra, em cada caso, ser diferente. O serviço começa com o desenvolvimento do projeto por técnicos que visitam o local de instalação para analisar o solo e identificar os procedimentos ideais para a construção, com o objetivo de aproveitar bem a incidência de sol. Os técnicos podem ser autônomos ou contratados por meio de empreiteiras, como acontece na Campo Belo Piscinas, de São Paulo.

Segundo Walter Goda, dono da empresa, é essencial contar com profissionais competentes e de confiança, porque em geral eles trabalharão dentro das residências dos clientes. Incluir serviços de manutenção é uma saída para manter o caixa equilibrado, sem depender somente de novas instalações. Não se pode esquecer que os clientes costumam pedir prazo para pagamento, o que justifica a necessidade de o capital de giro ser superior ao faturamento mensal.

Além de um escritório para definição do projeto junto com o cliente, o ponto comercial escolhido precisa dispor de espaço para venda de produtos químicos e peças para reposição. A exposição de um ou dois modelos também representa mais um estímulo para atrair a clientela. Mas os motores, as bombas e as partes de vinil podem ser encomendados conforme cada projeto. Como se trata de negócio sazonal, é importante investir na diversificação dos produtos e serviços para ampliar o raio de atuação. O empresário Flávio Rinaldi, sócio da Hydrotech, diz que, além de piscinas, sua empresa oferece decks de madeira e ofurôs. O atendimento se estende a diferentes pontos: capital, litoral e interior do estado. "É uma forma de garantirmos lucratividade o ano todo", diz Rinaldi.

Vaidade não tem mais sexo nem idade
Aumenta o número de homens que querem cuidar da aparência
Engana-se quem pensa que a preocupação com a aparência é uma característica apenas das mulheres. Hoje, os homens também estão assumindo cada vez mais a sua vaidade. Eles se entregam, sem constrangimento, a tratamentos de beleza outrora relacionados ao universo feminino – cremes para retardar o envelhecimento, limpeza de pele, tintura e amaciamento dos cabelos e drenagem linfática, entre outros.

Uma pesquisa da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec) mostra que, em São Paulo, por exemplo, um em cada 15 homens utiliza cremes antienvelhecimento. A média nacional também indica evolução. Há cinco anos, a proporção era de um homem assumidamente vaidoso para cada 500. Hoje, é de um para 50. Portanto, não faltam oportunidades para quem se dispuser a cuidar da beleza masculina.

O empresário Celso Forster, por exemplo, montou em São Paulo, em agosto de 2001, a Garagem Estética Masculina. A clínica tem uma carteira de 950 clientes e faturamento de 500.000 reais por ano. Segundo Forster, mesmo que, ao chegar, afirmem que só querem cortar os cabelos, muitos clientes acabam por fazer as unhas, limpeza de pele e hidratação facial.
Apesar de ainda existir muito espaço a ser explorado por novos empreendimentos, é importante escolher com cuidado o ponto comercial. O ideal é se instalar em bairros de classe média e média alta de cidades com mais de 250.000 habitantes. Se estiver perto de edifícios comerciais, melhor ainda. Afinal, além de vaidoso, o homem moderno é prático e dispõe de pouco tempo.

Direção facilitada e com segurança


Com a queda do custo da adaptação de veículos para deficientes físicos, o mercado torna-se mais atraente
O desenvolvimento e o barateamento da tecnologia têm aumentado a procura por carros convertidos para portadores de deficiência no país. Segundo uma pesquisa feita pelo IBGE, cerca de 24,5 milhões de pessoas têm algum tipo de deficiência, o equivalente a 14,5% da população do país. É um mercado nada desprezível, que movimenta nada menos que 1 bilhão de reais anuais, dos quais 175 milhões de reais apenas no setor de veículos adaptados.

A conversão implica, basicamente, em acoplar ao veículo equipamentos específicos que permitam ao deficiente dirigir o automóvel sem colocar em perigo a sua vida e a de outros. A tecnologia desenvolvida no Brasil possibilita às pessoas que tenham, no mínimo, dois membros, sejam eles inferiores ou superiores, poder conduzir o próprio carro com tranqüilidade.

Segundo o empresário Carlos Eduardo Cavenaghi, dono da Cavenaghi, fabricante de equipamentos para conversão com 30 oficinas autorizadas espalhadas pelo país, há uma década, o direito de ir e vir era um privilégio dos deficientes mais abastados. O custo de adaptação de um automóvel era muito alto e apenas 90 carros eram modificados, em média, por mês, na sua empresa. Hoje, com o preço variando entre 500 e 2.800 reais, um valor que pode ser parcelado ou financiado pelos bancos, o movimento saltou para 250 veículos.

A mudança é resultado de um maior domínio da tecnologia e do barateamento das peças. Na verdade, afirma o empresário, o que antes era visto como um favor, hoje é mais um serviço prestado pelas oficinas. E engana-se quem pensa que só carrões são convertidos. No pátio da Cavenaghi, por exemplo, há desde fuscas até Mercedes na fila de espera para modificação.

Acessórios — Os interessados em investir no setor, porém, devem dominar a tecnologia e manter-se atualizados com as novidades. De acordo com Cavenaghi, é essencial participar de feiras especializadas. A mais importante é a Feira Internacional de Tecnologia em Reabilitação e Inclusão, realizada em São Paulo, terceiro maior evento do mundo para deficientes, normalmente efetuada no mês de março. A divulgação dos serviços pode ser feita junto a hospitais e centros de reabilitação, ação que costuma render bons resultados.

Para incrementar as vendas, Cavenaghi instalou uma loja de acessórios para deficientes ao lado da oficina. Vende desde muletas até cadeiras de rodas específicas para jogar basquete ou fazer trilhas. Afinal, encontrar no mesmo endereço tudo o que precisa é o que esse consumidor mais quer.


Locadora de conveniência


Máquina de alugar filmes surge como uma oportunidade ideal para quem não dispõe de muito espaço
Você já tentou imaginar a vida nas grandes cidades sem os caixas eletrônicos, as vending machines de salgadinhos e refrigerantes e as máquinas de café expresso nas empresas? Difícil, não? Embora tenham proliferado no país, principalmente depois do Plano Real, implantado em 1994, tornaram-se insubstituíveis para muitos consumidores das grandes cidades, principalmente porque conseguem aliar rapidez e praticidade. Para aproveitar a onda, foram lançadas recentemente no mercado as máquinas automáticas para locação de filmes em VHS e DVD.

Os primeiros equipamentos do gênero apareceram por aqui em 1999 e, como nos demais casos, em pouco tempo caíram no gosto do público. Normalmente instalados em estabelecimentos que funcionam 24 horas, as chamadas "locadoras express" garantem aos usuários praticidade e economia. O aluguel de fitas é cobrado a cada seis horas e, como o sistema tem baixo custo operacional, mesmo que o usuário demore dois ou três dias para devolver a filme, paga menos do que pagaria nas locadoras convencionais.

Trata-se de uma boa oportunidade de negócio para quem já tem um estabelecimento comercial que funciona em tempo integral, como supermercado, posto de gasolina e loja de conveniência, e quer aumentar seus ganhos, segundo Olivier Carol, sócio da Cinebank, de São Paulo, empresa que importa o equipamento da Itália. Quem ainda não tem um negócio também pode comprar a máquina e firmar parceria com um comerciante que disponha de espaço sobrando em seu estabelecimento. É importante, no entanto, optar por uma área de boa visibilidade.
O consumidor aciona o equipamento com o uso de um cartão magnético fornecido por um vendedor de plantão no local. Isso lhe permite ver a lista de filmes disponíveis, por títulos mais alugados ou os últimos lançamentos. Existe também a opção de reserva de fita ou DVD indisponíveis no momento. Os créditos para o cartão são adquiridos antecipadamente e debitados a cada devolução. O melhor é que o empreendedor pode controlar o movimento da máquina a distância, via internet.

Em média, são feitas de 1.500 a 2.000 locações mensais por equipamento instalado em locais movimentados. Para isso, o mix de filmes disponíveis deve ser formado gradualmente, conforme o gosto dos fregueses. De qualquer forma, o dono da Cinebank recomenda ao empreendedor novato no ramo disponibilizar de 20% a 30% da receita para aquisição de novos títulos, sobretudo os lançamentos, responsáveis em média por 70% das locações. Para reforçar o capital de giro, de tempos em tempos o dono da máquina ainda pode vender os títulos menos procurados.


O barato da hospedagem


Com preços baixos, os albergues atraem quem viaja sem muito dinheiro
Todo mundo sabe que o turismo é um dos setores com maior potencial de crescimento no país. O problema é que falta hospedagem barata para quem tem pouco dinheiro no bolso, como estudantes, mochileiros e todos os tipos de aventureiros dispostos a pôr o pé na estrada sem muito conforto. Algo semelhante aos albergues existentes na Europa, nos Estados Unidos e em algumas cidades do país. Por que, então, não atender à demanda potencial?

O empreendimento dispensa altos investimentos e representa uma oportunidade atraente para quem quer apostar no turismo. Os albergues ou hostels, como são chamados em inglês, quase sempre são casas de grande porte adaptadas, com um único banheiro para cada quarto coletivo, que pode ou não abrigar hóspedes de sexos diferentes.

A maioria oferece acesso à internet e conta com uma sala de convivência, com sofás e televisão. "Embora não haja luxo, os cuidados com a limpeza, a organização e a recepção são os mesmos de uma pousada ou de um hotel", afirma Márcia Lippi, dona do Ace Hostels nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Paraty e Petrópolis. Como a maioria dos visitantes é estrangeira, é fundamental saber falar outras línguas, principalmente o inglês. A oferta de serviços de translado e city tour também pode ajudar a engrossar os ganhos.

Segundo Márcia, para atender à demanda na alta temporada o albergue deve acomodar, em média, 40 pessoas, embora, em boa parte do ano, a ocupação seja de apenas 30% da capacidade total. Ao contrário do que ocorre com as hospedagens tradicionais, no caso dos albergues o pagamento deve ser feito de forma antecipada.

LOCAL IDEAL — A preocupação com a segurança também é um aspecto importante. O empreendedor deve contratar vigias para trabalhar durante 24 horas e até instalar circuito interno de TV, sobretudo se o albergue for localizado em grandes centros urbanos.

Outro ponto-chave para o sucesso do negócio é a localização. Como os clientes, em geral, não têm carro, é importante que ele esteja situado numa região de fácil acesso. A escolha da cidade também faz a diferença. Cidades históricas, locais com potencial para o turismo ecológico e áreas litorâneas tendem a atrair um público maior, segundo os especialistas. n R.S.

Um mercado em alta velocidade
A venda de artigos para motoqueiros oferece potencial de crescimento e se torna bom negócio para quem pretende abrir loja no ramo
O mercado de duas rodas está entre os que ignoram qualquer crise. No ano passado, o faturamento do setor alcançou 5,8 bilhões de reais, 30% a mais do que os 4,5 bilhões de reais de 2002. Motivos não faltam para explicar tal crescimento. Nas ruas, há cada vez mais motos para serviços de entregas rápidas e muitos motoristas adotam o veículo como alternativa para economizar combustível. Isso sem falar nos praticantes de esportes como motocross e rally. E no preço dos modelos mais populares. Atualmente, com apenas 50 reais por mês já é possível comprar uma moto no país. Por que, então, não pegar carona nesta onda e abrir uma loja de peças e acessórios para motos?

Basicamente, é possível optar por três tipos de especialização: trail, passeio ou custom (semelhantes à Harley Davidson, como o modelo da foto abaixo). Foi nesta última opção que o empresário Alexandre Kaufmann apostou para criar a Garage Moto, dentro do Shopping Moto & Aventura, na região central de São Paulo. O shopping, considerado pelos lojistas o primeiro especializado no assunto na América Latina, tem estabelecimentos que comercializam peças e acessórios para motos. Segundo Kaufmann, é essencial que o empreendedor iniciante escolha uma das três categorias de motos antes de abrir sua loja.

O endereço também deve ser bem escolhido, afirma ele. Sua loja, por exemplo, está instalada em uma região que concentra lojas do gênero. A vantagem de estar perto dos concorrentes é que os consumidores de diferentes bairros e até de outras cidades costumam procurar peças na mesma região.

Mas, para se tornar competitiva, recomendam empresários do ramo, é preciso que a loja seja atraente, clara e, se possível, com pinturas estilizadas e vitrines que exponham as peças mais procuradas. Acessórios para motoqueiros, como capacetes, macacões, luvas e botas, contribuem para atrair a clientela e, se bem dispostos em manequins, também ajudam na decoração. n R.S.

Funcionários bem alinhados
Com a oferta de mais qualidade e variedade de modelos, as lojas de uniformes se reinventam
Os uniformes deixaram de ser peças sem charme. Eles se sofisticaram e passaram a ser vistos como um benefício oferecido aos colaboradores dos mais diferentes setores, como companhias aéreas, de segurança, além de hotéis e escolas, e secretárias do lar. Com modelos bem recortados e de acabamento impecável, voltaram a ser procurados por empresas e donas-de-casa.

É possível montar uma confecção com revenda ou somente uma loja, o que reduz o investimento em equipamentos e mão-de-obra. A Grifer Uniformes, loja de São Paulo que está há dez anos no mercado, por exemplo, aproveitou o aquecimento no setor e recentemente abriu sua segunda unidade, também na capital paulista. Na opinião de Déborah Lafer, sócia da Grifer, bom atendimento e qualidade são essenciais. Ela adota como tática de venda o envio de vários modelos para o usuário escolher o que melhor se adapta às suas medidas e necessidades. "É preciso fugir do básico e sempre renovar as coleções", diz Déborah.

Além da linha doméstica, a loja também recebe encomendas de clínicas e consultórios que, em geral, solicitam a inserção de seus logotipos nas peças. Para quem deseja abrir um comércio com suporte de uma marca consagrada, no entanto, a Multiform, de Belo Horizonte, oferece a opção de franquia. O investimento gira em torno de 195.000 reais, com previsão de faturamento bruto de 70.000 reais mensais. O empresário do ramo pode oferecer até mesmo aulas de postura para funcionários que utilizam uniformes mais sofisticados.
Curso de mandarim
Crescimento do comércio com a China reforça a demanda por aulas do idioma mais falado no país
As relações comerciais entre Brasil e China, ao que tudo indica, tendem a se solidificar cada vez mais, ao menos no que depender do governo brasileiro. Afinal, como disse o presidente Lula, a China é um "shopping de boas oportunidades". E, pelos números divulgados, parece que é mesmo. Entre 2001 e 2003, as negociações entre os dois países aumentaram de 3,2 bilhões para 6,6 bilhões de dólares. Mas as chances de bons lucros não são privilégio apenas de empresários e executivos que participam das mesas de negociações. A diferença cultural entre o Brasil e a China e o idioma ainda pouco conhecido dos brasileiros acabaram criando oportunidades para professores e donos de escolas de idiomas. Abrir uma escola de mandarim, a língua oficial da China, ou acrescentá-la ao portfólio de sua escola pode ser uma boa oportunidade de negócio.

Um dos exemplos de sucesso é a Holding’s, de São Paulo, que, além do mandarim, ensina também o árabe. Segundo a proprietária, Carla Zindel, o público é formado basicamente por profissionais liberais, executivos e empresários. As aulas, em geral, são individuais ou em turmas de, no máximo, três alunos.

Como os professores que dominam o idioma ainda são raros por aqui, o curso é caro. A hora/aula está em torno de 200 reais na Holding’s. Para reduzir custos com mão-de-obra é aconselhável contratar professores terceirizados, além de oferecer idiomas convencionais, como o inglês, para aproveitar melhor a estrutura. Mas é recomendável manter a especialização em mandarim como foco, com o objetivo de escapar do concorrido mercado de escolas de inglês, francês e espanhol.

Tabacaria cinco-estrelas


Além dos charutos, oferece ambiente agradável para quem quer dar suas baforadas
Não há estatísticas confiáveis, mas um bom observador pode constatar a olho nu o crescimento do número de adeptos do charuto no país, principalmente nas faixas de renda mais altas. Hoje em dia tem surgido nas grandes cidades um novo tipo de tabacaria, mais sofisticada e voltada para um público mais exigente.

Além de vender charutos, as novas tabacarias, como a Roma, de São Paulo, estão instaladas num espaço confortável e charmoso e procuram seduzir a clientela de outras formas. Servem cafezinho ou uísque e oferecem os jornais do dia. Também comercializam objetos como canetas, isqueiros e cigarros. Todos os tipos de presentes finos, voltados principalmente para o público masculino, podem ser incluídos, como gravatas e miniaturas de carros para coleção. Como há poucas tabacarias do gênero, abrir um negócio na área pode ser boa opção. O ponto comercial deve ser bem localizado, ter estacionamento e mercadorias dispostas em mobiliário planejado.

Quanto mais diferenciais, mais facilmente a loja atrairá clientes. Na Roma, funcionários são bem treinados para que possam oferecer atendimento personalizado aos clientes. Além disso, a loja conta com apoio de representantes de marcas conceituadas, como Mont Blanc, Le Cigar e Dannemann, para poder oferecer assistência pós-venda aos clientes.

Outro exemplo de tabacaria sofisticada bem-sucedida é a Advanced House, situada em uma movimentada avenida da zona sul paulistana, por onde circulam pessoas de bom poder aquisitivo. Roberta Silveira Leite, proprietária da loja, diz que na parte da manhã recebe famílias; já no início da noite é a vez de executivos e empresários que saem do trabalho e seguem para um happy hour; e, na madrugada, o local é ponto apreciado por jovens que saem das "baladas", além de profissionais como VJs e DJs, que trabalham até altas horas. A Advanced House funciona até as 4 da manhã.

A diversificação do público exige cuidado redobrado na definição do mix de produtos que compõem os estoques, segundo Roberta. "Estamos sempre pesquisando para saber o que compensa ou não vender" ela diz. "Dessa forma, colocamos constantemente novidades nas prateleiras". A loja oferece serviços de manobristas na porta, um diferencial e tanto para o cliente mais exigente. A A quem pretende ingressar no ramo recomendamos que a loja disponha de sala umidora (com temperatura e umidade controladas) para conservar os charutos. Uma estratégia que funciona como diferencial é a promoção de degustação de charutos e bebidas alcoólicas entre os clientes mais assíduos.

Criar um endereço na internet facilita a divulgação do negócio e o contato com o público. Ainda que o site sirva para vender pela rede, o empreendedor pode criar atrativos como, por exemplo, informações sobre os charutos mais consumidos, a procedência e história desses produtos. Segundo empresários do ramo, os consumidores em geral apreciam dicas sobre o jeito ideal de armazenar, transportar e até de fumar os charutos, cachimbos e cigarrilhas. n

Aluguel de filmes pela internet
Quem não dispõe de muito espaço pode montar uma locadora virtual de fitas VHS e DVDs
A procura por serviços que proporcionem comodidade ao consumidor tende a crescer cada vez mais. E a internet é um excelente canal para que muitas empresas ofereçam serviços diferenciados, como é o caso do aluguel virtual de DVDs. Trata-se de um negócio que não exige um ponto comercial, mas apenas um pequeno depósito. É essencial criar uma boa página na internet, por meio da qual os clientes se cadastram, escolhem os filmes, definem a data de entrega e de retirada. Os filmes são entregues por motoqueiros, que podem ser terceirizados. O pagamento pode ser feito no ato da devolução, por meio de crédito na conta do lojista ou por cartão de crédito. Para oferecer um bom atendimento é recomendável definir uma região preferencial de atuação. Foi o que fizeram Adriana Sanches e Leandro Ianes, sócios da locadora virtual 16 mm, de São Paulo, que atende basicamente a região leste da capital paulista. Quem quiser entrar no ramo, segundo eles, precisa se manter atualizado em relação às novidades cinematográficas e aos lançamentos em DVD. n V.M.

Equipamentos para temporada


Os hotéis que não querem comprar aparelhos são clientes em potencial
Nos meses mais quentes do ano, as empresas de locação de eletrodomésticos e eletroeletrônicos, principalmente as que oferecem aparelhos de ar condicionado, ventiladores, frigobares, freezers e refrigeradores, chegam a ter uma procura 50% maior do que nos demais meses do ano. Em geral, os responsáveis pelo crescimento da demanda são os hotéis e pousadas do litoral, que, em razão do aumento do número de hóspedes no verão, precisam ampliar a estrutura e nem sempre querem empatar capital em equipamentos novos.

Para conseguir se manter no restante do ano, você pode começar a alugar eletrodomésticos nos meses mais quentes e incluir aos poucos outros produtos, como microondas, aparelhos de som, DVDs e televisores no portfólio oferecido à clientela. Outra opção é especializar-se em determinados setores, como o de eventos. Neste caso, a empresa pode oferecer, por exemplo, telões de plasma, projetores de slides e caixas de som para ambientes.

A instalação, a manutenção e o conserto dos equipamentos devem estar incluídos no preço do aluguel, o que implica a necessidade de a empresa contar com bons técnicos, disponíveis 24 horas por dia. A reposição de aparelhos com defeito também não é incomum, o que exige um estoque de emergência do locador.

O empreendedor precisa se manter atento às novidades do mercado para oferecer sempre o que há de mais moderno. Neste ramo, a defasagem tecnológica é sinônimo de queda no faturamento. Outro cuidado que deve ser tomado é em relação à taxa de inadimplência dos clientes. Para cada atendimento, é recomendável fazer um cadastro detalhado. O executivo Luciano Vieira, da Colortel, de São Paulo, empresa que garante ser líder nacional em locação de eletrodomésticos, conta que, certa vez, comprou equipamentos só para alugar para um hotel. Porém, depois de entregue o pedido, o cliente faliu e não pagou o que devia.

O risco do empreendimento, porém, não deve desestimular os candidatos. Ao contrário. Para ampliar a receita, pode-se criar contratos de locação para prazos mais longos, com descontos ao cliente sobre o preço de tabela. A Colortel, por exemplo, cobra 23,90 reais mensais, em média, pelo aluguel de uma TV de 14 polegadas. Mas, quando a solicitação é superior a 50 aparelhos, o preço unitário cai para aproximadamente 14 reais. Tal estratégia exige, de qualquer forma, cálculos cuidadosos para que a empresa não opere com prejuízo.

De olho no cliente saudável


Ganhe dinheiro com uma loja especializada em carnes de frango, codorna, perdiz, peru, pato, faisão...
É tempo de guerra ao junk food (expressão em inglês usada para definir as comidas cheias de colesterol, açúcar e conservantes). De acordo com as pesquisas mais recentes, o número de adeptos dos alimentos considerados saudáveis não pára de aumentar. E não estamos falando só dos vegetarianos e macrobióticos, os mais radicais quando o que está em pauta é alimentação. Muita gente, mesmo sem abrir mão dos produtos derivados de animais, tem preferido comidas mais saudáveis, como as carnes brancas. Isso vem abrindo espaço para lojas especializadas em carnes de diferentes tipos de aves. Então, que tal abrir uma butique de carnes brancas? É isso mesmo: uma butique. Trata-se de um empreendimento diferenciado, com instalações bem cuidadas, boa iluminação e produtos de primeira qualidade. Carnes de frango, codorna, peru, pato, perdiz, faisão e galinha-d’angola estão entre as mais procuradas.

Os especialistas recomendam que o ponto escolhido fique perto de bairros de classe média e média alta, onde se concentra o público-alvo. De preferência, com estacionamento na porta. E que os produtos sejam, obviamente, de boa procedência, com selo de qualidade, e que os estoques durem, no máximo, quatro dias. Os melhores fornecedores são os grandes abatedouros, que vendem tanto produtos frescos como congelados.

O bom atendimento e a apresentação dos produtos também são fundamentais. Por isso, convém investir em balcões refrigerados com vidros transparentes que permitam visualizar bem as mercadorias e estar atento quanto à boa apresentação de seus funcionários. Em ge-ral, quanto maior for o valor agregado às mercadorias, mais facilmente a loja conquistará a clientela. Oferecer aves desossadas, pratos semiprontos, temperados e recheados, por exemplo, é a tática da loja carioca Chic Chicken para conquistar a fidelidade dos clientes, segundo Saul Wilson, um dos sócios na empresa. A entrega em domicílio também é essencial, o que exige um utilitário pequeno com carroçaria térmica. No fim do ano, afirma Wilson, o movimento chega a dobrar.

Ouvir, apreciar e devolver


Locadora de CDs atende consumidores que gostam da boa música, mas não querem pagar o preço dos importados
Desde que os aparelhos de CD tomaram o lugar dos antigos toca-discos, tornou-se difícil para os apreciadores de música de qualidade encontrar em qualquer loja da esquina as chamadas raridades e os discos clássicos. Como muitos CDs do gênero são importados e chegam a custar cinco vezes mais que os nacionais – originais, não piratas – a compra nem sempre é um bom negócio para a maior parte dos consumidores. Tal cenário acabou abrindo espaço para uma opção intermediária: as locadoras de CDs. Trata-se de um negócio que ainda é pouco conhecido do grande público no Brasil, mas que tem tudo para se expandir por aqui, segundo Marcos Yazima, dono do Clube do CD, locadora de São Paulo.

Se você pensa em ingressar no ramo, não precisa ter uma loja com porta para a rua. Mas é bom dispor de um espaço no qual o cliente possa ouvir os CDs antes de levá-los para casa, de acordo com Yazima. Desde que inaugurou sua locadora, ele procurou adaptar o mix de produtos ao gosto dos fregueses. No início, a loja era especializada em músicas clássicas e jazz. Agora, oferece outros estilos, também pouco comerciais, mas sempre levando em conta que os clientes vivem em busca de novidades. "A loja também pode ter seções de pagode e axé, mas em pequena quantidade, porque esse não é o foco de um estabelecimento do ramo", afirma Yazima. "Esse tipo de CD, em geral, tem preços mais baixos e os consumidores geralmente preferem comprá-los em vez de alugá-los."

Além de manter-se atento às preferências da clientela, o empreendedor deve estar sempre por dentro das novidades do mercado fonográfico para oferecer a variedade na medida certa. O ideal é destinar cerca de 30% do faturamento para a compra semanal de novos produtos. Os CDs mais procurados devem ter várias cópias e o esquema de locação pode ser semelhante ao das videolocadoras – ficha de identificação para cada cliente, pagamento antecipado das locações e multas nos casos de atraso na devolução. Uma alternativa para ampliar o mix de produtos e a receita da loja é alugar também DVDs de shows, cuja variedade ainda é pequena nas videolocadoras. n R.S.

Casa de cafés especiais


Surge um novo conceito de negócio: as lojas especializadas no expresso tipo gourmet
O bom e velho cafezinho está se sofisticando. Embora o comércio de café expresso esteja saturado, uma nova oportunidade começa a surgir para quem pretende abrir um negócio na área ou já é dono de um e quer incrementar os serviços que oferece ao público atualmente. Trata-se de um novo conceito de cafeteria, uma espécie de butique de cafés, que prepara a bebida com grãos de alta qualidade, também conhecidos como cafés especiais ou gourmets. São cafés mais encorpados, provenientes de diferentes regiões do país, que têm o gosto menos amargo e menos cafeína do que os cafés tradicionais. Em geral, as novas butiques contam com a presença de baristas, profissionais com profundo conhecimento sobre o processo de extração de café, e procuram oferecer um ambiente diferenciado para a clientela, com lounges e livrarias no mesmo espaço.

Segundo dados da Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA), a procura pelos cafés especiais está crescendo, em média, de 15% a 20% ao ano, e tudo indica que a tendência deve continuar daqui para a frente. Mas, como esse tipo de estabelecimento atrai pessoas de paladar exigente, convém instalá-lo em regiões de alto poder aquisitivo. O ponto deve ser bem iluminado e dispor de mesas e cadeiras bonitas e confortáveis.

O bem-sucedido Il Barista, de São Paulo, da degustadora Gelma Franco, por exemplo, oferece, além dos cafés quentes, drinques à base de café e uma boa variedade de doces e salgados caseiros para acompanhamento. Segundo a empresária, uma boa carta de cafés e apresentação bem cuidada das bebidas são diferenciais importantes. O Lucca Cafés Especiais, de Curitiba, é outro exemplo de que a demanda pelos grãos de melhor qualidade está em alta. Sua proprietária, Georgia Franco de Souza, abriu seu primeiro ponto no início do ano e, hoje, já tem sete franquias, todas na capital paranaense. n R. S.

Estrutura na medida exata


Alugam-se espaços com salas de reuniões, telefone, computador e secretária para empresários viajantes
Muitos empresários que montaram um negócio próprio recentemente, ou que precisam viajar a trabalho, costumam recorrer a lugares em que possam telefonar, passar fax, usar o computador, responder a e-mails, fazer reuniões e contar com serviços de secretárias. Para suprir tais necessidades surgiram no fim dos anos 90 os escritórios virtuais, cuja procura tem aumentado nos últimos tempos. São espaços que podem ser alugados por dia, por mês ou por ano. A vantagem de recorrer ao serviço, para quem está em trânsito, é que, além de cômodos, são relativamente baratos. Para quem está começando, a economia em relação a uma estrutura própria pode chegar a 70% ao mês, segundo Ernísio Martins Dias, da BA Business Center.
O melhor local para instalar um escritório virtual, obviamente, é nas proximidades de centros comerciais e em regiões de fácil acesso. É preciso oferecer estrutura confortável com banheiros, água, cafezinho, salas individuais e de reuniões. Além de equipamentos e mão-de-obra de apoio, o escritório deve ter uma agenda bem controlada para que os horários de locação possam ser aproveitados ao máximo. n R.S.

Um combustível de futuro


A economia é o maior estímulo para a conversão dos motores
Pouca gente sabe, mas o Brasil ocupa uma posição de destaque no uso do Gás Natural Veicular (GNV). O país é o terceiro colocado no ranking dos que têm maior número de veículos que usam o gás como combustível, atrás apenas da Argentina e da Itália. O mercado nacional está em franca expansão. A frota movida a GNV está estimada em 600.000 veículos atualmente, com previsão de atingir 1 milhão em 2005. Isso representa uma demanda potencial gigantesca para oficinas especializadas em conversão de carros a álcool e a gasolina, que hoje somam cerca de 600 empresas do ramo em todo o país, um número considerado pequeno demais, perto da demanda crescente. A principal vantagem para o motorista que opta pelo gás natural é a economia, que chega a 70% em relação à gasolina. Por isso, quem vai abrir uma oficina de conversão terá como principais clientes taxistas, empresas com frotas próprias e prestadores de serviços que rodam muitos quilômetros por dia.

Se você pretende abrir uma empresa no setor, deve informar-se sobre as exigências do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro) e do Instituto Nacional de Pesos e Medidas (INPM), responsáveis pelo credenciamento da sua empresa. Reza a lei que o espaço físico escolhido para instalar a oficina tenha no mínimo 100 metros quadrados. Além disso, a empresa precisa contar com um engenheiro mecânico responsável. Cada veículo convertido deve ser inspecionado pelo Departamento de Trânsito (Detran), que emitirá um certificado para que o carro modificado possa circular pelas ruas. Segundo Edson Carrete, diretor da Rodagás, na hora de escolher o ponto o empresário deve optar por endereços que fiquem perto de postos de combustível que vendem GNV.


Quanto à capacitação de mão-de-obra, você e seus funcionários podem recorrer ao Senai ou aos fabricantes dos equipamentos para gás natural, que normalmente oferecem cursos de treinamento na área. Além do investimento para montar, porém, é preciso manter um bom capital de giro, como mostra o quadro acima. Isso permitirá, ao menos no início das operações, que a oficina funcione sem depender somente do pagamento dos clientes — a maioria pede prazos que variam de 30 a 90 dias.

O charme das butiques de papéis


Lojas com decoração sofisticada e produtos diferenciados conquistam a classe média e criam oportunidades
As papelarias que vendiam apenas cadernos, cartolinas e papel-carbono são coisa do passado. Além das empresas que passaram a vender também material de informática, um novo modelo de negócio surgiu no ramo: as chamadas papelarias de luxo, também conhecidas como "butiques de papel". As lojas têm, em geral, uma decoração bem cuidada e oferecem uma variedade enorme de produtos com design especial. Vendem também artigos tradicionais, só que com visual e acabamento originais, que se encaixam na categoria dos presentes bonitos e úteis.

Um dos termômetros para o sucesso da atividade é a Papel Craft, fundada em 1997 no Rio de Janeiro. Segundo a proprietária, Maria Eliza Araújo, a loja foi uma das pioneiras a apostar na nova tendência. Hoje, ela tem cinco unidades na capital fluminense e planeja se expandir para São Paulo, onde acredita que existe um enorme mercado a ser explorado.

Na opinião de Maria Eliza, a preocupação do empreendedor deve começar pela escolha do ponto, já que o negócio destina-se a um público mais exigente. Bairros de classe média alta, de preferência perto de colégios particulares, centros comerciais e faculdades, são os mais indicados. A ambientação também requer cuidados especiais, o que inclui as prateleiras, vitrines e detalhes de acabamento das paredes, tetos e lustres.

Outro ponto importante é fazer um mix variado de produtos, composto preferencialmente por artigos mais modernos, como peças de acrílico e plástico, até os clássicos, como os produtos de couro. Se o lojista puder contar com uma equipe de criação exclusiva para alguns produtos, como no caso da Papel Craft, as chances de sucesso do negócio tornam-se ainda maiores. "Esse tipo de mercadoria responde por 80% das nossas vendas", diz a proprietária.

A loja pode ainda encomendar a fabricação de produtos a empresas parceiras ou vender peças de designers renomados, para ajudar a atrair a clientela de bom poder aquisitivo. Segundo Maria Eliza, os fatores que mais contribuem para a fidelização dos consumidores são a qualidade e a exclusividade dos produtos. "cuidados compensam, porque uma das vantagens do negócio é não ter sazonalidade", diz.

Para sonhar alto


Confira agora as idéias de negócios que exigem investimentos mais altos, a partir de 200.000 reais. Elas são recomendadas para quem pretende montar uma empresa em sociedade ou conseguiu acumular uma boa poupança

Nas próximas páginas, você vai encontrar algumas sugestões que podem lhe parecer distantes da sua realidade financeira, em razão do alto valor do investimento inicial. Mas não se esqueça de que é possível montar o negócio em sociedade, para viabilizar o investimento.

No total, apresentamos nove sugestões de negócios de alto padrão, sete das quais são franquias (loja de doces, casa de carnes especiais, comércio de alimentos, fast-food, roupas para bebês, roupas tamanhos grandes para mulheres e loja de eletrodomésticos) e apenas dois empreendimentos independentes (cervejaria e sacolão de luxo).

No caso das franquias, o valor do investimento inclui a reforma e a decoração da loja, a taxa de franquia cobrada pelo franqueador e o capital de giro necessário para tocar o negócio, principalmente nos primeiros meses. Já no caso do empreendimento independente, o valor do investimento representa apenas a soma do capital de giro com a quantia necessária para a reforma e adaptação do ponto, aquisição de móveis e de equipamentos.

É claro que quem preferir comprar uma franquia poderá contar com o apoio do franqueador para se estabelecer. Ainda assim, deve investir diariamente no aprimoramento de suas características de empreendedor, assim como acontece no caso de quem monta um negócio independente. Só assim é possível alcançar o sucesso no mundo dos negócios.

Louras geladas do mundo todo


A variedade de marcas pode fazer a diferença e tornar uma cervejaria lucrativa
Breja, cerveja, cerva, loura gelada. Chame como quiser, ela continua sendo a preferência nacional. O Brasil é o quarto maior produtor de cerveja do mundo, com um volume de consumo anual de cerca de 8,5 bilhões de litros. No mercado interno de bebidas, detém 40% do consumo de todas as bebidas industrializadas. Diante de números tão atraentes, certamente você está pensando que abrir uma cervejaria pode ser um excelente negócio, não é mesmo? Pois está certo. Mas, antes de partir para a concretização do negócio, lembre-se: não compensa entrar no ramo para ser apenas mais um criatividade é tudo no ramo.

Para atrair o consumidor, nada melhor do que um cardápio bem diversificado. "Cerveja por cerveja, qualquer boteco vende. O que faz a diferença é a ambientação e comida e bebida boas", afirma Cássio Piccolo, dono do Frangó, lendário bar paulistano, famoso por suas coxinhas de frango e por oferecer uma imensa variedade de marcas de cerveja. São mais de 90 rótulos, provenientes de todos os cantos do mundo, em garrafas de até 80 reais.

A dificuldade neste caso está na administração dos estoques e na definição do preço final das bebidas, já que a maior parte das cervejas é importada e está sujeita à alta do dólar. Por isso, você precisará contar com bons fornecedores. Outro problema é a barreira cultural, segundo o dono do Frangó. O brasileiro, diz ele, não tem o hábito de experimentar novas marcas, muito menos as estrangeiras. Criatividade, portanto, é fundamental para pegar o cliente pelo paladar. No Frangó, os freqüentadores encontram um menu de degustação. As cervejas são divididas em grupos, conforme o tipo ou a nacionalidade, para que pessoas de uma mesma mesa possam experimentar várias marcas diferentes.

Você não deve esquecer também de outros fatores vitais para um estabelecimento do ramo, como ambiente descontraído, limpo e com estacionamento para clientes, afirma Sérgio Cardoso, da Cervejaria Paulista, de São Paulo. A mão-de-obra também tem que ser eficiente. Afinal, nada é mais desagradável para o apreciador da lourinha do que ficar esperando muito tempo para ser atendido. Ou, pior ainda, recebê-la quente.

Sacolão de luxo
A venda de frutas e verduras se sofistica e abre espaço para novas empresas
Nada mais agradável para quem gosta de comprar frutas, verduras e legumes do que encontrar uma imensa variedade de produtos com qualidade, num ambiente limpo e, de preferência, com ar condicionado. Ainda mais se houver serviço de manobrista e facilidade para estacionar.

Tudo isso é oferecido, hoje, pelos hortifrútis que pipocaram em grandes cidades brasileiras nos últimos tempos, também conhecidos como "sacolões de luxo". Os estabelecimentos reúnem no mesmo ponto a variedade encontrada nas feiras livres com a comodidade oferecida pelos modernos hipermercados.

Trata-se de um negócio que exige investimento relativamente alto, pois é preciso dispor de um bom ponto comercial, num terreno grande, e estar devidamente equipado para garantir bom atendimento e conforto aos clientes. A área de circulação do público deve ser bem planejada. Pisos e paredes claros e laváveis e boa iluminação tornam o ambiente mais atraente. Os corredores precisam ser espaçosos e as mercadorias, dispostas em bancadas que facilitem a escolha.

O número de caixas tem que ser suficiente para atender à demanda, evitando a formação de filas, um inconveniente que tira o bom humor de quem freqüenta os supermercados. Uma loja de 1.000 metros quadrados, por exemplo, pode começar com cinco caixas e ir aumentando essa quantidade conforme a demanda. Recomenda-se que o número de funcionários seja suficiente para garantir o abastecimento contínuo das gôndolas e manter os locais de circulação do público em ordem. Batatas rolando pelo chão, nem pensar.

Quem quiser aproveitar a oportunidade deve se instalar em regiões de classe média e média alta, nas quais os consumidores em geral dispõem de pouco tempo e são muito exigentes. O estabelecimento pode oferecer também queijos, pães e frios, mas com cautela para não descaracterizar o negócio, segundo Fábio Rhertel, diretor da Hortifruti, a maior rede de lojas diferenciadas do país, com 22 unidades espalhadas por São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo. A Hortifruti tem até mesmo adega, divisão de congelados e produtos de panificação. Dentro da filosofia de facilitar ao máximo a vida dos clientes, pode-se oferecer também legumes descascados e lavados e até sushis preparados na hora, como acontece no hortifrúti Natural da Terra, de São Paulo.

Para manter um negócio com tantos diferenciais é preciso, além do cacife para bancar o investimento, disposição para acordar cedo e correr de um lado para o outro, de acordo com Florisvaldo Ruiz, sócio do Natural da Terra. Todos os dias ele parte para a Ceagesp, um grande entreposto de abastecimento paulista, logo de madrugada. O horário é tido como ideal para escolher os melhores produtos. Como a maioria das mercadorias é perecível, Ruiz diz que renova os estoques diariamente.

Hamburgueria sofisticada
Versões artesanais do sanduíche conquistam o público de todas as idades
Foi-se a época em que hambúrguer era sinônimo de refeição rápida, de pouca qualidade e com gosto de comida industrializada. O boom das hamburguerias artesanais em São Paulo nos últimos anos mostrou a nova face do popular sanduíche, que agora tem versões assinadas por renomados chefs de cozinha e receitas com condimentos e ingredientes especiais, como a picanha.

A General Prime Burger, por exemplo, localizada no Itaim, bairro de classe média alta de São Paulo, usa carnes da tradicional marca Wessel para preparar seus hambúrgueres. As receitas foram criadas pelo chef e empresário Sérgio Arno, sócio no negócio juntamente com István Wessel, da Wessel, e Adriano Olmeda, da Eder, uma das mais tradicionais fornecedoras de salsichas do país.

A Lanchonete da Cidade, nos Jardins, em São Paulo, tem a chef Ana Soares como idealizadora dos pratos. Dos mesmos donos dos bares Original, Astor, Pirajá e da pizzaria Bráz, a Lanchonete da Cidade tem como um dos maiores sucessos o hambúrguer Bombom, receita de Ana, grelhado com técnicas especiais, com 220 gramas de carne, molho de tomates frescos e pão francês feito no local.

Na Rollerburger, inaugurada no final de 2004, o dono, André Sameli, também apostou no cardápio caprichado e na sofisticação. O negócio começou com uma pequena loja no Shopping SP Market, em São Paulo, e em 2005 ganhou sua segunda unidade, um ponto de rua no bairro do Itaim. Segundo Sameli, a nova loja já recebe 10.000 clientes por mês. O sucesso, na sua opinião, deve-se à grande aceitação da idéia pelos clientes e ao marketing boca-a-boca, já que ele praticamente não investe em divulgação. "Esse tipo de lanchonete tem grande demanda graças à procura cada vez maior do consumidor por produtos artesanais e com sabores diferenciados", diz Sameli.

Quem pretende investir no ramo não deve se preocupar somente com a qualidade da carne dos hambúrgueres. É preciso criar um negócio de personalidade própria. O segredo para se destacar em relação à concorrência, segundo os empresários do ramo, está na variedade de ingredientes e na decoração da casa. A Rollerburger, por exemplo, oferece cerca de 25 variações de molhos e acompanhamentos, além de pães exclusivos. O visual da casa, por sua vez, remete às lanchonetes americanas dos anos 50. Já a Lanchonete da Cidade tem decoração futurista-retrô, que lembra o desenho animado Os Jetsons.

Comida sem agrotóxico


A procura por alimentos orgânicos faz surgir lojas e restaurantes especializados
Nos últimos anos, o consumo de alimentos orgânicos (sem agrotóxicos) está impulsionando a criação de lojas e restaurantes especializados. O Chauá Comida Orgânica, de Curitiba, é considerado um dos primeiros do país a ter no cardápio pratos com certificação internacional. Tem 120 metros quadrados e espaço para servir 50 pessoas, além de uma loja com mais de 300 produtos, de geléias a sabonetes. Sim, tudo é orgânico. Segundo Rogério Chimionato, que montou o negócio em 2003 em sociedade com Marcelo Suguimati, o movimento triplicou em dois anos. "O pico geralmente é no almoço de sábado, quando recebemos em média 200 pessoas", diz Chimionato. "Muita gente vem do outro lado da cidade, por isso já estamos planejando abrir outras unidades."

O Empório Siriuba, recém-inaugurado nos Jardins, em São Paulo, é outro sucesso de público. Com 400 metros quadrados, o local reúne um café, uma rotisseria e uma loja. Projetado para atender 45 pessoas sentadas, já dispõe de 70 lugares devido ao grande movimento, segundo Sylvia Stickel, uma das sócias. No empório, há alimentos processados, como geléias e molhos, e in natura, como hortifrútis, lácteos, carnes e peixes. No café, o cardápio traz mais de 50 opções, incluindo salgados, cereais e até prosecco orgânico. Segundo Sylvia, é fundamental escolher fornecedores que ofereçam produtos certificados.


Mimos para bichos e donos


Ainda há espaço para pet shops que ofereçam produtos

e serviços diferenciados


O mercado de pet shop não pára de crescer. Estima-se que existam no Brasil mais de 28 milhões de cães e 12 milhões de gatos. Segundo o Ibope, pelo menos 59% dos brasileiros têm algum animal em casa. Isso explica por que o ramo continua sendo uma aposta promissora. Mas, justamente por ser uma atividade atraente, a concorrência já é acirradíssima. Por isso, é preciso ter diferenciais, já que aquela velha lojinha que vendia apenas ração e acessórios básicos não tem mais chance de sucesso. Se você se interessa pelo ramo, estude os pet shops de luxo, que oferecem produtos e serviços variados. Eles têm feito sucesso ultimamente.

A Gang dos Bichos, inaugurada no ano passado, em São Paulo, inclui, entre os milhares de itens à disposição, sofisticados carrinhos, semelhantes aos de bebês, para transporte de cães acidentados. Clientes e seus bichos podem fazer um lanchinho juntos: a loja oferece café e quitutes e, também, guloseimas apropriadas para os cães. Há, ainda, uma agência de matrimônio, ou melhor, de cruzamento, serviço de entrega de produtos, visita domiciliar de veterinários e uma piscina para ginástica de cães, com direito a personal trainer. "Para montar o negócio, pesquisamos o que os concorrentes ofereciam e o que ainda faltava", diz Robson Marinho, sócio da Gang dos Bichos.

No Zelão Dog, também de São Paulo, vendem-se remédios alopatas e homeopáticos, fitoterápicos e produtos ligados às terapias florais. O pet shop possui hotel, creche, taxi dog e dog walker. "São serviços procurados por quem viaja, está reformando a casa, não tem carro ou passa o dia todo fora e não quer que o seu bichinho fique só confinado", diz a veterinária Fabiana Rocha, dona do negócio. n

Relaxamento lucrativo


Espaços para as terapias antiestresse e massagens atraem a clientela

Quem vive nas grandes cidades sonha com alguns minutos diários de relaxamento. Afinal, o que não falta é motivo para estresse, cansaço e irritação resultantes da vida corrida. É para atender a esse público que surgem cada vez mais espaços voltados para o bem-estar, que ofereçam massagens e banhos de ofurô, entre outros serviços. Como existe gente estressada de sobra, por mais concorrido que seja o setor, sempre há espaço para novos negócios que proporcionem um serviço sério e de qualidade.

Se você planeja montar um espaço voltado para o bem-estar, pense primeiro no ambiente. Na Clínica Oriental, por exemplo, que possui três unidades em São Paulo, da sonorização às cores das paredes, tudo foi projetado para ajudar as pessoas a relaxar, de acordo com o diretor administrativo da empresa, Luiz Fernando Bernado.

Cercar-se de profissionais qualificados é outro cuidado vital para o sucesso no ramo. É preciso que o empreendedor exija experiência dos profissionais que vai contratar. Além disso, recomenda-se padronizar os serviços para que o público não sinta grandes diferenças entre o atendimento de um e de outro massagista. "O cuidado ajuda a fidelizar a clientela", diz Bernado. Também é importante oferecer variedade de massagens e não se restringir às mais populares, shiatsu e quick massage, em que o cliente fica apoiado em cadeirinhas.

Bernado afirma que em apenas uma das unidades da Clínica Oriental chega a receber aproximadamente 2.500 pessoas por mês. Como muitos fregueses são executivos que preferem ser atendidos na hora do almoço, a empresa oferece aos clientes um kit com camiseta e short na hora da massagem. "São pequenos cuidados que diferenciam o serviço", diz Bernado.

O spa fica lá em casa


As lojas que vendem produtos terapêuticos conquistam
o consumidor brasileiro

Muita gente quer recorrer a alternativas que proporcionem a sensação de bem-estar e relaxamento, porém não dispõe de tempo para freqüentar os lugares apropriados. Isso fez surgir uma demanda por produtos que permitam levar um pedacinho dos spas e das clínicas de terapias orientais para dentro de casa. Apareceram, assim, as lojas especializadas em vender sais de banho, óleos para massagens, banheiras de hidromassagens e ofurôs.

É um negócio ainda novo, mas com potencial. A loja Aromalife, de São Paulo, está há quatro anos no mercado e é um verdadeiro templo do relaxamento. Nas prateleiras há 40 tipos de essências vindas de todas as partes do mundo. Segundo a dona, Beatriz Yoshimura, cada essência promete um efeito diferente, como prevenir resfriados ou estimular a criatividade das pessoas. Num negócio como esse, é fundamental que a loja conte com vendedores bem treinados, capazes de orientar os clientes na hora da compra. Vale, inclusive, contratar um profissional especializado em aromaterapia.

Expor os produtos por família, de acordo com a aplicação, também facilita o atendimento. É assim na Sparkklin, loja que fica no Shopping Morumbi, em São Paulo. São cerca de 80 produtos, divididos em 11 linhas, cada uma para um tipo de tratamento. "O ideal é que os clientes possam experimentar os produtos", diz a empresária Roseli Vaz, sócia da Sparkklin. "Criamos um espaço com pia, espelho e toalha dentro da loja." n R.S.


De olho na urna e nos dribles


Ganhe com as eleições
do Brasil e com a Copa do Mundo da Alemanha

Em 2006, a atenção da maioria dos brasileiros estará focada na disputa da seleção brasileira de futebol e nas eleições políticas. Pegar carona na agitação dos dois eventos pode ser um bom caminho para começar um negócio no ramo de brindes. Como a variedade de produtos é grande, a fabricação direta é inviável para quem monta um pequeno negócio. No entanto, é possível terceirizar a produção ou comprar produtos sem identificação e apenas providenciar a personalização quando houver uma encomenda.

O empresário Danilo Marques, dono da Bena Brindes, de São Paulo, fornece canetas, calculadoras, réguas, agendas, calendários, chaveiros, relógios e bonés personalizados para empresas e organizadores de eventos em geral. Quando chega a época de eleições e de grandes eventos esportivos, ele diz ver aumento no faturamento. Após receber um pedido, Marques recorre a um arte-finalista para elaborar a imagem no computador e envia o desenho aos fabricantes de brindes, que em alguns casos também se encarregam da estampa. No caso dos objetos de superfície plana, esta etapa do trabalho fica por conta da Bena Brindes, que faz o trabalho em silk-screen.

Marlon Ribeiro, dono da Fast Engravers, empresa paulistana de gravação e corte a laser de materiais, dá a dica: diz que só se deve aceitar encomendas de políticos e de seus partidos se o pagamento for à vista, para evitar calotes.

Aposta na arte popular
Loja de artesanato vira um negócio chique e consegue seduzir a classe média
Se você acha que artesanato brasileiro se resume a cestas de palha e toalhas bordadas em ponto-cruz, está na hora de rever seus conceitos. Além de ser muito variada, a arte típica do Brasil é cada vez mais valorizada. Se sua intenção é vender artesanato, é recomendável que o estabelecimento seja localizado em bairros de bom poder aquisitivo ou em regiões por onde passem turistas estrangeiros. A decoração e a arquitetura da loja devem ser cuidadosamente planejadas e os produtos, escolhidos a dedo.

O Empório Saint Germain, aberto em 2003 na capital paulista, é um exemplo de negócio bem-sucedido no ramo. A loja oferece mais de mil itens, entre móveis e esculturas, vindas de todo o Brasil. Quase tudo é garimpado pela dona, Sheila Engels, em suas andanças pelo interior do país. Com decoração rústica, a loja lembra uma elegante casa de fazenda e os objetos que compõem o ambiente, como mesas, cadeiras e lustres, são fabricados por artesãos. Sheila afirma que o sucesso do empreendimento foi tanto que logo no primeiro ano ela recuperou o investimento.

A empresária diz que para ter sucesso o empresário precisa ter bom gosto e disposição para viajar em busca de novidades junto aos artesãos. "É preciso ver o que é feito, como é feito e comprar diretamente do artista", diz. Na hora de definir o mix de produtos da loja, deve-se apostar na variedade de modelos e de preços. No Saint Germain, os preços vão de 3 a 600 reais. n R.S.

Uma tacada certeira


O golfe ganha novos adeptos e se transforma numa mania no país do futebol

Apesar da pouca tradição do golfe no Brasil, o esporte não pára de conquistar adeptos. Segundo a Confederação Brasileira de Golfe, o número de praticantes deve subir dos atuais 20.000 para 200.000 nos próximos dez anos. A dificuldade dos jogadores para encontrar acessórios pode ser uma solução para quem quer investir em um negócio promissor. Há demanda por estabelecimentos que comercializem tacos, bolas, roupas, calçados, etc.

Não demorou para o empresário Homero Fetti notar o nicho ainda pouco explorado. Praticante do esporte há anos, ele abriu a Absolut Golf, loja de acessórios localizada no Shopping Iguatemi, em São Paulo. O local oferece mais de 300 itens para os golfemaníacos e tem recebido cerca de 300 clientes por mês, acima das expectativas do empresário. Cerca de 90% dos produtos vendidos na Absolut Golf são importados, o que exige do lojista do ramo atenção especial às compras e ao estoque.

Mas nem tudo que se relaciona ao golfe é importado. Pelo menos as roupas usadas pelos esportistas já têm uma grife nacional, a Golf Walk, que está há três anos no mercado e possui 16 lojas próprias espalhadas pelo Brasil. A empresa produz mais de 100 itens, similares aos importados, porém com preços mais em conta. Segundo Daniela Cimaglio, gerente da Golf Walk, a empresa deve abrir mais lojas no ano que vem e espera aumentar o faturamento em 35%.


Adrenalina sem limite


A venda de artigos para praticantes das modalidades de aventura dá bons lucros
A prática de esportes de aventura está se popularizando. Rafting (descida de corredeiras em barcos a remo), canyoning (descida em cachoeira por meio de uma corda), além dos mais conhecidos, como a trilha e a escalada, são atividades encaradas por muita gente como alternativas antiestresse. Como esses esportes exigem equipamentos apropriados e seguros, as lojas especializadas vêm ganhando espaço e podem ser uma boa oportunidade para quem tem afinidade com o ramo.

O estabelecimento deve ir além de uma simples revenda de artigos esportivos. O ideal é que o ponto tenha instalações que permitam ao cliente testar os produtos. A Kailash, por exemplo, loja aberta recentemente em Moema, em São Paulo, tem pé- direito de sete metros para que o consumidor experimente equipamentos de cordas, além de uma pequena rampa com pedras para o teste de calçados. Mais do que vendedores, os atendentes da loja precisam ser consultores e, de preferência, praticantes de esportes de aventura. Assim, segundo Roberto Eli, diretor da empresa, eles saberão orientar corretamente o consumidor. A Kailash fabrica boa parte do que comercializa. Com mais de 1.200 itens, a loja vende tanto para o consumidor final como para lojistas.


É pequeno, mas é o máximo


As pistas de minigolfe são ideais para a prática do esporte nas grandes cidades
A popularização do golfe no Brasil contribuiu para o aumento do número de campos de minigolfe, o que permite aos praticantes ou iniciantes no esporte dar suas tacadas sem ter que ir aos fabulosos campos gramados, geralmente afastados dos centros urbanos. Numa partida, gasta-se em média 15 reais e não é preciso investir em equipamentos e acessórios, o que torna o minigolfe bem mais acessível. É possível atuar no ramo tanto com um espaço de diversão quanto oferecendo os serviços de montagem de pistas para terceiros.

A Minigolfe Empreendimentos, do Rio de Janeiro, projeta, vende e aluga pistas de minigolfe. A empresa desenvolveu uma estrutura modular, feita de plástico e madeira, cujas peças se encaixam como um quebra-cabeças e formam um campo de minigolfe. Não importa o tamanho do local, pois o campo adapta-se a qualquer espaço. A empresa já montou campos em shoppings do Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Goiânia, Natal e Santos, no litoral paulista. Também aluga a estrutura para festas e congressos.

Além do campo modular, a Minigolfe trabalha na construção de campos fixos de minigolfe, que podem ser instalados em residências, condomínios, clubes e empresas. Um dos sócios, Luiz Felipe Marques, diz que o ideal para os novos empreendedores é seguir o mesmo caminho trilhado por ele: comece alugando os módulos e, se houver demanda, ofereça também a construção de pequenos campos para a prática do esporte. n D.L.

Insulina e muito mais

Lojas para os diabéticos com tudo que eles precisam

Os portadores de diabetes geralmente têm que percorrer diferentes estabelecimentos para comprar alimentos, remédios e outros produtos de que necessitam. E não são poucas as pessoas que sofrem do problema. De acordo com Ministério da Saúde, há aproximadamente 16 milhões de diabéticos no Brasil, número que tende a crescer. Para facilitar a vida dessa parcela da população, começaram a surgir nos últimos anos as lojas especializadas, como é o caso da Portal Diet, inaugurada em junho de 2005 no Rio de Janeiro. A loja oferece diversos produtos para diabéticos e também para os celíacos, pessoas que têm intolerância a alimentos com glúten.

Nas prateleiras da Portal Diet encontram-se, por exemplo, cosméticos, medidores de glicose, diferentes tipos de alimentos diet, calçados desenvolvidos especialmente para os diabéticos e até pizzas sem glúten. "A idéia é oferecer conveniência a essas pessoas que têm muita dificuldade para encontrar alimentos saborosos que não sejam proibidos para elas e ainda esclarecer suas dúvidas", afirma a sócia Paula Pires. Recomenda-se que a loja tenha serviço de entrega em domicílio, atendimento personalizado e o empreendedor precisa se manter informado sobre as novidades no setor. Além disso, os vendedores devem ser bem preparados, para que possam orientar os clientes na hora da compra.

Os machos liberaram geral


O comércio de artigos para o público masculino vai de vento em popa
Não há dúvida de que a moda do homem metrossexual pegou. De jogadores de futebol a artistas de televisão, não faltam rapazes que, mesmo se declarando heterossexuais convictos, não escondem a preocupação com a aparência. São pessoas que gostam de exibir novos cortes de cabelo, roupas e acessórios, tudo em nome da vaidade. Atentas a essa mudança de comportamento, as indústrias de cosméticos e produtos de higiene pessoal saíram do trivial desodorante e do gel pós-barba e lançaram inúmeros produtos para suprir os desejos de consumo desse homem moderno.

Um dos empresários que apostaram na nova tendência foi Marco Antonio Maron, que no final de 2004 abriu a Samurai, uma loja de cosméticos masculinos, localizada no Shopping Ibirapuera, em São Paulo. Nas prateleiras há perfumes, sabonetes esfoliantes, xampus para cabelos brancos e cremes anti-rugas, entre outras coisas.

O empresário diz que 80% de seus produtos são importados, porque sua loja atende principalmente clientes de maior poder aquisitivo. Mas quem quer montar um estabelecimento no ramo pode adequar o mix de produtos conforme o perfil e a procura do público. Quem já tem uma loja de cosméticos pode atender o público masculino de forma a ampliar o faturamento. Neste caso, é recomendável criar um cantinho para os produtos masculinos e ir aumentando a área conforme a demanda.

É hora do banho, que hora tão feliz


Sabonetes, loções hidratantes, xampus e óleos corporais agora têm espaço próprio
O mercado de produtos de higiene, cosméticos e perfumes cresce feito fermento. De acordo com dados da Associação Brasileira das Indústrias de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec), o setor movimentou em 2005 cerca de 15,5 bilhões de reais, um aumento de 17,4% em relação a 2004. Há quem tenha aproveitado os bons ventos para montar uma loja especializada em produtos para o banho – uma idéia que você pode considerar também.

A Elementum, por exemplo, foi inaugurada em 2002 no Shopping Ibirapuera, em São Paulo e oferece mais de 150 itens para o cuidado diário com a pele e os cabelos, entre sabonetes, loções hidratantes, óleos corporais, xampus e condicionadores. A qualidade dos produtos, segundo a dona da Elementum, a empresária Adriana Noreña, é fundamental: "Todos os artigos devem ter registro no Ministério da Saúde", diz ela. Os funcionários também devem ser bem treinados para orientar os clientes sobre as propriedades dos produtos.

Uma boa tática para se diferenciar da concorrência e fidelizar a clientela é criar linhas próprias de produtos. Você não precisa ter uma indústria. Basta recorrer a terceiros, como as fabricantes Christian Gray e a All Nature, entre outras. A empresária Nanci Caccáos, dona da Cheiro da Amazônia, há oito anos no mercado, desenvolveu sua linha de produtos para higiene pessoal inspirada nos ingredientes da Amazônia e recorreu a terceiros para a fabricação. Além de ter uma loja própria, ela fornece para outros pontos-de-venda multimarcas. "O lojista também pode montar cestas com produtos para o banho", diz Adriana. "São ideais para presente."

Corte, escova e massagem


O segredo para se dar bem com um salão de cabeleireiro é fugir do convencional

Não há quem resista a um tratamento de beleza combinado a uma relaxante massagem para os pés. Cientes de que esse caminho torna o cliente fiel, muitos salões de beleza passaram a unir serviços convencionais, como corte, escova e manicure a serviços ligados ao bem-estar. "O segredo está em equilibrar o bom atendimento de um salão de beleza com técnicas que vão além do convencional", diz Robson Trindade, dono do RedDoor Salon and Spa, localizado em São Paulo.

O empresário trabalhou como cabeleireiro da famosa rede Jacques Janine e teve cinco franquias da marca antes de abrir seu próprio negócio, no fim de 2004. Além dos serviços como o alongamento de cabelos em menos de 30 minutos, o RedDoor oferece o lava-pés, que consiste em envolver os pés do cliente em essências especiais e massageá-los. Trindade também coloca uma van à disposição dos clientes que moram na região e não querem tirar o carro da garagem para ir ao salão. Durante o atendimento, garçons circulam com prosecco, damascos e castanhas, entre outras guloseimas.

No RedDoor, o balcão de recepção foi abolido. Ao entrar na casa, a cliente é conduzida por uma hostess (anfitriã, em inglês), que a acompanha pelas dependências do salão, conforme o serviço desejado. A hostess também se encarrega de telefonar para as clientes cadastradas para marcar o retoque de uma tintura de cabelo, por exemplo. E, ainda, faz o papel de vendedora e orienta sobre os produtos mais indicados para cada tipo de cabelo ou pele. Trindade afirma ter mais de 5.500 clientes cadastrados e o faturamento em 2006 deve crescer pelo menos 12% em relação a 2005. n V.M.

Moda para a moçadinha
Os adolescentes são ávidos consumidores e você pode ganhar dinheiro com isso
Na adolescência, quando os baixinhos estão deixando de ser crianças, eles têm seus desejos de consumo aguçados e adoram andar na moda. Embora existam roupas e acessórios para esses consumidores exigentes em lojas multimarcas, os estabelecimentos especializados conseguem oferecer maior variedade, em ambiente diferenciado.

O sucesso da marca carioca Whaat Girls, que vende roupas para adolescentes, é um sinal de que o mercado tem boa demanda. Segundo a empresária Alessandra Curvelo França, uma das proprietárias, os modelos que vão dos oito aos 13 anos "desaparecem" rapidamente das prateleiras. Ela inaugurou a primeira loja em 2000 e desde então abriu outras duas unidades, todas no Rio de Janeiro. "Só atendemos o público feminino, porque nessa faixa etária as meninas têm vergonha de se trocar num lugar onde tenha garotos por perto", diz Alessandra, que toca o negócio em sociedade com Sonia Bezerra Bruno. Como tática de marketing, elas promovem desfiles em escolas de moda e convidam as próprias clientes para desfilar seus lançamentos.

Quem pretende investir no ramo deve seguir as tendências da moda e lançar coleções periodicamente. Mas nada de exageros na escolha dos modelos a serem vendidos. "As roupas não podem ser muito decotadas, transparentes ou do tipo que cola demais no corpo", diz Alessandra. As donas da Whaat Girls criam as coleções e terceirizam a confecção. Agora, elas planejam vender no atacado e já estão cadastrando lojistas que queiram se tornar revendedores. Pode ser uma boa opção para novos empreendedores.

Tudo azul no front


Lojas de artigos para piscinas não têm crise. E, no verão a procura aumenta bastante
Um mercado que segue alheio a qualquer crise é o de comércio e instalação de piscinas. A Associação Nacional dos Fabricantes e Construtores de Piscinas e Produtos Afins (Anapp) estima que, existam hoje no país cerca de 1,45 milhão de unidades, o que representa uma alta de cerca de 5% em relação a 2004. O Brasil é o segundo país no mundo em número de piscinas, atrás apenas dos Estados Unidos. Com o calor, as chances de sucesso para novos negócios no ramo aumentam ainda mais.

O empresário Flávio Rinaldi, sócio da Hydrotech, de São Paulo, tem como clientes as classes A e B. Além das piscinas, a Hydrotech oferece decks de madeira e ofurôs, o que ajuda a evitar quedas bruscas na receita nos meses mais frios.

Marcy Rubbo dos Santos, dona da Inter Pool, também acredita que uma grande variedade de produtos faz com que o cliente volte mais vezes à loja. A empresária aconselha os novos empreendedores a tomar cuidado com a qualidade do serviço e a pontualidade da entrega, dois itens fundamentais para o sucesso.

Gordinhas charmosas


A população está mais obesa, o que estimula as lojas de roupas grandes para mulheres
A maioria das grifes de roupa cria modelos cada vez menores. Mas, felizmente, há quem se disponha a correr na contramão dessa tendência. Afinal, apesar da ditadura das modelos anoréxicas, a população está ficando cada vez mais gorda. A venda de roupas femininas em manequins acima do número 44 tem se mostrado uma boa oportunidade de negócio: são a tábua de salvação para aquelas consumidoras que não encontram nada para vestir nas vitrines por aí.

A empresária Dina Andrade Melo detectou o nicho e, em 2003, abriu a loja Shikimi, na Vila Nova Conceição, em São Paulo. Ela se diz feliz com o sucesso da empreitada. "Chegamos a ter uma margem de lucro de até 50% sobre cada peça", declara a empresária. A Shikimi tem como clientes basicamente as mulheres da classe A.

Dina afirma que o primeiro passo para formatar o negócio foi optar por modelos que tivessem apelo de moda, com cortes modernos. "Antigamente, quando a cliente procurava roupas em tamanhos grandes, só encontrava blusas largas e calças pantalonas, por isso, quisemos oferecer diferenciais", afirma. A empresária compõe parte do estoque da loja com peças de fabricação própria e parte com modelos de outras marcas, porém a escolha de cada item é rigorosa.

O empresário do ramo deve saber quais os tecidos e cores que estão em voga e que podem cair bem em uma mulher gordinha. Não se pode esquecer de que as roupas têm que sofrer algumas adaptações para que possam cobrir a parte superior dos braços, os joelhos e a barriga. E as peças devem ter um bom caimento. É ideal que a loja ofereça modelos que vão do tamanho 44 ao 58, um leque bem maior do que as lojas convencionais, que costumam ter apenas cinco numerações – do 36 ao 44. Por isso, o gerenciamento de estoques requer atenção especial.


Erotismo sem baixaria

Eis a última novidade: um misto de loja de
lingerie e de sex shop

Um novo formato de loja de lingerie tem feito muito sucesso entre as consumidoras mais exigentes. São estabelecimentos que, além de roupas íntimas, vendem também objetos típicos de sex shops.

Localizadas em bairros de classe média alta, essas lojas têm decoração discreta e charmosa. Mesmo assim, boa parte da clientela prefere fazer compras pelo telefone ou pela internet, como acontece na Maison Z, que funciona nos Jardins, em São Paulo. Quando as sócias Izabel Collor de Melo e Patrizia Curi inauguraram a loja, em 2004, escolheram uma casa com 150 metros quadrados. No final do ano passado, elas se mudaram para um espaço menor, de 50 metros quadrados, na mesma região. Economizaram em aluguel e passaram a dar mais atenção ao delivery e às vendas pela internet. Tudo isso melhorou a rentabilidade. Izabel diz que o número de clientes cadastrados passou de 2.000 para 8.000 em menos de um ano, e que o delivery é responsável por quase metade das vendas.

Na Revelateurs, criada em 2001 em Moema, bairro de classe média alta de São Paulo, os objetos para fantasias sexuais estão dispostos discretamente dentro da loja, para que a cliente não se sinta constrangida na hora da compra. "No começo, fazíamos listas de presentes, depois criamos o chá de lingeries, para que as noivas reúnam as amigas dentro da loja", diz Ana Maria Faro, uma das três sócias da Revelateurs.

O estabelecimento também realiza palestras mensais com sexólogas, ginecologistas e personal sex trainers, dirigidas a grupos de clientes selecionadas. De acordo com Ana Maria, eventos como esses contribuem para que o número de clientes aumente em até 20% ao mês.

O trabalho é uma festa


Os espaços para a realização de eventos têm as empresas como principais clientes
Quem dispõe de um salão amplo e tem condições de investir nas instalações pode criar um espaço capaz de abrigar os mais diferentes eventos, como festas de confraternização de empresas, lançamentos de produtos, reuniões, coquetéis de negócios, etc. A idéia não é criar um simples bufê, mas um ambiente versátil.

A D-Eventos, de São Paulo, por exemplo, possui infra-estrutura para receber diferentes tipos de som e iluminação. Comporta 400 pessoas, segundo Cristina Egreja, dona da empresa. Ela diz que o cliente pode apenas alugar o espaço e providenciar os serviços de bufê de sua preferência ou então usar a cozinha do local para preparar almoços e jantares. Mas, se for preciso, a D-Eventos também se encarrega do serviço completo e, nesse caso, recorre a terceiros. Para você que pretende abrir um negócio na área, recomendamos o investimento em estrutura básica, inicialmente. Mas tome cuidado ao terceirizar serviços e escolha somente fornecedores confiáveis.

O empresário Rafael Bareon, um dos donos da RB3 Eventos, também de São Paulo, não tem dúvida de que o setor é promissor. Ele garante que o faturamento da sua empresa aumentou 75% de 2004 para 2005. Com dois anos de existência, a RB3 atende basicamente clientes corporativos. Apesar de ter um espaço próprio, com 300 metros quadrados, a empresa também realiza eventos em endereços escolhidos pelo cliente, uma estratégia para aumentar o raio de atuação.
Supermercado de insumos
Abra a sua loja de produtos para recarga de cartuchos e toners de impressoras
O crescimento do mercado de reciclagem de cartuchos e toners acabou por estimular não somente o aparecimento de um grande número de empresas dedicadas ao serviço, mas também a venda de insumos como tintas, pó para toner e cartuchos vazios. Uma das vantagens é que a atividade exige investimento relativamente baixo, segundo Ricardo Rocha, sócio da mulher, Cléa, na Publicaweb, revenda especializada em insumos para reciclagem, localizada em Interlagos, região sul de São Paulo.

O empresário, que forneceu os números que aparecem no quadro, diz que inicialmente pretendia criar um sistema de hospedagem de sites – daí o nome Publicaweb. Mas logo depois de abrir o negócio, há pouco mais de um ano, ele percebeu que havia uma grande demanda no ramo de reciclagem de cartuchos. Passou, então, a vender insumos pela internet e recentemente abriu a sua loja.

Com uma estrutura maior que a Publicaweb, a loja da Brasilfax, inaugurada recentemente no bairro da Barra Funda, zona oeste da capital paulista, oferece cerca de 2.500 itens, distribuídos cuidadosamente num ambiente asséptico, bem iluminado e dividido por tipos de produtos. Os clientes são, em sua maioria, os chamados recicladores, que somam aproximadamente 25.000 profissionais em todo o Brasil, de acordo com Renato Feder, sócio da Brasilfax.

Sua empresa já era especializada em remanufatura de cartuchos e comércio de materiais para o setor. Mas, devido ao crescimento do mercado, Feder decidiu investir numa loja ampla, somente para revenda de insumos. O local tem até uma sala de aula para treinamento de profissionais do ramo, uma tática que ele adotou com o objetivo de atrair e fidelizar a clientela. n W.R.


Papelaria repaginada


Papéis e objetos de decoração reaproveitados com toque artístico

A demanda por produtos e serviços que envolvam ações ecologicamente corretas não pára de crescer. E, se eles tiverem um toque artístico, então, melhor ainda. Uma atividade que explora a nova tendência e pode ser uma boa opção de negócio no momento é a venda de papéis reciclados que tenham um charme adicional e de objetos de decoração de bom gosto que sejam feitos a partir da reutilização de diferentes tipos de materiais.

A Núcleo Arte e Papel, localizada em Moema, bairro da zona sul de São Paulo, por exemplo, vende diferentes tipos de papéis reciclados, esculturas, quadros infantis, lembrancinhas e ainda uma linha de brindes corporativos como agendas e blocos de anotações. De acordo com Almeri Bolonhezi, uma das donas da Núcleo Arte e Papel, desde que a loja foi aberta, em 2001, a procura de grandes empresas por brindes do gênero aumentou significativamente.

A justificativa, segundo a empresária, é simples: a preocupação com o meio ambiente hoje faz parte da política de responsabilidade social de muitas empresas. Na medida em que elas distribuem produtos reciclados a clientes e fornecedores, conseguem fazer um marketing politicamente correto.

Na hora de definir os produtos que colocará nas prateleiras, você deve se lembrar de que é preciso investir em produtos bem acabados, já que muitos consumidores ainda associam a idéia de produto reciclado com baixa qualidade. Por isso, convém selecionar cuidadosamente os fornecedores. De acordo com Almeri, os cerca de 180 itens oferecidos pela Núcleo Arte e Papel são confeccionados por artesãos, entidades não-governamentais, empresas e cooperativas que transformam material reciclado em artigos atraentes. n D.L.

Trilhas bem lucrativas


Agência de ecoturismo não exige grandes investimentos em estrutura
O setor de ecoturismo, de acordo com empresários do setor e a Organização Mundial do Turismo (OMT), é um dos mais atraentes do mercado e cresce a uma média de 20% ao ano, ou seja, mais do que o dobro do turismo convencional. Afinal, além do aumento da consciência ecológica da população, o Brasil possui uma reserva natural gigantesca, com paisagens belíssimas. Por que não explorar tudo isso, sem agredir o meio ambiente?

Uma opção que não exige grandes investimentos é a abertura de uma agência especializada em ecoturismo. Você pode formar parcerias com as grandes operadoras do setor e vender seus pacotes, em troca de uma comissão sobre o preço final. É fundamental, no entanto, conhecer a fundo o trabalho do parceiro e os roteiros que você vai vender, de acordo com a empresária Eurides Mendes, dona da Filhos da Terra, agência de ecoturismo localizada em São Paulo.

Apaixonada por viagens e pela natureza, Eurides diz que, antes de incluir um roteiro em seu menu de opções, costuma viajar para conhecer o local e a infra-estrutura oferecida à clientela. Ela conta que, muitas vezes, viaja com os clientes para que eles se sintam mais seguros e ela possa constatar de perto as impressões deles sobre o produto que compraram.

A empresária afirma que abriu a agência em 1995, quando a expressão ecoturismo ainda era pouco conhecida do público, numa casa localizada num bairro da zona norte paulistana. Depois, com o crescimento do negócio, mudou-se para um edifício na avenida Paulista, nas proximidades de estações do metrô, onde o acesso é mais fácil para os clientes. n W.R.

Diversão na palma da mão
Os jogos para celulares prometem bons ganhos
Há apenas dez anos, os telefones celulares serviam somente para fazer e receber ligações e eram bem maiores e mais pesados do que os de hoje. Mas a tecnologia evoluiu e agora basta um aparelho minúsculo para receber e enviar mensagens de texto, tirar fotos, ouvir música, brincar com jogos eletrônicos e navegar na internet.

Na esteira da revolução tecnológica que acontece em alta velocidade no mundo dos celulares, surgiu uma nova atividade, que cresce em progressão geométrica e promete lucros polpudos: o desenvolvimento de jogos eletrônicos, com gráficos, imagens e som de alta qualidade. Uma das pioneiras no ramo no país, a Devworks, de São Paulo, que iniciou as atividades em 1999 não tem do que reclamar.

No começo, a empresa desenvolvia apenas programas para computador, mas logo entrou também nos jogos para celulares, que hoje representam 50% das vendas, de acordo com Marcelo Carvalho, um dos fundadores da Devworks. A empresa fornece os programas para grandes empresas de telefonia e tem cerca de 35 jogos no mercado.

Obviamente, quem começar agora no ramo dificilmente vai vender os produtos diretamente para as grandes companhias. Antes disso, segundo André Penha, da Délirus, de Campinas, interior de São Paulo, que também desenvolve jogos, é provável que você venda os jogos para as chamadas publicadoras, empresas que selecionam, divulgam e colocam os jogos no mercado. Penha diz que, para atuar no ramo, é preciso contar com profissionais de arte e de computação gráfica, utilizar softwares específicos e investir no maior número possível de aparelhos celulares para testar os jogos.

Na cola dos motoqueiros
A venda de motos cresce em progressão geométrica
Com o trânsito cada vez mais caótico nas grandes cidades, a motocicleta tornou-se uma opção para quem quer fugir dos congestionamentos. Além disso, o número de empresas que oferecem serviços de entregas rápidas com motocicletas também não pára de crescer. E quem não tem dinheiro para comprar um carro pode comprar uma moto pagando uma prestação mensal de apenas 50 reais.

De acordo com a Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas (Abraciclo), de janeiro a novembro do ano passado foram produzidas no país 1,12 milhão de motocicletas, um crescimento de 13,7% em relação ao mesmo período de 2004. Os modelos campeões de vendas são os de 125 e 200 cilindradas, os mais usados pelos motoboys, os principais usuários de motocicletas no Brasil. "Os motoboys, em geral, preferem comprar motos usadas, porque desgastam muito o veículo", diz Francisco Helio de Freitas Maia, da loja Helio Motos, especializada em motos de segunda mão, uma boa opção para quem vai estrear no ramo.

A Helio Motos está localizada na região central de São Paulo e, segundo Maia, vende cerca de 15 motos por mês por aproximadamente 5.000 reais cada uma. Além dos motoboys, outro filão na área são lojas de peças e de acessórios para os donos de motocicletas de modelos semelhantes aos das Harley Davidsons. O empresário Sylvestre Paschoal, por exemplo, apostou suas fichas em uma loja do gênero. Ele é dono da Silverstone, localizada no Shopping Moto & Aventura, também no centro de São Paulo, e tem empresários e executivos como seus clientes. "Para atender os consumidores apaixonados por moto é preciso oferecer produtos da melhor qualidade, porque eles são muito exigentes", afirma Paschoal.

Dia-a-dia sem transtorno


Aproveite as oportunidades existentes nos serviços voltados para deficientes

O Brasil tem cerca de 24,5 milhões de pessoas portadoras de algum tipo de deficiência (14,5% da população), de acordo com o IBGE. É um público que necessita de serviços de adaptação de equipamentos, veículos ou ambientes, para facilitar o seu dia-a-dia. Além disso, algumas cidades do país, como São Paulo, têm leis, segundo as quais os estabelecimentos públicos e comerciais com capacidade para mais de 100 pessoas devem oferecer facilidades de acesso aos deficientes. E a tendência é de as exigências aumentarem cada vez mais, o que abre uma boa oportunidade de negócio.

O empresário Ricardo Hodish, que ficou paraplégico há 14 anos por causa da queda de uma bicicleta e decidiu abrir a Painel Assessoria, de São Paulo, diz que há espaço para novos negócios no ramo. Ele afirma, porém, que quem quiser entrar na área deve conhecer as leis ligadas aos portadores de deficiência e escolher com critério os profissionais com os quais terceirizará os serviços. Sua empresa indica profissionais aptos a instalar barras de apoio e a construir rampas de acesso. Hodish também acompanha a obra, para ver se o trabalho é realizado corretamente.

Há oportunidade também para quem já tem um negócio e quer aproveitar a demanda para aumentar a receita. A Crimoe, empresa de Cotia, na Grande São Paulo, há 18 anos fabrica acessórios para banheiros, mas só em 2003 resolveu investir na produção de barras de apoio para idosos e deficientes. Desde então, as vendas desses itens já aumentaram 40%, de acordo com Virgínia Gaeta, da área de marketing da empresa. A Crimoe tem um showroom em forma de banheiro para que os clientes possam conhecer as aplicações de diferentes produtos da empresa dentro das normas técnicas.

Cabelo branco e muita energia
Os idosos agora estão mais ativos e querem viver com melhor qualidade de vida
Já faz um bom tempo que os vovôs e as vovós ficavam em casa assistindo televisão, fazendo tricô e esperando o tempo passar. Com a expectativa média de vida do brasileiro na casa dos 71 anos, de acordo com uma pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os idosos estão mais ativos e querem manter uma boa qualidade de vida. Eles estão descobrindo que nunca é tarde para sair de casa, se divertir e fazer cursos, entre outras atividades.

De olho nesse público, surgiram diversas empresas especializadas em turismo e em cursos de informática para a terceira idade (a partir dos 65 anos). Sem falar nos negócios de todos os ramos que procuraram se adaptar para aproveitar o novo filão. Afinal, não dá para desprezar os mais de 16 milhões de cidadãos com idade acima de 60 anos no país, não é mesmo?

O empresário Valentin Martin, por exemplo, há um ano e meio criou a 50 Plus, uma combinação de loja de produtos para consumidores com mais de 50 anos com um espaço semelhante a uma sala de estar. Lá, a clientela pode bater papo, tomar um cafezinho, se distrair com diversos jogos e até fazer umas comprinhas. Localizado no bairro dos Jardins, em São Paulo, uma região com grande concentração de idosos, o estabelecimento é decorado com objetos antigos, como móveis das décadas de 30 e 40. Os produtos à venda incluem jogos de xadrez, dama e gamão. Há também cursos, como tapeçaria e jardinagem, além de tardes de autógrafos com escritores e atores.

Quem deseja abrir um negócio do gênero deve ter cuidado com a escolha do ponto. Segundo Martin, deve-se dar preferência a regiões que concentram consumidores veteranos. O local precisa ser espaçoso para que os consumidores tenham facilidade para se locomover. Convém lembrar que os pisos têm que ser de material antiderrapante, para evitar acidentes. n V.M.

Muito além do arco-íris
O público GLS demanda bens e serviços específicos
Na Europa e nos Estados Unidos, é comum a oferta de serviços e de produtos para o público GLS (sigla que define gays, lésbicas e simpatizantes). O Brasil, hoje, segue a mesma tendência. Trata-se de um nicho muito lucrativo, porque abrange um grande contingente de pessoas com bom poder aquisitivo, porém carentes de atendimento adequado ao seu perfil de consumo.

Algumas empresas se deram conta da oportunidade e criaram negócios para atender à nova demanda. Foi o que fez, por exemplo, o empresário Marco Antonio dos Santos, 39 anos, que há cinco meses inaugurou na avenida Paulista, coração da comunidade gay paulistana, a Info Pride, uma loja de produtos de informática voltada para o público GLS.



Santos diz que optou pelo ramo de informática porque os gays gostam de tudo o que está relacionado a tecnologia, como comunicação via internet e equipamentos de última geração. Segundo ele, os monitores de cristal líquido e as webcams estão entre os itens mais vendidos. "Meus clientes são solteiros, têm entre 25 e 40 anos e estão no auge do consumo", afirma o empresário.

De acordo com Santos, os gays têm uma renda superior à média nacional e se declaram fiéis às marcas e locais de compra que aprovam. Ele diz que quem pretende atuar na área deve saber selecionar e orientar os seus empregados. A Info Pride tem quatro funcionários homossexuais assumidos. Com cerca de 1.500 clientes cadastrados, Santos espera faturar cerca de 330.000 reais por mês em 2006, contra a média de 250.000 reais mensais registrada no ano passado.

Baixar 354.64 Kb.

Compartilhe com seus amigos:




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino fundamental
Processo seletivo
ensino médio
Conselho nacional
minas gerais
terapia intensiva
oficial prefeitura
Curriculum vitae
Boletim oficial
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
Poder judiciário
educaçÃo física
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
Conselho regional
ensino aprendizagem
ciências humanas
secretaria municipal
outras providências
políticas públicas
catarina prefeitura
recursos humanos
Conselho municipal
Dispõe sobre
ResoluçÃo consepe
Colégio estadual
psicologia programa
consentimento livre
ministério público
público federal
extensão universitária
língua portuguesa