Fundamentos de Filosofia de Manuel Garcia Morente



Baixar 1,27 Mb.
Página1/204
Encontro16.09.2018
Tamanho1,27 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   204

Fundamentos de Filosofia de Manuel Garcia Morente
Lições Preliminares


Lição I

O CONJUNTO DA FILOSOFIA

1. A FILOSOFIA E SUA VIVÊNCIA. — 2. DEFINIÇÕES FILOSÓFICAS E VIVÊNCIAS FILOSÓFICAS. — 3. SENTIDO DA PALAVRA «FILOSOFIA». — 4. A FILOSOFIA ANTIGA. — 5. A FILOSOFIA NA IDADE MÉDIA. — 6. A FILOSOFIA NA IDADE MODERNA. — 7. AS DISCIPLINAS FILOSÓFICAS. —   8.    AS   CIÊNCIAS   E   A   FILOSOFIA.   —   9.    AS   PARTES   DA   FILOSOFIA.

 

1.   A filosofia e sua vivência.

 

Vamos iniciar o curso de Fundamentos da Filosofia propondo e tentando resolver algumas das questões principais desta disciplina.



A filosofia é, de imediato, algo que o homem faz, que o homem tem feito, o que primeiro devemos tentar, pois, é definir esse "fazer" que chamamos filosofia. Deveremos, pelo menos, dar um conceito geral da filosofia, e talvez fosse a incumbência desta primeira lição explicar e expor o que é a filosofia. Mas isto é impossível. É absolutamente impossível dizer de antemão o que é filosofia. Não se pode definir a filosofia antes de fazê-la; como não se pode definir em gerai nenhuma ciência, nenhuma disciplina, antes de entrar diretamente no trabalho de fazê-la.

Uma ciência, uma disciplina, um "fazer" humano qualquer, recebe seu conceito claro, sua noção precisa, quando já o homem domina este fazer. Só se sabe o que é filosofia quando se é realmente filósofo. Que quer dizer isto? Isto quer dizer que a filosofia, mais do que qualquer outra disciplina, necessita ser vivida. Necessitamos ter dela uma "vivência". A palavra "vivência" foi introduzida no vocabulário espanhol pelos colaboradores da Revista de Ocidente, como tradução da palavra alemã Erlebnis. Vivência significa o que temos realmente em nosso ser psíquico; o que real e verdadeiramente estamos sentindo, tendo, na plenitude da palavra "ter".

Vou dar um exemplo para que se compreenda bem o que é "vivência". O exemplo não é meu, é de Bergson.

Uma pessoa pode estudar minuciosamente o mapa de Paris; estudá-lo muito bem; observar um por um os diferentes nomes das ruas; estudar suas direções; depois pode estudar os monumentos que há em cada rua; pode estudar os planos desses monumentos; pode revistar as séries das fotografias do Museu do Louvre, uma por uma. Depois de ter estudado o mapa e os monumentos pode este homem procurar para si uma visão das perspectivas de Paris mediante uma série de fotografias tomadas de múltiplos pontos. Pode chegar dessa maneira a ter uma idéia bastante clara, muito clara, claríssima, pormenorizadíssima, de Paris. Semelhante idéia poderá ir aperfeiçoando-se cada vez mais, à medida que os estudos deste homem forem cada vez mais minuciosos; mas sempre será uma simples idéia. Ao contrário, vinte minutos de passeio a pé por Paris são uma vivência.

 

Entre vinte minutos de passeio a pé por uma rua de Paris e a mais vasta e minuciosa coleção de fotografias, há um abismo. Isto é uma simples idéia, uma representação, um conceito, uma elaboração intelectual; enquanto que aquilo é colocar-se realmente em presença do objeto, isto é, vivê-lo, viver com ele; tê-lo própria e realmente na vida; não o conceito, que o substitua; não a fotografia, que o substitua; não o mapa, não o esquema, que o substitua, mas ele próprio. Pois o que-nós vamos fazer é viver a filosofia.



Para vivê-la é indispensável entrar nela como se entra numa selva,  entrar nela para explorá-la.

Nesta primeira exploração, evidentemente, não viveremos a totalidade deste território que se chama filosofia, passearemos por algumas de suas avenidas; penetraremos em alguns de seus jardins e de suas matas; viveremos realmente algumas de suas questões; porém outras talvez nem sequer saberemos que existem. Poderemos dessas outras ou da totalidade do território filosófico ter alguma idéia, algum esquema, como quando preparamos uma viagem temos de antemão uma idéia ou um esquema lendo previamente o guia Baedeker. Porém, viver, viver a realidade filosófica, é algo que não poderemos fazer senão em certo número de questões e de certos pontos de vista.

De vez em quando, nestas nossas viagens, nessa nossa peregrinação pelo território da filosofia, poderemos deter-nos a fazer balanço, fazer levantamento do conjunto das experiências, das vivências que tenhamos tido; e então poderemos formular alguma definição geral da filosofia, baseada nessas autênticas vivências que tenhamos tido até então.

Esta definição terá então sentido, estará cheia de sentido, porque haverá dentro dela vivências nossas, pessoais. Pelo contrário, uma definição de filosofia, que se dê antes de tê-la vivido, não pode ter sentido, resultará ininteligível. Parecerá talvez inteligível nos seus termos; será composta de palavras que oferecem sentido; mas este sentido não estará cheio da vivência real. Não terá para nós essas amplas ressonâncias de algo que por longo tempo estivemos vivendo.

 



Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   204


©psicod.org 2017
enviar mensagem

    Página principal