Excelentíssimo senhor juiz de direito da 2ª vara cível da comarca de jaboatão dos guararapes-pe



Baixar 0,55 Mb.
Página26/31
Encontro29.11.2019
Tamanho0,55 Mb.
1   ...   23   24   25   26   27   28   29   30   31
DOS PEDIDOS

Desta forma, REQUER o Ministério Público:




  1. O recebimento e processamento da presente ação coletiva sob o rito próprio estabelecido na legislação em vigor (art. 91 e seguintes da Lei n° 8.078/90);

  2. O deferimento de medida cautelar em antecipação da tutela, para que a SUL AMÉRICA E APEPE sejam compelidas a custear perícia técnica a ser realizada por empresa ou órgão especializado, cuja nomeação será determinada por V. Exa., de forma a comprovar os riscos que atualmente passam os apartamentos do EDIFÍCIO PATRÍCIA, devendo abrir prazo para oferecimento de quesitos e indicação de assistente técnico;

  3. Ainda em sede de medida cautelar em antecipação de tutela, caso venha a ser atestada pela perícia a necessidade de desocupação imediata do imóvel em questão, que seja determinado à SUL AMÉRICA e APEPE o custeio, em imóvel similar, de moradia para os consumidores-proprietários das unidades habitacionais interditadas do EDIFÍCIO PATRÍCIA, sendo tal direito avaliado em R$ 1.000,00 (hum mil reais) mensais, valor este que deverá ser pago às pessoas listadas na relação fornecida pelo Ministério Público, a qual se fará acompanhar de documentação comprobatória da legitimidade, ou, ainda, aos que se habilitarem diretamente no processo, até a solução final da lide, além de assumir a responsabilidade pelo pagamento das prestações dos financiamentos ativos perante a Instituição de Crédito, enquanto perdurar a impossibilidade de ocupação dos imóveis, sob pena de pagamento de multa diária de R$ 200,00 (duzentos reais) em favor de cada um dos consumidores listados e/ou habilitados a perceberem a vantagem da antecipação da tutela;

  4. Fazendo parte integrante do decisum cautelar, no caso de desocupação do imóvel indicado, que seja determinada à SUL AMÉRICA e APEPE a manutenção e guarda da respectiva unidade habitacional desocupada do EDIFÍCIO PATRÍCIA, até a solução final da lide, o que significa que, além da vigilância patrimonial, devem arcar com as despesas das tarifas cobradas pelas companhias de fornecimento de energia elétrica, água e esgoto (taxação mínima de consumo), além dos tributos relacionados aos imóveis (taxas e impostos – IPTU, Bombeiro, Iluminação pública, Limpeza Urbana, etc.);

  5. Meritoriamente, que seja declarado que todos os consumidores que tiveram algum prejuízo em virtude do acidente de consumo, proveniente da má-construção das unidades residenciais, tenham direito a ser ressarcidos integralmente pelos danos patrimoniais e morais sofridos, abrangidos aqueles em que se buscou a antecipação da tutela, e, via de conseqüência, a condenação da SUL AMÉRICA e APEPE a ressarcirem, na íntegra, os prejuízos e danos causados, tanto patrimoniais como morais, cuja liquidação se dará após a prestação jurisdicional, a ser feita individualmente para cada lesado que se habilite;

  6. A condenação da SUL AMÉRICA e APEPE ao pagamento da multa decendial de 2% prevista na Cláusula 17 – subitem 17.3 – Das Condições Especiais da Apólice Habitacional, calculada esta sobre os valores das indenizações devidas a cada consumidor vinculado aos imóveis adquiridos;

  7. Seja dada a opção aos consumidores proprietários das unidades do EDIFÍCIO PATRÍCIA, sem prejuízo das perdas e danos, de escolher entre: I - a restituição imediata das quantias pagas pelos imóveis, monetariamente atualizadas; II - a reexecução ou recuperação da obra por empresa de sua exclusiva escolha, sem custo adicional do que fora anteriormente pactuado, e, em caso da opção pela recuperação, a compensação em pecúnia face a desvalorização dos imóveis;

  8. A produção de prova por todos os meios permitidos em direito;

  9. A aplicação do Código de Defesa do Consumidor no caso em tela, com inversão do ônus da prova em favor dos consumidores;

  10. Seja a presente ação julgada PROCEDENTE, condenando as Requeridas nas sanções retro mencionadas, com aplicação de juros e correção monetária, incluindo-se custas e honorários advocatícios, a serem revertidos em favor do Tesouro Estadual;

  11. A citação das promovidas para contestarem o pleito, sob pena de revelia, nos endereços mencionados no preâmbulo, bem como a intimação para o cumprimento da ordem liminar que se espera deferida, sob pena de incidir nas sanções de lei;

  12. Seja reconhecida a dispensa do pagamento de custas, emolumentos e outros encargos, face ao disposto no art. 18 da Lei n° 7.347/85 e art. 90 do CDC.

Atribui-se à causa o valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais).


Nestes termos,

Pede deferimento.

Jaboatão dos Guararapes, 18 de novembro de 2011.





Compartilhe com seus amigos:
1   ...   23   24   25   26   27   28   29   30   31


©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
santa catarina
Prefeitura municipal
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
Processo seletivo
ensino fundamental
Conselho nacional
terapia intensiva
ensino médio
oficial prefeitura
Curriculum vitae
minas gerais
Boletim oficial
educaçÃo infantil
Concurso público
seletivo simplificado
saúde mental
Universidade estadual
direitos humanos
Centro universitário
Poder judiciário
saúde conselho
educaçÃo física
santa maria
Excelentíssimo senhor
assistência social
Conselho regional
Atividade estruturada
ciências humanas
políticas públicas
catarina prefeitura
ensino aprendizagem
outras providências
recursos humanos
Dispõe sobre
secretaria municipal
psicologia programa
Conselho municipal
Colégio estadual
consentimento livre
Corte interamericana
Relatório técnico
público federal
Serviço público
língua portuguesa