Excelentíssimo senhor juiz de direito da 2ª vara cível da comarca de jaboatão dos guararapes-pe



Baixar 470 Kb.
Página25/31
Encontro29.11.2019
Tamanho470 Kb.
1   ...   21   22   23   24   25   26   27   28   ...   31
- negrito nosso -
Segundo a advogada mineira Patrícia Eleutério Campos, houve uma “consagração da fungibilidade entre a antecipação da tutela e as medidas cautelares”.
Extrai-se do artigo intitulado - ANTECIPAÇÃO DE TUTELA E MEDIDA CAUTELAR: FUNGIBILIDADE ENTRE AS MEDIDAS - INOVAÇÃO TRAZIDA PELA LEI Nº 10.444/2002 - publicado na Revista Síntese Trabalhista nº 169 - JUL/2003, pág. 52, o seguinte:
Sinteticamente, tem-se que a tutela antecipada visa ao adiantamento dos efeitos que seriam obtidos com o futuro provimento jurisdicional, enquanto que a tutela cautelar tem por escopo assegurar a eficácia do provimento jurisdicional que se pretende. Em sendo assim, nota-se que a cognição do juiz para conceder a tutela antecipada há de ser mais profunda do que a cognição necessária para deferir a tutela cautelar (em razão dos respectivos efeitos de tais medidas).
Segundo o recém-introduzido § 7º do art. 273, do CPC, “se o autor, a título de antecipação de tutela, requerer providência de natureza cautelar, poderá o juiz, quando presentes os respectivos pressupostos, deferir a medida cautelar em caráter incidental do processo ajuizado”.

Nota-se que houve a consagração da fungibilidade entre a antecipação de tutela e as medidas cautelares. Evidencia-se, pois, que tais medidas estão estritamente ligadas entre si, justamente em razão de suas finalidades. Ora, se é admitida a fungibilidade, resta claro que deve-se aplicar subsidiariamente às demais tutelas de urgência, sempre que possível, as regras do Livro III, relativas à tutela cautelar. Entende-se, portanto, que o referido § 7º deve ser interpretado extensivamente, com base na Teoria da Substanciação, consagrada por nosso ordenamento jurídico (os fatos narrados é que vão vincular a atuação do juiz).
Assim, também quando requerida uma medida cautelar, o juiz deferirá a antecipação de tutela, desde que satisfeitos os pressupostos legais exigidos. Por outro lado, também deve ser aplicada a fungibilidade às medidas cautelares entre si. A título de exemplo, se o autor requerer erroneamente o seqüestro, o juiz estará autorizado a conceder o arresto, desde que presentes os pressupostos para o deferimento desta última medida.
Por fim, infere-se que apesar de existirem, tecnicamente, diferenças entre as tutelas cautelar e antecipada, pouca relevância há em diferençar tais institutos, importa é a demonstração da urgência (fumus boni iuris e o periculum in mora), de forma a garantir que a prestação jurisdicional seja efetiva. Busca-se um processo civil de resultados.”
Dispõe o art. 84 do CDC o seguinte:
Art. 84 - Na ação que tenha por objeto o cumprimento da obrigação de fazer ou não fazer, o juiz concederá a tutela específica da obrigação ou determinará providências que assegurem o resultado prático equivalente ao do adimplemento.

[...]


§ 3° - Sendo relevante o fundamento da demanda e havendo justificado receio de ineficácia do provimento final, é lícito ao juiz conceder a tutela liminarmente ou após justificação prévia, citado o réu."
Não há que se questionar acerca da presença dos pressupostos que autorizam o deferimento da medida. O fumus boni iuris está todo permeado no Código de Defesa do Consumidor e subsidiariamente no Código Civil. Além disso, sob as luzes da legislação em questão, é inquestionável o direito previsto na apólice de seguro habitacional.
O periculum in mora reside no fato de que os consumidores estão sofrendo lesões de ordem material e moral ao estarem impedidos, por questão de segurança, de usufruir integralmente das unidades residenciais construídas de forma irregular. A constatação é a de que os consumidores podem estar prestes a perder um bem de valor inestimável, como é o direito à moradia, com danos advindos dessa situação que podem ser gravíssimos e irreparáveis, conquanto atingem o equilíbrio emocional e psicológico das pessoas lesadas.
Consoante narrado neste articulado, os consumidores estão a suportar sérios prejuízos, dentre os quais os decorrentes da desocupação dos imóveis com vistas a salvaguardar-lhes suas integridades física.
Admitida a fungibilidade entre a tutela antecipada e a medida cautelar, encontrando-se presentes no caso os requisitos do fumus boni iuris e periculum in mora, deve ser concedida medida liminar para que a SUL AMÉRICA e APEPE sejam compelidas a custear perícia técnica a ser realizada por empresa ou órgão especializado, cuja nomeação será determinada por V. Exa., de forma a comprovar os riscos que atualmente passam os apartamentos do EDIFÍCIO PATRÍCIA, devendo abrir prazo para oferecimento dos quesitos e indicação de assistente técnico.
Essa providência constitui-se de fundamental importância, pois, caso não concedida, poderá ser inócuo o efeito da sentença de mérito se qualquer evento danoso vier a ocorrer nas enigmáticas estruturas do EDIFÍCIO PATRÍCIA.
A medida cautelar se constitui muito mais em prevenção do que sanção, até porque a SUL AMÉRICA E APEPE estariam sendo compelidas a fazer nada mais nada menos do que já são obrigadas por força contratual.
Com o resultado da perícia, caso venha a ser atestada a necessidade de desocupação imediata do imóvel indicado, que seja determinado à SUL AMÉRICA e APEPE o custeio, em imóvel similar, de moradia para os consumidores-proprietários das unidades habitacionais interditadas do EDIFÍCIO PATRÍCIA, sendo tal direito avaliado em R$ 1.000,00 (hum mil reais) mensais, valor esse que deverá ser pago aos que forem listados em relação fornecida pelo Ministério Público, a qual se fará acompanhar de documentação comprobatória da legitimidade, ou aos que se habilitarem diretamente no processo, até a solução final da lide, além de assumir a responsabilidade pelo pagamento das prestações dos financiamentos ativos perante a instituição de crédito, enquanto perdurar a impossibilidade de ocupação dos imóveis.
No caso de desocupação de algum dos blocos indicados, que seja determinada à SUL AMÉRICA e APEPE a manutenção e guarda da unidade desocupada do EDIFÍCIO PATRÍCIA, até a solução final da lide, o que significa que, além da vigilância patrimonial, devem arcar com as despesas das tarifas cobradas pelas companhias de fornecimento de energia elétrica, água e esgoto (taxação mínima de consumo), além dos tributos relacionados aos imóveis (taxas e impostos – IPTU, Bombeiro, Iluminação pública, Limpeza Urbana, etc.).
Em caso de inadimplência, considerada essa a partir da intimação da decisão e da listagem fornecida pelo Ministério Público ou da habilitação individual, seja estabelecida para a suplicada multa diária de R$ 200,00 (duzentos reais) em favor de cada um dos consumidores listados e/ou habilitados a perceberem a vantagem da antecipação da tutela.



Baixar 470 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
1   ...   21   22   23   24   25   26   27   28   ...   31




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino fundamental
ensino médio
Processo seletivo
minas gerais
Conselho nacional
terapia intensiva
Curriculum vitae
oficial prefeitura
Boletim oficial
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
Poder judiciário
educaçÃo física
saúde conselho
assistência social
santa maria
Excelentíssimo senhor
Conselho regional
Atividade estruturada
ciências humanas
políticas públicas
outras providências
catarina prefeitura
ensino aprendizagem
secretaria municipal
Dispõe sobre
Conselho municipal
recursos humanos
Colégio estadual
consentimento livre
ResoluçÃo consepe
psicologia programa
ministério público
língua portuguesa
público federal
Corte interamericana