Este é o segundo número da Revista "Presença Ética" que tem como tema: Ética, Política e Emancipação Humana


Ética em movimento: ' uma experiência



Baixar 0,94 Mb.
Página52/58
Encontro02.03.2019
Tamanho0,94 Mb.
1   ...   48   49   50   51   52   53   54   55   ...   58
Ética em movimento: ' uma experiência

de pesquisa na atuação ético-política

do(a) Assistente Social

Cyntia Raquel V. Medeiros

Flávia Franca de Carvalho

Marina Guimarães Gondim

Nicoly Danielle Neves

Rauliana Karina Sales
O conceito de ética no momento está passando por um processo de popularização, utilizado aleatoriamente no cotidiano do cidadão comum. Fala-se em ética em filas de banco, em bares, nas conversas informais entre amigos e em outros espaços de convivência social. No entanto, são nos espaços de atuação dos profissionais que a ética ocupa um locus original, mesmo quando esta não é falada e nem discutida, pressupõe-se que os profissionais, principalmente os de nível superior, encarem um comportamento ético, assumindo valores que coincidam ou se contraponham às normas institucionais, à sua categoria profissional e à moral social vigente, que é determinada e construída historicamente.

Nos dias de hoje, podemos exemplificar estes valores culturais no âmbito profissional, como um simples cumprimento de horários, respeito ao trabalho do outro, postura honesta diante das requisições institucionais, atendimento qualificado aos seus usuários, clientes, pacientes e etc.

A escolha deste tipo de procedimento não é apenas casual, mas cultural, pois, a ideologia hegemônica da classe burguesa determina os valores morais para a sociedade. Estes valores embasam um posicionamento político, que pode ser limitado à ação profissional, não atingindo diretamente as causas dos problemas sociais.

Segundo Chauí, "Não se pode pensar na ação ética sem pensá-la como uma ação política. Por que na medida em que a ação do sujeito entra em contradição ou' em conflito com a moralidade universal e abstrata da sua sociedade, a ação que ele realiza ou é de conformismo ou de contraposição a isto (...)" (2000: 51).

E dentro desta perspectiva que se coloca o "Projeto Ética em Movimento", desenvolvido pelo CFESS em articulação com os CRESS. Seu maior objetivo é desfazer a noção de restrição do debate ético ao Código de Ética Profissional. Uma oportunidade de "desengavetar" nossos princípios ético-políticos, dando-lhes vida tanto no campo profissional como no social. Constitui-se, entre outros, um dos eixos principais do projeto dar visibilidade social à ética profissional, ou seja, analisar posicionamentos ético-políticos à luz dos princípios do Código de ética profissional, estabelecendo uma relação com a ética e com a política. Conforme CFESS (1999) são eixos do projeto:

• Formação de Agentes Multiplicadores;

• Viabilizar política e juridicamente denúncias éticas;

• Publicizar posicionamentos ético-políticos públicos sobre ações de governo, acontecimentos relacionados à ética na sociedade, em nível regional e nacional;

• Fortalecer a interlocação com organismos internacionais e nacionais na defesa dos Direitos Humanos e Sociais;

• Sugerir um espaço fixo na Revista Inscrita para posicionamentos e denúncias éticas;

• Realizar uma pesquisa articulada com a ABEPSS e a ENESSO;

• Aprofundar o entendimento nacional no que diz respeito ao trabalho voluntário;

• Aprofundar o debate ético através da participação em encontros e publicações.

"Ética em movimento" é o mais recente projeto em que o GEPE - Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Ética - está envolvido, à medida que aquele tem a perspectiva de fertilizar ao máximo as potencialidades do Código de Ética, enquanto um documento estratégico, que possibilita explicitar as várias dimensões do projeto ético-político profissional, ao assumir o compromisso com valores e princípios como liberdade, democracia, justiça social e equidade. É assinalado um campo de possibilidades, que extrapola deveres e direitos neles inscritos, portanto, suscita atitudes político-profissionais firmes, que denunciem criticamente os mecanismos de individualismo, particularismo, corrupção e desigualdades intensificados nesses tempos de neoliberalismo.

A intenção desse projeto é reoxigenar o debate, aprofundando princípios ético-políticos, fazendo-os sair do espaço restrito dos arquivos, pastas e gavetas. Na verdade, trata-se de imprimir visibilidade profissional e social, dar vida, ou seja, movimento à categoria ofertando-lhe a possibilidade de materializar uma concepção de ética mais ampla que sua expressão legal. É, portanto, um projeto que visa resignificar/traduzir o movimento da ética na realidade, abordando-o como uma mediação social viva e dinâmica, tornando-a visível para a categoria e para a sociedade.

A implementação do projeto "Ética em Movimento" na Cidade do Recife – PE suscitou a necessidade de realização de uma pesquisa articulando CFESS/CRESS/UFPE/UNICAP, através da disciplina Ética Profissional. Esta pesquisa tem como objetivo subsidiar a intervenção profissional, dando visibilidade ao processo de aprofundamento, articulação e principalmente efetivação dos fundamentos filosóficos da Ética à sua operacionalidade, no âmbito do exercício profissional. Tal pesquisa contou com a participação de alunos da disciplina de Ética Profissional da UNICAP e alunos da mesma disciplina do sétimo período de Serviço Social da UFPE68 e constituiu-se de várias etapas, dentre elas a definição das áreas de atuação profissional; visita ao CRESS para identificar o universo institucional do campo de atuação, e de assistentes sociais (identificamos 127 instituições totalizando 964 assistentes sociais); elaboração de questionários com perguntas abertas e fechadas; divisão das instituições entre as equipes (foram utilizadas para amostragem 50% + 1 do total de instituições)

Na UFPE, a metodologia utilizada foi a divisão da sala em subgrupos cujos coordenadores são membros do GEPE; e que têm como atribuições participar efetivamente de todas as fases do presente projeto e, principalmente, orientar os subgrupos, que foram divididos em áreas de interesses dos alunos: Saúde, Assistência e Previdência, Empresa e Diversos (ONG's, Consultarias, e Entidades Governamentais).

Como recursos de pesquisa, foram utilizadas análise documental69 e em seguida a elaboração de um Roteiro de Entrevista com as Assistentes Sociais. A implementação da pesquisa foi precedida de um pré-teste do respectivo roteiro, que subsidiou a realização da pesquisa de campo, a partir de visitas às instituições selecionadas.







  1. Compartilhe com seus amigos:
1   ...   48   49   50   51   52   53   54   55   ...   58


©psicod.org 2017
enviar mensagem

    Página principal