Escola de educaçÃo especial lions club



Baixar 281,97 Kb.
Página2/4
Encontro11.10.2018
Tamanho281,97 Kb.
1   2   3   4
MARCO SITUACIONAL
O acesso à escola implica apropriação do saber e das oportunidades educacionais oferecidas à totalidade dos alunos com vistas a atingir as finalidades da educação, a respeito da diversidade na população escolar.

A perspectiva de educação para todos constituiu um grande desafio. A escola que se espera para o século XXI tem compromisso não apenas com a produção e a difusão do saber culturalmente construído, mas com a formação do cidadão crítico, participativo e criativo, para fazer face às demandas cada vez mais complexas da sociedade moderna.

Com base no reconhecimento da diversidade existente na população escolar e na necessidade de respeitar e atender a essa diversidade, a presente proposta focaliza uma base para a escolarização, buscando dimensionar o sentido e o alcance que se pretende dar as adaptações curriculares como estratégias e critérios de atuação docente e admite decisões que oportunizam a adequar a ação educativa escolar às maneiras peculiares de os alunos aprenderem, considerando que o processo de ensino aprendizagem pressupõe atender à diversificação de necessidades dos alunos na escola.

Considerando-se que a prática de construção de uma proposta educacional se constitui em processo contínuo, conclui-se que a presente proposta não termine aqui. Muito ainda há que ser construído, destacando-se a sistematização de propostas educacionais para as áreas de múltipla deficiência, transtornos funcionais específicos, imprescindíveis às crianças que necessitam de atendimentos prolongados.

A Escola Especial Lions Club de Arapongas situada na Rua Harpia Nº 23, fone (43) 3252-1182 e outra sede própria na zona rural deste mesmo município onde se realizada o trabalho com o setor profissionalizante situada á Rodovia PR444 km 2, fone (43) 3274-5786, email: apaearapongas@uol.com.br, com autorização de funcionamento na área de deficiência intelectual associada à múltiplas deficiências, mantida pela APAE de Arapongas, em conformidade com a legislação vigente, com organização política, administrativa e pedagógica assegura os direitos, deveres e atribuições que expressam sua ação educativa.

A Escola Especial Lions Club de Arapongas, foi fundada em 10/05/1969 sendo autorizada em 30/12/1969 através da Resolução nº 17.789/69 e tendo como Entidade Mantenedora a APAE de Arapongas.

Esta escola não-governamental e sem fins lucrativos, expressa a disposição de ofertar as etapas da Educação Básica: Educação Infantil, Ensino Fundamental e Educação Profissional/inicial – Modalidade Educação Especial, prestando atendimento no(s) turno(s) matutino e vespertino, exclusivamente para alunos com deficiência intelectual de alta especificidades.

Caracteriza-se como estabelecimento de ensino especial, visto que apresenta uma proposta pedagógica ajustada às necessidades educacionais dos alunos e ao disposto na legislação vigente; proporciona acessibilidade nas edificações, com a eliminação de barreiras arquitetônicas nas instalações, mobiliário, equipamentos, conforme normas técnicas vigentes, oferece ajudas e apoios intensos e contínuos, adaptação curricular significativa e currículo funcional.

Para sua criação, autorização, renovação da autorização de funcionamento e cessação de atividades, a Escola Especial Lions Club de Arapongas atendeu e atende às normas estabelecidas pelo Conselho Estadual de Educação do Paraná e Secretaria de Estado da Educação.

Mantém apoio técnico pedagógico e financeiro dos órgãos governamentais, tendo acompanhamento e avaliação da Secretaria Estadual de Educação/SEED no cumprimento das determinações legais vigentes.

Ao longo da sua fundação, valores se alteraram e os objetivos propostos e as estratégias foram sendo vivenciados e incorporados na identidade da Instituição. A Escola Especial teve esta trajetória desde a sua fundação até o dia de hoje, sempre renovando e caminhando para um propósito de desenvolvimento para ser o melhor. A criação se deu em 1969, o Lions Club alugou uma casa de madeira à Rua Condor, a equipe que atuava na EARCE de Apucarana passou a efetuar matrículas e visitas nas casas onde soubessem que existia alguém com algum tipo de deficiência mental. Iniciou-se então a montagem da Casa da Criança Excepcional, tendo como Presidente o Sr. Toshiharu Iokomizo, seguindo sempre a orientação e direção dos técnicos da escola mãe EARCE de Apucarana.

Em 28 de fevereiro de 1970, instalou-se a sede própria da escola na Rua Harpia n 23 onde em l9 de dezembro de 1971 elegeu sua primeira diretoria tendo como presidente o Sr. Tomiyoshi Hatumura.

Em 21 de dezembro de 1972, tomou posse a Sra. Elvia Garcia Fernandes, permanecendo no cargo durante 18 anos.

No biênio 91/92 teve como Presidente o Sr. Valdemir Gonçalves. Em 31 de dezembro de 1992 tomou posse o Sr. Rubens Marques de Oliveira, que junto com a sua diretoria, executou novos trabalhos que deram um novo sentido a nossa escola.

Em 2004 assumiu Pedro Paulo Bazana dando continuidade ao trabalho e proporcionando junto com sua diretoria tudo de necessário para o ótimo andamento da escola. Hoje se encontra licenciado tendo como substituto o vice-presidente da mantenedora Luiz Antonio Sartorio que atende com prontidão as necessidades da escola.

Usamos para realizar um trabalho de qualidade todos os recursos disponíveis na escola e necessários para os mesmos como: A Escola Especial Lions Club de Arapongas tem a sua sede própria de alvenaria situada no centro da área urbana da cidade de Arapongas e outra na zona rural onde fica setor profissionalizante, ambas agradáveis e acolhedoras.

A primeira sede dividida em entrada para os alunos com cadeiras para acomodar os mesmos, bebedouro, banheiro e uma entrada social e outra entrada para a área de saúde (atendimento ambulatorial (SUS). Possui 1 secretaria da Apae e outra da escola,1 sala da direção e presidência, 1 sala para coordenação, 1 biblioteca, 1 brinquedoteca, 13 salas de aula, 1sala de educação física, quadra coberta ( poli esportiva), 2 salas de Artes, 1 cozinha ampla e arejada e 1 refeitório grande que acomoda todos os nossos alunos sentados em cadeiras com mesas para as refeições, 1 Kombi, 1 camioneta (Pampa), 1 carro Palio, 4 banheiros grandes para alunos, 2 banheiros para funcionários e 1 para visitas.

No setor de Saúde, atendimento ambulatorial (SUS) temos 2 salas para fisioterapia, 2 gabinetes de fonoaudiologia,1 gabinete dentário, 1 gabinete médico, 1 gabinete para terapeuta ocupacional, 1 gabinete para psicóloga, 1 gabinete para Assistente social.

A outra sede tem sua extensão em uma chácara localizada na zona rural, distante da cidade, onde lá está em funcionamento setor de Educação Profissional de adultos a partir dos 16 anos, tendo: 1 sala de coordenador (a) , 1 sala para marcenaria, 4 salas de atendimento . Possui 5 banheiros, 1 cozinha, lavanderia, 1 campo de futebol, sala para educação física e artes (interna), 1 sala para psicologia e 1 casa para o caseiro.

Todas as salas de atendimentos são equipadas de acordo com a função que exercem.

Esta escola oferta Educação Básica na Modalidade de Educação Especial nas seguintes etapas:



  1. Educação Infantil

  1. Estimulação Essencial – de 0 a 03 anos e 11 meses;

  2. Pré-escola – de 04 a 05 anos e 11 meses.

  1. Ensino Fundamental - anos iniciais:

a) Escolaridade – de 06 a 15 anos e 11 meses.

  1. Educação Profissional / Inicial: 16 anos:

a) Iniciação Profissional;

b) Qualificação Profissional;

c) Habilitação Profissional.





ANO 2009

NUMERO TOTAL DE ALUNOS

216

EDUCAÇÃO INFANTIL

85

ENSINO FUNDAMENTAL

63

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

68

Visando a formação de um cidadão com deficiência intelectual, a um ser apto a viver em sociedade, com igualdade de condições para acesso e permanência na escola, a Escola Especial Lions Club de Arapongas, promove a educação visando o desenvolvimento das potencialidades do individuo especial, seu preparo para o exercício da cidadania, seu ajustamento social e qualificação para o trabalho, tendo como compromisso de responder às necessidades sociais, históricas e educacionais da comunidade em que esta inserida.

A Escola acredita no trabalho solidário, no qual o conhecimento se da num processo onde ocorre o compartilhar de experiências entre professores, alunos, pais ou responsáveis, e onde todos terão consideradas suas potencialidades.

A Escola Especial Lions Club de Arapongas tem como objetivo maior a valorização do aluno em todos os seus aspectos, orientando-o na formação de seu caráter, educando-o para e com amor, através dos ideais de respeito, cooperação e solidariedade para que na prática de sua vida saiba amar e agir, tendo como base valores realmente verdadeiros.

A Escola tem ainda como objetivos:

* assegurar aos alunos com deficiência intelectual e múltiplas associadas, currículos, métodos, técnicas, recursos educativos, avaliação e organização específica para atender as suas necessidades educacionais especiais;

* Encaminhar os alunos com deficiência Intelectual aptos para mundo do trabalho;

* Organizar o trabalho educativo com todos os sujeitos do processo, articulando as especificidades das diferentes funções;

* Dar oportunidade de aperfeiçoamento aos profissionais, visando ampliar seus conhecimentos para obter o máximo aproveitamento no desenvolvimento integral do educando;

* Prestar orientação familiar e comunitária de modo a gerar ambiente adequado ao deficiente intelectual, tanto em casa como no contexto em que esta inserido, de maneira a desenvolver ao máximo suas potencialidades;

* Promover através de iniciativa própria ou com auxilio de órgãos públicos (Município, Estado, União) e seguimentos da comunidade medidas de prevenção primaria e secundaria para diminuição dos casos de excepcionais existentes;

*Encaminhar o educando com potencial de ensino aprendizagem para o ensino regular.

O regime da oferta das etapas é de forma presencial, organizado em turmas, levando em conta:

I. faixa etária;

II. etapas de desenvolvimento;

III. aquisição de conteúdos curriculares.

O nosso aluno tem participação, adquirindo informações, vivenciando situações em que estas o levarão à compreensão de princípios, ou seja, conceitos de maior abstração. Portanto, há aluno com capacidade de aprendizagem que tem condições suficientes e será incluso no ensino regular; há outros que têm condições de se adaptarem socialmente através da atuação independente na comunidade. Alguns poderão até estar aptos a adquirir formação profissional que lhes garanta o sustento, parcial ou total na vida adulta. Há outros com condições de desenvolver domínio das habilidades lingüísticas e específicas (Arte e Educação Física) e/ou outros ainda são capazes de cuidar de si, possuem condições para ajustarem-se no seu meio familiar e na comunidade.

Ao aluno com defasagem cognitiva em grau tão acentuado que acarrete severo comprometimento no seu desenvolvimento global será proporcionada educação baseada na estimulação multissensorial.

Como modalidade de Educação Básica, a Educação Especial considerará as situações singulares, os perfis, as características bio-piscossociais dos alunos e suas faixas etárias e se pautará em princípios éticos, políticos e estéticos de modo a assegurar:

-A dignidade humana e a observância do direito de cada aluno de realizar seus projetos de estudo,de trabalho e inserção na vida social.

-A busca da identidade própria de cada educando, reconhecimento e a valorização de sua diferenças e potencialidades, bem como de suas necessidades educacionais especiais no processo de ensino e aprendizagem, como base para a constituição e ampliação de valores, atitudes, conhecimentos , habilidades e competências.

-O desenvolvimento para o exercício da cidadania, da capacidade de participação social, política e econômica e sua ampliação, mediante o cumprimento de seus deveres e usufruto de seus direitos.

A função fundamental da educação é criar condições Político Pedagógicas para o desenvolvimento do potencial de cada indivíduo e ajudá-lo a tornar-se um ser humano completo, em suas dimensões sociais, afetivas e intelectuais.

O processo de organização de nossa escola articula autonomia colegiada e participativa de todos os seus segmentos, pois a participação institui uma prática política essencialmente democrática, exigindo conjugar no papel tradicionalmente desempenhado pelo diretor da escola precisando conjugar as dimensões e a unidade de ação do projeto da escola, na perspectiva de conciliar as exigências burocrático-administrativas da função com a finalidade educacional da escola.

Assim, a gestão democrática da escola é o canal para superar a idéia de ser bem sucedido sozinho e fazer o enfrentamento à mais perversa forma de exclusão da escola, tendo como ênfase no processo colegiado, pressupondo o cumprimento da função social e política da educação escolar, que é assegurar a apropriação do conhecimento elaborado.

A organização democrática no âmbito escolar fundamenta-se no processo de participação e co-responsabilidade da comunidade escolar na tomada de decisões coletivas, para a elaboração, implementação e acompanhamento do Projeto Político Pedagógico.

Dirigir uma escola com bases nesses pressupostos exige um novo jeito de olhar para as diferenças, percebendo-as como fontes de saberes que articulam as histórias individuais e coletivas de vida e provavelmente as rupturas e novas demandas de formação docente.

É assim que enfrentamos com dignidade as possibilidades de responder de forma ética às demandas da comunidade escolar pela qualificação e valorização dos trabalhadores em educação, pela elaboração e configuração de um currículo que explicite conteúdos, métodos, metodologias e praticas avaliativa selecionada com base nos princípios da autonomia e da socialização do conhecimento, que se viabiliza e se concretize na ação coletiva de todos os educando comprometidos com a emancipação humana.

Para esta compreensão pedagógica cabe a escola dosar a seqüencial o saber sistematizado, o conhecimento científico, tendo em vista o processo de sua transmissão-assimilação. A tarefa que se impõe é organizar o saber escolar, ou seja, tomar como elemento norteador das atividades da escola a socialização do conhecimento sistematizado. O currículo deve ser entendido como atividade do cotidiano dos professores, sendo uma tarefa prioritária, um pacto para a construção legitima das diretrizes curriculares que servirão de referencia para formação dos nossos alunos.

O trabalho pedagógico compreende todas as atividades teóricas–práticas desenvolvidas pelos profissionais da escola para a realização do processo educativo.

A organização do trabalho pedagógico é constituída pelo Conselho Escolar, Equipe de Direção, Equipe Pedagógica, Equipe Docente, Conselho de Classe, Agente de Execução e de Apoio, Equipe Multiprofissional, representante dos pais e alunos.

Nas formações continuadas, reuniões pedagógicas ou conselhos para professores e funcionários, acontecem reflexões sobre pequenos textos ou mensagens em data show, com temas referentes à pratica pedagógica e ao papel do educador.

Quadro pessoal: (professores e funcionários)




NOME

FUNÇÃO

FORMAÇÃO

HABILITAÇÃO

ESPECIALIZAÇÃO

Eunice C. S. G. Campanhol

Diretora

Superior

Pedagogia, especialização em DM

Gestão

Edna Fogaça de Souza

Coordenadora Setor Profissionalizante

Superior

Pedagogia e Adicional DM

Psicopedagogia e Edc. Infantil

Sonia Aparecida Prugini Pombolo

Coordenadora

Pedagógica



Superior

Pedagogia e Adicional DM

Administração, Supervisão e Orientação Educacional

Vivian Donadon Maldonado

Coordenadora Geral

Superior

Pedagogia e Adicional DM

Administração, Supervisão e Orientação Educacional

Ângela Cristina da Cunha

Agente de execução Secretaria

Superior

Administração de Empresas




Stephanie Geraldini de Lima

Agente apoio Atendente

Cursando Superior

Ed. Fisica




Márcia R. R. Nascimento

Agente de execução Secretaria

Superior

Incompleto Ciências Biológicas




Francine B. Cardoso

Assistente Social

Superior

Serviço social

Gestão de Políticas Sociais

Camila G. N. Bela

Fonoaudióloga

Superior

Fonoaudiologia




Fernada Rodrigues Venegas

Fonoaudióloga

Superior

Fonoaudiologia




Kátia Valéria Cassita

Fonoaudióloga

Superior

Fonoaudiologia

Motricidade Oral

Rozeli D. Migliorine

Fisioterapeuta

Superior

Fisoterapia

Reabilitação

Artur Inácio Prado

Fisioterapeuta

Superior

Fisoterapia

Recursos Terapêuticos e Técnicas Posturais

Mariana M. Miranda

Psicóloga

Superior

Psicologia

Psicopedagogia

Evandro C. Santinello

Psicólogo

Superior

Psicologia

Inclusão Educacional, Recursos Humanos

Caliston A. Borrasca

Dentista

Superior

Odontologia

Ortodontia e clinica geral

Clay Brittes

Medico

Superior

Medicina

Neurologia Pediátrica

Ramiro Lopes Pereira

Medico

Superior

Medicina

Psiquiatra

Regina Célia V. L. Linham

Medica

Superior

Medicina

Pediatra

Ana Elisa Garcia Campanhol Belarmino

Professora

Superior

Pedagogia

Ed. Especial, Orientação, Supervisão e Administração Escolar

Adriana Paula Russo Lopes

Professora

Superior

Pedagogia

M e Administração supervisão e Orientação Educacional

Aparecida Litwinczuk

Professora

Superior

Normal Superior e Adicional DM

Psicopedagogia

Aline C. dos Santos

Operadora Telemarkting

Superior

Cursando Pedagogia




Ana Carolina Manfrinato

Professora

Superior

Musica




Analigia Pereira Rivelini

Professora de Educação Fisica

Superior

Educação Fisica

Educação Especial

Aismeri G. Mugnaine

Professora

Superior

Pedagogia e Adicional DM

Educação Infantil

Benedita A. C. da Rocha

Professora

Superior

Ciências Sociais Adicinal em DM e DF

Educação Infantil

Célia Maria Beffa Pinheiro

Professora

Superior

Normal Superior Adicional DM

Psicopedagogia

Cristiana A. M. Pimental

Agente de apoio Serviços gerais

Fundamental







Claudia Maria dos Santos

Professora

Superior

Letras

Literatura Infanto-Juvenil, Ed. Especial

Cleide Alves Ferraira

Agente de apoio Serviços gerais










Daniela S. Spinato

Professora

Superior

Química e Adicional em DM

Administração, Supervisão e Orientação Educacional

Edna Correia da Silva

Agente de apoio Serviços Gerais

Fundamental Incompleto







Edno C. Pereira Junior

Agente de apoio Atendente

Superior

Cursando Química Industrial




Efigenia V. M. dos Santos

Agente de apoio Serviços gerais

Fundamental Incompleto







Eliana A. M. Camargo

Professora

Superior

Normal Superior e Adicional DM

Inclusão

Elia M. A. Martins

Professora

Superior

Pedagogia Adicional DM

Administração, Supervisão e Orientação Educacional

Eulália F. A.Tondato

Professora

Superior

Pedagogia

M e Administração supervisão e Orientação Educacional

Fernanda E. M. M. Mineli

Professora

Superior

Pedagogia

Educação Especial

Fernanda Couto Silva

Operadora Telemarkting

Médio







Gisele Aparecida do Amaral

Agente de apoio Serviços Gerais

Fundamental Incompleto







Helena M. F. Ramazotti

Professora

Superior

Pedagogia

Psicopedagogia e Educação especial

Iolanda Jacob

Professora

Superior

Normal Superior e Adicional em DM

Psicopedagogia

Juliana F. Bueno

Operadora Telemarkting

Medio

Técnico em Administração




Karen C. J. Perdigão

Professora

Superior

Pedagogia

Educação Especial

Leila A. L. Leme

Coordenadora de Telemarkting

Médio

Técnico em Administração




Leise Ruth Lima de Oliveira

Professora

Superior

Musica




Leonilce Martins

Professora

Superior

Letras e Adicional DM

Psicopedagogia

Leonarda de Lima

Agente de apoio Merendeira

Fundamental







Maria Aparecida Araújo Vieira

Professora

Superior

Ciências Sociais e Adicional DM




Mirian Cristina Pereira

Professora

Superior

Pedagogia Adicional DM

Administração, Supervisão e Orientação Educacional

Marcio dos Santos

Cobrador Telemarkting

Médio







Margarida K. Miyasava

Professora

Superior

Pedagogia

DM

Marta Baio de Souza

Agente de apoio Serviços Gerais

Fundamental Incompleto







Maria Eva Ruiz Mendes

Agente apoio Atendente

Médio







Maria Helena Ramos

Agente de apoio Merendeira

Médio







Maria Rocineide da Silva

Professora

Superior

Pedagogia

Ed. Especial

Marlus Rodrigo Barili

Cobrador Telemarkting

Ensino Superior

Cursando Direito




Nilza Cristina M. Miranda

Professora

Superior

Pedagogia Adicional Dm

Educação Infantil

Osvaldo Marques

Agente de Apoio Motorista

Fundamental Incompleto







Rosa Maria Fernandes

Professora

Superior

Normal Superior Adicional DM




Rosangela M. Miranda

Agente de apoio Atendente

Fundamental







Silvia C. R. Idelfonso

Professora

Superior

Ciências Sociais

DM

Silvanês Lopes da Silva

Cobrador Telemarkting

Médio







Suelen Wierenicz

Operadora Telemarkting

Médio







Verônica Ramos da Silva

Operadora Telemarkting

Médio







Walter Hugo Pelegrini

Professor

Superior

Educação Física

Educação Especial

Tatiane A. M. Lemos

Professora

Superior

Normal Superior

Educação especial

Vagner A. de Souza

Instrutor de Marcenaria

Ensino Médio Incompleto







Valmir Antonio de Oliveira

Agente Apoio caseiro

Fundamental Incompleto






É favorecida e incentivada a participação de professores e funcionários em cursos de capacitação, especialmente aos oferecidos pela mantenedora e outros. São criados momentos de capacitação na própria Escola, coordenados pela Equipe Pedagógica ou convidando-se palestrantes de fora.

Todo o ano procura-se criar um cronograma para palestras aos pais, responsáveis, professores e funcionários com palestrantes ainda não definidos, possibilitando abordagens de temas conforme as necessidades surgidas no contexto escolar.

Segundo a Política Nacional de Assistência Social1 (PNAS -2004) “... estamos diante de uma família quando encontramos um conjunto de pessoas que se acham unidas por laços consangüíneos, afetivos e, ou, de solidariedade”. De acordo com esta política interpretamos aqui, família como pessoas unidas por algum desses laços, que oferecem a seus membros cuidados recíprocos, sendo também, mediadora de relações entre o individuo e a coletividade.

Assim, as famílias atendidas na instituição apresentam os mais variados perfis, ou seja, diferentes composições, renda mensal, número de membros, religião, cultura, convivência comunitária, relacionamentos complexos, entre outros.

O número de membros varia entre dois a oito, sendo em sua maioria respectivamente de três, quatro, cinco, dois, seis, sete e oito pessoas. Portanto, verifica-se que as famílias com números menores de pessoas prevalecem sobre aquelas com mais pessoas. São compostas por pai, mãe, filhos, avós, primos, tios, sobrinhos, cunhados, netos, padrasto, madrasta, apresentando os mais variados arranjos familiares.

As famílias apresentam renda mensal entre um a vinte salários mínimos, sendo concentrado entre dois e três salários mínimos. É importante destacar que aproximadamente, cento e trinta alunos são beneficiários do Benefício de Prestação Continuada e/ou recebem algum tipo de auxílio da entidade ou da política pública de transferência de renda e benefícios, para completar a renda familiar.

Seus membros trabalham em grande parte em indústrias de móveis, já que é a principal atividade econômica do município. Mas, também, existem trabalhadores nas áreas de comércio, construção civil, moto taxi, empregada doméstica, trabalhadores rurais, autônomos, caseiros, granjeiros, entre outros.

Quanto à escolaridade, a maioria das famílias possui membros com ensino fundamental completo e a minoria possui ensino superior completo.

Predominam as famílias que pertencem à religião católica, seguido de protestantes.

As famílias relatam possuir relacionamento harmonioso com a comunidade local, contando inclusive com a ajuda de vizinhos para desempenhar suas atividades diárias ou eventuais. As famílias em grande parte participam ativamente do processo de ensino e tratamento realizado pela instituição. Comparecem a atendimentos individuais, de grupo ou multidisciplinar quando solicitado, participam de eventos, reuniões e palestras realizadas pela entidade.

Independente dos formatos ou modelos que assume a família é prioridade nas ações desenvolvidas pela instituição






Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4


©psicod.org 2017
enviar mensagem

    Página principal