Entrevista o diário



Baixar 18,77 Kb.
Encontro22.08.2018
Tamanho18,77 Kb.

ENTREVISTA COM O PROF. CAIO FEIJÓ PARA “O DIÁRIO”

= PREPARANDO OS FILHOS E OS ALUNOS PARA A VIDA


  • De que maneira o professor pode motivar o aluno a buscar conhecimento?

  • Certamente não poderá ser pelos métodos antigos, o jovem do celular, da internet, antenado no Orkut, Twitter, Facebook, que busca informação no Google e se comunica pelo MNS e Skipe, precisa de novos estímulos para despertar seu interesse. Professores de jaleco branco escrevendo com giz em quadro negro, já de há muito tempo deixaram de estimular esses alunos da geração da “era da revolução tecnológica”. No entanto, ainda existe uma gigantesca legião desses “dinossauros” espalhada pelo Brasil, fruto principalmente, das equivocadas políticas sobre educação pública. Obviamente não são culpados, são sim, as vítimas do sistema. – Escolas particulares que já implementaram lousa digital e equipamentos individuais para consultas à internet em sala, recebem um feedback altamente favorável com relação ao interesse e ao aproveitamento da classe. – Fora isso, somente mesmo professores muito criativos e dedicados à profissão conseguem alguns poucos resultados.

  • Existe um impacto na formação de crianças criadas por terceiros, como babás, creches etc.? Quais seriam os impactos cognitivos e sociais?

  • Sim, existe! E o principal é a ausência de referências dos valores sociais e culturais da família. – É na primeira infância (até os 5-6 anos) que a personalidade humana se constitui e esta (a personalidade) é resultado principalmente, do aprendizado que deveria se dar dentro de casa nessa fase da vida a partir das referências (exemplos) dos pais, e não de estranhos. – Quanto às possíveis perdas cognitivas, poderão estar associada a insuficiente demonstração de afeto dos ausentes pais. – Luis Carlos Restrepo, Filósofo espanhol disse “até mesmo o cérebro necessita do abraço para o seu desenvolvimento”.

  • Como deve ser o vínculo ideal entre professor-aluno-família?

  • Vínculo de respeito, parceria e dedicação. A escola precisa muito da participação da família no processo educacional dos seus alunos, o que não vem ocorrendo efetivamente. Percebe-se que, cada vez mais, os pais estão se distanciando da escola e das atividades escolares dos filhos. Muitos “depositam” seus filhos na escola e exigem uma educação completa que envolva o aspecto social, inclusive.

  • Existe atualmente uma crise de identidade na escola? Por que e como ela ocorreu?

  • A resposta da primeira pergunta explica uma parte desse fenômeno, a falta de atualização e modernização do sistema educacional no Brasil, notadamente, das escolas públicas. No entanto, outra variável complementa a questão e refere-se à tentativa da escola em suprir as necessidades familiares propondo-se a oferecer a educação social que os pais “não têm tempo” de dar. – No entanto, a maioria das instituições não está devidamente preparada para isso, aliás, muitas não estão devidamente preparadas nem para oferecer a educação pedagógica com qualidade aos seus alunos, quiçá a social. Esta exigiria a presença de Psicólogos, Filósofos e Assistentes Sociais no quadro da instituição, além de um corpo docente qualificado.

  • O Sr. é contra o processo educacional que trata o educador como aquele que impõe e o aluno como aquele que obedece? Por que?

  • Sim, sou contra a coerção! Este método produz indivíduos submissos que podem até se comportar adequadamente em sala, no entanto, não será um comportamento de interesse e respeito ao educador e à disciplina e sim, um comportamento de medo e esquiva, o que produzirá sérias conseqüências no futuro, como por exemplo, resistência em dar continuidade aos estudos.

  • Quais são os principais erros que os pais cometem?

  • Os mais graves são a agressão e a rejeição. Esses certamente, produzirão graves conseqüências como indivíduos agressivos, por exemplo. Outra grande falha é a superproteção. – Superproteger é fazer pelo filho aquilo que ele poderia e deveria fazer sozinho assumindo as conseqüências. – Quando fazemos pelos nossos filhos eles não desenvolvem repertório para lidar com as frustrações e acabam se transformando em indivíduos inconseqüentes, irresponsáveis e agressivos. – Toda frustração provoca reações agressivas, e mais ainda em quem não sabe lidar com ela. – Outras falhas comumente cometidas pelos pais são: ausência, desinformação, negligência, resistência às mudanças, resistência afetiva, entre outras.

  • É possível educar com liberdade e responsabilidade? Pode, por gentileza, ilustrar para mim?

  • Claro que sim! Desde que tenhamos a clara convicção de que a liberdade deverá sempre ser conseqüência dos níveis de responsabilidade apresentada pelos nossos filhos, nas mais variadas situações. Assim, os pais poderão ser mais flexíveis com relação ao horário de retorno da festa, por exemplo, cada vez que o filho cumprir a sua parte com responsabilidade, quando ele chegar da festa no horário estabelecido, sem cheiro de álcool ou cigarro, ou quando se dedicar com determinação a recuperar uma nota negativa na escola e se superar. – Um grande erro é dar toda liberdade sem exigir a contra partida da responsabilidade dos filhos.

  • Pais superprotetores vão formar que tipo de filhos?

  • Seguramente criarão filhos inseguros, com baixo poder em lidar com frustrações, e agressivos. Geralmente o “amor em excesso” que gera a superproteção está relacionado com sentimento de culpa, principalmente de pais ausentes que acabam tentando suprir essa falha com coisas materiais.

  • De acordo com a psicologia, há regras de comportamento para pais agirem com os filhos? Quais?

  • As principais: referência familiar, o modelo que os pais são para os filhos, principalmente com relação aos valores sociais, ou seja: a forma como os pais se comportam nas várias situações sociais que envolvam respeito, cidadania, justiça, moral e ética, entre outras; informação e comunicação, a disposição e capacidade dos pais em se manterem atualizados com os assuntos de interesse dos filhos para que a comunicação entre eles seja efetivamente, de qualidade; participação ativa, Saber do que os filhos gostam, do que não gostam, o que fazem, onde estão, com quem estão, quem são seus amigos, a que horas voltarão... ou seja, demonstrando o tempo todo que eles estão supervisionando quer gostem ou não (lá na vida adulta irão compreender); afeto e estabelecimento de limites também compõem parte das regras básicas da educação dos filhos, e não são somente atribuições dos pais e sim, obrigação.

  • Já li textos que referem ao senhor como especialista na relação entre ‘pais e filhos’ e ‘professores e alunos’. O que o Sr. considera mais fascinante e desafiante nessas relações?

  • A capacidade de adaptação às mudanças que alguns pais e professores muito especiais detêm. Estes, geralmente, são possuidores de inúmeras habilidades sociais de comunicação que facilitam as relações com os seus filhos e (ou) alunos. Geralmente são respeitados pelos jovens e apontados como modelo para outros pais e professores menos habilidosos e mais resistentes às mudanças. – Existe uma frase de autor desconhecido que ilustra as origens dos conflitos entre gerações: “os mais novos querem mudar tudo, revolucionar, enquanto os mais velhos querem deixar tudo como está”. – Então, obrigar jovens a pensar e agir como adultos, não dará certo, já está comprovado que é impossível. Resta a ação do outro pólo da equação, os mais velhos. Estes deveriam quebrar as resistências e a tendência ao mesmismo e buscar a aproximação com os mais jovens, não para aceitar tudo de forma indiscriminada, mas antes, para compreender os seus comportamentos e gostos e respeitá-los. Essa simples ação promove vínculos de respeito de tal forma, que permite uma convivência saudável e produtiva entre os jovens e os mais velhos, sem os improdutivos conflitos de gerações.

  • Gostaria de acrescentar mais alguma coisa?

  • Quero enfatizar que não há receita pronta para a educação dos filhos e dos alunos, e muito menos alguma novidade científicamente reconhecida, revolucionária nessa área, algo mágico que, quando adotado, asseguraria o sucesso da educação do jovem. Isso infelizmente não existe. O que temos é uma conscientização dos profissionais da Educação, da Psicologia e das Ciências Sociais em geral, a respeito de algumas habilidades e comportamentos dos educadores que, quando aplicados nas relações com os jovens, ampliam significamente as probabilidades de sucesso na educação. A Psicologia Cognitivo-Comportamental, por exemplo, propõe que pais e professores devam se preocupar muito mais em reforçar os comportamentos desejados dos seus filhos e alunos ao invés de manter o hábito comum de punir os comportamentos indesejados deles. Por essa ótica, frases do tipo “você não fez mais do que a obrigação” deveriam ser banidas dos discursos desses educadores.

  • Com relação aos pais, a sugestão é que tomem muito cuidado com a “ausência psicológica” em casa. – Isso se refere ao pai ou a mãe que chega em casa cansado do trabalho e, quando o filho se aproxima para receber atenção, ouve frases do tipo: “agora não filho, o papai está muito cansado e quer assistir TV, vai falar com a tua mãe”. É impossível para uma criança da primeira infância, compreender que não é a coisa mais importante para esse pai. Nesses momentos, instala-se o sentimento de rejeição com graves conseqüências, como já vimos acima.

  • Concluindo, ninguém faz curso para ser pai ou mãe. Nos valemos das próprias experiências enquanto filhos para criar os nossos. Somente isso pode não dar certo. Cada geração vivencia fenômenos diferentes, inerentes daquele momento. Há que se atualizar, ler e conhecer as propostas da Psicologia e das Ciências sociais em geral para ampliar as probabilidades de uma educação de sucesso.



Compartilhe com seus amigos:


©psicod.org 2017
enviar mensagem

    Página principal