Do Estigma à Humanização: práticas, dinâmicas e vivências No caminho da reinserção social



Baixar 418,6 Kb.
Página35/35
Encontro06.04.2018
Tamanho418,6 Kb.
1   ...   27   28   29   30   31   32   33   34   35
Referências Bibliográficas

Alves, Fátima e Silva, Luísa Ferreira da (s/d), “Psiquiatria e comunidade: elementos de reflexão” in Actas dos Ateliers do Vº Congresso Português de Sociologia. Sociedades Contemporâneas: reflexividade e acção. Atelier: saúde. www.aps.pt/cms/docs_prv/docs/DPR4628f725bc048_1.pdf, página consultada em 2 de Novembro de 2008.

Barraclough, Jennifer e Gill, David (1997), Bases da Psiquiatria Moderna. Lisboa: CLIMEPSI Editores.

Bastide, Roger (1968), Sociologia das Doenças Mentais. Lisboa: Europa-América.

Burgess, Robert G. (2001), A Pesquisa de Terreno. Uma Introdução. Oeiras: Celta Editora.

Cabral, António Brito (1991), “Problemas de psico-sociologia na família e saúde mental”. Hospitalidade, Ano 55, n.º 216-217: 99-103. Revista de Saúde Mental – Relações Humanas e Problemas de Marginalização.

Carapinheiro, Graça (1993), Saberes e Poderes no Hospital. Porto: Edições Afrontamento.

Carmo, Hermano et al (1996), Exclusão Social. Rotas de Intervenção. Lisboa: ISCSP-

Comissão Nacional para a Reestruturação dos Serviços de Saúde Mental (CNPRSSM) (2007), Reestruturação e Desenvolvimento dos Serviços de Saúde Mental em Portugal. Plano de Acção 2007-2016.

Conferência Sobre Saúde Mental (CSSM) (1995), Saúde Mental: proposta para a mudança. Lisboa: Direcção-Geral da Saúde.

Cordeiro, J. C. Dias (1982), A Saúde Mental e a Vida. Pessoas e populações em risco psiquiátrico. Colecção Psicologia e Pedagogia. Mafra: ELO – Publicidade, Artes Gráficas, Lda.

Cordo, Margarida (1992), “Desfamiliarização/Refamiliarização dos doentes psíquicos em situação de longo internamento”. Hospitalidade, ano 56, n.º 219: 49-56. Revista de Saúde Mental – Relações Humanas e Problemas de Marginalização.

Costa, Alfredo Bruto da (1998), Exclusões Sociais. Fundação Mário Soares – Gradiva Publicações, Lda.

Foucault, Michel (1999), Estrategias de poder. Obras essenciales, Volumen II. Barcelona: Paidós.

Goffman, Erving (1968), Asiles. Études sur la condition sociale des malades mentaux et autres reclus. Paris: Les Éditions de Minuit.

Goffman, Erving (1988), Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Ingleby, David (1982), “A construção social da doença mental”. Revista Crítica de Ciências Sociais, 9: 87-111.

Jara, José Manuel (2006), Causas da Psiquiatria – Questões da Saúde Mental. Lisboa: Caminho.

Leitão, G. Parada (1974), “Estruturas dos Serviços de Saúde Mental”, Saúde Mental, vol. VI, Ano V, 19: 43-72. Boletim do Instituto de Assistência Psiquiátrica.

Maria, Susana G. S. e Sousa, Fernando M. V. de (2000), “A desinstitucionalização e as alternativas habitacionais ao dispor de indivíduos com perturbações mentais: um novo modelo habitacional – a habitação apoiada”. Análise Psicológica, 2 (XVIII): 181-189. Instituto Superior de Psicologia Aplicada.

Matos, António Coimbra de (1980), “O que é o deficiente mental”. Hospitalidade, n.º 171/2: 89-90. Revista de Saúde Mental – Relações Humanas e Problemas de Marginalização.

Matos, António Coimbra de (2004), Saúde Mental. Lisboa: CLIMEPSI.

Mendonça, Maria Manuela de (2006), Hospital Sobral Cid. Das origens ao cinquentenário. Coimbra: Minerva.

Milheiro, Jaime (1999), Loucos são os outros. Porto: Fim de Século Edições, Lda.

Ministério da Saúde (1999), Hospital Sobral Cid. Coimbra.

Mondimore, Francis Mark (2003), Perturbação Bipolar. Guia para Doentes e suas Famílias. Lisboa: CLIMEPSI Editores.

Rappaport, Julian (1990), “Desinstitucionalização: Empowerment e inter-ajuda. O Papel dos técnicos de Saúde Mental no século XXI”. Análise Psicológica, 2 (VIII): 143-162.

Sociedade Portuguesa de Psiquiatria Social (SPPS) (1988), Os Serviços de Saúde Mental em Portugal: passado, presente e futuro. Lisboa: SPPS.

Turner, Bryan S. (1995), “Profissions, knowledge and power” in idem, Medical Power and Social Knowledge. London: SAGE Publications.

Vidigal, Rui (1994), “O doente, o hospital e a família”. Hospitalidade, Ano 58, n.º 229: 59-60. Revista de Saúde Mental – Relações Humanas e Problemas de Marginalização.





1 Vide Anexo I.

2 In http://www.bdjur.almedina.net/item.php?field=node_id&value=381105.

3 “A observação participante facilita a colheita de dados sobre interacção social: na situação em que ocorre e não em situações artificiais (…) nem em situações artificialmente construídas pelo investigador (…). A vantagem de ser um observador participante reside na oportunidade de estar disponível para recolher dados ricos e pormenorizados, baseados na observação de contextos naturais. Além disso, o observador pode obter relatos de situações na própria linguagem dos participantes, o que lhe dá acesso aos conceitos que são usados na vida de todos os dias” (Burgess, 2001: 86).

4 Doentes internados são aqueles permanecem no CHPC por um curto espaço de tempo, o necessário para a sua estabilização e compensação, são os doentes agudos.

5 Segurança Social, in http://195.245.197.196/left.asp?03.06.10.

6 O trabalho em rede do Serviço Social numa perspectiva sistémica é aquele que visa em primeira instância o doente, depois o doente e a família, o doente, a família e as redes secundárias; avaliando o contexto social, económico e familiar do doente, a realidade abrangente ao problema do doente; e por último visa verificar a veracidade dos dados fornecidos na fase de acolhimento do doente, e recolher novas informações a fim de avaliar a necessidade do recurso a outros serviços.

7 Vide Anexo I.

8 De acordo com Barrachough e Gill (1997), “a esquizofrenia é uma doença psicótica que, na sua fase afectiva, implica ideias delirantes, alucinações e perturbações em múltiplos processos mentais. Em muitos casos evolui para a cronocidade, deixando sintomas psicóticos residuais e prejudicando o desempenho social. (…) As perturbações do humor (perturbações afectivas) incluem doença depressiva e mania. Existem condições episódicas ocorrendo uma ou duas vezes na vida em alguns pacientes mas para outros são recorrentes, com intervalos frequentes, normalmente com boa recuperação entre episódios”. A perturbação afectiva bipolar, inicialmente chamada de psicose maníaco-depressiva, caracteriza-se por episódios maníacos e depressivos; a perturbação afectiva unipolar caracteriza-se por episódios depressivos recorrentes sem os de natureza maníaca.

9 Legenda disponível no Anexo IV.

10 De acordo com a Lei de Saúde Mental nº 36/98, artigo 7º, o internamento compulsivo é um internamento por decisão judicial de portador de anomalia psíquica grave. O internamento compulsivo só pode ser determinado quando for a única forma de garantir a submissão a tratamento do internado e finda logo que cessem os fundamentos que lhe deram causa (artigo 8º).



Compartilhe com seus amigos:
1   ...   27   28   29   30   31   32   33   34   35


©psicod.org 2017
enviar mensagem

    Página principal