Dieta de Ravenna



Baixar 38.5 Kb.
Encontro03.03.2019
Tamanho38.5 Kb.

Dieta de Ravenna

O fechamento de discurso que contorna o cenário político diante das circunstâncias que vive o governo federal pode desarrumar o arranjo que é frágil e pode ser quebrado. São falas em suas várias formas, muito debatidas, sobre a Presidência da República, desde o final das eleições, que parecem não ter terminado até hoje. A configuração pode ser de um isolamento e uma franja no sistema, que trabalha ativamente para o pleito municipal que bate à porta, chave importante para 2018.

Na visão de muitos cientistas políticos, o Legislativo não tem uma bancada de posição. E o ajuste fiscal, anunciado como válvula de escape, pode ser o que os oportunistas esperam, diante da fragilidade do sistema. Nas entrelinhas de negociação, em que a política atua 24 horas, com a chamada “manipulação empresarial, o discurso manuseia o signo através de uma narrativa marcada por estereótipos e incoerências semânticas.

A sombra da foto da presidenta Dilma Rousseff com a nova silhueta, dita, no sentido pejorativo, como dieta de Ravenna - uma proposta de emagrecimento a partir de alteração dos hábitos alimentares, acompanhada de um processo psicológico para a mudança - vai bem ao encontro com o que dizem especialistas em significados e significantes.

Estudiosos destacam, no saber antigo da semiótica, a possibilidade de encontrar respostas do modo significativo do homem e dos que o rodeiam. Na foto em questão, ou na tentativa de tentar explicar a forma mais “enxuta“ da presidenta, podemos falar de perdas de comando, falta de agenda, gordurinha localizada, e dos rompimentos - puxando pela memória mais recente, dos que romperam, mas nunca estiveram lá, a não ser pelo próprio salvo-conduto. Um cardápio farto dentro da metalinguística.

O fundador da linguística moderna, Ferdinand de Saussure, dizia que o signo é o resultado de significado mais significante. Então, dentro do aspecto básico da doutrina saussuriana, podemos dizer que, quando observamos a foto, percebemos que ela tem a união de significado e significante, dentro, é claro, dos exemplos dos signos linguísticos.

Para ficar mais ambíguo: sabemos que a linguística pode ser sincrônica ou diacrônica. A primeira estuda a língua em um dado momento, e a diacrônica, por sua vez, a língua através do tempo. Voltemos à foto. O que se foi com a dieta milagrosa soa como um tão falado “divórcio anunciado”, embalado também pela citação, quase populista, do desgaste de uma relação? Seria a perda da atual situação em que se encontra a presidente? Ou foi o que ela tenha dito? Ou não? Seria a mandioca? Será que foi o que não foi, ou foi o que não foi feito? Seriam sincrônicos ou diacrônicos os quilos para mais ou para menos, hein?

Olhando a sombra magra, diante do Palácio da Alvorada, nesse quase meio ano de segundo mandato, pode ser que não tenha mais tantos admiradores e já não seja tão populista. Como a gordurinha que ficou para trás. Descrevendo pela sombra, o que se vê através do signo da foto, vem-me à lembrança o que escreveu Houser (1997:9) sobre os modos de interpretação da lógica concentrada na ”gramática especulativa, que investiga relações de representação”.

A foto e a sombra revelam as “condições necessárias e suficientes da representação, e classifica os diferentes tipos de interpretação”. A forma conjuntural da política é um bom índice. Mas o que podemos citar também, em relação à atual situação em que se encontra o governo, é que o efeito provocado pelo o que foi perdido não será alcançado em uma simples pedalada nos arredores do Palácio. E pedalada é um assunto que, para alguns, pode ser o fim do mandato. E, talvez, a gordura aqui, não é bem quista, mas pode fazer falta. Ou não. E não adianta meter a língua em causa própria. A política tem dessas coisas e poucos sabem disso.

Sem querer esgotar o assunto, pois o trabalho de interpretação é fragmentado, não é a intenção buscar uma resposta sobre a imagem numa desconstrução do discurso promissivo. Mas, convenhamos, na política, é quase um consenso orquestrado que a sobrevivência depende de ajustes, da condução do jogo, de saber adequar seus comportamentos às modificações do ambiente. A silhueta já não e mais a mesma. Sabe-se disso. A reação pode ter vindo tarde, mas recuperar o que foi perdido pode não ser bom para a saúde, não é? E alguma coisa foi feita, e precisava, já que nos primórdios da República, muita coisa não chegou, tão pouco causou: signo, ícone, índice e símbolo. Estou falando de corrupção, que pode estar na fila do banco, sabia?

É perceptível que, mesmo diante da gramática especulativa, o signo deixado como sinal de umdesignatum produziu um determinado efeito ou suscitou uma determinada resposta interpretante. Temos um significado de um partido do governo que não segue ajustado. Assim como a sombra deixada depois da dieta milagrosa. A agenda ficou perdida e, por detrás da “deterioração“ tão esperada, está uma estabilização econômica, aliados momentâneos (trabalhando ativamente) e frentes partidárias configuradas apenas em dois partidos na busca unilateral do próximo pleito. O desgaste entre a bandeira da legenda também se refere à semiose deixada.

E vale lembrar que no cerume do mundo político, ninguém sobrevive sem articulação política. É só consultar os partidos que pulsam num fôlego subversivo, desde 1964, resultado da extinção de legendas com o Al-2, que permeia no sistema democrático com ânsia do bote final. Mesmo com um currículo (o significado) sem muita coerência. Mas é o que temos pra hoje. E, na atualidade, estão lado a lado ou à sombra de Ravenna, da figura principal.



No painel político, até o recesso parlamentar, muita sombra passará por perto. E para quem anda sozinho, com o espectro mais contido, a palavra para voltar a ter o controle do poder de agenda, coisa difícil, é salvar a si mesmo. Então, pedala, mas para não causar mais interpretação inadequada, vá no conceito da teoria de Pierce.

Baixar 38.5 Kb.

Compartilhe com seus amigos:




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino fundamental
Processo seletivo
ensino médio
Conselho nacional
minas gerais
terapia intensiva
oficial prefeitura
Curriculum vitae
Boletim oficial
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
Poder judiciário
educaçÃo física
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
Conselho regional
ensino aprendizagem
ciências humanas
secretaria municipal
outras providências
políticas públicas
catarina prefeitura
recursos humanos
Conselho municipal
Dispõe sobre
ResoluçÃo consepe
Colégio estadual
psicologia programa
consentimento livre
ministério público
público federal
extensão universitária
língua portuguesa