Dados internacionais de Catalogação na Publicação (cip)


CAPITULO 16 PNL E COMUNICAÇÃO



Baixar 1,42 Mb.
Página91/126
Encontro06.04.2018
Tamanho1,42 Mb.
1   ...   87   88   89   90   91   92   93   94   ...   126
CAPITULO 16
PNL E COMUNICAÇÃO
Eu porém vos digo que não resistais; mas se qualquer te bater na face direita, oferece-lhe também a outra; e, se quiser pleitear contigo e tirar-te o vestido, larga-lhe também a capa. E, se quiser te obrigar a caminhar uma milha, vai com ele duas.”

Mateus 5;39;40,41



Rapport
Em qualquer tipo de comunicação que precisarmos estabelecer com as pessoas, é preciso que o nível de harmonia entre o emissor e o receptor seja o melhor possível para que a mensagem não seja contaminada pela desconfiança. Em PNL, a atmosfera de confiança que se estabelece entre as pessoas envolvidas em um circuito de comunicação é chamado de rapport. Quando não há um adequado rapport no circuito, a mensagem não encontra canal adequado de circulação e o seu conteúdo acaba se perdendo.

Rapport é a palavra francesa que significa harmonia, confiança, sintonia. Em comunicação significa “entrar no comprimento da onda do receptor,”ou seja, entrar em sintonia com ele, guiar-se no mapa interno dele, acompanhá-lo em seus processos neurológicos de construção de pensamentos e sentimentos . Em outros termos, o rapport mede o nível de empatia existente entre as pessoas que estão se comunicando. Quanto mais fina for essa sintonia, mais eficiente será a comunicação.

A primeira providência a ser tomada por um bom comunicador é estabelecer um adequado nível de rapport com o público receptor da sua mensagem. Uma vez estabelecido, ele precisa ser mantido se quisermos que a comunicação seja eficiente. Quando ele é quebrado, o circuito se rompe e a sintonia desaparece.

É o que acontece muitas vezes quando estamos conversando com alguém, fazendo ou assistindo a alguma palestra. Uma palavra mal colocada, uma inflexão de voz desagradável, uma postura corporal ambígua etc., quebra o rapport e parece que a pessoa com quem estamos nos comunicando, ou nós mesmos, saímos do circuito como se de repente não estivéssemos entendendo mais nada, ou então, passássemos a discordar do que está sendo dito ou mostrado ali.
Manter o rapport na comunicação é como dançar diante de um espelho. Por isso, mais importante que a linguagem falada, a manutenção da sintonia em um circuito de comunicação depende muito da linguagem corporal. Se eu estou falando e a pessoa desvia o olhar e começa a rabiscar alguma coisa em um papel, imediatamente já sei que ela não está prestando atenção ao que eu estou falando. É a mesma coisa se ela, por exemplo, começa a remexer-se com impaciência na cadeira, ou fica constantemente olhando o relógio. Ela não precisa dizer que não tem o menor interesse no que estou dizendo, mostrando ou fazendo, pois já me disse isso com sua linguagem corporal.

Como já foi dito anteriormente, o significado da nossa comunicação é a resposta que ela recebe. Assim, se alguém, com sua linguagem corporal, demonstra que a nossa mensagem não está “entrando” é porque nós não estamos no cumprimento da sua onda. Não soubemos estabelecer sintonia com os canais de comunicação dela, que são os seus sentidos. Em conseqüência, eles não estão recepcionando de forma adequada a nossa mensagem. Ela desvia sua atenção para outras experiências internas ou externas, porque a informação que estamos lhe passando não interessa, ou a partir de certo momento, deixou de interessar.

A partir desse momento, sua mente começa a operar o processo de cancelamento. Ela não deixa a informação entrar, em conseqüência, a resposta não é aquela que esperamos, mas outra, bem diferente, que não tem nada a ver com o que queremos. Isso ocorre freqüentemente em nossas salas de aula e o professor, geralmente, pensa que é o aluno que não quer aprender. E à vezes até toma esse comportamento como ofensa e deboche, entrando em conflito com ele.

Quando uma pessoa se desinteressa da nossa comunicação, das duas uma: ou fomos nós que não soubemos estabelecer o adequado rapport com a platéia ou, se chegamos a fazê-lo o quebramos de alguma maneira, com uma palavra, um gesto ou uma postura mal colocada no contexto da comunicação, ou mesmo uma informação que rompeu o encadeamento normal do assunto que vem sendo comunicado. Se o rapport não foi estabelecido, é necessário estabelecê-lo ou, se foi quebrado, tratar de restabelecê-lo, senão o resultado da nossa comunicação estará fatalmente comprometido.





Compartilhe com seus amigos:
1   ...   87   88   89   90   91   92   93   94   ...   126


©psicod.org 2019
enviar mensagem

    Página principal