Curso de pedagogia adriana da silva ferreira



Baixar 209,35 Kb.
Página4/18
Encontro10.08.2018
Tamanho209,35 Kb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   18

1 INTRODUÇÃO

A inclusão escolar é um assunto debatido no dia a dia das escolas. Discussões que vem se avolumando nas últimas décadas. O acesso a escolarização tem se ampliado no Brasil, principalmente, a partir dos anos 1990 com políticas de educação para todos (SILVA, UBERLÂNDIA, 2016) e para os alunos com deficiência1 se amplia bastante, a partir da implementação da Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva (BRASIL, 2008).

Foi2 nesse contexto da inclusão escolar que inicio em 2012 o estágio não obrigatório (trabalhando com crianças com deficiência) no meu primeiro semestre do Curso de Pedagogia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN. Assim, a idealização desse trabalho partiu de uma angústia pessoal vivenciada durante os cinco anos do curso de Pedagogia. A experiência nos estágios remunerados por 10 semestres me trouxe algumas inquietações acerca da inclusão escolar. Idealizei este trabalho para investigar como professores e estagiários, que trabalham com alunos incluídos, percebem a inclusão, no intuito de refletir sobre experiências que poderiam ser parecidas ou muito diferentes daquelas que tive.

O diálogo com as percepções de outros estagiários e professores, bem como o diálogo com referencial teórico sobre inclusão e sobre a prática do estágio e a prática docente no geral tem o potencial de ampliar a compreensão sobre essa problemática que me angustia desde minha inserção na escola como estagiária – tal angústia pode ser compartilhada por outros colegas estagiários e colegas professores, sendo importante apresenta-las para que se possa refletir acerca delas e buscar alternativas que promovam a aprendizagem e bem-estar dos alunos com deficiência e também dos profissionais que trabalham com esses educandos na escola.

Organizando a pesquisa, o objetivo ficou assim definido: investigar a percepção de professores e estagiários que trabalham com alunos com deficiência acerca da inclusão e do papel que eles tem na sala de aula.

A intenção da pesquisa foi levantar informações sobre a inclusão nos diferentes níveis de ensino. Nesse sentido buscou-se investigar como é o trabalho do professor e do estagiário com os alunos com deficiência nas turmas de educação infantil, de ensino fundamental I, de ensino fundamental II e de ensino médio.

Quanto a organização da escrita desta monografia, seguirá à introdução o capítulo apresentando o percurso metodológico, destacando o tipo de pesquisa, o universo da pesquisa, os instrumento de produção de dados, o perfil dos sujeitos participantes, e os caminhos da análise dos dados. O terceiro capítulo busca organizar referencial teórico que oferece uma visão geral do contexto histórico da inclusão e uma breve reflexão sobre esse assunto; também vai levantar referencial acerca dos profissionais da educação que estão trabalhando com alunos com deficiência, dando destaque a discussão das funções do estagiário. No quarto capítulo, cerne do trabalho, os dados são discutidos, estando organizados em quatro categorias, elas discorrem sobre as dificuldades que os estagiários encontram, a ausência de profissionais habilitados para o trabalho com alunos com deficiência, os desafios de mediar os conteúdos e os avanços que os sujeitos percebem no processo de inclusão. Ao final do texto se busca apresentar uma síntese dos resultados e reflexões sobre o trabalho de professores e estagiários no contexto da inclusão escolar.




Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   18


©psicod.org 2017
enviar mensagem

    Página principal