Convivendo com a baixa visão



Baixar 7,75 Kb.
Encontro06.07.2018
Tamanho7,75 Kb.


Convivendo com a baixa visão
por Eliana Cunha Lima
O grupo de pessoas que apresenta perda visual abrange os cegos e as pessoas com visão subnormal ou baixa visão. Definimos visão subnormal aquelas que apresentam 30% ou menos no melhor olho, ou aquelas que tenham restrição acentuada de campo visual, mesmo após o uso de óculos comuns e/ou tratamento clínico e cirúrgico, até mesmo um resíduo visual que possa ser utilizado para desempenhar tarefas.
Há vários graus de perda visual e cada um deles permitirá o desempenho de diferentes tipos de atividades. As doenças oculares mais frequentes que causam deficiência visual na infância são: toxoplasmose ocular congênita, que pode ser detectada no pré-natal e quando medicada apresenta ampla margem de sucesso na sua cura, glaucoma congênito, catarata congênita e retinopatia da prematuridade, que não podem ser evitadas, mas podem ter seus efeitos minimizados com tratamento medicamentoso e cirúrgico o mais precocemente possível. Todas essas patologias não tem cura até o presente momento, porém há muito a fazer por essas crianças como programas de intervenção precoce com o objetivo de potencializar a visão residual e promover o desenvolvimento global.
Visão Subnormal na escola: necessitam de ampliação das imagens, de perto e de longe, para conseguir enxergar melhor. A ampliação pode ser obtida de quatro maneiras: reduzir a distância entre o aluno e o objeto (ex: aproximar o livro dos olhos, sentar-se na primeira fileira de carteiras para ler na lousa); ampliar o tamanho das letras do texto a ser lido (materiais ampliados); utilizar lentes especiais de aumento (recursos ópticos); ampliar por projeção em uma superfície (recursos tecnológicos). Para perto podem ser utilizados recursos ópticos especiais como óculos esferoprismáticos, lupas manuais e de apoio. Para longe na leitura de lousa tele lupas de aumentos variados. Dentre os recursos eletrônicos as lupas eletrônicas são as que propiciam melhores resultados para as crianças.
Cumpre ressaltar que além das adaptações de materiais e recursos, é fundamental o papel do professor que deve preocupar-se mais com o progresso contínuo e não com a velocidade da aprendizagem, escrever na lousa com letra maior e maior organização, utilizar maior contraste na elaboração do material escrito, ampliar o material utilizando fonte verdana ou arial e tamanho de fonte 24 que atende a maioria dos estudantes com baixa visão, favorecer o acesso do aluno ao lápis 6B ou 4B, caneta hidrográfica preta, cadernos com pautas escurecidas e mais largas e estimular a autonomia e independência do seu aluno, lembrando que ele também é aluno; ele tem o dever de seguir as regras estabelecidas pela unidade escolar e pela sua classe.

Eliana Cunha Lima

Ortoptista pela Unifesp;

Pós-Graduada em Ortóptica pela UNIFESP;

Especialista em Visão Subnormal pela Santa Casa de Misericórdia-SP;

Orientadora familiar pela Universidade de Navarra;

Membro da Sociedade Brasileira de Visão Subnormal;



Mestranda em Psicologia da Educação pela PUC-SP;
Gerente dos Serviços Especializados da Fundação Dorina Nowill para Cegos.




Compartilhe com seus amigos:


©psicod.org 2019
enviar mensagem

    Página principal