Contribuições a Dimensão Ética do Processo de Formação Universitária



Baixar 11,32 Kb.
Encontro28.03.2018
Tamanho11,32 Kb.

CONTRIBUIÇÕES A DIMENSÃO ÉTICA NO PROCESSO DE FORMAÇÃO UNIVERSITÁRIA
Lincoln C. Martins; Doutor; UnB;Cnpq

O tema da ética pode ser tratado de inúmeros ângulos diferentes e um evento como este pode permitir aos participantes entrar em contato com perspectivas novas sobre este tema. Se considerarmos os títulos propostos para esta mesa e a formação dos apresentadores esta diversidade já pode ser vislumbrada. Ainda assim, estaremos lidando com algo que é comum. Habitualmente tratada como um campo da filosofia, a ética se torna objeto de discussão também no âmbito da sociologia e da psicologia além de encontrar espaço na regulamentação do exercício de qualquer categoria profissional. Visto desta forma o tema da ética não pode ser tratado na sua totalidade, exigindo, portanto, uma opção, um ângulo, um prisma através do qual se pode trazer à reflexão implicações sobre o agir humano.


Neste sentido, minha fala tomará como vetores principais de organização de minha contribuição nesta mesa minha formação como psicólogo, a inserção específica no campo da psicologia da educação e meu interesse particular de pesquisa neste contexto – o desenvolvimento moral.

Etimologicamente o termo ética (ethos) nos revela, no âmbito da vida humana, a busca de uma regularidade perdida quando ultrapassamos o umbral da ordem natural. Sentido que se impõe como essencial àqueles que se aventuram no exercício da razão e nela buscam encontrar uma ordem de outra magnitude. Ao psicólogo se destaca neste tema, as vicissitudes subjetivas inerentes à condição de sujeito que somos, tanto naquilo que se coloca como uma conquista já que apenas os homens escolhem ou podem escolher, como no que se revela também como ônus presente na responsabilidade decorrente da mesma condição. Distingo neste primeiro recorte aquilo que é próprio da Psicologia como disciplina científica, ou seja, o processo de formação da consciência ética e moral e as motivações subjacentes à conduta do sujeito humano em suas relações de alteridade. Como segundo ponto situo em particular a dimensão formativa designada pelo termo Educação. Com ele se destaca o fato de que o sujeito não nasce ético, mas, tem a possibilidade de assim tornar-se em alguma medida, mediante interações estabelecidas com seus educadores. É importante assinalar que se a Educação traz em si implícita uma ética, uma vez que educar é conduzir ou criar a partir de valores presentes no discurso e na conduta daquele que educa, talvez seja temerário afirmar que esta possa ser matéria de ensino, principalmente porque não se educa estritamente com o que se sabe, mas fundamentalmente com o que se é.


As formulações teóricas e as evidências empíricas apontadas pela pesquisa na Psicologia do desenvolvimento humano revelam que a formação da consciência moral contempla as três principais áreas do desenvolvimento psicológico: a cognição, a afetividade e a socialização. No que se refere à cognição, a formulação proposta por Piaget nos mostra que da mesma forma que a criança pequena no início de sua ontogenia não apresenta a capacidade de pensar de forma lógica ela também carece da capacidade de compreender regras e leis que regulam as relações entre as pessoas e o exercício de práticas coletivas, uma vez que tal compreensão depende do domínio da habilidade do pensamento lógico. Agir moralmente implica em sair do próprio ponto de vista e ver a si mesmo em perspectiva, superando o autismo inicial em que a criança se encontra. Ao ser capaz de realizar esta descentração o sujeito em desenvolvimento constrói uma lógica para sua conduta análoga a necessária para pensar e resolver problemas. Se a dimensão ética e moral se esgotasse na esfera da cognição poderíamos de fato acreditar que nossas escolas e universidades estariam aptas a formar nossos alunos em termos éticos, não obstante, ainda que necessário o elemento cognitivo se mostra insuficiente. No palco da formação da consciência ética e moral a razão precisa dialogar com as forças do campo afetivo e é da resultante deste diálogo que o sujeito define seu posicionamento ético. È da componente afetiva da formação moral que vem o grande obstáculo para se pensar a possibilidade de uma pedagogia da ética. Instruído pelas considerações trazidas pela psicanálise sabemos que a subjetividade não coincide com a consciência sendo esta, o efeito de forças que escapam ao controle do sujeito. Ao denunciar a arrogância cartesiana do homem ao pretender conhecer o mundo mesmo desconhecendo em essência quem é, a radicalidade da reflexão freudiana frustra a pretensão de ensinar pelo discurso algo que talvez somente pelo gesto possa produzir alguma influência formadora. O desejo humano inicialmente infenso a alteridade deve reconhecer a contragosto que o mundo humano é feito de semelhantes, seres como ele e ao mesmo tempo distintos, com quem deve partilhar pessoas, objetos e conhecimentos.
As contribuições deixadas por Piaget e Freud sobre o desenvolvimento do julgamento moral e sobre a formação da consciência moral do sujeito humano acarretam implicações bastante relevantes para o exercício da ética quer no plano do ensino universitário quer no processo de produção de conhecimento decorrente da atividade de pesquisa. Ensina se ética aos alunos quando tratamos a relação professor/aluno como uma modalidade de relação de alteridade na qual o aluno é sujeito e não assujeitado. Quando consideramos o caráter processual do conhecimento que é provisório tanto para o aluno, que a cada dia deve ser capaz de compreender sua área de estudo de forma progressivamente mais complexa, quando deve ser para o professor pesquisador que compreende seu objeto de estudo também de forma provisória limitado pelo zeitgeist de seu tempo e formalizada pelas balizas impostas pela metodologia científica de seu momento histórico. Ensina se ética na universidade quando não se toma as opções temáticas ou teóricas adotadas como únicas ou exclusivas e toma se instituição universitária como um espaço que respeita a diversidade de saberes e lugares e, certamente, quando não se perde a dimensão de transformação social que deve permear o trabalho de formação universitária e de produção científica em uma instituição pública.
Se não podemos afirmar que a formação ética pode ser ensinada nas escolas de modo geral e na universidade em particular não se pode dizer, entretanto, que não existam situações no cotidiano acadêmico nas quais o aluno não possa aprender a agir de forma ética. Estas situações passam prioritariamente pela própria conduta dos professores/pesquisadores no exercício das atividades acadêmicas. Na medida em que sabemos do lugar de autoridade que o mestre ocupa para seus alunos temos a convicção de que é de sua própria conduta que ele retira o poder de influenciar os alunos em seu processo de formação ético, isto tanto no sentido de oferecer modelos éticos mais exigentes e sofisticados, como favorecendo a proliferação de modelos éticos calcados numa ética da esperteza, do corporativismo e do dogmatismo teórico.
A discussão trazida pela psicologia no que se refere ao tema da ética nos obriga a uma tarefa reflexiva. Ao voltarmos a atenção para a percepção de nosso cotidiano profissional, e do quanto cada pequeno gesto revela em profundidade o que nossa intencionalidade discursiva muitas vezes omite, gostaríamos de sublinhar a indissociabilidade de pensar uma ética da produção científica de uma ética da conduta em que as relações de alteridade sejam consideradas em todos os níveis seja em relação aos alunos, aos nossos pares ou a sociedade.


Compartilhe com seus amigos:


©psicod.org 2017
enviar mensagem

    Página principal