Bruder klein



Baixar 1,24 Mb.
Encontro07.09.2018
Tamanho1,24 Mb.


2 . 0 1 4




BRUDER KLEIN



Textos Especiais

Registro requerido: EDA/BIBLIOTECA NACIONAL

Todos os direitos reservados por José Wladimir Klein; É proibida a reprodução por quaisquer meios sem a autorização por escrito do autor.

Pequenos trechos poderão ser citados desde que seja dado o crédito ao autor: Bruder Klein

Sempre estamos escrevendo e alguns textos ficam esquecidos e vão se acumulando até o dia que deles nos lembramos e procuramos reuni-los para compor um novo trabalho; por isso a nossa intenção seria denomina-lo “Textos Esquecidos”. Entretanto fomos autorizados a incluir dois textos que enriqueceram sobremaneira esse trabalho que são: Um testemunho de uma nossa amiga e irmã em Cristo, Da. Nair Nascimento, dando-nos exemplos de vida aos seus 96 anos de idade; o outro de minha esposa, Cleusa de Souza Klein, dando um testemunho da luta e vitória no tratamento de um câncer, reforçando a nossa fé em um Deus amoroso e misericordioso que sempre está trabalhando para que aconteça o melhor em nossas vidas. Assim já não poderíamos denominar este trabalho de “Testos Esquecidos“ e sim de “Textos Especiais”

Refletir Para Não Cair.

A nossa vida caminha como há havíamos traçado; alcançamos uma posição confortável em todos os aspectos e por isso nos sentimos seguros, considerando que, se Deus nos abençoou poderemos descansar e seguir em frente, apenas usufruirmos daquilo que conquistamos. Mas as coisas não são assim, não existe nada definitivo, senão aquilo que conquistamos com critérios sadios e quando não deixamos em nosso rastro uma quantidade enorme de contradições, imperfeições e mágoas. Por muito sólida que se apresente a nossa situação, repentinamente poderemos cair do pedestal e nos esborracharmos no chão duro das desilusões. Esse risco existe em todos os aspectos de nossa vida, quer o material, espiritual, emocional ou econômico financeiro.

Precisamos ser mais do que uma pessoa comum para podermos organizar as nossas vidas em plataformas sólidas que nos garantam a continuidade de um estado de tranquilidade tão necessário para um equilíbrio emocional.

A perda de bens materiais advinda de má administração de nossos recursos poderá acarretar-nos uma situação de frustração e abatimento, tirando-nos a capacidade de raciocínio, transformando-se em uma imensa bola de neve que nos arrastará junto.

As nossas perdas emocionais, entretanto, é que nos transportará para uma situação da qual dificilmente conseguiremos nos libertar. O relacionamento entre as pessoas é muito importante para a nossa saúde mental. Infelizmente nos apropriamos de situações que não poderemos manter independente de nossa vontade. O sentimento de amor e companheirismo, tão necessário para a nossa evolução mental, para que possamos viver esplendidamente, está sempre pendente de encaminhamentos que fogem ao nosso controle. Ninguém é de ninguém; mesmo havendo uma mutualidade no sentimento deveremos tomar cuidado para não transformarmos as pessoas em objetos dos quais nos arvoramos proprietários, matando o sentimento. O relacionamento entre as pessoas é repleto de detalhes que poderão reforçar ou prejudicar o entendimento. É necessário que respeitemos os nossos parceiros como pessoas, dando-lhes o valor que lhes é devido. Jogarmos a culpa para o nosso companheiro é uma maneira de nos isentarmos de responsabilidade, mas deteriora o que mais prezamos a vida em comum, onde o amor mútuo é desenvolvido. Corremos o risco de perdermos a pessoa amada, mesmo por não sabermos que a amamos realmente, considerando que viveremos felizes sem a sua companhia. Deteriorado o relacionamento, cada um dos parceiros irá procurar desenvolver a sua vida e constatarão que deixaram para trás a oportunidade de serem felizes. A felicidade é construída através da compreensão, de se abrir mão de muitas coisas que satisfarão, às vezes, até exigências descabidas. O tempo é que poderá preparar os espíritos para que os parceiros tomem ciência que se amam de verdade, então podendo usufruir desse bálsamo precioso que é o amor, sentimento incondicional, sem cobranças de qualquer natureza.

Jesus nos ensinou (Lucas 14:28-33) que deveremos medir as consequências de nossos atos enquanto estamos a caminho; deveremos fazer as contas e pesar as vantagens e desvantagens de qualquer decisão que venhamos a tomar, porque depois de consumada dificilmente conseguiremos voltar atrás, e isso nos transportará para um sentimento de insatisfação e infelicidade que jamais se apagará.

Porque sou assim?

“O meu coração está profundamente abatido, e por isso eu penso em Deus”. (Salmo 42:6 BLH).

Existem momentos em que nos sentimos abatidos e desalentados, as lágrimas afloram, nos parecendo que a solução para os nossos problemas não tenha jeito; é quando deveremos olhar para Deus, reconhecendo a Sua sabedoria e que Ele sempre deseja o melhor para nós (Romanos 8:28). Só assim poderemos desvencilhar-nos de nossas dificuldades e encontrar a paz e a tranquilidade para prosseguirmos a caminhada!

Esse estado interior nos obriga a reflexionarmos sobre a vida, e principalmente a nossa vida, quais as influências que ela sofreu para chegarmos ao estágio atual.

Temos que pensar inicialmente de onde viemos, qual a nossa herança genética e em que meio chegamos a este mundo, sofrendo a influência daquelas pessoas que nos cercavam.

A simplicidade do meio em que tivemos a oportunidade de evoluirmos não nos apresentava muita oportunidade, tendo de buscarmos, dentro de nós mesmo, o potencial que poderia oferecer o conhecimento de coisas que seriam úteis à nossa vida.

A época também se apresentava bastante limitada, não oferecendo oportunidade de uma formação intelectual. Como buscar, então, alcançar os sonhos que povoavam a nossa mente e coração? Tanto no campo intelectual, físico, emocional e espiritual, os obstáculos eram imensos.

Quando terminamos os quatro anos do “Grupo Escolar”, e desejosos de seguirmos os estudos para alcançarmos capacitação para a vida, deparamos com o obstáculo que cerceava essa aspiração. Órfão de pai aos dez anos de idade, a muito custo conseguimos terminar o curso primário, que seria a única formação que conseguiríamos, dado à dificuldade de continuidade, tanto pela nossa situação de família pobre, como para alcançar os centros mais distantes onde poderíamos continuar os estudos. Paramos aí e imediatamente tivemos de começar a exercer atividades com a qual pudéssemos ajudar nas despesas do lar.

Passamos por alguns lugares que não ofereciam oportunidades de evolução, até que, através do patrão de minha mãe (ela foi trabalhar de cozinheira quando ficou viúva), conseguimos um trabalho que nos garantiria oportunidade de progredirmos tão só pela nossa força de vontade. Percebemos, então, que mesmo não tendo oportunidade de estudar, deveríamos de alguma forma, conseguir conhecimentos para podermos competir em um mundo onde só vencem os mais capazes. A leitura era o caminho, pois através dos livros poderíamos, mesmo dispondo de pouco tempo, somarmos conhecimentos que nos seriam úteis através da vida. Desenvolvi essa tarefa com um prazer inigualável e foi isso que me fez descobrir um pequeno talento que ajudaria a me realizar como pessoa. A leitura me levou a desejar escrever, e mesmo sem saber, sem ter a mínima formação, “escrevendo de ouvido”, captando o estilo pelas leituras que realizava, fui produzindo alguns textos, que embora imperfeitos, exerciam alguma comunicação, porque vinham diretamente do coração. Isso passou a fazer parte de minha personalidade e aqueles textos, “os versos de pés quebrados”, passaram a representar partes de mim, verdadeiros filhos de minha sensibilidade. O que escrevia não era dirigido a alguém e sim a quem deles se apropriasse.

Aquelas joias preciosas passaram a fazer parte de mim e comecei a colecioná-los, como filhos dos quais eu dependia, correndo o risco de ser destruído através da destruição dos mesmos. Guardei-os para que algum dia, quando não estivesse mais aqui, quem os folheasse pudesse conhecer, através deles, quem fui eu, como pensava, quais as emoções que vivi em cada instante de minha vida.

Não sei se compreenderão essa minha fixação pelos meus textos, pois com eles homenageio aquelas pessoas que comigo convivem, que desejem compartilhar comigo os instantes de criação; mesmo sabendo que eles não poderão ser importantes para ninguém além de mim.

Mas para mim são como filhos, não pela razão de terem sido escritos a alguém que porventura haja passado em minha vida, mas pelo seu valor intrínseco, que se liga a mim, através da alma e do coração; amar a mim é amar aos meus textos porque estamos completamente integrados. Destruí-los será como executar a um filho ou a mim próprio.

Mas mesmo assim, talvez tenha de destruí-los porque eles ferem a suscetibilidade de quem amo e não desejo que esse amor seja destruído, embora isso se constitua em uma execução sumária de minha personalidade; como existir sem aquilo que produzi que é a única marca da personalidade que construí?

Encontro-me em um dilema, estou muito triste, sem saber o que possa fazer, mas mais importante do que eu próprio, mais importante do que a minha personalidade, de minha própria vida é o amor que consegui alcançar depois de muita busca. Esse amor, hoje, me faz feliz e desejaria conservar na lembrança esse sentimento maravilhoso; sentimento que poderá se eternizar pelo sacrifício de mim mesmo.

Como a vida é incerta! Como acabamos encontrando uma encruzilhada onde teremos de tomar decisões que poderão nos destruir! Mas temos de ser compreensivos, se desejamos que sejam compreensivos conosco. E vou abdicar de meus escritos; transformar-me-ei em uma folha em branco. A ironia será não desejarem mais ler em mim, pois serei um ser sem conteúdo!

Falar ou Calar

Ainda que possamos nos manter em silêncio, não conseguiremos abafar o ruído estrondoso que sai de nossa alma e coração, pois o amor a tudo supera, embora nos deixemos prender por pequenos pormenores que não são importantes. Existe uma força que direciona nossas almas e corações, como se fora um radar, capaz de captar sentimentos; é a percepção de uma esperança que preenche o coração. Desejamos ser amados, e como esse sentimento é tão difícil de transparecer com toda a plenitude, tomando decisões desassombradas, nos transforma em seres tristes; tristes porque a nossa capacidade não alcança o conhecimento. Como reconhecer algo que é subjetivo, mas que só pode expressar-se materialmente? Só podemos provar o que nós sentimos e ficamos em suspense esperando que se nos prove o que nunca poderá ser provado apenas pelos sentidos. O que prova, realmente é a fusão de maneira irreversível, quando nenhum obstáculo poderá desviar a trajetória. O milagre poderá acontecer!

Os cestos que carregamos

Um cesto cheio de problemas, o coração carregado de angústia, a frustração a dominar o ambiente, porque não conseguimos apreender o que se passa no íntimo das pessoas que nos cercam. O ser humano é tão complexo, pois mais que sondemos não conseguimos penetrar os segredos da alma, e a alma e o coração são como um único espaço povoado pelas incertezas da vida. O desejo do homem é amar e encontrar a contrapartida na pessoa amada para que se fundem em um único ser e realizem a plenitude da vida, a satisfação interior pela certeza dos sentimentos que alimentam os dois seres, que os faz solidários, afetuosos, e dispostos a doarem-se um ao outro. É uma busca incessante pelo equilíbrio, para que caminhem juntos, com os mesmos anseios, a mesma visualização de um vida completa e abastecida por um sentimento verdadeiro. Mas as ações das pessoas não nos dão a oportunidade de adquirirmos a certeza desse sentimento, porque, este, sempre se mistura com outros interesses desqualificando o que seria o amor sem restrições, disposto a doar-se. Como dissipar essa incerteza que nos colhe e nos desvia de acontecimentos prazerosos? A complexidade de nosso ser nos impede de raciocinarmos com clareza e deixamos de aproveitar os momentos preciosos que poderíamos gozar conjuntamente! Em que pese os nossos desejos de amor, compartilhamento, acabamos provocando o distanciamento sem uma razão concreta, e isso nos faz profundamente infelizes. Desejamos o aconchego a proximidade, mas temos receio da rejeição que seria pior que a solidão. Mas a solidão não é boa, fazendo-nos sofrer e nos deixando desesperançados, pobres órfãos abandonados à deriva. Somos adultos abandonados! A sensação de abandono cria um vazio em nós e acreditamos que nunca poderemos nos livrar desse momento de dor e prostração. Mas temos um potencial que nos obriga a lutar por aquilo que realmente nos traga a paz e felicidade, mas ela terá de ser ao lado daquela pessoa que preencheu o nosso coração e, encontrando o desinteresse, o desejo de afastamento, nos rendemos à dor que nos aniquila. Deveremos desistir de sermos felizes, ou romperemos o ciclo da dor e nos lançamos novamente na busca infinda? Uma grande pressão aperta o nosso peito e parece que o coração vai derramar-se para por fim a tudo que nos foi adverso. As lágrimas já não conseguem conter-se e derramam a dor da desilusão! Quantos cestos vazios ainda teremos de carregar pela vida!

Responsabilidade!

Primavera, Verão, Outono, Inverno; Inverno, Primavera, Verão, Outono.

Qual a ordem das estações?

Não importa! Sabemos que elas são uma criação de Deus e que há uma perfeição extraordinária. Depois de um ciclo completo, terminando com o outono, vem o inverno concedendo descanso a terra, matando a erva daninha e preparando-a para um novo ciclo.

A Primavera explode em uma profusão de flores, adocicando a vida com o seu perfume e toda a profusão de cores; o Verão esquenta e propicia o crescimento dos frutos, para que o seu amadurecimento se complete no Outono. Hoje, principalmente em nosso país que conta com dimensão continental, podemos encontrar qualquer fruto, em qualquer época contando com novas tecnologias; entretanto o fruto maduro, com todo o seu potencial o encontramos no outono que vai de Março a Junho.

Com toda a certeza os astros, também contribuem para a perfeição das estações, pois as constelações são criação de Deus para ajudar o ser humano a colher os melhores frutos em todos os aspectos de sua vida.

Isso evidencia que deveremos respeitar a natureza, colhendo os melhores frutos, mas preservando-a para que a produção seja constante e possa alimentar as pessoas através das gerações.

Será que temos feito a nossa parte, para que as novas gerações possam contar com um planeta sadio e prospero para fornecer as necessidades para uma vida de prazeres, ou estamos contribuindo para a destruição do planeta e extermínio das gerações futuras?

É uma questão de conscientização, através de princípios que poderão orientar cada um, para que todos possam almejar uma boa qualidade de vida.

Deveremos meditar muito sobre isso, assumindo a nossa responsabilidade de orientadores das pessoas que estão aos nossos cuidados. Se cada um fizer a sua parte, poderemos reverter essa situação que já é muito grave e que nos encaminha para a destruição.

Sonho Real

Eu tenho um sonho,

De realizar o possível,

E para isso usarei de toda determinação

Buscando forças até ao infinito

Desvendando o futuro

Que sempre nos promete

O encontro do amor verdadeiro.

Eu tenho um sonho

De preencher o coração

Do suave amor companheiro

Que jamais enxergará defeitos

Antes contribui para a perfeição,

Para a construção da felicidade.

Eu tenho um sonho,

E o cumprirei em minha vida,

Porque assim o Pai deseja

Para que sejamos um com Ele,

Para que sejamos um com o próximo.

Eu tenho um sonho

E para realizá-lo preciso de você

Porque entre todas as escolhas

Escolhi você para amar.

Meu nome é Cleusa de Souza Klein, sou casada com José Wladimir Klein, missionária evangélica desde 1998, e coordenadora do Projeto Casa de Mãe. Faço parte da Igreja Metodista em Rudge Ramos – São Bernardo do Campo – SP



São Bernardo do Campo, 30 de abril de 2014.

Os últimos meses foram dos mais difíceis da minha vida. O que eu aprendi me fez subir mais um degrau no meu aprendizado terreno. Fez surgir uma pessoa melhor e mais compassiva. Acima de tudo, amar mais ainda o meu próximo... Sempre lembrando que por trás dos cuidados no fim da vida, há famílias reais que lutam com decisões reais. Considero e entendo sempre ser de fundamental importância o compartilhar com todos como vivi e superei o câncer, agradecendo a Deus por me permitir viver momentos sublimes de vitória. “Pelo qual também temos entrada pela fé a esta graça, na qual estamos firmes, e nos gloriamos na esperança da glória de Deus. E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações; sabendo que a tribulação produz à paciência, e a paciência a experiência, e a experiência a esperança.” Rm 5: 3.

Romanos 5:2-4

Num certo dia do mês de Maio de 2013 eu comecei a sentir uma forte dor abdominal, a dor causava falta de ar, era impossível de suportar, fui levada às pressas a UPA de Rudge Ramos. Chegando lá fui atendida com urgência porque meu nível glicêmico estava muito alto, a pressão arterial 18/10, batimentos cardíacos alterados e muita dor. Tiveram que realizar um eletrocardiograma, exames de sangue e controle glicêmico. Fui medicada com esperança que meu nível glicêmico voltasse à normalidade e as dores diminuíssem, mas não foi isso que aconteceu, tive que ficar em observação para conseguir normalizar meus sinais vitais e esperar que os resultados dos exames ficassem prontos... Os resultados indicaram uma crise pancreática que precisava ser tratada e investigada com mais cuidado... Sai com medicações e a recomendação de procurar o especialista no assunto.

Nada comentei com minha família, eu estava tratando um câncer de mama e não queria dar mais uma preocupação a eles. Marquei a consulta com um médico particular, (pelo SUS demoraria mais de seis meses) ele viu o resultado dos exames que eu tinha, solicitou outros exames complementares para concluir o diagnostico e dar continuidade ao tratamento da pancreatite, e da vesícula também. Com os resultados em mãos retornei ao especialista em gastrologia. Suas palavras não foram nada animadoras: “Cleusa, você está com um sério problema nas vias biliares.” Não podemos perder tempo... Você vai precisar de um exame chamado Eco endoscopia Aspirativa, iremos concluir seu diagnostico sem margem de erros.

EU PERGUNTEI AO MÉDICO: É câncer? E ele me respondeu que nada ainda podia ser dito, seria precipitado da parte dele afirmar isso. A dúvida me fez perder o chão, além disso, eu tinha outra preocupação... Estava ficando pesado financeiramente. Eu estava arcando com as despesas de consultas e exames. Não havia comunicado ninguém sobre minha decisão de procurar um médico particular. De acordo com a indicação dele procurei o local para fazer a Eco Endoscopia Aspirativa. Trabalhei alguns anos em hospital para ter alguma duvida... Quando peguei o resultado do exame percebi que a situação era séria.

Na noite daquele dia eu não dormi, orei, chorei e pedi do alto uma saída, uma direção. Na manhã seguinte eu tinha uma consulta com a nova médica da UBS em Rudge Ramos para dar continuidade ao tratamento da diabetes. Senti em meu coração o desejo de mostrar todos os exames que eu tinha para ela, foi de Deus essa inspiração! De imediato ela acolheu toda minha agonia, minhas duvidas e dores. Mas foi clara em suas palavras... Eu estava com câncer no pâncreas e precisava correr contra o tempo. A biopsia apresentou um nódulo de cerca de um centímetro, o tamanho de um caroço de feijão. Dra. Michela movimentou toda UBS em meu favor.

Louvo a Deus pela vida dessa mulher, seu empenho ajudou a salvar minha vida... Fui encaminhada com urgência ao setor de oncologia e cirurgiã. Ao sair dali levava comigo muitos papeis em minhas mãos, e um fardo bem grande de medos, preocupações e incertezas em minhas costas. Todos nós temos células cancerígenas em nosso organismo. Estas indesejáveis matérias vivas repousam em nós, adormecidas, mas, parece que com um olho aberto, pois, estão sempre à espreita de um descuido de nossa imunidade para se instalarem e ocuparem espaços, disputando o poder pelos domínios de nossa saúde.

Eu pensei: por que tão cedo? Por que agora? E, afinal, por que isso? Depois de ter a bagagem sobrecarregada por inúmeros acontecimentos que me levaram a fazer perguntas desta natureza, passei a ter uma resposta na ponta da língua: e porque não? A soberania está com Deus, é Ele quem sustenta o universo com as palmas de suas mãos.

Depois de muito pensar eu decide comunicar meu esposo sobre a minha real situação. No começo ele não queria acreditar, mas confiou nos desígnios e na vontade de Deus... Meu marido falou pouco, mas se expressou muito. Foi comigo até o fim. Eu tenho plena certeza que houve momentos onde ele se perdeu em seus sentimentos, sem jamais perder a fé, sempre orando e perseverando, foi meu apoio e conforto até o final. Meu esposo é uma pessoa única, sem igual, sem limites para dispor de todo o seu tempo, e querer-me ver com saúde e mais feliz. Eu devo parte dessa etapa a ele. Principalmente quando estive internada por mais de sessenta dias.

Por diversas vezes busquei socorro nas orações, não só minhas, mas da igreja e dos amigos de perto e de longe... Não foi uma nem duas vezes que o medo teve que ser repreendido de dentro de mim. Como me sinto feliz por ter recebido da família de Cristo o apoio fraternal, do contrário teria me deixado ser entregue a desolação. Por isso, eu entendo o porquê das pessoas que não tem a Jesus sofrerem tanto! Elas não têm sustento no hoje, nem esperança no amanhã. Passei por duas equipes cirúrgicas, e fui rejeitada por elas. Por duas vezes adiaram meu procedimento. Hoje eu sei que eram as mãos de Deus a guiarem aqueles médicos. Na segunda vez o medico chegou nós dizendo que não podia me operar, que minha cirurgia era complicada, de alto risco, não podia ser feita a laser, mas aberta para que um aparelho de ultrassom pudesse chegar até o pâncreas guiando o médico em toda cirurgia, e ele não tinha capacidade para fazê-la. Disse mais: Só tem um médico que pode operar a senhora, e eu não sei se ele vai aceitar opera-la. Em seguida saiu, depois de meia hora veio um membro da equipe para falar comigo.

Esse médico disse que eu teria alta para ir a minha casa e retornar no domingo às sete horas da manhã. Nova duvida tomou conta de mim... Se não querem me operar, se não sabem se o outro bam - bam ia aceitar fazer a cirurgia, porque estavam dizendo para eu voltar? É porque eu vou morrer mesmo!!! Essa foi à resposta que meu cérebro deu. Voltamos para casa... Foram horas difíceis para nós dois, eu e meu esposo. Tomei a decisão de não mais retornar para o hospital, esse tipo de cirurgia é complicada mesmo, e é raro ter êxito, ter a cura... Mas o meu esposo foi convincente quando disse que nós já tínhamos feito a nossa parte, que agora tínhamos o dever de confiar em Deus, que deveríamos ir até o fim. Fosse qual fosse a resposta de Deus, de sim ou de não, ela era perfeita e soberana. “Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito”. Romanos 8.28

Voltei ao hospital no domingo... Foi um dia longo, mas decisivo... Eu tinha plena convicção que estava pronta para aceitar a vontade de Deus. O importante era tirar o mais rápido possível qualquer vestígio dessa doença do meu corpo. Às seis e dez da manhã da segunda feira uma enfermeira entrou no quarto dizendo que o meu médico estava no centro cirúrgico me esperando! Eu pensei: o meu medico? Não pode ser ele disse que não iria me operar... Perguntei a ela: como assim, meu médico? E ela foi bem rápida na resposta: vamos d. Cleusa não podemos demorar. Em seguida já foram colocando os paramentos necessários em mim e me levaram para o centro cirúrgico. Chegando lá, o médico se aproximou e disse: Bom dia d. Cleusa, sou o medico que vai lhe operar. A senhora sabe que não vamos brincar de casinha, não sabe? Afirmei que sim com a cabeça. Ele respondeu: Está tudo bem? Respondi que sim... Então ele encostou as mãos em minha mão e disse: Boa sorte e até daqui a pouco.

Minha cirurgia durou cinco horas e meia... Acordei com o médico me dizendo que estava tudo bem e que nenhum órgão estava afetado... Que houve também a retirada da vesícula. Precisei ficar mais quatro horas em observação por causa de uma queda brusca de pressão. Apesar da preparação emocional para essa nova etapa, foi muito difícil suportar tantos exames, medicamentos, enjoos, fraqueza, mal-estar. Não era fácil, mas era necessário. Seguiu-se um período de reclusão de aproximadamente cinco meses. E, para mim, o pior — talvez algumas pessoas possam ficar chocadas — foi a perda do cabelo. É difícil praticar o desapego nesse nível, e como mulher... Não basta a cirurgia, a medicação, a imunidade baixa, a clausura, e o olhar de pena das pessoas que estavam a minha volta, ainda tenho que ver o cabelo caindo? Após as primeiras semanas, antes de não sobrar nada, eu raspei o que sobrou, e lancei mão de lenços coloridos para tentar manter minimamente a autoestima. Claro que era duro me olhar no espelho! De repente me via careca, com vários quilos a mais, porque a medicação provoca inchaço, e com uma cicatriz imensa na barriga. Essa mudança deve ter sido chocante para o meu marido, mas ele só dizia que eu estava linda.

Durante quatro semanas após a cirurgia precisei de diversos medicamentos para dor... Retornei ao hospital para cuidar de alguns pontos que não queriam fechar e verificar se a pneumonia estava regredindo. Sim, eu contraí uma pneumonia no segundo dia após a cirurgia, minha imunidade estava muito baixa depois de seis semanas internada, baixou para 31 mil. Isso fez a equipe médica me dar alta do hospital antes do tempo. Disseram que eu era uma porta aberta para infecções e que se permanecesse no hospital poderia comprometer todo o meu tratamento. Sendo assim, voltei para casa no quinto dia depois do procedimento cirúrgico com 33 pontos no abdômen, um dreno interno e quatorze quilos a menos.

Esta foi à situação em que eu saí do hospital, mas eu aprendi que o segredo para a minha reabilitação era a vontade de viver e nunca deixei de ter Fé em DEUS lutando contra minha carne para acreditar no fundo do meu coração que a situação que eu estava passando era momentânea, fortalecendo assim o meu espírito. Lutei, orei, aceitei, contei minha historia nas redes sociais, expus minha cicatriz, minha calvície, sempre seguindo com muito empenho sem retroceder rumo ao impossível para os médicos, mas possível para DEUS e dentro de mim algo sempre me impulsionava para frente a caminho do meu objetivo que era falar, andar, movimentar e poder ter uma vida normal até quando Deus me permitisse.

Com o passar do tempo fui sendo completamente restaurada por DEUS através das orações da igreja, dos amigos e familiares... A minha Fé e força de vontade em querer viver e nunca desistindo da vida por mais difícil que possa ser. Hoje faço tudo, ando e anuncio a todos o quanto Deus foi misericordioso para comigo. Tenho de volta minha vida... Por quanto tempo? Isso realmente não importa, o que importa, é viver de tal maneira, que as pessoas vejam Cristo em mim. Jó 42:2 “Os planos de Deus não podem ser frustrados"

Depois do tratamento, é hora de se recuperar física e emocionalmente. O cabelo volta a crescer de mansinho, aos poucos também fui voltando a ter mais disposição para sair de meu casulo e ver o mundo, que parecia ter ficado congelado. Na realidade, posso afirmar com certeza que tudo que passei me fortaleceu como pessoa, mãe, esposa e filha. Como serva do altíssimo e como cidadã. Desde o primeiro momento que aceitei partilhar minha enfermidade, recebi ajuda psicológica e psiquiátrica, e formei um muro de apoio a minha volta. Minha família, minha filha... O meu esposo, que chorava, achando que eu não percebia, sempre esteve presente, paciente, atencioso e dedicado. Na construção desse muro, muitas coisas concorreram para o bom êxito... Os profissionais da medicina, a terapia, a fé, o amor que recebi dos amigos e de pessoas que sequer conhecia, mas que oraram por mim.

Além da rede de apoio, sem a qual acho difícil suportar essa prova, eu tive um ponto maior a meu favor... Um ponto que me dava ânimo incondicional que era a fé. Exercitava diariamente a minha fé porque sabia que Deus faria o melhor para mim e por mim. Dando-me a cura ou não, Ele faria o melhor... Essa compreensão veio logo depois das primeiras lágrimas. “Da mesma forma o Espírito nos ajuda em nossa fraqueza, pois não sabemos como orar, mas o próprio Espírito intercede por nós com gemidos inexprimíveis...” Rm 8: 26.

Durante todo o tratamento, as pessoas mais próximas perguntavam de onde eu tirava tanta força, como poderia me manter com resignação e humor. A resposta era sempre a mesma: eu simplesmente não poderia fraquejar, não adiantava ser de outro jeito, tinha de ter esperança porque eu estava viva e queria atravessar aquela tormenta.

O câncer é uma doença sorrateira, um inimigo astuto, que deve ser respeitado, mas pode ser combatido. E, para esse embate, temos de agir em várias frentes: a importância do diagnóstico precoce e do tratamento rápido; a terapia e a medicação para ansiedade e depressão se tornam imprescindível para preparar o terreno do nosso emocional, para lidar com tantas dúvidas e estresse; a fé é tão importante que até hoje não liberei meus amigos e familiares: podem continuar orando por mim. Eu agradeço a Deus todos os dias ter passado por tudo isso e ter pessoas tão especiais ao meu lado. Nem todas as famílias têm uma comunicação aberta, e os momentos de crise são difíceis para se adotar novos padrões. Eu não passei por esse tipo de problema, minha família tem experiência nessa área, eles foram um canal de benção e apoio para os momentos que atravessei.

Muitas pessoas passam a se cuidar mais e a levar uma vida mais saudável. Eu admito, o câncer serviu como um marco, provocando nova reavaliação dos meus hábitos e dando o pontapé necessário para uma rotina física e psicológica mais equilibrada. Ainda preciso melhorar e muito. É necessário cultivar a paciência. Muitas vezes, o vigor físico volta bem antes do que pensamos. Outras não.

Dar de cara com a morte faz a gente acordar para a vida. Tudo o que eu faço sempre é com o coração. Pode parecer loucura dizer isso, mas o câncer reavivou mais ainda a chama da vida em mim. Aumentou certeza do cuidado de Deus, e a esperança na vida eterna. “Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, Pai das misericórdias e Deus de toda consolação, que nos consola em todas as nossas tribulações, para que também sejamos capazes de consolar os que passam por qualquer tribulação, por intermédio da consolação com que nós mesmos somos consolados por Deus.…”2 Coríntios 1-3

Eu sei que nem tudo serão flores para um organismo tão maltratado por exames, medicamentos e enfermidades, como foi e é o meu. Mas, até que todos os meus jardins estejam enfeitados de asas coloridas, eu convido vocês para estarem comigo transmitindo as maravilhas de nosso Deus.

“Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus”! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos!

Por que quem compreendeu a mente do Senhor? Ou quem foi seu conselheiro?

Ou quem lhe deu primeiro a ele, para que lhe seja recompensado?

Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém.

Romanos 11: 33-36

A busca de um novo caminho

Escrever é um ótimo exercício para colocarmos para fora tudo que se passa em nosso íntimo e temos dificuldade de expor. Através da escrita poderemos sondar o nosso consciente, e o inconsciente, fazendo um inventário do que sentimos em relação a coisas e pessoas. Dessa reflexão nos vem a razão para podermos agir de maneira que possamos satisfazer os nossos anseios que podem ser só nossos e não de outras pessoas que, por força do relacionamento, compartilhem o mesmo espaço. Desse exercício pode nascer a certeza do que realmente desejamos do fundo do coração e não apenas por circunstâncias outras que muitas vezes nos prende de agirmos como realmente queremos. Chegarmos a essa conclusão nos esclarece que deveremos abraçar os nossos anseios, ditados pelos sentimentos, para que possamos realizar condições de uma vida agradável; pois vez por outra agimos contrários aos nossos próprios sentimentos, simplesmente, por comodismo, por não desejarmos abrir mão de vantagens que facilitam a nossa vida material. Entretanto, quando chegamos à conclusão que estávamos caminhando em sentido contrário ao que desejamos deveremos praticar a conversão e passar a caminhar na direção que nos leve à realização de nossas aspirações. Se não tomarmos essa resolução, se acomodarmo-nos em uma situação duvidosa, fatalmente, no futuro, nos arrependeremos porque não nos sentiremos realizados. Mesmo porque embora unidos por convenções, somos pessoas independentes podendo tomar a resolução que mais nos agrade!

Quando isso se instala em nossa mente temos de nos fazer a pergunta: E agora?

Conscientizamo-nos que estamos no caminho errado e será temerário prosseguir; teremos de corrigir o rumo antes que seja tarde demais. E agora, com toda a sabedoria que conseguimos amealhar em nossa vida, encontraremos o caminho que nos leve à felicidade?

A ação deverá seguir à nossa reflexão!

Busca de um encontro

Busca Interior

Eu já escrevi sobre nostalgia, sobre solidão, sobre saudade tanto do passado como a do futuro, aquela que se encontra dentro de nós, aquilo que idealizamos, sabendo que nos traria a felicidade, mas que ficou interiorizada, deixando de nascer. E, quando sentimos esse desconforto, essa ânsia de voltarmos ao passado, ou nos enveredarmos para o futuro, sabemos que não estamos bem. É porque a solidão teima em nos acompanhar, mesmo que pudéssemos ter uma multidão ao nosso lado, o que, na realidade, não acontece. Encontramo-nos solitários, mesmo que o nosso desejo seria poder contar com alguém que preenchesse o nosso vazio existencial.

Parece-nos encontrar em momentos em que nos sentimos perdidos no universo e compusemos aqueles versos, que entre outras coisas dizia: “Às vezes nos parece termos de carregar todo o peso do mundo”.

Já temos procurado desvendar esse mistério da solidão, desse desassossego que toma conta de nosso espírito quando nos sentimos separado das pessoas que nos cercam. Será um sentimento de incapacidade de nos relacionarmos, ou isso acontece por não termos encontrado alguém que se interesse em entrar em nossos pensamentos, fazerem-nos companhia, entrelaçando-se em demonstrações de uma verdadeira parceria, onde as personalidades se diluíssem e passássemos a pertencermos um ao outro, em um perfeito equilíbrio?

Na verdade isso é o que procuramos, um sentimento que nos iguale a alguém, nos colocando em sintonia capaz de nos conduzir irmanados para uma longa caminhada. O que só encontramos foi passageiros avulsos que só desejaram viajar parte do caminho. Por isso nos encontramos novamente em uma encruzilhada, tendo de caminhar sozinho!

Os nossos anos tem se acumulado e não sabemos se teremos ainda futuro, ou o nosso tempo está terminando; embora muito termos caminhado são poucos os acontecimentos que poderiam enriquecer a nossa vida. Acabamos de ler um livro que espelha a vida de um homem que deixou, gravado na memória dos filhos, momentos inconfundíveis de realizações, capazes de perpetuar a sua memória para sempre. Olhamos para o nosso passado, para o nosso presente, e ainda para o que poderá ocorrer em nosso futuro e não encontramos lastro suficiente para ser lembrado. Talvez porque nos conservamos fechados demais em nosso interior, vivendo imaginativamente tudo aquilo que deveria ser desfrutado com outras pessoas; assim não nos ligamos convenientemente às pessoas que passaram pela nossa vida. Mas como poderíamos ter vivido de outra maneira se o nosso temperamento, a nossa riqueza encontrava-se mais em nosso interior? Talvez ainda possa alcançar essa comunicação através de coisas que escrevi, quando tentei exteriorizar o que se passava em meu interior, derramando o meu ser que almejava um encontro com os que me rodeavam. Essa é a minha esperança! Estou encerrando minha caminhada, em breve serei apenas uma lembrança entre as pessoas que me conheceram. Conheceram? Talvez não! Mas que poderão conhecer, ainda, desvendando o que procurei ser, os meus anseios de alcançar as pessoas a quem amava sem a capacidade necessária para externar os meus sentimentos.

Triste destino dos que não conseguem a comunicação com os seus semelhantes! Temos a certeza que não estamos sós nesse labirinto que transporta as pessoas para o sentimento de infelicidade; muitos companheiros sofrem comigo, sem a perspectiva de transformarem os seus destinos; a esses companheiros de jornada endereçamos esta reflexão, porque nesse infortúnio não estão solitários, porque somos solidários!

Estava Escrito nas Estrelas

Publicado em 14 de Maio 2013 Foto no final, Página 85

No Livro “Aproximando Pessoas”, em uma parceria dos Correios e do Museu da Pessoa.

Estava escrito nas estrelas! Na primavera de l947, uma jovem (Jandira Ramalho, filha de Francisco Ramalho e Victória Perassole), saiu da cidade de Mococa, interior de São Paulo, e viajou para São Paulo, em visita a parentes que residiam no bairro do Belém; no dia 31 de Agosto foi obrigada a visitar outra parenta no bairro de Santo Amaro, propiciando-nos o encontro que nos levaria a estarmos casando no dia 31 de Julho de l948, exatamente onze meses depois de nos conhecermos.

Nesses onze meses transcorreram muitos acontecimentos. A Jandira veio para visitar parentes, mas a sua intenção era ficar em São Paulo; os primos dela arranjaram-lhe um emprego e ela, com receio de que eu não aprovasse disse-me que o emprego era nas "Lojas Três Irmãos", na Rua Direita.

Várias vezes postei-me nas proximidades para tentar encontrá-la e não me foi possível, em um dos dias quando percebi ela estava perto de mim, mas vindo de outro lugar; daí ela não teve outra alternativa senão me falar a verdade, o emprego era em um bar na Rua da Quitanda (era, justamente um bar que eu costumava ir tomar café com os colegas, quando íamos fazer depósitos ou saques no Banco do Estado que era próximo); não gostei, não tanto pelo local e mais por ela ter mentido.

Como já estava gostando de fato dela e previa que consolidaríamos o nosso relacionamento, aconselhei-a a voltar para a sua cidade, ela aceitou o meu conselho e voltou para a casa dos pais em Mococa, que, soube depois, aprovaram a minha conduta. Ficamos nos relacionando por cartas ( àquele tempo o correio levava quinze dias para levar uma carta e outros quinze dias para trazer a resposta, mas esse contato foi importante para que prosperasse o nosso relacionamento) até um dia, um mês e pouco depois, quando recebi uma das cartas e fiz um suspense para abri-la.

Um meu colega, Moacir Fowler, me convidou para irmos a Campinas e aceitei; íamos no Sábado e voltaríamos no Domingo. Tomamos o trem às 20 horas na Estação da Luz; no trem abri a carta e a saudade bateu fundo; o meu colega que era tanto ou mais louco do que eu, disse: porque não vamos até Mococa?

A sugestão era o que eu desejava ouvir e imediatamente saímos à procura do guarda trem para sabermos das possibilidades. Ele nos encorajou orientando que deveríamos descer em Campinas onde faríamos conexão com o horário da Mogiana que nos levaria até Casa Branca, de lá poderíamos tomar um taxi que nos levaria até Mococa.

Tomamos esse trem e sacolejamos na Estrada de Ferro Mogiana (bitola estreita) até Casa Branca. Descemos na estação e o único taxi que havia estava a serviço de um fazendeiro pelo falecimento de um parente. O funcionário da estação nos orientou e tomamos, às carreiras, um trem que ia para Passos MG, para descermos em São José do Rio Pardo, e conseguirmos um taxi. Em São José uma família desceu na nossa frente e tomou o único taxi para leva-los a uma fazenda; falamos com o motorista e ficamos esperando a sua volta para que nos levasse à Mococa. Até que enfim!

Nós nunca havíamos saído de São Paulo e para mim deveria ser como aqui que os bares amanheciam abertos; o motorista nos dizia, para aplacar a nossa fome: Vou deixa-los em frente de um bar que faz o melhor café de Mococa. Quando chegamos lá o bar estava fechado e não adiantou nada ficarmos em frente, eram cinco horas da manhã. Ficamos próximos à praça principal, e quando as famílias começaram a abrir as portas fomos alvo de curiosidade. Sentamos em uma soleira de porta e esperamos.

Quando eram seis e meia e passava um senhor e o meu colega resmungou, oh! Cidade miserável, estamos morrendo de fome! O senhor aproximou-se e disse, vocês são de fora, porque não foram ao Hotel Terraço? E nos informou e fomos tomar o melhor café que havíamos tomado até aquela data. No hotel as pessoas também estavam curiosas, querendo saber se estávamos tratando assuntos políticos, deixamos tudo em suspense e depois das oito horas fomos procurar o endereço da Jandira.

Quando subíamos a Rua José Bonifácio (o numero era 993) o meu colega dizia, Mik, você não conhece o pai da moça, e se ele aparece com uma espingarda e passar fogo na gente? Mas a determinação e a boa intenção fizeram com que fôssemos bem recebidos. Eu estava meio constrangido, mas meu colega logo ficou a vontade, eu soube depois que havia sido porque vira a minha fotografia, em um porta retrato, em cima do rádio (eu já havia sido aceito, como declarou depois).

Saímos passear pela cidade, e quando voltamos almoçamos e um taxi já estava nos esperando para levar-nos de volta a Casa Branca, onde deveríamos tomar o trem que ali passava ao meio dia e meia. Fizemos a viajem de volta e às oito horas do Domingo, desembarcávamos novamente na Estação da Luz; em vinte e quatro horas havíamos realizado essa façanha.

Dois meses depois saí de férias e fui para lá e fiquei quase as férias todas. Voltei com o coração partido porque apegado profundamente àquela que seria a minha companheira. Passaram-se mais dois meses e a Jandira conseguiu convencer os pais de virem para São Paulo; Alugaram a sua casa lá e vieram residir próximo a parentes no bairro do Belém, mais exatamente na "Mãe do Céu.

O nosso namoro consolidou-se, embora no meio tivéssemos um desentendimento que quase acabou com tudo, mas fizemos as pazes e em 31 de Julho de l948, dançando a valsa Clube XV, realizamos o nosso sonho que tem durado até agora. Fomos morar no quintal da casa onde já residia, aonde construí um cômodo.

Após os primeiros meses em que ficamos tomando refeições em casa de minha mãe, resolvemos assumir a nossa casa, dividimos o cômodo com o guarda-roupas e um guarda-louças que compramos e transformamos o espaço em quarto e cozinha; precisávamos subir na cama pelos pés da mesma; do outro lado ficava uma pequena mesa, duas cadeiras, um fogão a querosene, em cima de uma mesa que eu mesmo construí de um caixote (quando derramava qualquer coisa exalava um terrível cheiro de querosene!).

Neste ano de l998, em 3l de Julho estaremos completando 50 anos de união. Já aperfeiçoamos o nosso relacionamento? Ainda não! Como poderíamos construir algo perfeito sendo seres imperfeitos? Mas a persistência, a compreensão de ambos os lados fizeram com que fossemos, através dos anos, superando as nossas diferenças, transpondo obstáculos para chegarmos a poder olhar para o nosso passado, contemplar os nossos filhos e netos e concluirmos que construímos algo bom e sólido. Assumindo a nossa responsabilidade criamos, também, uma responsabilidade para os nossos descendentes, qual seja a do dever de constituírem famílias que consolidem a sociedade para que possa haver segurança para os filhos, e através deles para toda a humanidade.

Quando casamos, antes fizemos uma análise da situação que deveríamos enfrentar, contando com o pequeno salário que eu recebia; entramos em acordo que a Jandira não mais trabalharia fora, dedicando-se exclusivamente ao lar. Isso talvez por insegurança minha que pode até ter impedido a ela uma ascensão profissional. Como os afazeres eram poucos ela matriculou-se, juntamente com minha mãe e minha cunhada, em um curso de pintura tendo demonstrado o seu talento. Pena que não deu continuidade (mais tarde ela voltaria a pintar) preferindo, na ocasião fazer um curso de corte e costura, que na verdade foi muito útil, pois passou a costurar para ela, para mim e para as crianças, ajudando significativamente no orçamento doméstico.

Grandes partes do patrimônio que conseguimos formar deveram à disposição para o trabalho, de minha esposa, que sempre conservou o nosso lar agradável e acolhedor, além de sua capacidade de organização e economia, aproveitando tudo de tal forma que o salário parecia multiplicar. Não digo que não passamos por dificuldades, mas dentro de uma organização, gastando com proficiência os recursos, alcançamos todos os nossos objetivos. Hoje ainda tentamos passar esses princípios aos netos, para que eles saibam administrar as suas vidas com a finalidade de caminharem para a realização de suas aspirações.

Mais uma História

Publicado em 14 de de Maio 2013 Foto no Final Página 85

No Livro “Aproximando Pessoas”, em uma parceria dos Correios e do Museu da Pessoa.

Fui casado durante 56 anos com minha primeira esposa e esse tempo terminou com o seu falecimento. Foi um convívio longo onde experimentamos muitas emoções, tivemos três filhos cujos nascimentos foram verdadeiras aventuras pelos acontecimentos que se desenrolaram. Muita luta para vencermos as nossas imperfeições, mas pelo tempo que durou a nossa união podemos dizer que o saldo foi bastante positivo e que somente a morte conseguiu nos separar. A minha primeira esposa, da qual já contei a história, faleceu em Fevereiro de 2.004. Passei a viver sozinho, com o coração amargurado, pois a minha vida havia sido exclusivamente no seio da família, quando não estava entregue ao trabalho que absorvia boa parte do tempo. Principalmente os primeiros seis meses de solidão foram bastante sofridos, principalmente porque me impus escrever sobre algumas anotações que ela havia feito nos últimos tempos de vida, onde derramava as suas mágoas por nossos desencontros. Mas o tempo é um grande remédio e os nossos corações vão se aquietando e damos sequência à vida.

15 de abril de 2.007 eu recebi um convite para participar de uma comunidade do Orkut: “Pessoas Fazendo a Diferença”; a sua proprietária era uma missionária itinerante da Assembleia de Deus, Cleusa Teixeira de Souza, que residia em Brasília. Comecei a participar e a inclui, também em minha lista de amigos e passamos a nos comunicarmos através do Orkut. Ela era uma pessoa muito comunicativa e a nossa amizade floresceu. Na verdade, no momento em que recebi o convite e vi a sua fotografia, algo falou ao meu coração, pois, estando viúvo há quase quatro anos, a solidão estava pedindo uma companhia para partilhar comigo a vida.

Dois dias depois de nos conhecermos era o seu aniversário e lhe mandei uma mensagem cumprimentando-a, mas ela, inadvertidamente a apagou e me pediu que lhe tornasse a enviar, fiz o que ela pedia e passei a acompanha-la através da rede social. Aos poucos fomos conhecendo um ao outro e nos tornando verdadeiros amigos, em que pesasse a distância em que nos encontrávamos, ela em Brasília e eu em São Paulo. Trocamos os nossos endereços e firmamos um compromisso de, na primeira oportunidade, nos conhecermos pessoalmente.

Mas antes de isso se consumar tive uma grande surpresa, recebi uma carta pelo correio o que me causou uma grande emoção. Já havia me correspondido muito através do correio em minha juventude, namorando a distância e gozando as emoções a cada recebimento de uma nova carta, mas, em tempo de Internet e de comunicação virtual, quando se tem a facilidade de enviar e receber a resposta no mesmo instante, foi uma novidade e passamos a nos corresponder através de missivas. Isso durou alguns meses, principalmente enquanto aguardávamos a oportunidade de nos encontrarmos pessoalmente. A oportunidade de abrirmos o nosso coração e derramarmos as nossas emoções foi consolidando essa ligação que augurávamos que se consolidasse e nos propiciasse um compromisso permanente, pois nós dois estávamos sozinhos e carentes de uma companhia que nos alegrasse a vida.

Tenho de mencionar alguns trechos que o nosso coração inspirou para que vocês compartilhem conosco dessas emoções que, ao mesmo tempo em que alegravam os nossos corações, parece que nos reavivava e fortalecia aquele sentimento que por um pouco de tempo havia ficado inerte dentro de nosso peito; era a explosão de nossos sentimentos que nos renovava e fazia com que abandonássemos as cismas de solitários e nos embrenhássemos novamente no desejo de projetar um futuro em que poderíamos viver juntos, e caminharmos em busca do equilíbrio que nos poderia doar a felicidade. Como é bom amar, e sentirmos a correspondência desse nosso sentimento prometendo venturas mil!

A primeira carta que recebi foi assim:

Wladimir, talvez você estranhe estar recebendo uma carta quando temos a facilidade de enviarmos e recebermos mensagens em um minuto, mas acredito que uma carta, é uma comunicação que é construída partindo de dentro de nosso coração; meditamos em tudo aquilo que se passa bem dentro de nós, para externarmos um sentimento que transborda e nos propicia uma indizível felicidade.

Conhecemo-nos virtualmente, através de páginas de outros nossos amigos e nem poderíamos imaginar que este conhecimento pudesse ser diferente de tantos que temos mantido através da Internet, que mesmo nos dando momentos de prazer e alegria, nunca passarão de contatos virtuais, pois jamais teremos a ocasião de nos conhecermos pessoalmente, principalmente, quando residimos em lugares tão distantes. Entretanto, sinto que conosco poderá acontecer algo diferente, pois a impressão que tenho é que já te conheço desde sempre, fazendo parte, inclusive, de meus sonhos que ocorrem em meus momentos de solidão.

Deu-me esta vontade de fazer algo diferente, relembrar que é muito emocionante ouvirmos o carteiro bater em nossa porta para nos entregar uma correspondência de alguém que esperamos com ansiedade. Mesmo que os correios, hoje, sejam de uma rapidez incrível, ainda não concorre com os E-Mails que podem nos chegar num minuto; mas essa pequena espera nos fornece uma doce expectativa que parece, até, um tônico para o coração.

Espero que você goste desta surpresa e me responda, também pelo correio, pois o meu coração já começou a viver essa expectativa em receber noticias suas.

Com Carinho

Oi Amor, tudo bem?

Meu desejo é que ao chegar esta em suas mãos você esteja gozando das bênçãos de Deus para a sua vida.

Você deve estranhar receber carta minha pelo correio, quando a tecnologia se encontra tão avançada, as pessoas não querem mais fazer deste meio tão gostoso e romântico de comunicação.

Relembrando os melhores tempos da adolescência, senti o desejo de escrever um bic_Mail (risos) para o meu amor.

São 09,15 da manhã deste dia e ano de 2.007, uma manhã abençoada, onde tudo demonstra que teremos um lindo dia. Até porque, quando se esta amando tudo ao nosso lado se torna belo e esplendido aos nossos olhos. Depois de alguns anos sozinha, está sendo muito bom ter alguém para sonhar, planejar, esperar, e outras coisinhas mais, que somente duas pessoas que se gostam podem ter juntas.

Querido, perdoe os erros, os vícios do computador nos deixa um tanto robotizados em relação às palavras.

Vou treinar novamente e para isso vou usar minhas cartas para você (rsrs)

A esta hora você já fez a sua caminhada, deve estar pensando em mim na frente do computados. Qual vai ser o cardápio para o almoço de hoje? O meu já está pronto, meu genro veio jantar aqui, disse que queria conhecer os meus dotes culinários. Adivinha o que ele queria comer? Uma comida forte, peito de boi assado na panela, com batatas.

Amor, ele comeu tanto que passou mal (risos). Lembrei-me de nosso almoço e pensei: Se o Wladimir estivesse aqui será que ele conseguiria comer esta comida? O pessoal aqui é peso pesado quando se trata de comida, são fartos e não gostam de nada leve. (Agora ele quer que eu faça uma peixada; eu disse à minha filha que é para ele não ficar mal acostumado (risos).Estou esperando meu pai chegar para que eu possa levar uma irmã da igreja para fazer fisioterapia, Ela teve um derrame há cinco anos e só confia em mim, quando a filha não pode leva-la eu é que faço as vezes dela.

Vou deixa-lo na graça e no amor de Cristo. Reafirmo meus votos de carinho e amor. Esperando-te ver em breve, me despeço com amor. Suja querida noiva Cleusa.

Essa nossa correspondência epistolar continuou por vários meses em razão da distância que nos separava Brasília e São Paulo.

Os encontramos pela primeira vez em Agosto de 2.007 e foi um momento emocionante, ela estava me esperando no Shopping Metrópole em São Bernardo do Campo e me reconheceu quando encostei o carro, vindo ao meu encontro, e demos um abraço, bem no meio da pista de estacionamento. Aquele encontro redimia o tempo em que alimentamos esse desejo do encontro; fomos para o meu apartamento e passamos praticamente dois dias conversando, nos conhecendo e constatando aquilo que já havíamos sentido, que o nosso destino estava traçado para que seguíssemos junto o restante de nossa caminhada. Despedimo-nos já com o desejo do reencontro que só se deu em Novembro de 2.007 quando em uma reunião com minha família colocamos um anel de noivado.

Em Dezembro fui conhecer a família da Cleusa que me cumularam de atenções e resolvemos dar entrada nos papeis para nos casarmos. Voltei para São Paulo com o coração dorido pela saudade, mas necessitávamos, ainda, esperarmos mais um pouco, inclusive pelos compromissos que a Cleusa ainda tinha pendentes para a realização de trabalhos evangelísticos.

Casamo-nos no dia 19 de Fevereiro de 2.008, em Brasília e de lá realizamos a nossa viajem percorrendo o nordeste até o dia de retornarmos a São Paulo para começarmos a trilhar esse novo caminho para a realização de tudo aquilo que havíamos sonhado. Estamos na trilha, desbravando solucionando circunstâncias, nos conhecendo e, felizmente, percebendo, a cada dia, o crescimento de um sentimento maduro, que, embora experimente algumas dificuldades nos aponta para um horizonte de paz e tranquilidade.

A Cleusa, depois de ficar praticamente sozinha por dez anos, quando orava a Deus lhe dizia: “Não sei se me casarei novamente, mas se isso acontecer peço que seja com um homem comprometido com a Palavra de Deus para que juntos possamos continuar a realizar esse trabalho que me propus, de proclamar as Boas Novas do Evangelho, para que todas as pessoas que participarem de nosso convívio possam ser agraciadas pela salvação e pela vida eterna através de Jesus. Estamos firmes nesse propósito e só rogamos a Deus que nos ilumine nesse trabalho e que toque as pessoas pelo poder do Espírito Santo para que recebam essa dádiva preciosa que Deus preparou para todos nós.

Mensagem de Aniversário

Dizem alguns, que ao avançarmos em idade vamos perdendo a capacidade de raciocínio, mas o que ocorre é que a cada etapa de nossas vidas vamos somando muitas experiências que nos ajudarão a trilharmos com sabedoria o restante da caminhada.

Há tempos li um artigo sobre uma reunião de sábios que chegaram à conclusão que os jovens estavam passando muito tempo na escola e não lhes sobrava ocasião de aprenderem com a vida. A vida é uma escola por apresentar a maior variável de vivências que nos ajudarão em todas as circunstâncias de nossas vidas.

Hoje os idosos não são muito levados a sério e se perde uma enorme oportunidade de aprender sem os desgastes que poderemos sofrer com as atitudes impróprias que poderemos tomar.

Neste dia que você aflora para uma fase rica em novas experiências rogo a Deus para que continue abençoando-o e dando-lhe oportunidade de, ainda, crescer mais como pessoa humana. Feliz Aniversário

Quanto vale uma vida?

Para chegarmos a compreender o que vale uma pessoa teremos de analisar a sua vida até os mínimos detalhes; precisamos conhecer toda a trajetória evolutiva, as lutas travadas, os obstáculos transpostos para alcançar a vitória final.

Cada pessoa terá qualificações diferentes de acordo com a sua vivência; costumo dizer que é muito bom alcançarmos uma idade avançada, porque podemos olhar para trás e analisarmos tudo que nos ocorreu; teremos a possibilidade de constatar a ação de Deus em nossas vidas, pois à medida que caminhamos através das diretrizes do Senhor, gozamos de Sua assistência permanente, e, embora passemos por dificuldades constatamos que tudo que nos ocorreu, até o maior sofrimento, deveriam, de fato, fazerem parte de nossas vidas para nos retemperar a cada passo para alcançarmos a plenitude de servo fiel.

E, por que conhecermos a vida das pessoas? Qual o proveito que nos trará analisarmos os fatos ocorridos em uma determinada vida?

Em meu pequeno opúsculo “Memórias de um Cidadão Comum” alertei às pessoas sobre essa utilidade:

“Nossa vida é uma soma de acontecimentos que compõe uma história. História de experiências vividas que serão importantes para muitas pessoas, que, ao tomarem conhecimento de certos detalhes poderão usar para evitar caírem nos mesmos erros, racionalizando as ações para obterem um resultado mais satisfatório. Assim será importante que você anote os fatos de sua vida. Isso, quando menos aproveitado, poderá ser por seus próprios filhos. É claro que as experiências de cada pessoa é impar, mas aqueles que tiverem sabedoria suficiente para observar os acontecimentos à sua volta terão a tendência de errarem menos, somando maiores oportunidades de tomarem a frente dos demais.

Para exemplificar cito um pequeno detalhe: as cartas que escrevemos. Se analisarmos as nossas cartas veremos que elas compõem uma historia e nos faz revelações importantes. Agora mesmo recebi um telefonema de um amigo dizendo que uma carta que escrevi a dois anos e meio atrás, revelou-se como uma verdadeira profecia, visto que os fatos nela levantados vieram a acontecer como ela previa. Até, em razão disso, resolvi compilar as cartas para compor um novo livro; Já estava praticamente escrito era só juntar, por ordem de datas. Tive uma revelação importante, várias delas indicavam ações que deveriam ser tomadas por pessoas, influindo em acontecimentos posteriores. Não existe segredo nem mistério nisso; é uma questão de sabermos analisar as situações para que possamos saber quais serão os desdobramentos que se apresentarão em sequência.

Você, talvez, hoje, tenha uma memória privilegiada, mas com o tempo, muitas vezes, os detalhes de um determinado acontecimento desaparecem, quando seriam importantes para esclarecermos nossas dúvidas. Então escreva, você fazendo tudo por escrito terá documentos importantes em suas mãos para provar as suas teses”.

“Costumamos dizer que a nossa vida daria um livro, e de fato isso acontece; cada um de nós passou por acontecimentos que são dignos de figurar em um livro que irá à lista dos mais vendidos. Portanto escreva cartas, faça anotações, e guarde cópia de tudo isso que um dia lhe será muito útil”.

Estou escrevendo isso porque me foi dada a oportunidade de ler as anotações de uma pessoa amiga que está, no momento, com mais de noventa anos, e é uma história fascinante. À medida que for lendo farei algumas observações e mesmo transporei alguns trechos para completar esta reflexão.



A pessoa em questão é Da. Nair Nascimento, de personalidade carismática, que sempre foi participativa nas atividades sociais. Da. Nair está fazendo anotações de suas atividades durante sua longa existência e essas revelações nos emocionam.

Da. Nair


Da. Maria Rita, silhueta esguia, cabelos pretos e lisos e pele de bronze, esta, Filha de Manoel Inocêncio do Nascimento e de Da. Brandina Ferraz do Nascimento teve como avós, por parte de pai, Antônio Ludovino Mariano do Nascimento e Maria Rosa de Matos que era uma pessoa linda feitio mignon; e por parte de mãe, Carlos Ferraz que era louro, de olhos azuis e usava bigode e Da. Maria Rita, sendo esta filha de uma índia que foi apanhada no litoral por um navio português.

Da. Nair ganhou de sua filha um caderno de anotações e passou a registrar fatos de sua vida e podemos perceber quão rica tem sido essa vida:

Sondando a sua memória Da. Nair irá nos relatar as suas experiências de vida que com toda a certeza nos servirá de exemplos para a nossa própria vida.

11/08/85


Dia dos pais

Um lindo sermão do dia dos pais, sobre o filho pródigo; quantas facetas daquele caloroso caráter. O pregador ressaltou as qualidades daquele pai e naquelas descrições eu divagava o meu pensamento e voltava no tempo e nas lembranças amenas de minha infância, o vulto de meu pai; levantava-se sempre alegre, brincalhão, risonho hospitaleiro, mas impertinente no exigir dos filhos o proceder correto, o observar as normas da sã moral; no plano religioso o seu zelo era ainda maior e o seu viver era um testemunho eloquente das suas convicções que muitas vezes o colocou à prova; pai carinhoso de temperamento afetuoso, nos envolvia a todos, esposa, filhos, enteados, numa atmosfera de camaradagem, respeito mutuo, compreensão, alegria e paz! Legou aos filhos o seu exemplo de buscar na Palavra de Deus a solução, força, e, sobretudo, a inspiração para uma vida mais abundante em Cristo Jesus. Praticava a oração em família, pedindo e intercedendo por cada um individualmente. Em quaisquer circunstancias sempre provou a sua fé nas providências divinas. Caridoso, sempre disposto a ajudar aos necessitados; muitas vezes com sacrifício dos seus interesses. Por ocasião de sua morte seus amigos aos quais ele, várias vezes, recorria para ajudar aos pobres, disseram dele: morreu o pai dos pobres!

Pregado do evangelho, conhecedor profundo da Bíblia, nunca se envergonhou em expor, ou mesmo provar sua fé, sua esperança de salvação através de Jesus, o Salvador.

Nas minhas lembranças guardo do meu querido pai, a imagem de um homem feliz, amado e respeitado por todos os amigos, pela esposa, filhos, enteados e pelos irmãos na fé. Um ser humano íntegro, sincero, autêntico.

Faleceu aos 54 anos de idade aparentando 42. As qualidades de caráter de meu pai tem sido um suporte para mim, ou melhor, vivem em mim, é parte de mim!

Graças a Deus por meu pai, seus exemplos de vida, sua alegria, sua fé! Tudo isso aliado a grande mãe que eu tive (falarei dela), fez o meu lar, um lar feliz!

Minha mãe Ano de 1.940:

“Hoje me lembro, com muita saudade, atitudes e fatos ocorridos na vida de minha querida mãe; um fato fixou-se em minha lembrança: Com a morte de minhas duas irmãs em apenas dois meses e meio, Raquel em 04/06/1. 938 e a Dita em 01/09/1. 938. Agora minha mãe não tinha mais razão para continuar em São José dos Campos onde manteve, por muitos anos, uma pensão para doentes do pulmão, e para cuidar da filha querida.

Minha mãe só tinha a mim e a netinha de oito anos, que lhe fora entregue pela mãe na hora da morte. O Álvaro havia terminado o serviço militar e conseguiu, do Capitão Nelson, um bom emprego na Estrada de Ferro Noroeste, mas devido a situação do momento, aguardava o tempo para se apresentar. Para meu desespero me veio dizer que abria mão desse emprego para voltar a trabalhar na fazenda do pai, sabendo que não havia condições de se conviver; pessoa arbitrária, quando abusava da bebida, que era frequente criava grande sofrimento à minha sogra e aos filhos. Odiava os crentes a quem chamava (esses protestantes). Eu não tinha nenhuma garantia de poder morar sob o jugo de tal pessoa. Tive de acompanhar meu marido nessa triste aventura, que nos causou muito sofrimento e frustração. Mas me firmei no propósito de levar comigo, minha mãe. De modo algum eu a deixaria ali sozinha, nesse momento de grande sofrimento, e, ainda, com uma criança para dar conta. Não foi fácil convencê-la a ir comigo. Só com muita insistência consegui!

Fomos para a fazenda do meu sogro e ocupamos uma casa que estava fechada, já há algum tempo, na colônia. Não havia fogão. Por esse motivo, por alguns dias tivemos de comer a comida que minha sogra nos mandava (minha sogra era uma santa).

Uma noite lá pelas 23,00 horas, minha filhinha acordou aos gritos; desesperados, era difícil segurá-la no colo, ela se jogava para frente e para traz em um verdadeiro desespero. Não tínhamos nada à mão, os utensílios de cozinha ainda estavam encaixotados. Minha mãe pensou em fazer um chá, mas para piorar a situação, estávamos sem água. Minha mãe, decidida como sempre foi saindo para ir ao poço no quintal da casa grande. Eu fiquei apavorada, porque meu sogro tinha dois cachorros grandes, muito bravos, e uma cachorrinha menor que dava o alarme da presença de qualquer barulho estranho. Não consegui convencer minha santa mãe do perigo de ser atacada pelos cães bravios. Ela disse, Tenho de acudir essa pobre criança, e foi saindo, e eu fiquei em pânico esperando ouvir a agressão dos cães. Mas para meu espanto, foi um silêncio eterno, na noite escura, que me parecia longo demais. . .quando minha mãe entrou carregando o balde com água. Abriu o caixote com o auxilio de uma tesoura, tirou uma caneca, colocou o chá, a água, e, com tocha de papel conseguiu o chá para aliviar a dor da netinha, que logo a fazendo tomar, conseguindo o milagre de um sono profundo. O ‘Gloria! Eu estava perplexa, sem saber como minha mãe pode chegar até o poço, descer o balde que era preso por uma corrente, e não ser ouvida pelos cães que dormiam ali perto, na varanda, e o pequeno que dava o alarme. E ela dizia sorridente, parafraseando o relato da Bíblia com respeito ao profeta Daniel que foi lançado na cova dos leões para ser devorado: “O Senhor fechou a boca dos cães e nada aconteceu”. Que extraordinária fé!

Assim era minha mãe, mulher de oração, não era de estar com os filhos no colo cobrindo-os de beijos, mas zelosa pelo bem estar, segurança e, principalmente, pela formação de um caráter cristão.

Quero falar mais de minha mãe, sua coragem, a facilidade com que resolvia situações de emergência, seu amor ao próximo, que ela pode provar naqueles anos com a pensão para pessoas doentes do pulmão; como se dedicava a elas, sem medo do contágio, confortando-os com a palavra de Deus, se deixando ficar ali ao lado do moribundo com palavras de conforto e paz em Cristo. Sempre achou fácil repartir com o pobre o que fosse preciso. Conhecedora profunda da Bíblia sabia se expressar com facilidade e com clareza, movida pela paixão pelas almas, a exemplo de Jesus. Minha mãe, meu exemplo!

1.972 – Momentos a sós!

Como me ponho a observar certos comportamentos da juventude moderna, não posso deixar de agradecer a Deus por haver nascido em um lar cristão, onde a Bíblia era lida e estudada diariamente, e o que é mais importante, suas lições eram aplicadas ao nosso viver diário. Eram notórios a nós, os filhos, o esforço de nossos pais no sentido de observar os conselhos e regras da Palavra de Deus. O temor e o respeito a Deus era no meu lar a coisa mais importante. Fui criada numa atmosfera, posso dizer celestial. O respeito de uns pelos outros, a cortesia, os pequenos favores e atenções, eram como que ramalhetes de flores trocados entre nós, sempre acompanhados de sorrisos, de palavras de consideração e apreço ao outro, também nada fazem nesse sentido, o que fazia nos sentir valorizados, promovidos, etc.

Hoje a psicologia prova que estes gestos ajudam a quebrar, ou melhor, a combater, na criança, ou mesmo no adulto, o complexo de inferioridade, assim como a timidez e a inibição. Graças dou a Deus pelo meu lar, pelos meus pais, humildes, mas zelosos e fieis aos mais elevados valores da fé e da integridade moral.

No meu lar se aprendia o respeito e o amor ao idoso e à criança, ao excepcional e ao patrimônio público, assim como às autoridades constituídas. Também nas escolas essas noções de responsabilidade que todo o ser humano deve assumir quando adentra esse universo. Eram cuidadosamente administradas à criança. Não sei se estou sento injusta com esta geração, mas o que tenho observado é que, com algumas exceções, há um descaso, nos lares, com a formação da criança, que fica por conta das escolas, que segundo me parece, nada fazem nesse sentido, com períodos de aulas reduzidos que mal comportam, em um horário de três horas, as matérias principais. Resumindo, a educação das crianças acaba ficando por conta de TV, que mostra filmes de horror e de barbárie e artimanhas de como arrombar, fabricar monstros; quais os meios que matam com maior dose de atrocidade. Enfim, sinto piedade dessa juventude, que não tem culpa dos atos que praticam que resultam no mínimo que a seu favor é investido; eu poderia dizer, ainda mais, que lhe é retirado, pois os pais além de não se dar ao trabalho de orientá-los, de darem-lhes exemplos, ainda desaconselham aos jovens de frequentarem uma igreja, que a meu ver ainda é o melhor lugar do mundo, ainda é um farol apontando o caminho do bem, onde se apresenta a Deus como refúgio e força em um mundo cheio de vícios, egoísmo, desrespeito e ambição.

Volto a render graças ao meu Deus pelo meu lar! Não fora esse alicerce, pobre de mim! Não fui bem sucedida no casamento, apesar de ter me casado por amor me vi sozinha com um casal de filhos para criar; sem preparo, pois não me foi possível estudar, por haver perdido meu pai muito cedo. Esse triste fato causou grandes mudanças na nossa vida, nos nossos hábitos, em nossa rotina diária e tudo o mais. Minha mãe, mulher muito forte, de uma fé inabalável nas providencias de Deus, sempre foi para mim um esteio, um apoio, com seus conselhos e com suas orações.

Concordo quanto à realidade que estamos vivendo hoje, num mundo bastante diferente daquele de algumas décadas passadas. Que vivemos em uma era de progresso vertiginoso, que a tecnologia avança a cada minuto, as invenções em todas as áreas, as descobertas e as inovações em todas as áreas, as descobertas e as inovações em todas as ciências. Etc. Mas, volto ao ponto inicial, o ser humano continua sendo o mesmo, continua a ter suas origens como Deus determinou, nascendo de um ato de amor entre um homem e uma mulher, e ainda é a criatura, o bem maior para o Deus Criador. E, quanto ao valor, para nós, de uma criança que nasce em nosso lar? A criança é um investimento; não só afetivo, mas no sentido daquilo que representa a nossa contribuição para uma sociedade melhor! E como tal, tudo quanto pudermos, mesmo com sacrifícios, temos que fazer por nossos filhos, pelos jovens. E ainda mais, não só no esforço do preparo cultural e científico, etc., mas, principalmente vivendo perante ela, a criança na primeira infância, padrões de conduta consciente e responsável para a formação de um caráter forte, combativo.

Pude constatar nestes longos anos que tenho vivido o valor dos ensinamentos e exemplos recebidos na infância num lar onde se dá à criança o devido valor. Esse valor não está somente em proporcionar-lhe uma boa escolaridade. Onde desde as primeiras palavras ela aprende em inglês, ou outro idioma, onde recebe desde cedo aulas de natação ou artes, etiqueta e tantas outras disciplinas, as quais eu computo de grande valia, mas, que não são principais na formação de uma personalidade íntegra, nada dessas coisas substitui o olhar de estímulo dos pais, ou os instantes ao redor da mesa às refeições, cheias de narrativas pitorescas e um irmão, ou a reprimenda séria e mantida, a gerar a força para se corrigir um hábito nocivo.

Agradeço a Deus pelos meus pais e pelo meu lar!

“Educa a criança no caminho em que deve andar, e ainda quando for velho não se desviará dele”. (Provérbios 22:6)

A importância da fé!

1.972


A experiência dos anos vividos tem me mostrado, ou melhor, ensinado, que nós somos o espírito. O que há dentro de nós; não somos esse exterior, é o interior que comanda. Se aceitarmos vencer venceremos, se aceitarmos perder, perderemos. É do interior que nos vêm a voz de comando e em especial, nós cristãos, que cremos, aceitamos e provamos no dia a dia, o amor de Deus, provado a nós pela entrega de seu unigênito filhos Jesus, para nossa redenção. Nós temos uma força muito maior porque temos fé e a Palavra de Deus nos diz “O justo viverá da fé” (Romanos 1:17). Esta palavra tem um profundo fundamento, pois pela fé determinamos vencer; venceremos o que quer que nos esteja desafiando; sejam provações de ordem financeira, ou de ordem moral, ou enfermidades, ou medos da velhice, da morte, etc. Daí a necessidade de alimentarmos o nosso espírito com o alimento espiritual, a oração, o contato diário com Deus que é fonte de força, de energia! A leitura da Sua Palavra que nos aviva as experiências de servos do passado, que venceram batalhas, tentações, prisões, artimanhas do diabo e até a morte. Venceram firmados em Deus e nas suas gloriosas promessas da salvação por meio de Cristo Jesus!

A fé mantem a energia espiritual, e se o espírito esta forte, todo o corpo é saudável!

Epístola aos Hebreus 11:1: “Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não veem”.

“O que habita no esconderijo do altíssimo à sombra do onipotente descansará”. (Salmo 91:1).

O mundo vive o medo, a apreensão, o temor. Os ricos temem a perda dos seus bens, a inflação que corrói o seu dinheiro. Os sistemas são falsos, são falhos! Quanto mais bens e dinheiro se possuem, mais medo de perdê-los. Os mais pobres vivem aflição, a impotência diante de circunstâncias desumanas que lhes impedem de gozar, de proporcionar às suas famílias um modo de vida decente e com algum conforto. Diante de tudo isso que é a realidade do momento que vivemos, nós encontramos, na Palavra de Deus, a experiência do salmista para uma vida sem medo e nos sentirmos seguros. Habitar no esconderijo do Altíssimo vale dizer: escondemos-nos sob a proteção de Deus, Pai e Criador – Ali estaremos a salvo, protegidos pela sua graça, descansando à sombra do Onipotente. É o nosso Pai!

Esse exemplo de vida de nossa amiga e irmã em Cristo Da. Nair nos incentiva e nos desafia a sermos servos fieis para proclamarmos as boas novas de salvação e de vida eterna através do sangue remidor de Jesus. Incluir, aqui, esse texto que nos foi cedido pela nossa irmã enriqueceu este modesto trabalho. Que isso não fique simplesmente como teoria e sim que apliquemos em nossas vidas esse conteúdo precioso!

O Amor como raiz da vida

Realmente, o amor que nos alimenta enraizou-se em uma profundidade onde busca os veios da água mais cristalina, para lavar as nossas mágoas, alicerçar a nossa união, nos propiciando o caminhar tranquilo rumo ao sentimento maior.

Lutas enfrentamos, outras virão, com certeza, tentando dirimir dúvidas, lastrear o nosso relacionamento com atitudes maduras que se esperam de pessoas equilibradas.

Qual a intensidade do sentimento que nos acompanha? Não desejamos sair do procedimento natural e enveredarmo-nos pela paixão que poderá se apagar com o tempo; desejamos, sim, construir algo sólido que permeará o nosso tempo, não importando se longo ou breve. O que importa é cultivarmos isso que se passa em nossos corações com a maior dedicação possível, tal qual o agricultor que se sacrifica para que o seu produto seja perfeito, tal qual o jardineiro que cuida da planta para receber a alegria de contemplar as flores e aspirar ao seu perfume.

Essa ansiedade que toma conta de todo o nosso ser, comprova, a nós mesmo, o valor que devotamos a quem amamos, e ficamos pesarosos porque temos a certeza de não podermos expressar com toda a verdade o que se passa em nosso íntimo, afogados que estamos nesse sentimento de paz e tranquilidade que se pode chamar de amor, ou de felicidade, ou ainda mil denominações que são proclamadas pelo mundo e que se concretiza em nós, pela presença de alguém que escolhemos como parceiro/a de nossa caminhada. Mesmo que sejamos incapazes de exteriorizar o que acontece em nosso interior, sabemos que é uma tempestade de emoções, de desejos, de carinho, de cumplicidade, que se quisermos, poderá representar o nosso futuro. Eu quero!

Encontro Feliz

Olhos cor de mel refletindo suave luz

Lábios de cereja que convidam a beijar

É a musa que promete muitas prendas

Para quem amá-la desejar.

Promessas perenes se oferecem

Um amor intenso a caminhar,

Juntando vidas que prometem

Vencer distâncias para amar.

Olhando longos caminhos,

Que se estendem e prometem

Na busca do amor maduro

Sonho realizado em plenitude,

Em encontro inusitado

Juntando o prazer e a virtude.

Escola da vida

Nossa vida é uma eterna aprendizagem e se soubermos analisar os fatos ocorridos desvendaremos segredos que nos são encobertos.

Possuímos no decorrer da existência, uma infinidade de relacionamentos, uns positivos, outros negativos e outros que não nos marcaram porque sem expressão.

O primeiro problema que enfrentamos é o de selecionar quais relacionamentos foram negativos ou positivos, pois a nossa mente nos engana, visto que depois de passado algum tempo as lembranças nos levam à uma análise equivocada. Esquecemo-nos do que, na ocasião, nos causaram alegrias ou desgostos, e acabamos qualificando como positivos aqueles relacionamentos que, na época nos magoaram, porque prevalece o sentimento que possuíamos na ocasião que perdoava as afrontas recebidas. Igualmente nos esquecemos de momentos esplendidos que vivemos porque a decepção de sermos abandonados em nossas expectativas nos machucou.

Se soubermos nos reportar a tudo que vivemos na companhia de diversas pessoas poderemos perceber o que significa o relacionamento que desenvolvemos no momento.

Eu tenho um pensamento consolidado por uma análise profunda de tudo que vivi e chego à conclusão de que se os relacionamentos anteriores não sobreviveram é porque não eram perfeitos, portanto o que tenho de fazer será esquecê-los, pois o melhor momento para nós sempre é o que estamos vivendo no presente. Não tenho de endeusar ou condenar o passado, simplesmente terei de esquecer e viver o prazer do que está cheio o meu coração; viver na plenitude da felicidade, se de fato estou contente com tudo que estou vivendo. Entretanto sabemos que as coisas nunca são completamente perfeitas, pois somos seres imperfeitos, o que nos obriga a sermos condescendentes, pois também teremos de contar com a benevolência de nosso companheiro/a.

No atual momento temos convicção de que amamos profundamente o/a nosso/a companheiro/a? Mesmo que não tenhamos nenhum reparo a fazer, se realmente nos sentimos amados e amamos a pessoa que se encontra ao nosso lado, somos pessoas felizes. Entretanto quanto mais adiantados em idade carregamos uma maior carga de lembranças do passado e isso poderá nos levar a um desentendimento que cortará a oportunidade de nos adaptarmos um ao outro, o que poderá conduzir a uma separação que nos machucará mais um pouco, deixando cicatrizes que serão marcas de nossas desventuras.

Como garantir que o nosso relacionamento seja sincero e não abrigue interesses escusos? Não somos capazes de fazer essa análise, mas se existir qualquer sentimento que não seja de amor perdão, companheirismo e desprendimento jamais conseguiremos conservar isso que no momento supostamente nos faria felizes. Mas, não deveremos nos lamentar visto que a vida continua e embora conservemos as marcas da desilusão, sobreviremos para que continuemos a desenvolver o nosso aprendizado desse complexo que é o ser humano.

Que pena que tudo, de repente, poderá acabar!

O DIREITO DE ENVELHECER EM SEGURANÇA

Estive lendo vários artigos que falam do direito de crescer em segurança, mas bem poucos os que falam da envelhecer com segurança, a não ser algumas observações teóricas. Entretanto as estimativas apontam para uma população de mais de 63 milhões de idosos em nosso país, em futuro próximo. Essa é uma condição que obriga o poder público, e também a iniciativa privada, a promoverem estudos sérios para amparar essa população que se encontra e estará completamente abandonada.

Em primeiro lugar deveremos pensar qual a maneira adequada para proteger esse contingente que, embora vejam arrefecidas a sua força de trabalho, apesar de assistirem o declínio de sua sexualidade, ainda possuem uma alma, um coração e sentimentos que se não cuidados poderão leva-los à depressão tornando-se um peso para a sociedade e para a família. À sociedade se impõe o dever de rever os meios que estão destinando-se para que as pessoas de idade avançada recebam a assistência necessária, tanto no aspecto da saúde como da alimentação que se não forem adequados depauperarão mais essas pessoas desgastadas pelos anos, mas que em sua vida ativa doaram a sua força para o progresso da nação. Mas são na família que estão depositados os meios mais eficazes para que aqueles que deram a sua vida para a sua evolução, permaneçam amparados no aspecto objetivo e subjetivo que é o mais importante para que possam sentir-se participantes e úteis, pela sabedoria que ainda podem reservar e que servirá de orientação para as novas gerações. O exemplo de caráter que ostentaram esses velhinhos servirá de antídoto contra o que se acredita atualmente ser o ideal na educação das novas gerações. Conservar os idosos permeando as decisões da família poderá evitar muitos desmandos, porque eles, durante a sua existência se pautaram por princípios sadios que infelizmente assistimos desaparecerem de nossos costumes.

E o que é necessário para que os idosos possam sentir-se como participantes da família? Bem pouco! A sua alimentação já é fugaz, porque o organismo já não obedece a um trabalho rápido; as suas vestes são modestas porque a sua vida restringe-se ao ambiente doméstico. Só uma coisa é necessária e fundamental, é a manifestação de amor e respeito; é agirmos como os orientais que primam pela proteção quer objetiva como subjetiva de seus anciãos, reservando-lhes os primeiros lugares. É amá-los como eles sempre nos amaram dedicando as suas vidas em nosso benefício. É premiá-los com um sorriso, com nosso afeto e com um abraço caloroso que faz tanto bem para o seu coração e a sua alma. Se assim procedermos podemos ter a certeza que a felicidade que lhes proporcionarmos eles a levarão para a eternidade e continuarão nos abençoando junto ao Pai.

O SEGREDO DO SUCESSO!

A aspiração máxima de todas as pessoas é vencer na vida, mas não param um momento para analisar o que leva as pessoas ao sucesso; se se dessem a esse trabalho descobririam os segredos que pode transportá-lo para uma vida cheia de acontecimentos alegres e felizes. Você já se imaginou conquistando uma posição em que o dinheiro não será mais uma preocupação em sua vida?

Eu me considero uma pessoa vencedora; alcancei um estágio onde pude parar e usufruir o que conquistei, e isso, também, é um segredo precioso.! E eu nem possuía ferramentas especiais que me garantiriam almejar essa situação.

Muitas pessoas que se julgam vencedoras em suas vidas aproveitam essa conquista para ficarem ricos de fato, não de conhecimentos e sim de acúmulo de bens materiais. Os detentores desse conhecimento se propõe ensinar o seu método seguro mediante o pagamento de uma pequena taxa, que multiplicada pelos interessados lhe garantirá arrecadar uma pequena fortuna, pois todos estão ansiosos para enriquecer e acreditam que essa conquista seja alguma mágica, ou uma “lâmpada maravilhosa”, cujo gênio poderá nos dar tudo em um abrir e fechar de olhos; mas não é o método correto embora seja fácil deverá exercer uma disciplina em todos aqueles que desejam alcançar os resultados, pois uma vez iniciado deverá ser usado o restante da vida, pois se abandonado poderá colocar tudo a perder.

Eu me proponho ensinar gratuitamente o método que foi usado por mim; você não precisará pagar nada e nem me pagar uma porcentagem de tudo que irá conquistar. Você apenas deverá fazer uma pequena coisa, será ler a minha autobiografia onde encontrará a receita apropriada. Mas vença o desejo de ir direto ao ponto, leia toda a história que se compõem de detalhes importantes Você só deverá compartilhar esta mensagem e procurar as respostas no livro “Memórias de Um Cidadão Comum” que poderá baixar gratuitamente do Recanto das Letras:

http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=46965

A principal herança que deixaremos!

"Antes de discutirem sobre a herança material que eu possa vir a deixar-lhes, meditem no que consegui transmitir-lhes quando juntos convivemos; se nada encontrarem, lutem entre si por seus direitos, porque de nada adiantou eu ter vivido".

Há tempos escrevi essa frase, mesmo não sabendo, ainda, o tempo que me restava, mas impulsionado pelo desejo ardente de deixar, aos meus filhos, algo mais do que bens materiais. O apóstolo Paulo nos ensina que os pais é que tem de acumular para os filhos e não o contrário (II Coríntios 12:14). Nem todos os pais podem deixar bens materiais para os filhos, mas podem deixar exemplos de honradez, humildade e amor que será um patrimônio muito maior do que todos os bens da terra. Ao receber essa apresentação do "Testemunho de Cristo" reflexionamos sobre o que estaremos deixando para os nossos filhos, nos perguntamos se o convívio que tivemos, mesmo enfrentando dificuldades, temperamentos diferentes no grupo familiar, puderam gravar coisas que realmente tem importância para as suas vidas. Se a resposta for positiva, então poderemos partir felizes porque era esse patrimônio que aspirávamos deixar, para que eles pudessem continuar a caminhada direcionados por um Deus que é de amor, de paz e de misericórdia e com certeza estará, também, legando-lhes recursos incalculáveis como essa herança que Cristo nos deixa, para, iluminados pelo Santo Espírito de Deus possamos chegar, um dia, a estarmos todos juntos no paraíso que o Mestre foi nos preparar.

Dinâmica realizada por minha esposa Cleusa

Atrevo-me a participar da dinâmica, mas, como sou esposo da Missionária o farei independente de concorrer ao prêmio final. Apenas me move a intensão de ser solidário com a iniciativa e a oportunidade de reflexionar sobre como cheguei a ser o que sou hoje.

Quando menino, certo dia, caminhando com minha mãe em direção ao seu trabalho (meu pai havia falecido e ela teve de trabalhar em casa de uma família conhecida para o nosso sustento), e ela me perguntou o que eu gostaria de ser. Eu prontamente respondi que desejava ser padre (porque pairava em minha mente certa confusão em razão de duas diretrizes em minha vida, meu pai era evangélico, nos levando consigo a igreja e minha, mãe sendo de origem católica nos forçava a ir à missa e outros eventos de sua religião). Mas, naquele momento, embora com uma nuvem toldando o meu entendimento, o meu alvo de admiração eram os ministros evangélicos que nos cultos pregavam sobre Jesus e a salvação através do Seu sangue.

O tempo passou, muitas coisas aconteceram para direcionar a minha vida e passei a frequentar a igreja católica, assistindo àqueles rituais que não me diziam nada, pois prevalecia a semente que havia recebido quando menino, podendo, até, apontar um texto como minha certidão de nascimento cristão ( Gênesis 46:18-30) pois meu primeiro nome era José e meu pai chamava-se Jacob; e aquele reencontro de José com seu pai afigurava-se para mim como o meu encontro com Deus).

Mas ainda teria de purificar o meu espírito e permaneci desviado, passando a procurar conhecer toda a literatura existente de religiões estranhas: espiritismo, ocultismo, filosofias e outras, e tudo isso me conduzindo a não ser nada.

Casando-me aos 19 anos voltei à igreja católica para realização do casamento, me afastando novamente e só voltando quando meus filhos cresceram e passaram a frequentar o catecismo; mas tudo aquilo não me dizia nada e a minha memória me levou a passar a consultar às escrituras e, depois de muitas dúvidas, em uma manhã, antes de ir para o trabalho li o Salmo 32 e quando cheguei ao versículo 9 o Espirito tomou conta de mim e passei a entender que a minha salvação não dependia apenas de eu ser uma boa pessoa e sim de eu aceitar a Jesus como meu Salvador e Senhor de minha vida, pois os méritos não seriam os meus e sim os méritos de Cristo que pagou pelos nossos pecados na cruz do calvário.

Dai em diante passei a estudar mais diligentemente a Palavra de Deus para qualificar-me a servir ao Senhor e procurar fazer diferença na vida de pessoas que cruzassem o meu caminho. Passei a desenvolver um trabalho de envio de mensagens, tendo me batizado e feito profissão de fé para ser um servo a serviço do Senhor. Embora tenha frequentado o seminário não me tornei pastor (nem padre), mas tenho dedicado a minha vida a levar às pessoas, tanto através de cartas, pessoalmente e através da Internet, a oportunidade de conhecer e meditar na Palavra de Deus, para que o Espírito Santo possa agir em suas vidas para transformá-las e salvá-las.

Aquele sonho de minha adolescência, a semente plantada por meu pai, frutificou me conduzindo ao privilégio de ser um servo do Senhor!

Hoje, volto o meu olhar ao passado e vejo os marcos da caminhada, primeiro como um livre pensador, mas que no transcorrer dos tempos foi sendo transformado até receber esse presente maravilhoso em minha vida que é poder ter a certeza de salvação e de vida eterna, porque os méritos estão alicerçados na obra salvadora de Jesus.

Hoje, casado em segundas núpcias, com a Missionária Cleusa de Souza Klein, gozo a realização do sonho de ser um elo que conduza as pessoas ao conhecimento do caminho da verdade e da vida, através de Jesus.

São Bernardo do Campo, 09 de Setembro de 2.011

O Poeta sofredor

Os poetas sofrem, parece que é uma condição necessária para que aflore a inspiração que irá emocionar as pessoas. Temos observado o trabalho de construção elaborado pelos grandes poetas e parece que todos eles guardam no peito uma frustração por não alcançarem a plenitude de tudo que constitui a sua criação. Será uma predestinação que acompanha essas pessoas que as impede de viver um amor correspondido?

A grande vilã dessa história é a solidão que nos rodeia encaminhando-nos para uma vida triste, sem o aconchego de um grande amor. Aos poetas é negado o privilégio de que alguém por eles se apaixonem. Mesmo que esse sentimento exista em seu interior e tente exteriorizar para atingir a pessoa amada, o desinteresse que recebem em troca os frustra e aniquila.

A solidão os apanha e deles faz o seu escravo, agredindo rudemente a sua sensibilidade, fazendo com que a alma chore pela perda do amor que seria toda a sua vida. Quantas vezes sentiram-se abandonado pela pessoa amada; pessoas que não possuíam a sensibilidade para perceber a dimensão do amor que eram alvo. Partem sem olhar para trás; ou afastam-se aos poucos, em uma demonstração de pena que dói ainda mais do que o abandono.

Olho para trás, e analiso a minha vida; quanto amore alimentei em meu coração e nenhum deles correspondeu à grandeza de meu sentimento, pois nunca pude sentir o interesse real que os amantes sentem de estar junto, de caminharem mirando os mesmos objetivos.

Triste sina do poeta que caminha pela vida, amando sem ser amado!

A perfeição da Criação

“Portanto deixará o varão o seu pai e sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e será ambos uma só carne (Gênesis 2:24)

Deus criou a mulher para complementar a sua obra, desde que o homem vivia solitário e o seu destino seria formar a família, através da qual operaria para o aperfeiçoamento do ser humano; dela nasceram a igreja, a sociedade para que o homem pudesse evoluir. Impossível nos será menosprezar o valor da família, pois é onde se desenvolvem os seres humanos para cumprirem o dever de adorar a Deus e aperfeiçoar o caráter dos cidadãos.

Infelizmente dentro da maioria de famílias, até daquelas que se dizem cristãs e tem conhecimento de que deverão “amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo com a si mesmo” (Mateus 22:37-40), se desentendem e causam a separação de membros da família para profundo desgosto de todos os seus participantes. Cabe-nos refletir sobre a oração que Jesus ensinou aos seus discípulos e conscientizar-nos de que perdoar é sublime e que só receberemos o perdão de nosso Pai se perdoarmos àqueles que nos ofenderam (Mateus 6:9-15). Sempre é mais fácil, ao ofendido, perdoar e restaurar o relacionamento para que haja paz na família.

Cumpramos sempre as recomendações exaradas da Palavra de Deus e a nossa vida passará por grandes transformações!

O meu desejo é que eu e você possamos ser pessoas melhores a cada dia, sendo instrumentos de Deus para aqueles que estão a nossa volta.

Procura


Tem um versículo da Palavra de Deus (Romanos 8:28) que diz: " Todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, aqueles que são chamados por seus decretos" É a providência de Deus!

O que procuramos? O que, realmente desejamos encontrar para que possamos nos realizar como pessoa humana? Muitas vezes olhamos para o espelho e ficamos contemplando a nossa imagem, como a desejar que ela nos fale, nos ensine o caminho da felicidade. Mas, não temos o poder de penetrarmos na imagem projetada porque nos parece sem vida. A imagem projetada no espelho não tem coração, e o que desejamos, realmente é ler o nosso próprio coração, no desejo de desvendar os segredos que ele encerra. Dependeríamos disso para olharmos firmemente para o futuro e enxergarmos o que nos acontecerá. Não temos esse poder e só nos resta a entrega total a Deus que é portador de todo o poder, de toda a sabedoria e pode nos apontar o nosso futuro. E enquanto não chegarmos lá festaremos na dependência do desconhecido, o que nos causa frustração e ansiedade. Sempre estaremos buscando, procurando coisas e sensações que poderão nos transformar em pessoas mais sábias. Uma das maneiras será nos enveredarmos para dentro de nós mesmo e sondarmos o nosso intelecto, tentando produzir algo que nos fale e aos que nos circundam. Daí nascerá a poesia, o transbordamento de nosso coração, de nossa alma, para que nos tornemos irmãos. Irmãos de sangue: "Somos irmãos de sangue. O sangue de Jesus circula em nossas almas e impulsiona os nossos corações". Esse encontro é que desejamos ter com você aqui, através das poesias de nossa preferência.

Reencontro

O expediente dos que se desencontram é lutar para que aconteça o reencontro, que será muito mais gratificante do que a primeira vez. Quando nos encontramos estávamos ainda nos apalpando psicológica e emocionalmente, para procurar conhecer um ao outro, visto que as personalidades, os caracteres são distintos e, na maioria das vezes nos assusta, por não sabermos o que encontraremos pela frente. Mas, os dias vão se sucedendo e, aos poucos, vamos conhecendo um ao outro, virtudes e defeitos que colocamos na balança para avaliar se existe um saldo positivo. O amor que encheu nosso coração vai perdoando as falhas, e vamos nos unindo mais a cada dia e conseguimos caminhar juntos, olhando os mesmos objetivos que nos levará à realização de um estado de felicidade, que, apesar dos contratemos que procuram nos cercear, permite que avancemos para comemorarmos a vitória do amor, da paz, do companheirismo que nos renova a cada dia para prosseguirmos em frente. Agora já vencemos a maior parte do caminho e vamos dele usufruir.

Solidão

Abro o computador e contemplo a sua foto e a angústia toma conta de meu coração, porque imagino a minha perda pela sua ausência, por esse vazio que toma conta do espaço exterior e interior!



A solidão nos remete ao passado, procurando momentos em que ela não se apresentou em nossa vida; ela sempre esteve presente, causando desconforto, nos fazendo infeliz. Porque a cultivamos se ela nos causa tanto mal? Não podemos nos desviar dessa prisão, como se estivéssemos condicionados a assim viver. Estamos em uma prisão imaginando que as pessoas que amamos estão do lado de fora. Teremos de cumprir a nossa pena para que possamos emergir da solitária que nos quebra a vontade. Mas como o conseguiremos se estamos condenados à prisão perpétua? Precisamos de alguém que nos auxilie a tentarmos essa fuga perigosa, quem, porém se atreveria a intervir no destino de pessoas a quem são indiferentes?

Só o amor poderia garantir o sucesso dessa fuga dos porões em que o solitário vive. O amor de Cristo nos oferece a paz e mesmo na solidão poderemos sentir a paz, paz da espera, paz que nos ajuda a caminhar para o fim, onde imaginamos que o nosso ser se verá livre dessa angústia que tem sido a vida.

Mas desejamos ser livres aqui e agora, e podermos contar com alguém que possa dispensar alguns pingos desse amor salvador? Será que encontraremos essa pessoa desprendida que se arriscaria a caminhar sofrendo a mesma angústia do solitário? Mas quando duas pessoas se juntam e estão dispostas a viverem juntas pelo restante de seus dias, já não haverá solidão, porque estarão confortando um ao outro, e poderão caminhar de mãos dadas rumo à realização de suas vidas.

Esse é o conforto que procuramos a presença da pessoa amada nos oferecendo o aconchego que consolidará o amor, a amizade e o companheirismo; é o abraço caloroso, o beijo doce, a troca de carinho que fará transbordar os corações, é o enlace que soldará as almas em um mesmo ser!

RELEMBRANDO

Comecei a aprender as primeiras letras, na Escola Particular São Francisco, da Professora Dona Carmelina Alvim, onde permaneci até terminar a 1ª série; passei, então, para uma escola bem em frente de casa, à Rua Voluntário Delmiro Sampaio, cuja Professora era uma neta de Adolpho Pinheiro, Dona Humbelina Pinheiro Foster (que depois seria a Senhora Edmundo Zenha). Para prover a escola essa professora recorreu ao Grupo Escolar Paulo Eiró, que tinha várias carteiras abandonadas em seu porão, que depois de reformadas deram um ambiente acolhedor ao local. Essas duas professoras começaram a plantar em nós, a esperança no futuro, e a vontade de vencer obstáculos para despontarmos para a vida.

Com o falecimento de meu pai, Jacob Klein, em 06 de Janeiro de 1.939, passaríamos, meu irmão, Waldemar Conceição Klein, e eu, a frequentar o Grupo Escolar Paulo Eiró, para terminar o que seria a quarta série do curso fundamental. Ali complementaríamos o que foi toda a nossa formação, porque embora olhássemos para o futuro, almejando evoluirmos, só nos restaria nos matricularmos na faculdade da adversidade para aprendermos com a vida.

Mas, ali estariam sendo plantados, em nós, exemplos de honra e dignidade, que nos acompanhariam pelo resto de nossos dias. Pena que não guardei os nomes completos daqueles professores que cuidavam de nós com um carinho extremado, preparando-nos para seguir aqueles exemplos por todo o nosso caminhar. No terceiro ano tivemos como professor o Sr. Antônio, competente, mas enérgico, que nos ensinou matemática, gramática, história, geografia, ciências, compondo ele mesmo os pontos que tínhamos de colher em seus ditados, para que praticássemos também a escrita. E quando falhávamos em algo, o castigo era receber um maço de papeis, para que os preenchêssemos de tabuadas; e se por acaso não cumpríamos o castigo, nos mandava escrever na lousa e ficava conosco, depois da aula, até completarmos nossa tarefa. Todos ficaram 10 em tabuadas. Com o licenciamento do Sr. Antônio, no meio do ano, passamos a receber aulas da Profa. Da. Ninom, que completaria o ensino para que passássemos para a quarta série. Na quarta série recebemos aulas, durante todo o ano de 1.940 do Professor Oswaldo que nos conduziu à suprema glória, em 1.940, de recebermos um diploma, único que conseguiríamos!

Tudo isso era supervisionado pelo Professor Renato Braga, que era o diretor do estabelecimento, auxiliado pelo secretário que era o Professor Pinna; e quem estava em contato conosco era o servente, Senhor Raphael.

Ali, no Grupo Escolar Paulo Eiró, convivemos com companheiros maravilhosos que, infelizmente estariam logo separados de nós, que buscamos cada um, os nossos destinos.

Nesses dois anos que permanecemos ali, assistimos muitos fatos, até pitorescos, que gostaria de contar.

Existiam no pátio da escola duas árvores de Cambuci, que são frutas muito usadas em refrescos e batidas e que tem o formato de um disco voador. No recreio o pátio da escola se transformava em uma praça de batalha, com os alunos arremessando aquelas frutas uns nos outros. O Sr. Renato, enérgico e disciplinador, sempre procurava conter o ímpeto das crianças apresentando-se no pátio; um dia, o entusiasmo era tamanho que ninguém percebeu a chegada do Diretor e continuou com a algazarra, culminando em acertar uma das frutas na nuca do referido senhor. Ele, que era uma pessoa sanguínea quase que foi acometido de um mal, e nunca se descobriu o autor daquilo, se por acaso ou proposital.

Outro caso pitoresco aconteceu na sala de aula; um primo meu, de apelido Nêne, aprontava as piores coisas para perturbar todo mundo. Um dia começou a fazer um zumbido com a boca zuuunnnn! O professor Oswaldo irritado não conseguia determinar quem estava fazendo aquilo; de repente entrou pela porta, atrás de nós, o Seu Renato, e, sem ninguém perceber procurou identificar o brincalhão. Havia na classe um aluno de cor de nome Eugênio, que era um santo, mas tinha os lábios um pouco protuberantes e foi identificado como sendo o perturbar, e recebeu um tapa na nuca que o fez beijar a carteira. E ninguém foi capaz de proferir uma palavra para acusar o verdadeiro brincalhão.

Agora, mais de sessenta anos depois é muito bom podermos olhar para o passado e relembrarmos tempos tão propícios em que a felicidade morava conosco porque não havia preocupação por nada; conseguimos visualizar todo o nosso caminhar, a responsabilidade que assumimos de formar uma família, vermos os filhos crescerem e conseguirem ser mais do que pudemos ser, ver os netos despontarem e crescerem lutando por seu lugar ao sol, e, agora mais uma geração surgindo com os nossos bisnetos.

Agradecemos a Deus, que dirigiu a nossa vida, protegendo-nos e capacitando-nos para as tarefas pelas quais nos incumbiu. Cumprimos o nosso dever?

Discipulado

Jesus nos ensinou o caminho que é o amor; será nos amando mutuamente que poderemos construir uma comunidade onde aprenderemos os passos do Mestre para estabelecermos uma comunhão verdadeira com o Pai.

Amarmos e vivermos como Jesus viveu, doando-se aos seus discípulos e a quantos tiveram a felicidade de conviver com os seus ensinos. O seu amor entretanto o levou a entregar a sua vida na cruz do calvário; o sangue que verteu na cruz nos redimiu de nossos pecados; o amor e essa alegria de doar a própria vida para as pessoas a quem se ama e que nos ensinos do Mestre é para que seja inclusive aos nossos inimigos..

O Apóstolo Paulo nos esclarece como deverá ser esse amor no texto de i Coríntios, capítulo 13.

Essa célula é que deverá ser criada no seio da igreja de Cristo, para desenvolver o discipulado, ensinando a cada participante a viverem como Jesus viveu. Cada pessoa deverá participar de um desses grupos que criará um ambiente de amor e confiança capaz de ajudar cada membro a ser desenvolvido até a estatura de Cristo.

“Porque os Homens São dependentes?”

Essa é uma questão de suma importância e gravidade, desde que levamos a vida inteira para procurar aperfeiçoar um relacionamento dentro do regime matrimonial. São pessoas com características completamente diferentes que se juntam para realizarem algo junto. HA a necessidade de muito desprendimento para que possam chegar ao fim da jornada e olhem para traz para contemplar algo que lhes dê satisfação e orgulho. Os que alcançam esse estágio sentem-se realizados pelo que puderam realizar.

Eu sempre me preocupei em melhorar esse relacionamento em que pese as diferenças em diversos aspectos que o casamento nos trouxe. Procurei observar as pessoas que nos circundavam, como agiam em resposta a determinados problemas; procurei ler muito a respeito; participei como consultor em um Site de “Matrimônio” (dessa participação escrevi três livros) para me apropriar de conhecimentos que me oferecessem soluções para os conflitos familiares. Mas por mais que estudemos o relacionamento de cada um é especial e diferente, é preciso que se adapte às circunstâncias, cada caso.

Mas a tentativa vale a pena, quando chegamos ao fim da jornada, olhamos para traz e podemos contemplar uma família, mais ou menos estruturada.

Que esta comunidade possa incentivar os casais a se dedicarem ao aperfeiçoamento no relacionamento porque isso pode nos tornar feliz!

Homem X Mulher

Deus, quando criou o ser humano o constituiu de duas partes para que houvesse uma complementação, homem e mulher; nenhuma das partes é superior ou inferior à outra e sim se completam, porque possuem características diferentes, desenvolvendo funções apropriadas a cada sexo. Podemos ver nisso a sabedoria de Deus que construiu entidades perfeitas. Quem pode dissecar apropriadamente o cérebro humano? Mas mesmo que isso fosse feito restaria descobrir nuanças subjetivas que complementam o seu funcionamento. O homem construiu o computador imitando o cérebro e esse invento realiza muitas funções, mas jamais será aperfeiçoado para substituir ao homem ou à mulher que só entre si se completam.

As próprias características e funções específicas de homem e mulher estabelecem a necessidade de um intercâmbio para que se complementem todas as suas necessidades. Para isso Deus criou os dois sexos para que se completassem; então o normal é que o relacionamento se dê mais apropriadamente entre representantes de sexos diferentes. O homem tem determinados talentos e o desenvolve para que a sua função seja realizada e a mulher da mesma maneira realiza ações que lhe são características.

O relacionamento de pessoas de sexos diferentes independente de suas funções biológicas facilita o entendimento. Dessa vivência é que nascerá o interesse de um para o outro e se estabelecerá a união que formará a família. De maneira que acredito muito mais em uma relação de amizade envolvendo os dois sexos do que do mesmo. A dúvida seria se essa amizade não despertaria desejos físicos que transformasse a amizade em amor; mas esse não é um perigo e sim um objetivo!

É o Homem Dependente?

Este tópico precisa ser criado para que nele seja discutida a razão da criação da comunidade. A pergunta é "Por que os homens são dependentes?" E cabe-nos apresentar argumentos prós e contra para respondermos a pergunta. O que é dependência; por que as pessoas são dependentes? Só o homem que depende ou isso não é uma questão de sexo e sim de características biológicas que envolvem as funções específicas de cada um? Do que depende o estado de dependência de um indivíduo?

Considero que o campo de discussão é muito amplo e teremos de recorrer a todos os conhecimentos acumulados para podermos, finalmente, responder a questão e estabelecermos se o homem é, realmente, dependente. Vamos às discussões e argumentos!

A comunidade discute a dependência ou não do homem; quando discutimos o homem temos de recorrer aos conhecimentos que nos foram legados através das Escrituras que nos dão conta da criação do homem, a sua queda e posterior contemplação de sua salvação através de Jesus; plano esse que foi idealizado por um ser supremo que possuía todo o conhecimento e sabia que o homem, por si só, não teria condições de ser redimido.

Olhamos a natureza e ficamos maravilhados com tamanha perfeição que só poderia ser obra de um ser supremo.

Em tudo que nos cerca percebemos a presença desse ser extraordinário misericordioso e amoroso que providencia todas as necessidades para os seres viventes.

Impossível é imaginar que tudo o que nos rodeia tenha sido apenas obra do acaso, razão porque podemos ter a certeza da existência de Deus.

Acredito que não é o sexo que determina a dependência das pessoas, assim tanto o homem como a mulher pode ser dependente. O que determina é o conteúdo e a capacidade de cada um. Mesmo que Deus haja criado o homem e a mulher com funções diferentes nada impede que os dois sexos desenvolvam todas as atividades que em nossa sociedade são determinados a só um. É justamente a incapacidade de desenvolver as funções necessárias à sua sobrevivência que torna as pessoas dependentes. A criança, enquanto não foi preparada para a vida deverá ser assistida pelos adultos cuja função principal será prepará-los para que estejam aptos a desenvolver todas as funções que lhe forem necessárias para que possa bastar-se a si mesma. O erro na educação dividindo determinadas funções como específicas ou do homem ou da mulher é que constituirá a falta de preparo para a vida. Por que a mulher não pode trabalhar fora do lar e vencer em uma carreira? Por que o homem não pode, também, desenvolver trabalhos domésticos para ajudar no cuidado da família? Aliás, uma família perfeita será a que ambos os parceiros estarão aptos a contribuir para tudo que seja necessário. Dois parceiros que chegarem a esse ponto de perfeição terão uma vida saudável, o que contribuirá também para a sua estabilidade emocional vivendo o amor no relacionamento.

PERCORRENDO O TEMPO

O tempo é um período de duração de qualquer evento; o evento vida humana é limitado, pois tem um termino na sua duração. O homem é limitado pelo tempo, enquanto Deus não tem nenhum limite para a sua existência, pois Ele é eterno; já existia antes de todas as coisas. Quando Ele Criou os céus e a terra e tudo o que neles há, foi iniciada a contagem do tempo para o ser humano. No princípio os homens viviam um longo período, Adão viveu novecentos e trinta anos (Gn.5:5) e o seu descendente Matuselá, que foi o homem mais velho de que se tem conhecimento, viveu novecentos e sessenta e nove anos (Gn.5:27).

Com a decadência do gênero humano Deus chamou a Noé, já com quinhentos anos e determinou que ele construísse um grande barco, porque Ele destruiria o mundo pelo dilúvio, e determinou que o homem não viveria mais de que cento e vinte anos (Gn.6:3). O último a viver cento e vinte anos foi Moisés (Deuteronômio 34:7). O próprio Moisés escreveu no Salmo 90:10: "A duração de nossa vida é de setenta anos, e se alguns, pela sua robustez, chegam a oitenta anos, o melhor deles é canseira e enfado, pois passa rapidamente e nós voamos."

De qualquer maneira, o importante, quer vivamos pouco ou muito, será o que fazemos nesse período que transcorre de nosso nascimento e morte física. O homem foi feito por Deus, do pó da terra, que soprou nele o espírito de vida, criando-lhe, logo depois, uma ajudadora à sua altura, para que ambos cumprissem uma missão; essa missão era povoar e encher a terra, ficando estabelecido, nesse momento, a constituição da família, que estruturada dentro dos parâmetros divinos serviria de base sólida para a formação de uma comunidade coesa (Gen:1:27;2:8-25).

Reconhecendo a benignidade de seu Criador ao homem caberia louva-Lo e glorifica-Lo pelas bênçãos da criação, obedecendo tudo aquilo que foi determinado na sua Palavra, através da inspiração do Espírito Santo junto aos profetas e discípulos de Jesus, além de tudo que o próprio Jesus ensinou. O homem desviou-se de sua finalidade e foi essa a principal causa da limitação do tempo de vida, que hoje alcança entre os setenta e oitenta anos na maioria das vezes; os que não obedecem a esse limite são apenas exceções à regra. È justamente por isso que o apóstolo Paulo adverte : "Portanto vede prudentemente como andais, não como néscios, mas como sábios, remindo o tempo; porquanto os dias são maus. (Efésios 5:14,15).

O que o homem tem feito com o seu tempo nos dias de hoje? Se envolvido em todo tipo de corrupção: "prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus.

Mas o fruto do espírito é: amor,, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança. Contra “estas coisas não há lei; e os que são de Cristo crucificaram a carne com as paixões e concupiscências.” (Efésios 5:19-24).

Quando assistimos o desmoronamento das famílias que é pregado livremente pelos meios de comunicação, podemos localizar qual é a causa da proliferação da violência, do uso de drogas de toda a espécie, que defrauda as consciências, transformando seres humanos em retalhos de gente, que dificilmente conseguem a recuperação, para voltarem a ser pessoas normais, visto que sempre carregarão, pelo restante de seus dias, os traumas sofridos.

É preciso, é imprescindível, a volta para Deus, procurando na sua Palavra os caminhos que poderão transformar àqueles que se conformarem com os preceitos ali ensinado para que o homem alcançasse a felicidade. Nunca é tarde para que façamos uma reversão, uma conversão em nossa vida, para que encontremos um caminho mais ameno para nós e para as pessoas a quem amamos. Mesmo que não tenhamos, ainda, sido atingidos pelo flagelo, que cada vez ronda mais de perto os nossos lares, teremos que nos precaver, dando uma orientação sadia para os nossos filhos e netos. Deus, depois de passar as instruções ao seu servo Moisés, lhe disse: “E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração; e as intimarás a teus filhos, e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te”. Também as atarás por sinal na tua mão e te serão por testeira entre os teus olhos. E as escreverás nos umbrais de tua casa e nas tuas portas. (Deuteronômio 5:1- 6:9).

Meu amigo, meu irmão, como você tem usado o seu tempo? Tem seguido os ensinamentos de Deus que foram dados através dos profetas e do seu filho Jesus Cristo? Ou você tem tomado todo o tempo de sua vida para gozar os prazeres da carne, sem lembrar-se que existe um Deus misericordioso que por tanto amar a humanidade deu o seu filho unigênito Jesus, para que ele fosse moído para pagamento de nossos pecados?(Isaias 53:1-12)

A Palavra de Deus nos Diz: "Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna (é uma afirmação) e não entrará em condenação , mas passou da morte para a vida. (João 5:24)

"E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos." (Atos 4:12)

"Eu sou o caminho a verdade e a vida, ninguém vem ao Pai, senão por mim." (João 14:6)

Você tem a opção de viver ou morrer espiritualmente; a morte física é certa para todos nós, mas quanto ao espírito, Deus preparou um plano maravilhoso para que através dele pudéssemos gozar da salvação e da vida eterna: "Veio para o que era seu, e os seus não o receberam. Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus; aos que creem no seu nome." (João 1:11,12).

Receba a Jesus, agora, em seu coração: "Eis que estou à porta, e bato: se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa (no coração), e com ele cearei e ele comigo. (Apocalipse 3:20).

Venha para Jesus e transforme a sua vida e a daqueles a quem você ama!

O P O E T A É . . .

A poesia, sendo a forma de expressão da emoção, é propriamente a exteriorização do ser, da alma do poeta. Essa exteriorização se expressa por símbolos próprios que carecem de interpretação; esses símbolos representam sentimentos e aspirações secretas que muitas vezes nem são do conhecimento de quem os exterioriza.

Ao analisarmos a obra de um poeta poderemos conhecer-lhe pormenorizadamente a alma. Trata-se de uma verdadeira projeção da personalidade, expressada por símbolos.

Sendo a expressão exterior do eu, é compreensível que a poesia seja incompreendida por aqueles que não possuem afinidade com o poeta, subjetivamente, para colher, nos espaços vazios, o que ele falou sem dizer que, aliás, é a parte fundamental da obra.

É necessário que haja uma sintonia subjetiva do leitor com o poeta, fruto de uma vivência existencial, aqui ou algures, que os terá capacitado a um diálogo através do silêncio que ecoa nas entrelinhas.

O poeta é, ao mesmo tempo, o mais feliz dos mortais e o mais deserdado da sorte.

A poesia é ficção e propicia ao poeta criar o sonho e a fantasia; ele ama e faz-se amado na subjetividade da sua criação. Projetando-se em seus personagens, vive a sua existência imune à rejeição. Ao mesmo tempo sente-se impotente diante da impossibilidade de transpor o seu sonho para a realidade.

Não existe nada mais fascinante do que o sonho, pois ele encaminha-se de acordo com as nossas aspirações; neles nós amamos e, melhor do que isso, fazemo-nos amar, fazendo abstração da realidade, que quando nos faz voltar a ela nos trás a frustração.

Quando nos deparamos com essas alternativas: viver o sonho que nunca poderá ser transposto para a realidade ou simplesmente viver a realidade sem direito ao sonho, cremos ser a primeira a mais gratificante. Quando simplesmente vivemos a realidade ela amarga-nos a vida de tal maneira que retira-nos as alegrias que poderiam ser criadas; quando vivemos o sonho ele condiciona-nos a vencer todas as dificuldades.

De maneira que o potencial de sonho que o poeta possui qualifica-o a transmitir amor e paz, transformando-se, nesse contexto, no mais feliz dos mortais.

Visualizando o futuro

Daqui a alguns anos, quando eu já houver despido a roupa usada e gasta pelo tempo, que visto hoje; quando o meu espírito houver alçado vôo e pairar, livre, nas regiões do sonho; quando for uma doce lembrança nos corações transbordantes de amor, então. . .

Então, talvez, alguém, ao remexer em antigos guardados, encontrará um velho retrato e dirá: “este é meu avô (ou bisavô) a quem eu não conheci”. Porque uma fotografia é o instantâneo de um momento, que embora muito sugestiva, é a revelação do exterior e não revela o que é o verdadeiro homem interior.

Precisaríamos fotografar a alma! Um instantâneo que a surpreendesse em um momento precioso em que derramasse o seu conteúdo e revelasse toda a potencialidade do seu ser. Esses momentos de emoção realmente existem e, se gravados, poderiam apresentar-se como a verdadeira fotografia da alma e quem a contemplasse poderia conhecer, profundamente, esse ser “fotografado”, mesmo que decorridos muitos anos.

Isso é o que eu ofereço a vocês, aos seus filhos e aos filhos dos seus filhos. Para que, na visão de vibrações cósmicas, possam ter uma pálida lembrança de um místico ancestral.

Que esse derramar abundante do meu ser, em momentos muito especiais de minha vida, possam propiciar; a quem os ler, a oportunidade e a inspiração para perceberem, nas entrelinhas, os fundamentos da vida, que é sonho e fantasia, mas é, também, realidade.

Que Deus nos ajude, sempre, a sabermos dosar, em nossas vidas, o sonho, a fantasia e a realidade, para que encontremos a medida certa e ideal que nos garantirá a felicidade e a daqueles que são de nós dependentes.

Por que a solidão?

O que leva as pessoas se sentirem sozinhas?

A solidão geralmente atinge pessoas que realmente estão sozinhas e almejam o encontro de alguém que possa preencher o vazio existencial. Mas, e quando não estão sozinhas e sentem a falta de outras pessoas, mesmo que tenha uma companhia presente?

Isso só nos leva a pensar que a companhia existente não é suficiente, por não existir um sentimento verdadeiro alimentando a relação.

Constatarmos uma situação dessas é sumamente decepcionante, pois nos remete ao sentimento de uma pessoa indesejada.

Por que ocorre isso, estabelecendo a vontade de busca de alguém que crie um sentimento de amor e compreensão?

Precisamos nos aprofundar para dentro de nós mesmo para sondar as nossas atitudes, para descobrir porque levamos alguém a sentir-se sozinho quando em nossa companhia. Seria necessário penetrar no íntimo da outra pessoa para descobrir a causa desse sentimento de solidão quando em nossa companhia.

Na verdade temos consciência que somos pessoas imperfeitas, mas o nosso objetivo sincero é proporcionar bem estar a quem se encontra em nossa companhia; por que isso não acontece?

Acreditamos que as pessoas só se sentem felizes quando encontram algo de valor na relação; na verdade isso acontece quando possuem, dentro de si, um sentimento de amor e companheirismo que nem sempre existe, embora as pessoas estejam acomodadas em uma situação à qual não lhes interessa abandonar. Entretanto, por mais que seja vantajosa uma situação não paga a frustração de sentir-se sozinha nessa companhia.

Por que, então continuam juntas, sofrendo a dor do abandono das pessoas a quem amam verdadeiramente?

É necessário romper com essa situação porque não é legal que alguém continue na companhia de quem não preenche as suas necessidades emocionais. É preciso coragem para procurar o verdadeiro caminho que poderá leva-la à construção da felicidade, uma situação em que se sinta na companhia de pessoas a quem ama verdadeiramente. Isso não é só uma necessidade e sim também uma obrigação, visto que a continuidade dessa situação estaria machucando a ambos.

Coloquemos o nosso intelecto a funcionar para agirmos racionalmente e constituamos o nosso grupo no conjunto das pessoas que nos fazem bem!

É interessante que quando existe uma situação dessa natureza, mesmo que a pessoas que está se sentindo infeliz na companhia do outro, inconscientemente se revela através de afirmações que desvendam a sua real situação! Por que não enfrentar a situação como pessoas adultas discutindo a questão e abrindo a oportunidade de realizar o desejo que subjaz no inconsciente?

Esse é o caminho racional que as pessoas deverão seguir para que tal situação não perdure, fazendo as pessoas infelizes!

Caminhar Pela Vida

Caminhar pela vida é tão ou mais difícil do que percorrer deserto e matas inóspitas; precisamos muitas vezes nos violentar para satisfazer a vontade dos egoístas!

O que é a vida para cada um de nós? Caminhamos e evoluímos objetivando alcançar algo diferente que transforme a nossa vida; esse algo é o amor em nossas vidas, sem o qual não conseguimos alcançar a plenitude do ser para sentirmo-nos realizados. E essa busca é infrutífera porque as pessoas agem de acordo com os seus próprios interesses materiais; o sentimento não conta porque é algo subjetivo que não aumenta a nossa conta bancária, com ele não conseguimos nos entregar ao consumismo de coisas que nem temos necessidade. Entretanto é a parte principal de toda a existência! Sentimento de amor, amizade, companheirismo, cumplicidade, que no transcorrer dos tempos irão consolidando o nosso caráter para que façamos parte de uma sociedade comprometida com o bem estar dos cidadãos.

Somos seres especiais e autônomos que deseja romper barreiras e construir nosso próprio caminho, um caminho que através do amor nos alcance a felicidade. Não podemos buscar a felicidade como um objetivo porque ela também não é material; podemos apenas senti-la como uma sensação de plenitude que toma conta de nós em determinadas circunstâncias.

Como e onde encontrarmos esses parceiros: amor e felicidade que efetuariam a transformação que almejamos? Como aferir o grau de envolvimento entre duas pessoas que se procuram?

Somos carentes e necessitamos do amor, da compreensão e isso só pode ser obtido através de alguém especial que introduzimos em nosso coração para demarcá-lo como propriedade privada. Aí passamos a ficar dependentes dessa imagem interiorizada para que o sentimento nasça e tome conta de todo o espaço.

Encontramos as pessoas que sensibilizam o nosso coração e dentre elas estará aquela que poderá nos fazer feliz; exercitamos o relacionamento sem saber se a nossa perspectiva se confirmará; muitos contratempos, desentendimentos até que comece a surgir a confiança, fator fundamental para que estabeleça-se a sintonia, o que o vulgo chama de “química” Se a química for favorável estaremos no caminho certo para investirmos objetivando o alcance da consolidação da relação: namoro, noivado, casamento, filhos chegando, ou não. Para que se estabeleça a confiança mútua e comece a ser construída a família que dará origem à sociedade

Reversão


Já escrevi, algures, que o tempo nos faz modificar as nossas opiniões através de uma reformulação de tudo aquilo em que acreditávamos; isso não indica uma falta de caráter e sim que o amadurecimento que a vida nos proporcionou nos deu mais sabedoria para analisarmos com maior propriedade tudo aquilo que pensávamos e até o que escrevemos. Pensando nisso já tive o desejo de analisar tudo que escrevi para uma verificação se tudo está de acordo com o que acredito agora. Pensava em destruir muita coisa que não se coadunasse com o momento que vivo presentemente. Pensando melhor resolvi não mexer em nada do que escrevi, pois a leitura, por alguém, das coisas que acreditava e que posteriormente deixei de fazê-lo, poderá proporcionar uma análise de quem fui eu, quais foram os momentos especiais de minha vida e, principalmente, as mudanças que se operaram à medida que o meu espírito amadurecia.

Passei por muitas fases em que acreditava em ocultismo, em espiritismo e isso talvez fosse fruto de minha primeira infância quando tive contato com minhas avós paterna e materna, pois a primeira, sendo índia ocupava-se em fazer curas através de rezas e simpatias e a segunda que tinha origem africana sempre nos contava que sua mãe dançava sobre braseiros sem jamais se queimar; tudo isso me encaminhou para procurar conhecer os mistérios ocultos, tendo lido muitos livros que tratavam do assunto, tendo, na ocasião formado uma biblioteca de livros da editora "O Pensamento" ; talvez, também, tenha sido fruto de minha instabilidade religiosa pois meus pais professavam credos diferentes; enquanto minha mãe era católica (embora não praticante), meu pai era da Igreja Adventista do Sétimo Dia estudando a Bíblia; se bem que na verdade a Bíblia é o livro sagrado de todas as religiões cristãs, inclusive a católica, embora no meu tempo de criança quem estudava a Bíblia eram apenas os "crentes no Senhor Jesus Cristo". O certo é que fui emitindo opiniões à medida que me inteirava de supostos conhecimentos ocultos os quais, também, se enraizaram no meu subconsciente.

Creio que somente comecei a inteirar-me da verdade a partir do momento, 1973, em que passei a estudar a Bíblia com maior seriedade (antes eu lia e até fizera alguns cursos por correspondência) o que me inteirou do plano de salvação que foi preparado por Deus e que é indicado através de todo o Antigo Testamento apontando para uma pessoa que cumpriria uma missão que foi concretizada no Novo Testamento na pessoa de Jesus Cristo ( estima-se que existam mais de trezentas indicações, no Antigo Testamento, que cumpriram-se na pessoa de Jesus) o que nos garante que Ele é a pessoa ungida por Deus para que realizasse a obra de redenção da humanidade.

Como escrevi em minha autobiografia, não foi fácil chegar ao conhecimento da verdade, visto que me julgava sem as qualificações e pureza necessárias para fazer jus à salvação e à vida eterna. Acreditava que necessitaria do meu próprio esforço para poder alcançar a graça salvadora, quando na verdade Deus já havia providenciado tudo através da morte expiatória do seu filho unigênito. Quando compreendi o plano de salvação percebi que andara enganado e que havia apenas um caminho para alcançar ao Pai, era através da ponte que Ele mesmo construiu na pessoa de Jesus. Era só aceitar o sacrifício de Jesus. Daí em diante me transformei, de uma criatura, a filho de Deus, adotado pela intermediação de Jesus. Sei que ainda sou um pecador e que terei de caminhar nos caminhos do Senhor, obedecendo à sua Palavra para que chegue à plenitude que só acontecerá no futuro; hoje sou um pecador arrependido que teve os seus pecados passados, presentes e futuros, cobertos pelo sangue do cordeiro, e embora imperfeito, ainda, posso contar como certa a minha salvação que me foi doada por Deus pelo sacrifício do seu filho.

Hoje, quando as pessoas lerem tudo que escrevi poderão encontrar, até, algumas contradições mas o estágio que cheguei passou por tudo aquilo que eu acreditava e culminou a me levar a acreditar na verdade absoluta que é Deus e o seu maravilhoso plano de salvação que é para toda a humanidade.

Invasão


A nossa felicidade seria podermos olhar para dentro das pessoas para sondar o seu sentimento real. O amor é uma dádiva de Deus para brindar a humanidade. Infelizmente nem todas as pessoas tem essa capacidade de amar despreendidamente, se doando à pessoa amada; e é isso que precisa acontecer para que dois seres se juntem e construam uma vida juntos. Infelizmente existe um desencontro muito grande e os sentimentos ficam perdidos, as pessoas não encontram as suas afinidades e caminham pela vida insatisfeita. Um grande amor transborda de nosso coração e não encontramos a pessoa que construiria conosco uma vida a dois. Graças a isso uma infinidade de pessoas se encontra infelizes. Mas, a solução da dificuldade não é fácil, visto que para que aja esse encontro será necessário que haja mutualidade, sem a qual ninguém será feliz. Porém, um dia isso terá de acontecer e as pessoas que se procuram estarão se encontrando para serem felizes além da eternidade. Porque Deus nos fez para sermos felizes e assim nos criou aos pares, para que em um determinado momento encontremos aquela/e que foi destinado para juntar-se a nós. Enquanto esse momento não chegue, sejamos solidários e distribuamos todo o nosso amor às pessoas que nos cercam!

Nossa dívida!

A maioria de nós sempre tem algumas queixas a fazer, quer quanto ao salário, sobre a qualidade de nossa moradia; a assistência médica, a segurança e tantas outras coisas. Não nos damos conta das facilidades que estão ao nosso dispor tanto em nosso lar como por onde temos de transitar todos os dias.

Hoje contamos com um transporte coletivo, e muitos de nós temos carro próprio; quando as distâncias são mais longas podemos contar com o avião que nos transporta com uma rapidez incrível (em que pese o preço que às vezes é proibitivo).

No lar podemos contar com inúmeros aparelhos elétricos e eletrônicos que facilitam a nossa vida.

O pagamento de nosso salário é feito através da rede bancária e só temos o trabalho de gastar (contanto que seja coerentemente).

Entretanto, todo esse patrimônio que podemos contar para o nosso deleite constitui uma dívida que nos será impossível pagar algum dia.

O que temos de nós é apenas o nosso princípio, quando vivíamos junto à natureza, sem noção da realidade, colhendo frutos para saciar a nossa fome, satisfazendo o desejo sexual agressivamente sem nos preocuparmos na formação da família. O restante que hoje podemos contar foram conquistas alcançadas graças à disposição de pessoas que sacrificaram as suas vidas para buscarem dentro de si e através da observação da natureza, para que aflorassem as ideias e dessas frutificassem o desenvolvimento, para que paulatinamente o nosso tipo de vida melhorasse. Assim devemos aos homens que graças à sua tenacidade, sofrendo represálias foram descobrindo novos métodos de desenvolvimento, dando lugar às descobertas científicas, ao desenvolvimento do comércio e da indústria através de novas tecnologias, e o próprio desenvolvimento social que trouxe o homem, das cavernas para civilização.

Todo esse patrimônio, construído em todos os séculos que nos precederam, e que se encontra ao nosso dispor, constitui a nossa dívida aos nossos antepassados de todas as classes sociais.

Tenhamos sempre isso em mente e agradeçamos a Deus, em primeiro lugar, que inspirou pessoas a descobrirem caminhos para o desenvolvimento, e a esses desbravadores cujo trabalho nos garante conforto, paz e tranquilidade!

Uma experiência positiva!

“Qualquer que vem a mim e ouve as minhas palavras, e as observa, eu vos mostrarei a quem é semelhante. É semelhante ao homem que edificou a sua casa, e cavou, e abriu bem fundo e colocou o alicerce sobre a rocha; e vindo a enchente, bateu com ímpeto a corrente naquela casa, e não a pode abalar, porque estava fundada sobre rocha. Mas o que ouve e não pratica é semelhante ao homem que edificou uma casa sobre terra, sem alicerces, na qual bateu com í9mpeto a corrente, e logo caiu; e foi grande a sua ruina” (Lucas 6:48,49).

Considero que a responsabilidade pelo serviço cristão não se prende aos pastores e mestres e sim a todos os que foram tocados pelo Espírito Santo e entregaram as suas vidas a Jesus. Graças a essa atitude tomaram posse da vida eterna através do filho de Deus e assumiram o compromisso de transmitir as boas novas de salvação e de vida eterna a todos que cruzarem os seus caminhos.

Graças a isso é que o Espírito Santo nos ilumina para que estejamos atentos às necessidades da igreja que participamos, a fim de contribuirmos não só com nossos dízimos e ofertas, mas também com as ideias destinadas á expansão do evangelho, para que cada dia mais pessoas possam ser alcançadas.

Uma das observações que temos feito é que, um maior número de pessoas, encontram a oportunidade de contato com as verdades do evangelho em uma igreja pequena do que em uma grande organização, onde praticamente não sentem-se participantes. Essa é a razão porque as igrejas devem gerar novas igrejas para que em outros lugares alcancem os habitantes de sua redondeza e se constituam também em outras igrejas. Essa multiplicação é bastante salutar e deverá ser implementada pelas lideranças para maior alcance do evangelho.

O uso de células, ou pequenos grupos, que criam a possibilidade de reunir a vizinhança para se conhecerem e estudar a Palavra de Deus tem dado origem ao crescimento de igrejas. Mesmo porque antes de termos a oportunidade de proclamar as boas novas temos de receber a permissão para sermos ouvidos, e isso só acontecerá se antes de tudo nos fizermos amigos das pessoas, notadamente os nossos vizinhos, amigos e companheiros de trabalho ou escola.

Uma experiência bastante positiva é o que foi feita na cidade de Curitiba pela Igreja Batista Curitibana. Eles dividiram as pessoas por região e constituíram agrupamentos dos moradores de cada bairro, coordenados por um líder para se reuniam em um dia da semana, favorável a todos os participantes, na casa de um deles, alternadamente. Sendo todos moradores no bairro onde se realizavam as reuniões havia a facilidade de convidar e levar os vizinhos que passando a conhecer às pessoas do grupo e instruídas nos ensinos bíblicos se integravam à igreja. Isso os liberava, inclusive, para dedicarem o seu tempo com a família no final de semana, dirigindo-se apenas uma vez à igreja para o culto.

Quando participei da Igreja Batista Bíblica, apreciei o costume que lá havia, pois cada família que se mudava de endereço era incentivada a iniciar um trabalho em sua casa, convidando as pessoas da vizinhança para participarem de estudos bíblicos; dessa prática nasciam outras igrejas. Quando participei da diretoria, no cargo de Tesoureiro, criamos um fundo especial de 10% da arrecadação da igreja para compra de terrenos e construção de igrejas, para dar apoio a essas novas unidades. Assim elas tinham a possibilidade de, em instalações próprias, passarem a ser novas igreja, independentes; além desses dez por cento, juntava-se a esse fundo doações espontâneas daqueles que tivesse desejo e capacidade para fazê-lo. Era preciso que se fizesse isso porque por si só as congregações não teriam a capacidade de alcançarem a maioridade. Assim as igrejas se multiplicavam alcançando muitas pessoas e transformando muitas vidas. Durante o tempo que participamos daquela igreja tivemos a oportunidade e a alegria de vermos nascerem três igrejas: Diadema, Francisco Morato e Vila Pires em Santo André.

Acredito ser recomendável que todas as igrejas aproveitassem essa experiência para, não só incentivarem a criação de novas igrejas, mas as apoiarem na compra de terrenos e construção de novas igrejas.

A sua igreja tem alguma congregação que precisa de apoio para se emancipar?

A que eu pertenço tem uma congregação que fez uma festa por completar vários anos de atividade, e um líder distrital declarou, na ocasião, que o ideal não era as congregações festejarem a passagem de mais um aniversário e sim que pudessem festejar a sua organização em igreja independente. Considero que isso é um estímulo para que nos dediquemos à realização de gestões para que essa congregação possa passar a ser uma igreja independente, inclusive com capacidade para crescer e tornar-se autossuficiente. Aí entra a ideia da criação de um fundo de uma porcentagem da arrecadação da Igreja Mãe, acrescido de contribuições voluntárias, para dar condições de emancipação a essa célula que precisa, também, se multiplicar. E isso deverá ser realizado pela fé, como fez a Igreja Congregacional de Mococa, que iniciada em casa de um irmão que passou a residir na cidade, logo depois se transferiu para uma pequena garagem alugada e, em seguida assumiram a compra de um terreno que custou, na ocasião uma soma astronômica quando não possuíam nenhum recurso. Mas Deus honrou a sua fé e o dinheiro chegou a tempo de ser saldado o compromisso e logo para a construção da igreja que até acabou se expandindo para outra casa vizinha. Será que a nossa fé, de participantes de uma igreja poderosa é menor do que a daquele pequeno grupo de Mococa? Jesus disse que se tivermos fé do tamanho de um grão de mostarda poderíamos dizer a um monte que se transporte para o mar, e tal aconteceria! Acredito que temos o potencial de vermos construídas muitas igrejas para que muitos lugares e pessoas possam ser alcançados pelo evangelho! Quem irá aceitar o desafio?

Termino esta reflexão parafraseando o texto de Isaías 49:15: Deus nos comissionou para que realizemos a sua obra, mas ainda que negligenciemos, Ele não esquecerá daqueles que necessitam ouvir a mensagem de salvação e de vida eterna para salvação de suas almas.