Bingo beneficente celebra aniversário do padre Pedro Rubens



Baixar 62,2 Kb.
Página1/17
Encontro29.11.2019
Tamanho62,2 Kb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   17

Recife, 23 de setembro de 2008 Ano 7

Discriminação sexual é tema de palestra na Católica


Por Jaime Mitchell
COM FOTOS

E:\Redacao_Assecom\Fotos_Assecom\Fotos_Assecom_2008\SETEMBRO 2008\Fórum de Direitos Humanos 24 de setembro


Nesta quinta-feira (24), no auditório G1, foi debatido o tema: “Lesbofobia e Homofobia: Preconceitos e Violências”. A palestra faz parte da programação do III Fórum de Direitos Humanos do Recife, que é uma parceria entre a Universidade Católica de Pernambuco e o Conselho Municipal de Direitos Humanos, Cidadania e Defesa Social do Recife.
Na coordenação da mesa estavam Rildo Veras, da Gerência de Livre Orientação Sexual da Prefeitura do Recife, e Zuleide Silva, coordenadora do Conselho Municipal de Direitos Humanos.
O coronel Ramos, assessor executivo da secretaria de Direitos Humanos do Recife, abriu o evento ressaltando a importância da Secretaria de Direitos Humanos, que “avança na luta contra o preconceito e a discriminação”. A professora do Mestrado em Psicologia e pesquisadora em sexualidade e gênero, Luciana Fontes, destacou a falta de sensibilidade em relação às agressões contra homossexuais. “Pesquisa diz que 70% dos homossexuais são vítimas de agressão física. A questão que eu coloco é por que não nos afetamos?”
O professor da Favipe e também pesquisador em sexualidade e gênero, Anderson Duarte Freire, abordou a posição das religiões monoteístas sobre a homossexualidade. “No judaísmo e no cristianismo existe o acolhimento do homossexual, mas as relações homossexuais não são permitidas, são vistas como pecado. No islamismo as relações homossexuais devem ser punidas, até mesmo com a morte.”
Representando a Liga Brasileira de Lésbicas (LBL-PE), Sinara Sklyn, abordou as causas da lesbofobia e homofobia. “A regra é ser heterossexual. Fugiu a essa regra é ser diferente. Como se expressa a homofobia? Nas falas cotidianas, na mídia, nos movimentos sociais.”
O secretário adjunto de Direitos Humanos da Prefeitura de Porto Alegre, Miguel Barreto, comentou que na capital gaúcha estão sendo adotadas ações para acabar com o preconceito.




Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   17


©psicod.org 2019
enviar mensagem

    Página principal