Benjamin constant



Baixar 173.5 Kb.
Encontro24.06.2018
Tamanho173.5 Kb.

CONTRAPONTO


JORNAL ELETRÔNICO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX-ALUNOS DO INSTITUTO

BENJAMIN CONSTANT

Criação: 25/Setembro DE 2006

( 109ª Edição - Abril/2017)

Legenda:

"Enquanto houver uma pessoa discriminada, todos nós seremos discriminados."

Por que é mais fácil desintegrar um átomo do que um preconceito?!

Patrocinadores:


(ASSOCIAÇÃO DOS EX-ALUNOS DO IBC)
Editoração eletrônica: MÁRCIA DA SILVA BARRETO

Distribuição: gratuita


CONTATOS:

Telefone: (0XX21) 2551-2833

Correspondência: Rua Marquês de Abrantes 168 Apto. 203 - Bloco A

CEP: 22230-061 Rio de Janeiro - RJ

e-mail: contraponto.exaluibc@gmail.com

Site: jornalcontraponto.exaluibc.org.br/

EDITOR RESPONSÁVEL: VALDENITO DE SOUZA

e-mail: contraponto.exaluibc@gmail.com
EDITA E SOLICITA DIFUSÃO NA INTERNET.

SUMÁRIO:
1. EDITORIAL:

* Tempo de Eleição
2. A DIRETORIA EM AÇÃO # DIRETORIA EXECUTIVA

3. O IBC EM FOCO # VITOR ALBERTO DA SILVA MARQUES:

* Estamos enfrentando um espectro de crise, por conta do contingenciamento orçamentário imposto pelo governo, com a justificativa de uma profunda crise econômica, sem prazo para solução.
4. ANTENA POLÍTICA # HERCEN HILDEBRANDT:

* Nota sobre José Alvares de Azevedo, primeiro líder dos cegos brasileiros


5. DE OLHO NA LEI #MÁRCIO LACERDA

* Lei Estende Horário Especial a Servidor que Possui Cônjuge, Filho ou Dependente com Deficiência

* Lei Garante acessibilidade a Mulheres com Deficiência para Tratamento de Câncer pelo SUS
6. DV EM DESTAQUE# JOSÉ WALTER FIGUEREDO

* Iniciativa inédita disponibiliza testes genéticos para doenças hereditárias da retina


7. TRIBUNA EDUCACIONAL # SALETE SEMITELA

* Se Adulto Sente-se Pressionado ao Fazer uma Prova, Imagine uma Criança


8. SAÚDE OCULAR #

* Tecnologia a serviço da visão subnormal


9. DV-INFO # CLEVERSON CASARIN ULIANA

* Como identificar um link que você não deve clicar


10. IMAGENS QUE FALAM # CIDA LEITE

* Áudio-Descrição: Para Saber é Preciso Conhecer


11. PAINEL ACESSIBILIDADE # DEBORAH PRATES

* Quando as oprimidas viram opressoras


12. PERSONA # IVONETE SANTOS

* Entrevista exibida no programa especial da TV Brasil com a youtuber Natália Santos, Estudante de Jornalismo


13. IMAGEM PESSOAL # TÂNIA ARAÚJO

* A ELEGÂNCIA DO COMPORTAMENTO


14. REENCONTRO #

* Reencontro com Regivaldo Figueiredo


15. OBSERVATÓRIO EXALUIBC # VALDENITO DE SOUZA

* Bertioga tem a praia mais acessível para pessoas com deficiência


16. PANORAMA PARAOLÍMPICO # ROBERTO PAIXÃO

* Ao final de março e início de Abril foram eleitos os presidentes da Confederação Brasileira de desportos de deficientes Visuais (CBDV) e Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) respectivamente:


17. TIRANDO DE LETRA # COLUNA LIVRE

* O Grêmio do Meu Tempo


18. BENGALA DE FOGO # COLUNA LIVRE

* Um cego de Paris:


19. CONTRAPONTO NO AR # MARCOS RANGEL

* A Rádio Contraponto, canal da Associação dos Ex-alunos do IBC, radiocontraponto.org.br, tem uma programação diferenciada das emissoras tanto web, quanto via ondas artesianas


20. CLASSIFICADOS CONTRAPONTO # ANÚNCIOS GRATUÍTOS
21. FALE COM O CONTRAPONTO#: CARTAS DOS LEITORES
--
ATENÇÃO:

"As opiniões expressas nesta publicação são de inteira responsabilidade de seus colunistas".

#1. EDITORIAL
NOSSA OPINIÃO:
* Tempo de Eleição
No dia 06 de maio, será realizado a eleição da Associação dos Ex-alunos do I B C, para mais um biênio (2017/2019) de existência da nossa entidade.
Tempo para reflexão:

O que realmente desejamos para nossa entidade?!

Retificá-la ou ratificá-la?!
Tempo de desafio:

Onde andam os discursos e seus responsáveis?!

Que tal viabilizarmos a _prédica na _prática?!
Enfim o tempo é chegado, qual papel você pretende desempenhar:

Crítico contumaz da entidade?!

Um companheiro(a) que chega para somar esforços?!

Um ausente, alienado convicto?!


Lembre sempre:

* "A Associação somos todos nós, na luta e no prazer, no pensar e no fazer!"

* "O associado que permanece, a Associação fortalece!"...
Venha se juntar a nós:

Existe em algum departamento da nossa entidade, um espaço, desafiando você, suas ideias, e, principalmente, sua consciência cívica


(esta chama já tem mais de meio século de existência, sua afirmação ou desaparecimento depende de nós)

#2. A DIRETORIA EM AÇÃO


ASSOCIAÇÃO DOS EX-ALUNOS DO INSTITUTO BENJAMIN CONSTANT
Diretoria Executiva
Relatório de atividades do mês:
#3. O IBC EM FOCO
Colunista: VITOR ALBERTO DA SILVA MARQUES (vt.asm@oi.com.br)
Esta coluna visa colocar os leitores informados das incidências significativas para a nossa comunidade ocorridas ou em fase de desenvolvimento no IBC.
* Estamos enfrentando um espectro de crise, por conta do contingenciamento orçamentário imposto pelo governo, com a justificativa de uma profunda crise econômica, sem prazo para solução.
O Programa Capacita Brasil que levava os projetos pedagógicos do IBC para as diferentes unidades da federação foi temporariamente congelado, por falta de recursos. Através desse programa realizador, o IBC mantinha sua visibilidade e procurava, com suas ações avançadas em diferentes áreas, consolidar sua credibilidade como Centro de Referência em todo país.

Esses programas eram tão importantes, se levarmos em conta que se constituíam em ações multiplicadoras de iniciativa da própria instituição.


O esforço de alguns de seus servidores continua elevando o nome do IBC, que mercê de parcerias dos institutos federais realiza seu trabalho frutificante, em diferentes áreas do ensino e na produção de material especializado.
No terreno de promoção de cursos, permanece a parceria com o Instituto Federal, na implementação, por parte de nossos professores, do Curso Técnico de Massoterapia, único no

gênero no IBC. Prevê-se para 2018 a implantação de mestrado, já absorvendo o material humano hoje existente na instituição.

Como se pode constatar, ainda que temporariamente foi abandonada, por inviável a ideia de vincular o IBC aos Institutos Tecnológicos, já que essa intenção demandaria mudanças profundas que dependeriam do Congresso Nacional, em se tratando da transformação do IBC em autarquia, medida que o dotaria de um volume de responsabilidades específicas, transcendentes à sua

capacidade.


Na área da comunicação o IBC tem se mostrado bastante visível na divulgação de seus eventos para a comunidade interna e externa.

O grande nó ainda se encontra em seu site, com problemas de acessibilidade, não só para as pessoas cegas e de baixa visão, no que toca às informações pouco disponíveis ou desatualizadas, por conta de uma compartilhada responsabilidade de quem a abastece e de quem a monitora.


Até recentemente, precisamente em abril, no final do prazo de validade da chamada dos novos funcionários concursados, totalizamos cerca de 140 docentes, que hoje estão sendo distribuídos em

diversas turmas, do primeiro segmento ao segundo no DED, bem como, encaminhados a outras áreas de produção de materiais.

O experimento que leva a cabo a mescla de turmas comuns com alunos do préia, por parte da equipe do DED, tem caminhado bem gradualmente, sem que possam ainda ser demonstrados os

resultados pedagógicos visíveis dessa mescla.


A política adotada pela direção de preparar os servidores concursados em exercício, não tem sido a melhor opção em termos de gestão pedagógica.
A partir dos dois últimos anos, a Comissão de Acessibilidade teve seu projeto de integração e de ambientação para melhorar o relacionamento na instituição de seus novos servidores concursados e empregados terceirizados como um todo, interrompida. E não foi por falta de recursos. Foi tão somente por falta de vontade política dos gestores, que embora sejam os mesmos em sua cúpula, não deram continuidade a uma ideia tão edificante para nossa instituição.

Urge que esse projeto seja resgatado para benefício de todos a serem atingidos por um convívio mais qualificado e humano.

Paralelamente, temos tido a partir deste ano, fuga significativa de docentes, por motivo de

aposentadoria, apressada pelo temor da reforma da previdência, que poderá alcançá-los negativamente.


O IBC caminha inexoravelmente para se renovar, redefinindo seus papéis em face do futuro. Que futuro?

#4. ANTENA POLÍTICA


Colunista: HERCEN HILDEBRANDT (hercen@terra.com.br)
* Nota sobre José Alvares de Azevedo, primeiro líder dos cegos brasileiros

Em 14 de dezembro de 1850, desembarcava, no porto do Rio de Janeiro, procedente de Paris, onde fora realizar seus estudos, o jovem José Alvares de Azevedo.

Não sabemos muito de sua história, mas podemos imaginar a felicidade de seus pais ao receber o filho que, desde 1844, vivia distante. Era, para eles, certamente, o mais importante presente de Natal de toda a vida.

Ainda em tenra infância, acometido por uma infecção que, talvez, em nossos dias, com os recursos da ciência, qualquer clínico, mesmo sem grandes conhecimentos oftalmológicos, pudesse curar, perdeu o sentido da visão.

Para ele, em todo o mundo, havia apenas uma escola, muito distante. Mas, tão logo o souberam, seus pais não titubearam em mandá-lo para lá. Mesmo atingido pela "mais terrível das desgraças", a cegueira, que invalidava suas vítimas, eles pensavam no futuro do menino.

Azevedo deixou sua família aos dez anos - conforme aprendemos desde a infância, ou nove, segundo pesquisa do companheiro Maurício Zeni -, e retornou a ela aos dezesseis - ou quinze. Quando partiu, não passava de uma criança; na volta, ainda não era um adulto. Mas trazia na


consciência o ideal de conquistar, para todos os cegos brasileiros, o mesmo que, ao lado dos franceses, tivera para si.

Já no início de 1851, visitou o Imperador, que manifestou admiração pela escrita tátil de Louis Braille. "A cegueira quase já não é uma desgraça"!, afirmou sua majestade.

Logo em seguida, publicou o livro "O Instituto dos Meninos Cegos, sua História e seu Método de Ensino", de J. Guadet, que ele próprio traduzira e em cujo prefácio demonstra o caráter emancipador de uma educação ministrada com seriedade para os cegos.

Mais tarde, publicou artigos em jornais e ensinou outros cegos a ler.

Somente em 1853, quando tornou-se Ministro do Império o Conselheiro Luiz Pedreira do Couto Ferraz, o visconde do Bom Retiro, Azevedo conseguiu dar andamento a projeto que, juntamente com o médico José Francisco Xavier Sigaud, pai de uma de suas alunas, Adélia Maria Luísa Sigaud,
encaminhara ao governo solicitando a criação de uma escola para cegos na Corte do Império.

Em 12 de setembro de 1854, o Imperador assinaria o decreto Legislativo que autorizaria a instalação da escola e o que a criaria e dar-lhe-ia regulamento.

Finalmente, dali a uma semana, no dia 17, D. Pedro realizaria a instalação oficial do primeiro educandário para cegos da América Latina.
O Brasil tornara-se o primeiro país do continente americano a adotar o Braille como sistema de escrita para nós, já que a escola Perkins, nos Estados Unidos, ainda não o fizera.

Mas Azevedo não compareceu à inauguração. Vitimado por outra infecção, deixara o mundo em 17 de março, exatamente seis meses antes do acontecimento. Nascido em 08 de abril de 1834 - ou 35 - e falecido em 17 de março de 1854, ele não passou vinte anos entre nós.

Ao chegar da França, Azevedo trouxe para sua família a alegria de um Natal feliz e a certeza de que a cegueira não o invalidara. Ao deixar o mundo, legou a seus companheiros cegos uma herança: a perspectiva de um futuro mais justo, livre de tutelas. Em 2009, comemoramos os duzentos anos do nascimento de nosso companheiro Louis Braille, criador do Sistema de leitura tátil, que nos assegurou grandes conquistas. Em 2015, os cento e oitenta e um - ou cento e oitenta - de Azevedo.

Assim como Braille foi nosso primeiro líder mundial, Azevedo foi nosso primeiro líder brasileiro. É em reconhecimento a Azevedo que comemoramos, em 08 de abril, data de seu nascimento, o Dia Nacional do Braille.

Que todos nós, cegos brasileiros, saibamos reconhecer, em seu exemplo, a força de nosso próprio valor.

Hercen Hildebrandt


hercen@terra.com.br

#5. DE OLHO NA LEI


Colunista: MÁRCIO LACERDA (marcio.o.lacerda@gmail.com)
* Lei Estende Horário Especial a Servidor que Possui Cônjuge, Filho ou Dependente com Deficiência

* Lei Garante Acessibilidade a Mulheres com Deficiência para Tratamento de Câncer pelo SUS

No último dia 13 de dezembro, foi publicada a Lei nº 13.370, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2016. O diploma alterou o § 3o do art. 98 da Lei número 8.112, de 11 de dezembro de 1990, para estender o direito a horário especial ao servidor público federal que tenha cônjuge, filho ou dependente com deficiência de qualquer natureza e para revogar a exigência de compensação de horário.
Vale lembrar que a Lei 8.112/1990 disciplina o regime jurídico único dos servidores públicos da União. Por isso, o novo direito só é aplicável aos servidores que tenham vínculo de caráter estatutário com a Administração Pública federal.
A medida garante aos servidores públicos federais que têm cônjuge, filho ou dependente com qualquer tipo de deficiência o direito ao horário especial, sem que seja necessário, mais, compensar as horas despendidas com o cuidado, com a manutenção do recebimento da remuneração integralmente.
--------------------------------------------
Mulheres com deficiência têm direito a tratamento de câncer do colo do útero e de mama pelo SUS. A acessibilidade está garantida pela lei 13.362/16, promulgada pelo presidente Michel Temer e publicada nesta quinta-feira, 24, no Diário Oficial da União.
O texto altera a lei (11.664/08) que dispõe sobre a efetivação de ações de saúde para prevenir e detectar a doença, acrescentando à norma garantia de acessibilidade às mulheres deficientes, com equipamentos e condições adequados para o tratamento.

Disponível em: http://www.migalhas.com.br/Quentes/17,MI249465,101048-Lei+garante+acessibilidade+a+mulheres+com+deficiencia+para+tratamento; acessado em: 24 de novembro de 2016.


De Olho na Lei

Márcio Lacerda

E-mail: marcio.o.lacerda@gmail.com

Twitter: @MarcioLacerda29


#6. DV EM DESTAQUE


Colunista: JOSÉ WALTER FIGUEREDO (jowfig@gmail.com)
* Iniciativa inédita disponibiliza testes genéticos para doenças hereditárias da retina
Objetivo é ajudar no diagnóstico preciso e, por consequência, auxiliar no planejamento familiar e profissional dos pacientes
Estima-se que quase 7 milhões de pessoas no Brasil tenham alguma forma de deficiência visual
O Brasil é o segundo país a receber o Programa de Genotipagem para Doenças Hereditárias da Retina, promovido pela Spark Therapeutics, empresa global de terapia genética. A iniciativa, lançada nos Estados Unidos no ano passado, tem como objetivo proporcionar acesso a médicos e seus pacientes elegíveis ao teste genético para genes relacionados a certas formas de doenças hereditárias da retina (IRD), um grupo de doenças nos olhos que afeta mais de 2 milhões de pessoas em todo o mundo.
Maria Julia Araújo, 60 anos, teria deixado para trás o fantasma da cegueira se, aos 14 anos, soubesse que iria ter problemas reais de visão somente depois dos 50. Julia é paciente de retinose pigmentar, uma doença hereditária da retina (IRD), e passou praticamente a vida toda se preocupando com uma possível perda repentina da visão. Hoje, presidente da associação Retina Brasil, auxilia outros pacientes a buscar o diagnóstico preciso de sua doença e aposta no Programa de Genotipagem para Doenças Hereditárias da Retina como um avanço bem-vindo. “Hoje, os testes genéticos não são acessíveis por causa do alto custo dos serviços particulares”, afirma Júlia. “Essa iniciativa pode proporcionar aos pacientes informações que os auxiliarão a planejar a vida de acordo com a evolução de sua doença, como escolher uma profissão mais adequada a uma pessoa de baixa visão ou antecipar o aprendizado de braile. ”
Estima-se que quase 7 milhões de pessoas no Brasil tenham alguma forma de deficiência visual, incluindo mais de 500 mil com cegueira total. As doenças hereditárias da retina são um grupo heterogêneo de doenças raras causadas por mutações genéticas e podem resultar em perda progressiva da visão ou cegueira total. Apesar de raras, as IRDs mais comuns incluem coroideremia, amaurose congênita de Leber e retinose pigmentar. O início, progressão e gravidade dos IRDs são muito variáveis e difíceis de predizer. O exame genético pode dar uma ideia de como a doença vai se desenvolver. “Ser capaz de usar um diagnóstico para identificar a variante genética subjacente à deficiência visual pode fornecer informações valiosas tanto para o médico quanto para o paciente sobre a natureza de sua doença”, diz Juliana Sallum, médica, PhD e professora associada em oftalmologia e genética na Unifesp, em São Paulo.
Passo a passo – O Programa de Genotipagem para Doenças Hereditárias da Retina tem o apoio de um conselho consultivo de médicos brasileiros em quatro centros de referência – Inret Clínica e Centro de Pesquisa, em Belo Horizonte; Clínica Vista Oftalmologia, em Porto Alegre; Instituto de Olhos Carioca, no Rio de Janeiro, e Instituto de Genética Ocular, em São Paulo. Esses especialistas darão assistência aos médicos sobre a iniciativa para os pacientes elegíveis com IRDs.
O processo é simples: o paciente consulta seu oftalmologista. Caso tenha sintomas ou o diagnóstico de coroideremia, amaurose congênita de Leber ou retinose pigmentar, seu médico pode entrar em contato com um dos centros de referência e confirmar sua elegibilidade ao programa, de acordo com os termos e condições da iniciativa. O médico receberá um kit de coleta e enviará a amostra de seus pacientes para um laboratório brasileiro independente, que fornecerá entre 4 e 6 semanas os resultados dos exames sem nenhum custo.
“Estamos orgulhosos de lançar essa importante iniciativa para as pessoas com IRDs no Brasil, para apoiar a comunidade médica na adoção de diagnósticos precisos, com embasamento genético”, ressalta Jeffrey D. Marrazzo, CEO da Spark Therapeutics. O Programa de Genotipagem para Doenças Hereditárias da Retina também deve ser lançado na Argentina e na Europa nos próximos meses.
Saiba Mais:
Centros de referência:
Belo Horizonte: Inret Clínica e Centro de Pesquisa - inret.com.br

Rio de Janeiro: Instituto de Olhos Carioca - ioca.med.br

São Paulo: Instituto de Genética Ocular – institutodegeneticaocular.com.br

Porto Alegre: Vista Oftalmologia – vistaoftalmologia.com.br

Associações de pacientes parceiras da iniciativa:
Retina Brasil: retinabrasil.org.br

Retina São Paulo: retinabrasil.org.br/site/retinasaopaulo

Retina Rio: retinabrasil.org.br/site/retina-rio
Sobre as doenças hereditárias da retina (DHRs) - As doenças hereditárias da retina são um grupo de distúrbios oculares raros causados por várias mutações genéticas hereditárias e podem resultar em perda progressiva da visão ou cegueira total e têm como característica a degeneração progressiva da retina e a diminuição significativa ou perda total da visão. O início, progressão e gravidade da doença também são muito variáveis e difíceis de prever.

As mais comuns:


Coroideremia – é uma forma recessiva, ligada ao cromossomo X, de degeneração da retina hereditária. Provoca perda gradual da visão, começando com a cegueira noturna na infância, seguida pela perda de visão periférica e progredindo para a perda da visão central mais tarde na vida.
Amaurose congênita de Leber – é caracterizada pela perda grave de visão desde o nascimento. Uma variedade de outras anormalidades relacionadas com o olho, incluindo movimentos oculares inadequados e sensibilidade à luz também podem ocorrer.
Retinose pigmentar – Grupo de doenças degenerativas da retina, envolve dezenas de genes e provoca dificuldades de visão progressiva.
Fonte:

http://www.acritica.net/editorias/saude/iniciativa-inedita-disponibiliza-testes-geneticos-para-doencas/201082


#7. TRIBUNA EDUCACIONAL


Colunista: SALETE SEMITELA (saletesemitela@gmail.com)
* Se Adulto Sente-se Pressionado ao Fazer uma Prova, Imagine uma Criança

(Rosely Sayão)


Já que as férias da criançada estão chegando ao fim, quero convidar você, caro leitor, a refletir sobre alguns pontos da vida de nossas crianças. Ao final do ano passado, a coordenadora de uma escola

conversou comigo a respeito do aumento do número de crianças com problemas emocionais no início do ensino fundamental.


Ela estava acompanhando, na época, duas crianças de nove anos que não conseguiam entrar na escola, mesmo chegando até lá, e que tinham crises que as faziam transpirar, tremer e ter taquicardia se a mãe ou a educadora escolar insistisse para que descessem do carro. Essas crises, que ela chamou de pânico, só aconteciam nos horários de ir para a escola, e ambas as crianças já estavam em tratamento psiquiátrico e psicológico.
Além dessas duas, ambas meninas, ela também falou de três meninos, entre oito e 10 anos, que passaram a fazer pequenas quantidades de xixi ou cocô nas calças. Em conversa com os pais desses meninos, eles contaram que, em casa, o fato também estava acontecendo e já haviam tentado diversas estratégias para resolver a questão, sem êxito algum.
Fiquei cismada, procurei professores e coordenadores e ouvi de todos a mesma coisa: em todas as salas havia pelo menos duas crianças com problemas emocionais. Por que será?
Vamos deixar de lado as questões pessoais e familiares de cada uma dessas crianças e tentar entender esse fenômeno de um modo geral.
As crianças estão sendo submetidas, cada vez mais precocemente, a provas, exames, avaliações de diversos tipos, e isso gera ansiedade, não é? Se um adulto, ao fazer uma prova, defesa de tese, entrevista de emprego ou qualquer coisa semelhante, sente-se pressionado, ansioso, imagine, caro leitor, uma criança! Ela está em processo de formação e não tem ainda recursos pessoais para administrar sua ansiedade e, por isso, ela surge com algum sintoma, como nos casos citados.
Essa ansiedade que se manifesta em situações de avaliação é fruto da pressão tanto da escola quanto da família. Desta última principalmente, que quer, cada vez mais, filhos que sejam alunos exitosos e que gostem de estudar, pois acreditam que isso garantirá um futuro pessoal confortável. Não garante!
Nenhuma criança merece passar por provas antes dos dez anos! Algumas escolas já entenderam isso e suprimiram as provas nos primeiros anos da vida escolar. Além disso, nenhuma criança pode ser tratada como o adulto que deverá ser. Criança precisa ter vida de criança, e é justamente isso que pode ajudar no seu futuro.
Um outro ponto que precisa ser considerado, principalmente no caso das crianças com incontinência urinária, é o da cultura da instantaneidade em que elas estão sendo criadas. Tudo é para agora, para já, e os pais fazem o possível para que isso aconteça. Muitas crianças simplesmente não sabem esperar. Por nada. Nem pelo tempo para ir ao banheiro. Isso não é bom para elas.
Para viver é preciso coragem, paciência, perseverança e resiliência, entre outras coisas. Temos focado tanto, tanto no aprendizado dos conteúdos escolares pelos mais novos, que pouco tempo sobra para sua formação pessoal, como no caso das características descritas acima.

Isso, sim, poderá afetar a vida deles no futuro! E não será para o seu bem.


# 8. SAÚDE OCULAR


A Saúde Ocular em Foco (coluna livre):
* Tecnologia a serviço da visão subnormal
Brasília 4/9/07 – Uma bengala e um cão-guia não são as únicas saídas para pessoas que têm visão subnormal. Recursos desenvolvidos pela indústria e adequados a cada caso conforme avaliação médica já são facilmente acessíveis à população e permitem ao portador de baixa qualidade de visão ganhos em qualidade de vida e fundamentalmente, independência.
A visão subnormal é diagnosticada quando não tem condições de ser corrigida ou melhorada com tratamento cirúrgico ou utilização de óculos comuns.
O ideal de visão de uma pessoa é, de acordo com os relatórios da Organização Mundial da Saúde (OMS), o ângulo de 20/20. Com esse padrão, estudos mostram que a realidade torna-se acessível à população. Com um nível de acuidade visual de ângulo 20/60 ou ainda mais acentuado, a pessoa possui deficiência, mas ainda detém um resíduo de visão.
Resíduo - "Otimizar esse resíduo visual, tanto no adulto quanto na criança é a função dos recursos existentes atualmente para que o paciente possa assistir televisão, ler, estudar, embarcar no ônibus certo, preencher um cheque para realizar uma compra e, com isso, elevar muito seu ganho de vida", relaciona a médica especialista no assunto do Hospital Oftalmológico de Brasília (HOB), Dorotéia Matsuura, que abordará o tema durante o XXXIV Congresso Brasileiro de Oftalmologia, no dia 5 de setembro (quarta-feira) no Centro de Convenções de Brasília.
Recursos – Entre os recursos existentes para aproveitar a visão restante de forma a lhe dar uma aplicação funcional foram desenvolvidos aparelhos como as tele-lupas, a lupas, os amplificadores de imagem e os óculos binoculares.
A tele-lupa é um dispositivo óptico usado para melhorar a visão em ambientes quando a ação acontece à distância, como o caso de uma peça teatral, um filme no cinema ou na televisão.
A lupa é aplicada sobre os objetos, especialmente para a leitura. O aparelho de amplificação de imagem é ideal para permitir que o paciente de visão subnormal consiga ser um usuário de computador, capacitado para ler textos no monitor.
Conforme Dorotéia, o novo instrumento que tem se mostrado capaz de proporcionar maior conforto ao portador de visão subnormal atualmente são os óculos binoculares onde tele-lupas são adaptadas à armação.
Mesmo com a utilização desses recursos, algumas ações a pessoa ainda continuará sem fazer como dirigir carros, pois não é permitido no Brasil. A médica conta, porém, que em 30 estados norte-americanos a legislação já assegura ao paciente de visão subnormal, desde que tratada pelos equipamentos, "aptidão para voltar a dirigir".
Origem – A visão subnormal pode originar-se, por exemplo, em uma degeneração macular senil; em uma retinopatia diabética; em um glaucoma; em uma toxoplasmose; uma catarata congênita; uma retinose pigmentar, adquiridos ou de fundo genético.
Especializada no tratamento desta patologia, a médica do HOB, diz que a visão subnormal sempre existiu e tem várias causas, mas vem aparecendo com maior frequência atualmente em consequência do ganho de anos de vida e envelhecimento da população. "Então aparecem os problemas originados por consequência de outras doenças, são os casos adquiridos", explica.
Observar – Quando é uma criança quem tem visão subnormal os pais podem identificar e procurar tratamento, pois entre outras evidências o portador desenvolve maneirismos, manias, espécie de tiques como bater com a mão na cabeça e esfregar os olhos, alerta a oftalmologista.

HOB- Hospital Oftalmológico de Brasília (atfdf@uol.com.br)

Site: http://www.hobr.com.br

* O leitor pode colaborar com a coluna, enviando material pertinente, para nossa redação (contraponto.exaluibc@gmail.com).


# 9. DV-INFO


Colunista: CLEVERSON CASARIN ULIANA (clcaul@gmail.com)
* Como identificar um link que você não deve clicar

Por: David Nield, traduzido para o portal Gizmodo Brasil


Mesmo com a crescente sofisticação e inteligência da nossa tecnologia, às vezes ela cai nos truques mais antigos de quebra de paredes de segurança que colocamos —como clicar em links desconfiáveis ou em anexos suspeitos em que não deveríamos clicar. Porém, se souber o que está procurando, você não precisa tropeçar nesses golpes simples.
Infelizmente para os preocupados com segurança, não há uma ciência exata para saber o que é genuíno e o que não é, mas com um pouco de prática e bom senso você consegue ficar do lado certo das pistas digitais. Manter o computador seguro se trata muito também de desenvolver bons hábitos.
Links fraudulentos para sítios ou arquivos podem aparecer via email ou por mensagens em redes sociais. Assim, sua primeira checagem deve ser a de ver quem te mandou a mensagem: é alguém que você conhece ou alguém de quem você nunca ouviu falar? Em sua conta de email, veja o cabeçalho completo da mensagem para ver tanto o endereço de email do remetente como o endereço de resposta, não apenas o nome exibido, que pode ser falso. Nas redes sociais, clique direto no perfil associado à mensagem ou faça uma rápida pesquisa online sobre a pessoa entrando em contato com você.
Um pouco de trabalho investigativo ajuda quando você recebe emails suspeitos de amigos e familiares. Eles podem ser crackeados se forem menos cuidadosos quanto à segurança que você e isso significa que um link não confiável pode vir de uma fonte confiável. O próximo passo é checar o contexto em torno do link ou anexo: se vem com pouquíssima explicação ou contexto, com uma explicação que não faz sentido ou com qualquer tipo de pressão para que você aja rapidamente, suspeite muito.
Você não vai perder nada ao responder um email ou mensagem de um amigo ou colega perguntando se o link que ele enviou é legítimo. Tirar um tempo e fazer a pesquisa compensam. Nada é tão urgente quanto você pensa.
No entanto, se estiver no Facebook ou noutros sítios de mídias sociais, tente entrar em contato com um amigo ou membro da família por um método diferente. Algumas pessoas gostam de criar clones de contas de redes sociais. Se você acha que isso aconteceu, pode denunciá-los com um clique.
Mesmo olhar para o remetente e para o contexto de uma mensagem nem sempre é o bastante para detectar algo perigoso e os emails mais espertos de phishing usarão alguns detalhes pessoais sobre você coletados na internet ou de dados violados. Mesmo no caso de emails com aspecto genuíno, seja cauteloso ao seguir links que pedem informações pessoais e, se tiver dúvida, vá para o site relevante diretamente (como seu banco ou seu aplicativo de email) e entre a partir dali em vez de seguir o link incorporado à mensagem que você recebeu.
Se você está tentado a clicar em um link com aspecto autêntico e ele abre no seu navegador, há mais pistas pelas quais você pode procurar: a URL corresponde àquela do email e é a que você estava esperando? Se te pedem para fazer login em algum lugar (talvez para resetar uma senha), o site é protegido por HTTPS?
Aliás, na maioria dos clientes e serviços de email para desktop você pode pressionar a tecla de aplicação sobre o link para ver se ele se trata do que você está esperando antes mesmo de clicar, o que pode te ajudar contra algo como este relato encontrado no Twitter:
“Isso é o mais próximo que eu cheguei de cair em um ataque de phishing no Gmail. Se não fosse minha tela de alto DPI distorcendo a imagem...”
Neste caso, uma imagem incorporada foi disfarçada para parecer um anexo. Seja especialmente cauteloso com sites ou emails que pedem detalhes pessoais, como seu número de seguridade social ou de cartão de crédito, ou qualquer coisa sobre a qual scammers possam querer ter controle.
Além disso, o truque já bem estabelecido de procurar erros gramaticais e ortográficos ainda serve em 2017. Parece que os cibercriminosos não se alfabetizaram ao longo dos anos.
Todas as dicas que mencionamos para detectar links fraudulentos na web e em emails também se aplicam a anexos perigosos. Os Ransomware normalmente são enviados por meio de anexos suspeitos, segundo relatam as firmas de segurança, portanto você tem várias razões para ser cauteloso com qualquer coisa na caixa de entrada, independentemente do formato do arquivo no anexo.
Você só deve abrir anexos que está esperando de pessoas que conhece, não importa o quão atraente o discurso de venda seja. Suspeite especialmente de anexos sobre os quais você pode executar códigos, como arquivos JavaScript (.js) e documentos Office com um “m” no fim da extensão — arquivos com macros incorporados. Os Malware frequentemente estão escondidos em arquivos também, portanto evite abrir arquivos zip ou coisas do tipo a menos que tenha certeza do conteúdo.
As ferramentas que você usa diariamente estão aqui para ajudá-lo: o Gmail automaticamente escaneia anexos em busca de vírus, enquanto a maioria dos navegadores modernos te avisa sobre sites perigosos ou fraudulentos que foram reportados previamente, sem você ter que levantar um dedo. Essas não são razões para você ficar complacente, mas redes de segurança extras estão por aí, caso precise delas.
Muitas dessas funções embutidas de segurança contam com definições bem atualizadas, portanto você não deve negligenciar atualizações e patches de correção que aparecem para o sistema operacional, sua conta de email ou o navegador padrão. Aliás, está ficando cada vez mais difícil adiar essas atualizações, exatamente por tal razão.

10. IMAGENS QUE FALAM


Colunista: CIDA LEITE (cidaleite21@gmail.com)
* Áudio-Descrição: Para Saber é Preciso Conhecer
Colunista: Cida Leite

E-mail: cidaleite21@gmail.com


Prezados (as) leitores (as), compartilho com vocês um texto esclarecedor sobre a utilização do hífen como traço de união entre os verbetes áudio e descrição construindo o verbete áudio-descrição.

O texto se baseia em estudos específicos realizados por um grupo de professores e pesquisadores da áudio-descrição e da Língua Portuguesa.

De forma didática, é apresentada a razão pela qual o vocábulo áudio-descrição é grafado com

hífen, nos termos do o acordo ortográfico vigente firmado entre os países de Língua Portuguesa, dentre os quais, o Brasil.

Segue o texto na íntegra, inclusive, com as fontes:
"ÁUDIO-DESCRIÇÃO NO ACORDO ORTOGRÁFICO DA LÍNGUA PORTUGUESA: UM ESTUDO MORFOLÓGICO

PAULO AUGUSTO ALMEIDA SEEMANN1

ROSÂNGELA A. FERREIRA LIMA2

FRANCISCO JOSÉ DE LIMA3


RESUMO

O PRESENTE ARTIGO DISCUTE A FORMAÇÃO DA PALAVRA ÁUDIO-DESCRIÇÃO, TENDO COMO BASE OS ESTUDOS DA MORFOLOGIA E DO ATUAL ACORDO ORTOGRÁFICO DA LÍNGUA PORTUGUESA.

O OBJETIVO DESTE TRABALHO É CONTRIBUIR PARA DIRIMIR DÚVIDAS SOBRE A GRAFIA DAQUELA PALAVRA, VISTO QUE SE ACHA, DE UM LADO, QUE ELA DEVE SER GRAFADA SEM HÍFEN, E DE OUTRO, QUE SE DEFENDE A GRAFIA DO VERBETE COM O TRAÇO DE UNIÃO. OS DEFENSORES DA GRAFIA DE "AUDIODESCRIÇÃO", ENTENDEM QUE ESTE VOCÁBULO TEM COMO BASE MORFOLÓGICA A MESMA REGRA QUE LEVA O TERMO "AUDIOVISUAL" A SER GRAFADO SEM HÍFEN E SEM ACENTO. PARA OS QUE ENTENDEM QUE O LÉXICO ÁUDIO-DESCRIÇÃO DEVE SER GRAFADO COM HÍFEN, ESTE CONCEITO É COMPREENDIDO COMO A COMPOSIÇÃO DE DOIS LÉXICOS DISTINTOS, OS QUAIS, UNIDOS PELO HÍFEN, TORNAM-SE UMA UNIDADE SEMÂNTICA COM SENTIDO PRÓPRIO E DIVERSO DOS TERMOS QUE LHE DERAM ORIGEM. CONCLUI-SE QUE GRAFAR ÁUDIO-DESCRIÇÃO (COM HÍFEN) NÃO É MERAMENTE UM PRECIOSISMO LINGUÍSTICO. É, AO CONTRÁRIO, A OBSERVÂNCIA DO QUE DETERMINA A BASE XV DO DECRETO Nº. 6.583/2008 E É, PRINCIPALMENTE, ASSUMIR POSIÇÃO DIFERENCIADA SOBRE A CONCEITUAÇÃO DO TERMO ÁUDIO-DESCRIÇÃO, DISTINGUINDO-O DE DESCRIÇÃO EM ÁUDIO (DESCRIÇÃO FALADA) PARA CONCEITUÁ-LO COMO TRADUÇÃO VISUAL (ÁUDIO-DESCRIÇÃO DAQUELES EVENTOS VISUAIS, OS QUAIS, POR ALGUMA RAZÃO, NÃO ESTEJAM DISPONÍVEIS AO INDIVÍDUO COM DEFICIÊNCIA VISUAL E/OU OUTRAS), SEJA PORQUE TAIS EVENTOS NÃO SÃO/ESTÃO DEDUZIDOS PELOS SONS, PELA TRILHA SONORA DA OBRA, SEJA PORQUE NÃO SÃO/ESTÃO DEDUZIDOS PELA COGNIÇÃO OU PELO INTELECTO DO ESPECTADOR/OBSERVADOR.

PALAVRAS-CHAVE: ÁUDIO-DESCRIÇÃO, FORMAÇÃO DE PALAVRA, COMPOSIÇÃO, ACORDO ORTOGRÁFICO, MORFOLOGIA.


1- INTRODUÇÃO

DESDE OS PRIMÓRDIOS DE SUA HISTÓRIA O HOMEM VEM BUSCANDO CADA VEZ MAIS APERFEIÇOAR SEUS CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS, PROCURANDO NA LÍNGUA UMA MELHOR FORMA DE SE COMUNICAR, LEVAR E TRAZER CONHECIMENTO, EXPRESSAR E RECEBER INFORMAÇÕES, INTERAGIR COM OS DE SUA ESPÉCIE. ESSA COMUNICAÇÃO ULTRAPASSA OS LIMITES DA ORIGEM DA PALAVRA LATINA COMMUNICARE (POR EM COMUM), ALCANÇANDO OS LIMITES DA PRÓPRIA EXISTÊNCIA HUMANA.

EM OUTRAS PALAVRAS, A VIDA EM SOCIEDADE EXIGE QUE O HOMEM BUSQUE, A TODO TEMPO E "PREÇO", UMA COMUNICAÇÃO MAIS EFICAZ, QUE VAI ALÉM DA SIMPLES AÇÃO DEPOR EM COMUM UMA INFORMAÇÃO ENTRE OS PARTÍCIPES, SENDO CAPAZ DE PROMOVER A REAL INTERAÇÃO SOCIAL, A PERSUASÃO, A BUSCA E A PRODUÇÃO DE CONHECIMENTOS.

A LINGUAGEM VERBAL, SENDO UMA FACULDADE HUMANA, PERMEIA TODAS AS AÇÕES HUMANAS E ESTÁ A SERVIÇO DAS MÍNIMAS NECESSIDADES DO HOMEM (LANGACKER,1987).

A CADA NOVA BUSCA DO HOMEM POR CONHECIMENTOS, A LINGUAGEM SE RENOVA E O HOMEM PODE DISPOR, DE UM NÚMERO LIMITADO DE PALAVRAS, UM NÚMERO ILIMITADO DE NOVAS MANIFESTAÇÕES LINGUÍSTICAS. EM OUTRAS PALAVRAS, QUALQUER LÍNGUA É HETEROGÊNEA, É UM ORGANISMO VIVO, EM CONSTANTE RENOVAÇÃO (CHOMSKY, 1998).

NESSE SENTIDO, A CONCEITUAÇÃO DE LINGUAGEM, ACIMA ALUDIDA, DEIXA DE SIGNIFICAR EXCLUSIVAMENTE AS LÍNGUAS ORAIS E ABRIGA AS LÍNGUAS DE SINAIS (TAMBÉM CHAMADAS LÍNGUAS GESTUAIS), E QUE SÃO TIDAS E HAVIDAS COMO LÍNGUA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DE PESSOAS SURDAS, ALHURES E EM NOSSO PAÍS.

MUITO EMBORA A LÍNGUA SEJA VARIÁVEL, HETEROGÊNEA, NÃO SE PODE, A CADA MOMENTO QUE SE PRECISA EXPRESSAR ALGO NOVO, OU COM UMA MATIZ NOVA, CRIAR NOVOS SIGNOS,

EXPANDINDO A LÍNGUA INDEFINIDAMENTE, POIS ISSO ACARRETARIA UMA SOBRECARGA DA MEMÓRIA DOS USUÁRIOS, RESTRINGINDO-LHES A COMUNICAÇÃO, EM LUGAR DE A EXPANDIR.

CONSOANTE BASÍLIO (2004):

IMAGINEM, POR EXEMPLO, SE CADA CONCEITO NOVO QUE SURGISSE FOSSE CORRESPONDENTE A ALGO COMO UM NÚMERO DE TELEFONE: O NÚMERO DE SEQÜÊNCIAS QUE PODERÍAMOS REALMENTE GUARDAR NA MEMÓRIA SERIA MÍNIMO EM RELAÇÃO A NOSSAS NECESSIDADES. POR OUTRO LADO, NÚMEROS DE TELEFONE NÃO PODEM SER DEDUZIDOS DE REGRAS GERAIS; TÊM QUE SER COMUNICADOS E DECORADOS, O QUE SIGNIFICA QUE NÃO PODERÍAMOS TER NO LÉXICO UMA EXPANSÃO IMEDIATA. (BASÍLIO, 2004:10)


DESSA MANEIRA, AO INVÉS DE SEREM CRIADOS NOVOS SIGNOS, ELES SÃO RENOVADOS, REFORMULADOS. A EXPANSÃO DO LÉXICO SE REALIZA ATRAVÉS DE EMPRÉSTIMOS DE OUTRAS

LÍNGUAS OU ATRAVÉS DO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PALAVRAS, QUE CONSISTE EM CONSTRUIR NOVAS PALAVRAS, ATRAVÉS DE UM LÉXICO JÁ EXISTENTE.

A DISCIPLINA LINGUÍSTICA QUE ESTUDA O PROCESSO DE FORMAÇÃO DAS PALAVRAS É A MORFOLOGIA.

NO PRESENTE ARTIGO, SE DISCUTIRÁ A FORMAÇÃO DA PALAVRA ÁUDIO-DESCRIÇÃO, TENDO COMO BASE OS ESTUDOS DA MORFOLOGIA E DO ATUAL ACORDO ORTOGRÁFICO DA LÍNGUA PORTUGUESA, VISTO QUE TEM HAVIDO UMA CONTROVÉRSIA NA GRAFIA DAQUELA PALAVRA, DE UM LADO ACHANDO-SE QUE ELA DEVE SER GRAFADA SEM HÍFEN, E DE OUTRO, DEFENDENDO-SE A GRAFIA COM O TRAÇO DE UNIÃO.

PARA OS DEFENSORES DA GRAFIA "AUDIODESCRIÇÃO" (SEM HÍFEN), ENTENDE-SE QUE ESTE TERMO TEM COMO BASE MORFOLÓGICA A MESMA REGRA QUE LEVA "AUDIOVISUAL" A SER GRAFADO SEM HÍFEN E SEM ACENTO.

PARA OS QUE ENTENDEM QUE O VERBETE ÁUDIO-DESCRIÇÃO DEVE SER GRAFADO COM HÍFEN, ESSE CONCEITO É A COMPOSIÇÃO DE DOIS LÉXICOS DISTINTOS, OS QUAIS UNIDOS PELO HÍFEN, TORNAM-SE UMA UNIDADE SEMÂNTICA COM SENTIDO PRÓPRIO E DIVERSO DOS TERMOS ORIGINAIS.


2- FOMAÇÃO DA PALAVRA

ANTES DE ENTRARMOS NA DISCUSSÃO SOBRE A GRAFIA DO TERMO ÁUDIO-DESCRIÇÃO, É PRECISO TRAZER UM POUCO DA CONSTRUÇÃO DESTA ÁREA DE CONHECIMENTO, CUJAS BASES

ESTÃO FINCADAS NA TRADUÇÃO VISUAL, A FIM DE DEIXAR CLARO QUE ÁUDIO-DESCRIÇÃO NÃO É UMA DESCRIÇÃO EM ÁUDIO, DESCRIÇÃO FALADA OU NARRADA, MAS UMA COMPOSIÇÃO A PARTIR DA UNIÃO DOS TERMOS ÁUDIO E DESCRIÇÃO.

TRATA-SE DE UM GÊNERO TRADUTÓRIO NUTRIDO PELA SEMIÓTICA, EM QUE SE TRADUZ EVENTOS VISUAIS EM PALAVRAS, SEJAM ORALIZADAS, SINALIZADAS (NO CASO DE LÍNGUA

DE SINAIS) OU POR ESCRITO (EM BRAILLE, POR MEIO ELETRÔNICO, ETC), CONFIRA EM LIMA ET ALL (2009).

A ÁUDIO-DESCRIÇÃO, INICIALMENTE PENSADA PARA DESCREVER IMAGENS PARA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL, MOSTROU-SE UM RECURSO SEMIÓTICO DE GRANDE POTENCIAL TAMBÉM PARA USO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL, E HOJE É RECONHECIDAMENTE UM RECURSO DE TECNOLOGIA ASSISTIVA, NA ÁREA DA COMUNICAÇÃO (DECRETO FEDERAL 5296/2004).

DIFERENTE DE UMA DESCRIÇÃO, A ÁUDIO-DESCRIÇÃO, ENQUANTO TRADUÇÃO VISUAL, TEM COMO OBJETIVO PRIMORDIAL ELICIAR, NA MENTE DE QUEM OUVE OU LÊ, AS IMAGENS ELICIADAS NA MENTE DE QUEM AS PODE VER. NESTE SENTIDO, A ÁUDIO-DESCRIÇÃO SERVE A TODOS AQUELES QUE, EM ALGUM MOMENTO, ESTEJA PRIVADO DA VISÃO, OU POR ALGUMA RAZÃO NÃO TENHA ACESSO VISUAL AO EVENTO IMAGÉTICO, ESTÁTICO OU DINÂMICO.

CONSIDERANDO QUE A TRADUÇÃO VISUAL TEM COMO OBJETIVO O EMPODERAMENTO DO CLIENTE DESTE SERVIÇO, NÃO SE A PODE CONFUNDIR COM UMA DESCRIÇÃO FALADA, LOCUCIONADA, DESCRIÇÃO ESTA FEITA DESDE SEMPRE NA HISTÓRIA HUMANA, QUANDO SE QUER COMUNICAR ALGO QUE SE VIU OU VIVENCIOU A ALGUÉM QUE NÃO TOMOU PARTE DO QUE FOI VISTO OU VIVENCIADO.

O ATO TRADUTÓRIO DA ÁUDIO-DESCRIÇÃO, PARA ALÉM DE SEGUIR DIRETRIZES ESPECÍFICAS, TÉCNICAS CONSAGRADAS AO EMPODERAMENTO DO CLIENTE, ENCERRA O ENTENDIMENTO DE QUE NA TRADUÇÃO VISUAL O FOCO NÃO É EXPLICAR AO CLIENTE O QUE SE ESTÁ VENDO, MAS PERMITIR A ESTE VER AQUILO QUE ELE NÃO PODE ENXERGAR.

NA ÁUDIO-DESCRIÇÃO FÍLMICA, POR EXEMPLO, NÃO SE DESCREVERÁ TUDO O QUE É MOSTRADO, MAS SE TRADUZIRÁ TUDO O QUE É NECESSÁRIO PARA A COMPREENSÃO DO EVENTO VISUAL, DENTRO DOS INTERVALOS ENTRE AS FALAS, SEM SOBREPOSIÇÃO DA ÁUDIO-DESCRIÇÃO SOBRE OS DIÁLOGOS E NEM MESMO SOBRE CERTOS SONS (UMA MÚSICA, POR EXEMPLO) NECESSÁRIOS À APRECIAÇÃO E/OU COMPREENSÃO DA OBRA.

PORTANTO, AO TRATAR DE ÁUDIO-DESCRIÇÃO, NÃO SE ESTÁ FALANDO DE UMA DESCRIÇÃO DESPREOCUPADA, LINEAR OU GENÉRICA DO QUE SE VÊ, MAS DE UMA TRADUÇÃO VISUAL ESTEADA NA OBSERVAÇÃO, NO EMPODERAMENTO DO CLIENTE, NA PESQUISA E NO ESTUDO SEMIÓTICO DA OBRA OBSERVADA, NO CONHECIMENTO A RESPEITO DO CLIENTE DA ÁUDIO-DESCRIÇÃO, E SOBRETUDO NUMA ÁUDIO-DESCRIÇÃO ISENTA DE BARREIRAS ATITUDINAIS SOBRE O POTENCIAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA, SUA CAPACIDADE PARA COMPREENDER EVENTOS VISUAIS E, PRINCIPALMENTE, COM O ESPÍRITO DE QUE A PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL TEM POTENCIAL COGNITIVO ASSIM PARA CONSTRUIR AS IMAGENS A PARTIR DO QUE OUVE, COMO COMPREENDÊ-LAS NO CONTEXTO EM QUE FOREM EMPREGADAS (LIMA E LIMA, 2012).

EM SÍNTESE, A ÁUDIO-DESCRIÇÃO (TRADUÇÃO VISUAL SEMIÓTICA) É SEMELHANTE A UMA TRADUÇÃO LINGUAL: A TRADUÇÃO DO EVENTO VISUAL (LÍNGUA DE PARTIDA) EM PALAVRAS

(LÍNGUA DE CHEGADA), CONSTRUÍDA COM PROFUNDO CONHECIMENTO DO VERNÁCULO, DAS CULTURAS ENVOLVIDAS, DA INTENCIONALIDADE DO REMETENTE (DO AUTOR, DO DIRETOR, ARTISTA, ETC) E DO DESTINATÁRIO (O ESPECTADOR OU ESTUDIOSO, COM ESTA OU AQUELA DEFICIÊNCIA).

NO ATO TRADUTÓRIO DA ÁUDIO-DESCRIÇÃO, POIS, ENCONTRAR-SE-ÃO AS VICISSITUDES DE UMA TRADUÇÃO, INCLUSIVE AQUELAS ORIUNDAS DE UMA TRADUÇÃO LITERAL OU DAQUELAS QUE PRECISARÃO CONHECER AS PECULIARIDADES "DA LÍNGUA DE CHEGADA", ISTO É, DE COMO A PESSOA CEGA OU COM BAIXA VISÃO VÊ.

AO SE DISCUTIR O USO OU NÃO DE HÍFEN NO TERMO ÁUDIO-DESCRIÇÃO, TEM-SE, PORTANTO, QUE LEVAR EM CONSIDERAÇÃO O CONCEITO DESTE LÉXICO, QUE, CONFORME ACIMA EXPOSTO, É A COMPOSIÇÃO ESPECIALIZADA DE UM NOVO TERMO, A PARTIR DE DUAS PALAVRAS DO VOCABULÁRIO HODIERNO, INCLUSIVE DO COMUM DAS PESSOAS.

DESTARTE, AO SE TRATAR AQUI DO USO DO TRAÇO DE UNIÃO NA GRAFIA DE ÁUDIO-DESCRIÇÃO, O QUE SE QUER DETERMINAR É QUAL A GRAFIA CORRETA À LUZ DA GRAMÁTICA NORMATIVA VIGENTE, CONSIDERANDO A ESPECIFICIDADE/ESPECIALIZAÇÃO DESSE LÉXICO.

SEGUNDO A TEORIA LINGUÍSTICA DE SAUSSURE (2003[1916]), UMA PALAVRA OU TERMO É UM "SIGNO LINGUÍSTICO", FORMADO PELA UNIÃO DE UM "SIGNIFICANTE", QUE É A PARTE CONCRETA (O SOM E/OU A GRAFIA), COM UM "SIGNIFICADO", QUE É O CONCEITO, A IMAGEM MENTAL QUE FAZEMOS QUANDO ESCUTAMOS, PRONUNCIAMOS, LEMOS OU ESCREVEMOS TAL PALAVRA. DESSA FORMA, NÃO SE PODE QUESTIONAR O USO OU NÃO DE HÍFEN COM BASE APENAS NO SIGNIFICANTE.

DEVE-SE GRAFAR "ABAIXO ASSINADO" OU "ABAIXO-ASSINADO"? RESPOSTA: DEPENDE. DEPENDE DO SIGNIFICADO ATRIBUÍDO AO SIGNIFICANTE. SE ABAIXO-ASSINADO REFERIR AO

DOCUMENTO NO QUAL SE PROPÕE ALGO E É ASSINADO POR MUITAS PESSOAS (UMA PETIÇÃO, UM REQUERIMENTO), TRATA-SE DO SUBSTANTIVO COM SENTIDO PRÓPRIO, DISTINTO DOS TERMOS QUE O COMPÕEM, DAÍ SER GRAFADO COM HÍFEN; SE ABAIXO ASSINADO REFERIR ÀQUELE QUE SUBSCREVE O DOCUMENTO, TRATA-SE DE UMA LOCUÇÃO ADJETIVA E, PORTANTO, DEVE SER GRAFADO SEPARADO, SEM HÍFEN ("NÓS, ABAIXO ASSINADO, SOLICITAMOS...").

DO EXEMPLO ACIMA, DEPREENDE-SE QUE AO SE LANÇAR MÃO DE DOIS SIGNIFICANTES, PODE-SE CRIAR UM TERCEIRO, COM SIGNIFICADO DIFERENTE DOS ANTERIORES. O PROCESSO UTILIZADO NO CASO SUPRA, POR EXEMPLO, FOI O DE COMPOSIÇÃO.

NO ENTANTO, SÃO VÁRIOS OS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DA PALAVRA EM LÍNGUA PORTUGUESA, ENTRE ELES OS MAIS COMUNS SÃO A DERIVAÇÃO E A COMPOSIÇÃO.

A DERIVAÇÃO É A FORMAÇÃO DE PALAVRA POR MEIO DE AFIXOS, ANEXADOS (ATRAVÉS DE HIFEN OU NÃO) A UMA PALAVRA PRIMITIVA4, OU SEJA, UMA PALAVRA QUE POSSUI AUTONOMIA

LEXICAL. EXEMPLOS: FELIZ (PALAVRA PRIMITIVA) E INFELIZ (PALAVRA DERIVADA, FORMADA PELA PALAVRA PRIMITIVA FELIZ + PREFIXO IN). EXEMPLO DE DERIVAÇÃO COM HÍFEN:

SUPER-HOMEM (PALAVRA PRIMITIVA HOMEM + PREFIXO SUPER).

OUTRO RECURSO LINGUÍSTICO PARA A FORMAÇÃO DE PALAVRA É A COMPOSIÇÃO, DEFINIDA PELO "PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PALAVRAS QUE CRIA NOVOS VOCÁBULOS PELA COMBINAÇÃO DE OUTROS JÁ EXISTENTES, DANDO ORIGEM A UM NOVO SIGNIFICADO" (SILVA E KOCH, 2003:41).

DIFERENTE DA DERIVAÇÃO, EM QUE SE TEM APENAS UM RADICAL, NA COMPOSIÇÃO O ITEM LEXICAL É FORMADO A PARTIR DE DOIS ITENS LEXICAIS, COMPOSTOS COM OU SEM MODIFICAÇÃO DE SUA ESTRUTURA FÔNICA.

SEGUNDO SILVA E KOCH (2003) A RELAÇÃO SEMÂNTICA QUE EXISTE ENTRE OS ITENS LEXICAIS NA COMPOSIÇÃO PODE SER MAIOR, OU PODE DESAPARECER EM MUITOS CASOS.

ATRAVÉS DESSE PROCESSO (COMPOSIÇÃO) COMBINAM-SE DOIS MORFEMAS LEXICAIS, OPERANDO-SE ENTRE ELES UMA FUSÃO SEMÂNTICA, QUE PODE SER MAIS OU MENOS COMPLETA. ASSIM, POR EXEMPLO, EM GUARDA-CHUVA, O SIGNIFICADO DE CADA ELEMENTO PERSISTE COM CERTA NITIDEZ; JÁ EM PÉ-DE-MOLEQUE, ESTE SIGNIFICADO PRATICAMENTE DESAPARECE PARA DAR LUGAR A OUTRO. (SILVA E KOCH, 2003:41)

DEPENDENDO DA FUSÃO DOS DIFERENTES LÉXICOS, A COMPOSIÇÃO PODE SER POR AGLUTINAÇÃO OU JUSTAPOSIÇÃO. NESTA ÚLTIMA AS PALAVRAS SÃO UNIDAS, MANTENDO A MESMA AUTONOMIA FONÉTICA. NA AGLUTINAÇÃO AS PALAVRAS SE FUNDEM NUM TODO FONÉTICO, E PODE OCORRER A PERDA DE UMA VOGAL OU CONSOANTE (SILVA E KOCH, 2003). SÃO EXEMPLOS DE AGLUTINAÇÃO PLANALTO (COM A PERDA DA VOGAL O DO VOCÁBULO PLANO); PONTIAGUDO (ETIMOLOGICAMENTE PONTA+E+AGUDO); AGUARDENTE (ÁGUA+ARDENTE). SÃO EXEMPLOS DE JUSTAPOSIÇÃO AMOR-PERFEITO, GUARDA-NOTURNO, DECRETO-LEI.

COMO SE PODE NOTAR, O PROCESSO DE FORMAÇÃO DE UM NOVO LÉXICO ABARCA A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO DA PALAVRA POR MEIO DO USO DE AFIXOS A ELA ADERIDOS (DERIVAÇÃO) OU PELA JUNÇÃO DE DOIS OU MAIS LÉXICOS, QUE A DESPEITO DE SEREM DISTINTOS ENTRE SI, SE UNEM PARA COMPOR SIGNIFICADOS MAIS OU MENOS COMPLEXOS (COMPOSIÇÃO).

A POSSIBILIDADE DE SE USAR, POIS, MAIS DE UM SUBSTANTIVO NA COMPOSIÇÃO LEXICAL DE UM TERMO QUE EXPRIMA UM NOVO SIGNIFICADO DESEJADO, ENCONTRA RAZÃO DE SER EXATAMENTE POR NÃO SE PODER CRIAR, PARA ESSE FIM, LÉXICOS NOVOS, DESTITUÍDOS DE SEMELHANÇA SEMÂNTICA COM OUTROS, JÁ PARTILHADOS PELOS FALANTES DA LÍNGUA. ISSO, COMO VIMOS, ACARRETARIA UMA SOBRECARGA DA MEMÓRIA, LEVANDO A UM ESTADO DE PREJUÍZO À COMUNICAÇÃO.

3- ÁUDIO-DESCRIÇÃO: DERIVAÇÃO OU COMPOSIÇÃO?

ÁUDIO, EM ÁUDIO-DESCRIÇÃO, AO CONTRÁRIO DO QUE SE PODE ACREDITAR, NÃO É UM PREFIXO, MAS UM RADICAL LATINO, COM SIGNIFICAÇÃO PRÓPRIA, POR ISSO O VOCÁBULO ÁUDIO-DESCRIÇÃO DEVE SER GRAFADO COM HÍFEN. LOGO, TEM-SE QUE O PROCESSO DE FORMAÇÃO DE ÁUDIO-DESCRIÇÃO DEU-SE DE ITEM LEXICAL (ÁUDIO- SUBSTANTIVO) + ITEM LEXICAL (DESCRIÇÃO - SUBSTANTIVO).

EM OUTRAS PALAVRAS, HÁ QUEM PENSE QUE ÁUDIO EM ÁUDIO-DESCRIÇÃO É COMO AUDIOVISUAL, AUDIOFONE, PORTANTO UM LÉXICO FORMADO POR DERIVAÇÃO, O QUE NÃO É.

FOSSE A FORMAÇÃO DA PALAVRA ÁUDIO-DESCRIÇÃO FEITA POR DERIVAÇÃO, O MORFEMA ÁUDIO, EM ÁUDIO-DESCRIÇÃO, DEVERIA SER OBRIGATORIAMENTE UM PREFIXO, O QUE NO CASO EM DISCUSSÃO NÃO É, POSTO QUE ÁUDIO NÃO MERAMENTE MODIFICA DESCRIÇÃO, MAS COMPÕE COM ESTA UM NOVO CONCEITO, O DE TRADUÇÃO VISUAL.

A ESSE RESPEITO JÁ DIZIA TAVARES ET AL (2010):

É RELEVANTE ESCLARECER QUE AS DÚVIDAS QUANTO À ESCRITA ADEQUADA DE ÁUDIO-DESCRIÇÃO SURGEM EM RAZÃO DA INTERPRETAÇÃO DAS REGRAS QUE ORIENTAM A ORTOGRAFIA DE VOCÁBULOS COMO AUDIOVISUAL, AUDIOFONE, AUDIOGRAMA, AUDIOMETRIA ETC AS QUAIS, DE ACORDO COM O SCARTON E SMITH (2002) E RIOS (2009), SÃO CONSTITUÍDAS PELO PREFIXO LATINO ÁUDIO (LAT AUDIO), SENDO NESTES CASOS DESNECESSÁRIO O USO DO HÍFEN, POIS ESTE PREFIXO É UM MORFEMA QUE SE COLOCA ANTES DOS RADICAIS (PARTE FIXA, INVARIÁVEL DA PALAVRA)

BASICAMENTE A FIM DE MODIFICAR-LHES O SENTIDO E RARAMENTE PRODUZ MUDANÇAS NA CLASSE GRAMATICAL DA PALAVRA PRIMITIVA. (P.4)

COMO SE VÊ, PARA QUE O TERMO ÁUDIO FOSSE UM PREFIXO EM ÁUDIO-DESCRIÇÃO, TER-SE-IA DE PENSAR QUE ÁUDIO-DESCRIÇÃO SERIA UMA MERA DESCRIÇÃO SONORIZADA, OU QUEM SABE UMA DESCRIÇÃO DO SOM.

ORA ÁUDIO-DESCRIÇÃO NÃO É NEM UMA COISA, NEM OUTRA. ÁUDIO-DESCRIÇÃO É UM GÊNERO TRADUTÓRIO, NÃO LINGUAL, CUJAS DIRETRIZES PRINCIPAIS SÃO:

* DESCREVA O QUE VOCÊ VÊ;

* DESCREVA DE MODO CLARO, CONCISO, CORRETO, ESPECÍFICO E VÍVIDO;

* DESCREVA COM O REGISTRO LINGUÍSTI COE LOCUÇÃO, QUANDO APLICÁVEL, CONDIZENTES/DETERMINADOS PELA OBRA;

* E, ACIMA DE TUDO, ESCREVA COM O FIM DE EMPODERAR A PESSOA COM DEFICIÊNCIA NA TOMADA DE DECISÃO, NA APRECIAÇÃO, AUTÔNOMA OU MESMO ASSISTIDA, DE UMA DADA OBRA.

(LIMA E LIMA, 2012)

4- ÁUDIO-DESCRIÇÃO LUZ DO ACORDO ORTOGRÁFICO DA LÍNGUA PORTUGUESA

MAS, COMO FICA ENTÃO A GRAFIA DA PALAVRA ÁUDIO-DESCRIÇÃO, SEGUNDO AS NOVAS REGRAS DO ACORDO ORTOGRÁFICO DA LÍNGUA PORTUGUESA?

COMO GRAFAR CORRETAMENTE O SIGNIFICANTE QUE ACOMPANHA O CONCEITO "TRADUÇÃO VISUAL DE UM ELEMENTO OU ELEMENTOS VISUAIS EM PALAVRAS"?

SEGUNDO O DECRETO Nº. 6.583/2008, QUE PROMULGA O ACORDO ORTOGRÁFICO DA LÍNGUA PORTUGUESA:

BASE XV


DO HÍFEN EM COMPOSTOS, LOCUÇÕES E ENCADEAMENTOS VOCABULARES

1º) EMPREGA -SE O HÍFEN NAS PALAVRAS COMPOSTAS POR JUSTAPOSIÇÃO QUE NÃO CONTÊM FORMAS DE LIGAÇÃO E CUJOS ELEMENTOS, DE NATUREZA NOMINAL, ADJETIVAL, NUMERAL OU VERBAL, CONSTITUEM UMA UNIDADE SINTAGMÁTICA E SEMÂNTICA E MANTÊM ACENTO PRÓPRIO, PODENDO DAR -SE O CASO DE O PRIMEIRO ELEMENTO ESTAR REDUZIDO: ANO-LUZ, ARCE-BISPO, ARCO-ÍRIS, DECRETO -LEI, ÉS -SUESTE, MÉDICO-CIRURGIÃO, RAINHA -CLÁUDIA, TENENTE-CORONEL, TIO-AVÔ, TURMA-PILOTO; ALCAIDE-MOR, AMOR-PERFEITO, GUARDA-NOTURNO, MATO-GROSSENSE, NORTE-AMERICANO, PORTO-ALEGRENSE, SUL-AFRICANO; AFRO-ASIÁTICO, AFRO-LUSO-BRASILEIRO, AZUL-ESCURO, LUSO-BRASILEIRO, PRIMEIRO-MINISTRO, PRIMEIRO-SARGENTO, PRIMO-INFEÇÃO, SEGUNDA-FEIRA; CONTA-GOTAS, FINCA-PÉ, GUARDA-CHUVA.

OBS.: CERTOS COMPOSTOS, EM RELAÇÃO AOS QUAIS SE PERDEU, EM CERTA MEDIDA, A NOÇÃO DE COMPOSIÇÃO, GRAFAM-SE AGLUTINADAMENTE: GIRASSOL, MADRESSILVA, MANDACHUVA, PONTAPÉ, PARAQUEDAS, PARAQUEDISTA, ETC.

[...]


BASE XVI

DO HÍFEN NAS FORMAÇÕES POR PREFIXAÇÃO, RECOMPOSIÇÃO E SUFIXAÇÃO

1º) NAS FORMAÇÕES COM PREFI XOS (COMO, POR EXEMPLO: ANTE-, ANTI-, CIRCUM-, CO-, CONTRA-, ENTRE-, EXTRA-, HIPER-, INFRA-, INTRA-, PÓS-, PRÉ-, PRÓ-, SOBRE-,

SUB-, SUPER-, SUPRA-, ULTRA-, ETC.) E EM FORMAÇÕES POR RECOMPOSIÇÃO, ISTO É, COM ELEMENTOS NÃO AUTÓNOMOS OU FALSOS PREFIXOS, DE ORIGEM GREGA E LATINA (TAIS COMO:

AERO-, AGRO-, ARQUI-, AUTO-, BIO-, ELETRO-, GEO-, HIDRO-, INTER-, MACRO-, MAXI-, MICRO-, MINI-, MULTI-, NEO-, PAN-, PLURI-, PROTO-, PSEUDO-, RETRO-, SEMI-, TELE-,

ETC.), SÓ SE EMPREGA O HÍFEN NOS SEGUINTES CASOS: [...] (DISPONÍVEL EM: HTTP://WWW.ACADEMIA.ORG.BR/ABL/MEDIA/O%20ACORDO%20ORTOGR%C3%A1FICO%20DA%20L%C3%ADNGUA%20PORTUGUESA_ANEXOI%20E%20II.PDF; ACESSO EM 08.11.2012):

VÊ-SE QUE O ACORDO AFIRMA QUE SE EMPREGA HÍFEN NAS PALAVRAS QUE CONSTITUEM UMA "UNIDADE SEMÂNTICA E MANTÊM O ACENTO PRÓPRIO". ORA, ÁUDIO-DESCRIÇÃO É FORMADA POR DOIS SUBSTANTIVOS QUE NÃO PERDERAM A UNIDADE SEMÂNTICA ANTERIOR, E QUE, NA COMPOSIÇÃO DO CONCEITO CONHECIDO COMO TRADUÇÃO VISUAL DE EVENTOS VISUAIS, ADQUIREM UMA SEMÂNTICA PRÓPRIA E, A PROPÓSITO, MANTÉM O ACENTO EM ÁUDIO. QUANDO SE COMPARA AS PALAVRAS ÁUDIO-DESCRIÇÃO COM PARAQUEDAS, PERCEBE-SE QUE A PRIMEIRA MANTÉM A SIGNIFICAÇÃO DA JUSTAPOSIÇÃO ÁUDIO + DESCRIÇÃO, DESIGNANDO SEMÂNTICA PRÓPRIA PARA O TERMO, E NÃO É NEM ÁUDIO NEM DESCRIÇÃO, DIFERENTE DE PARAQUEDAS, QUE DESIGNA UM OBJETO COM O FIM DE "PARAR QUEDAS".

EMBORA O ACORDO NÃO TRAGA NENHUM EXEMPLO COM "AUDIO" (SEM ACENTO) OU "ÁUDIO" (COM ACENTO), SÃO VÁRIOS OS AUTORES QUE CITAM "AUDIO-" (SEM ACENTO) COMO SENDO UM PREFIXO DA LÍNGUA PORTUGUESA E O EXEMPLIFICAM COM, ENTRE OUTRAS, A PALAVRA "AUDIOVISUAL"5:

PELO QUE DETERMINA A BASE XVI, SE SE CONSIDERA QUE TODA E QUALQUER PALAVRA INICIADA POR "AUDIO" (SEM ACENTO) TENHA ESTE COMO PREFIXO, O NÃO USO DE HÍFEN

EM "AUDIODESCRIÇÃO" ESTARIA EM ACORDO COM A GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA.

NO ENTANTO, É O SUBSTANTIVO "ÁUDIO" (COM ACENTO), E NÃO O PREFIXO "AUDIO-" (SEM ACENTO), QUE ESTÁ PRESENTE EM ÁUDIO-DESCRIÇÃO, UMA VEZ QUE "ÁUDIO" (PREFIXO), APENAS MODIFICARIA O RADICAL, COMO POR EXEMPLO EM AUDIOLIVRO (LIVRO EM ÁUDIO), AUDIOGRAMA (CURVA CARACTERÍSTICA DA SENSIBILIDADE DO OUVIDO AOS DIVERSOS SONS), TERMOS QUE NÃO SÃO ESPECIALIZAÇÕES DISTINTAS DOS LÉXICOS QUE AS COMPÕEM, MESMO CASO DE AUDIOVISUAL, DISCUTIDO MAIS ADIANTE.

EM GRAMÁTICA ON-LINE6, DO PROFESSOR DILSON CATARINO, DISCUTE-SE O USO DE HÍFEN APÓS PREFIXOS OU FALSOS PREFIXOS, SEGUNDO O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: "PREFIXOS OU FALSOS PREFIXOS SÃO ELEMENTOS QUE NÃO EXISTEM ISOLADAMENTE COMO PALAVRA DA LÍNGUA PORTUGUESA". NO NOVO DICIONÁRIO AURÉLIO DA LÍNGUA PORTUGUESA (FERREIRA, 2009, P. 228), POR EXEMPLO, É ENCONTRADO "AUDI (O) -" (UM PREFIXO) E "ÁUDIO" (UM SUBSTANTIVO).

ASSIM, "AUDIO" (PREFIXO) E "ÁUDIO" (SUBSTANTIVO) TÊM GRAFIAS DIFERENTES PORQUE TÊM SIGNIFICADOS DIFERENTES; E, CONSEQUENTEMENTE, SEGUEM REGRAS ORTOGRÁFICAS

DIFERENTES: SIGNIFICANTE E SIGNIFICADO INDISSOCIÁVEIS NA COMPOSIÇÃO DO SIGNO LINGUÍSTICO.

DESSA FORMA, A BASE XVI, QUE REGULA O USO DO HÍFEN NAS FORMAÇÕES POR PREFIXAÇÃO, RECOMPOSIÇÃO E SUFIXAÇÃO, NÃO SERVE DE PARÂMETRO PARA SE JUSTIFICAR A ELIMINAÇÃO DO HÍFEN EM ÁUDIO-DESCRIÇÃO, POIS ESTA PALAVRA SE FORMA PELA COMPOSIÇÃO POR JUSTAPOSIÇÃO.

POR OUTRO LADO, A BASE XV, QUE OBSERVA QUE OS COMPOSTOS, EM QUE SE PERDEU A NOÇÃO DE COMPOSIÇÃO, GRAFAM-SE AGLUTINADAMENTE (GIRASSOL, MADRESSILVA, MANDACHUVA, PONTAPÉ), TAMBÉM NÃO SERVE PARA JUSTIFICAR A EXCLUSÃO DO HÍFEN EM ÁUDIO-DESCRIÇÃO, VISTO QUE DIFERENTE DE MANDACHUVA (PESSOA IMPORTANTE), TERMO QUE CLARAMENTE PERDEU A NOÇÃO DE COMPOSIÇÃO E NADA MAIS TEM QUE VER COM MANDAR E CHUVA, OU MANDAR NA CHUVA, ÁUDIO-DESCRIÇÃO, ALÉM DE COMPOR UM NOVO LÉXICO, É, SABIDAMENTE, VOCÁBULO DE CONSTRUÇÃO RECENTE E CONCEITUAÇÃO ESPECÍFICA, PORTANTO NÃO SE PODE FALAR QUE PERDEU A NOÇÃO DE COMPOSIÇÃO.

5- ÁUDIO-DESCRIÇÃO E AUDIOVISUAL

UM DOS MAIS CONHECIDOS BLOGS BRASILEIROS DESTINADO À DIFUSÃO DA ÁUDIO-DESCRIÇÃO, O BLOG DA AUDIODESCRIÇÃO7, DISCUTE A CONTROVÉRSIA DA GRAFIA DOS TERMOS.

O BLOGUEIRO RESPONSÁVEL POR AQUELA PÁGINA NA INTERNET RESPEITA A DIFERENÇA DE ORTOGRAFIA DOS AUTORES QUE COLABORAM COM O SÍTIO, MAS ASSUME POSIÇÃO A FAVOR DO NÃO USO DO HÍFEN, SOB A COMPREENSÃO QUE CONSTRUIU DO ASSUNTO. NO EXCERTO ABAIXO, PODE-SE VER O ENTENDIMENTO QUE O BLOGUEIRO ALCANÇOU DA LEITURA DO NOVO ACORDO DA LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE O USO OU NÃO DO HÍFEN:

"... O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO CRIOU EXCEÇÃO DA EXCEÇÃO, AO INDICAR QUE PALAVRAS JÁ CONSAGRADAS SEM O HÍFEN MANTENHAM A GRAFIA, COMO GIRASSOL, POR EXEMPLO (SM (GIRAR+SOL)

PLANTA COMPOSTA ORNAMENTAL, DE SEMENTES OLEAGINOSAS (HELIANTHUS ANNUUS), CUJAS FLORES SE VOLTAM PARA O SOL).

NENHUMA OUTRA PALAVRA ESTÁ TÃO INTIMAMENTE VINCULADA A 'AUDIODESCRIÇÃO' DO QUE A PALAVRA 'AUDIOVISUAL', QUE TEM SUA GRAFIA PLENAMENTE CONSAGRADA SEM O HÍFEN."

O QUE O BLOGUEIRO NÃO PERCEBEU É QUE NO CASO DA PALAVRA GIRASSOL, PERDEU-SE A NOÇÃO DE COMPOSIÇÃO, ISTO É, DO SIGNIFICADO DOS TERMOS ORIGINAIS QUE COMPÕEM A PALAVRA, CONFORME VISTO NA BASE XV DO ACORDO ORTOGRÁFICO, REGRA QUE NÃO SE APLICA AO LÉXICO ÁUDIO-DESCRIÇÃO.

O BLOG TAMBÉM FIRMA SUA POSIÇÃO DA GRAFIA DE “AUDIODESCRIÇÃO”, SEM HÍFEN, POR ANALOGIA À "AUDIOVISUAL".

MAS EM QUE MEDIDA ÁUDIO-DESCRIÇÃO ESTÁ INTIMAMENTE VINCULADA À "AUDIOVISUAL" COMO QUER ENTENDER O BLOGUEIRO? ORA, AUDIOVISUAL NÃO PASSA DA JUNÇÃO DE "ÁUDIO" + "VISUAL", EM QUE SE MANTÉM O SENTIDO DE CADA LÉXICO, SEM A CRIAÇÃO DE UM NOVO CAMPO SEMÂNTICO. DE FORMA SIMPLIFICADA, UM RECURSO AUDIOVISUAL É UM RECURSO QUE TEM ALGO PARA SER OUVIDO E VISTO. UMA SALA DE AUDIOVISUAL É UMA SALA ONDE SE ENCONTRAM APARELHOS DE SOM, RÁDIO, TV, DVD, PROJETORES, ETC., E NÃO UM LOCAL DISTINTAMENTE DESIGNADO POR UM NOVO SENTIDO OU CONCEITO.

PORTANTO, A SIMILARIDADE QUE HÁ ENTRE "AUDIOVISUAL" E ÁUDIO-DESCRIÇÃO LIMITA-SE AOS RESPECTIVOS SIGNIFICANTES. SEM HAVER TAMBÉM SIMILARIDADE ENTRE OS SIGNIFICADOS

DOS DOIS TERMOS, NÃO CABERIA JUSTIFICAR A AUSÊNCIA DE HÍFEN EM UM, SIMPLESMENTE PORQUE O OUTRO TAMPOUCO O TEM; DEVEM-SE RESPEITAR AS REGRAS DE ORTOGRAFIA PARA CADA CASO.

ENTÃO, RESTA ELUCIDAR SE, EM "ÁUDIO-DESCRIÇÃO" (OU "AUDIODESCRIÇÃO"), AS LEXIAS "ÁUDIO" E "DESCRIÇÃO" CONSTITUEM UMA UNIDADE SINTAGMÁTICA E SEMÂNTICA E MANTÊM ACENTO PRÓPRIO, OU SE HOUVE A PERDA DA NOÇÃO DE COMPOSIÇÃO (BASE XV DO ACORDO ORTOGRÁFICO).

COMO JÁ FOI DITO, O TERMO EM DISCUSSÃO É DE USO RECENTE NO BRASIL, PORTANTO, NÃO FAZ SENTIDO PENSAR EM PERDA DA NOÇÃO DE COMPOSIÇÃO. PROVA DE QUE É UM CONCEITO NOVO, ISTO É, DE USO RECENTE, NÃO HOUVE SEQUER POR PARTE DOS DICIONARISTAS (LEXICÓLOGOS/TERMINÓLOGOS), SUA INCLUSÃO NOS DICIONÁRIOS DE LÍNGUA PORTUGUESA.

OUTRA JUSTIFICATIVA APRESENTADA PELO BLOG DA AUDIODESCRIÇÃO PARA A ESCOLHA DO USO DO TERMO ÁUDIO-DESCRIÇÃO SEM HÍFEN, RECAI SOBRE O INCÔMODO DE SE CRIAR UM TERMO PRÓPRIO PARA A TÉCNICA DA ÁUDIO-DESCRIÇÃO. O BLOGUEIRO QUESTIONA:

"SERÁ QUE O FATO DA DESCRIÇÃO DE IMAGENS PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA POSSUIR TÉCNICAS ESPECÍFICAS E DIFERENTES DA DESCRIÇÃO DE IMAGENS PARA QUEM ENXERGA SERIA MOTIVO TÃO RELEVANTE A PONTO DE JUSTIFICAR A DIFERENCIAÇÃO ORTOGRÁFICA(?)"8 (GRIFOS NOSSOS)

PARA RESPONDER A ESTA QUESTÃO, TOMA-SE O CONCEITO DE MARCONI E LAKATOS (2010), AS QUAIS AFIRMAM QUE TODA VEZ QUE SE BUSCA UMA INVESTIGAÇÃO DE CARÁTER

REFLEXIVO, SISTEMÁTICO E CRÍTICO, FAZ-SE NECESSÁRIA UMA DEFINIÇÃO CLARA DOS TERMOS QUE UTILIZAREMOS NESTA INVESTIGAÇÃO. QUANTO MAIS APURADO E CORRETO O USO DE TERMOS, MELHOR SERÁ A COMPREENSÃO DA REALIDADE OBSERVADA. PARA AS AUTORAS:

O PESQUISADOR NÃO ESTÁ PRECISAMENTE INTERESSADO NAS PALAVRAS, MAS NOS CONCEITOS QUE ELAS INDICAM, NOS ASPECTOS DA REALIDADE EMPÍRICA QUE ELAS MOSTRAM. (MARCONI E LAKATOS, P.163)

NO CASO DA ESCOLHA QUE SE FAZ DO TERMO ÁUDIO-DESCRIÇÃO OU AUDIODESCRIÇÃO, O PESQUISADOR QUE SE DEBRUÇA NESTA INVESTIGAÇÃO TEM QUE TER CLARA A CONCEITUAÇÃODESSE GÊNERO TRADUTÓRIO. LOGO, NÃO SE TRATA DE MERAMENTE CRIAR TERMOS NOVOS, NEM DE APROPRIAR-SE DESCURADAMENTE DE TERMOS EXISTENTES. TRATA-SE DE RECORRER AO REFINAMENTO DO TERMO ÁUDIO-DESCRIÇÃO, COM VISTAS A DISTINGUI-LO DO SENSO COMUM, DE POSSÍVEIS ENTENDIMENTOS EQUIVOCADOS AO SE ENUNCIAR ÁUDIO-DESCRIÇÃO PARA FINS DE ESTUDO CIENTÍFICO, VISTO QUE A ÁUDIO-DESCRIÇÃO É CAMPO DE PESQUISA ASSIM NO BRASIL COMO NO EXTERIOR. CONFORME MARCONI E LAKATOS:

É IMPORTANTE DEFINIR TODOS OS TERMOS QUE POSSAM DAR MARGENS A INTERPRETAÇÕES ERRÔNEAS. O USO DE TERMOS APROPRIADOS, DE DEFINIÇÕES CORRETAS, CONTRIBUI PARA A MELHOR COMPREENSÃO DA REALIDADE OBSERVADA. (MARCONI E LAKATOS, 2010: 162).

COMO SE DEPREENDE DA EXPLICAÇÃO DAS AUTORAS, A RESPOSTA À INDAGAÇÃO FORMULADA PELO BLOGUEIRO PAULO ROMEU FILHO ("SERÁ QUE O FATO DA DESCRIÇÃO DE IMAGENS PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA POSSUIR TÉCNICAS ESPECÍFICAS E DIFERENTES DA DESCRIÇÃO DE IMAGENS PARA QUEM ENXERGA SERIA MOTIVO TÃO RELEVANTE A PONTO DE JUSTIFICAR A DIFERENCIAÇÃO ORTOGRÁFICA?") AO REFLETIR SOBRE O EMPREGO DO HÍFEN NA GRAFIA DE ÁUDIO-DESCRIÇÃO, NÃO PODE SER OUTRA QUE NÃO NA AFIRMATIVA. ISTO É, DEVE-SE RESPEITAR A CRIAÇÃO DO NOVO TERMO, CONSOANTE O QUE ELE ENCERRA, SEM PRECONCEITO OU PATERNALISMO PARA COM OS DESTINATÁRIOS DO SERVIÇO QUE O LÉXICO DEFINE. PARA ISSO É NECESSÁRIO QUE SE O GRAFE CORRETA E DISTINTAMENTE, POSTO QUE ESTE VOCÁBULO É UMA TERMINOLOGIA ESPECIALIZADA DE UM LÉXICO ESPECÍFICO, O QUAL ESTÁ NO CAMPO CIENTÍFICO, MUITO EMBORA ESTEJA IGUALMENTE APROPRIADO PELO COMUM DAS PESSOAS. ASSIM, DA MESMA FORMA QUE NÃO SE VAI DEIXAR DE GRAFAR CONTA-GOTAS COM HÍFEN, MERAMENTE PORQUE UM MÉDICO JÁ TERIA DE EXPLICAR AO PACIENTE LEIGO COMO FAZER USO DESSE DISPOSITIVO, NÃO SE HAVERÁ DE QUERER GRAFAR ÁUDIO-DESCRIÇÃO COMO SE FOSSE UM TERMO DERIVACIONAL, POR PREFIXAÇÃO, MERAMENTE ESTEADO NO ARGUMENTO DE QUE SE ESTARIA OBRIGANDO ÀS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA A DAR MAIS EXPLICAÇÕES SOBRE O RECURSO DA ÁUDIO-DESCRIÇÃO, COMO RECLAMA O BLOGUEIRO:

"NÃO ESTARÍAMOS OBRIGANDO AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA, USUÁRIAS DA AUDIODESCRIÇÃO, A DAR MAIS UMA DE TANTAS EXPLICAÇÕES SOBRE UM RECURSO AINDA POUCO CONHECIDO DA

SOCIEDADE EM GERAL(?);"9

POR OUTRO LADO, EMBORA NÃO SEJA OBJETIVO DESTE TRABALHO FALAR SOBRE BARREIRAS ATITUDINAIS, É RELEVANTE DIZER QUE CONSTITUI BARREIRA ATITUDINAL CRASSA PRETENDER

QUE AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL SÃO INCAPAZES DE EXPLICAR QUAL O RECURSO DE QUE FAZ USO (LIMA, GUEDES E GUEDES, 2010).

DE QUALQUER MODO, O FATO DE NÃO SE SABER A MORFOLOGIA DE UMA PALAVRA, A GRAFIA DELA, OU MESMO O CONCEITO EXATO QUE ELA DETÉM, NÃO SIGNIFICA QUE UM SUJEITO NÃO POSSA USAR DESSA PALAVRA E/OU DO SERVIÇO QUE ELA ENCERRA.

AFINAL SERÁ QUE TODAS AS PESSOAS QUE USAM GUARDA-CHUVA SABEM QUE ESTE SUBSTANTIVO COMPOSTO SE GRAFA COM HÍFEN? O FATO É QUE TANTO GUARDA-CHUVA QUANTO ÁUDIO-DESCRIÇÃO OBEDECEM À MESMA REGRA ORTOGRÁFICA PRESCRITA, ASSIM NO ACORDO ORTOGRÁFICO ANTERIOR COMO NO ATUAL.

6- ÁUDIO-DESCRIÇÃO NO DICIONÁRIO

COMO EM VÁRIAS SITUAÇÕES QUANDO NÃO SE TEM CERTEZA SOBRE O SIGNIFICADO E/OU GRAFIA DAS PALAVRAS, O DICIONÁRIO COSTUMA SER FONTE BASTANTE SEGURA PARA SE

DIRIMIR DÚVIDAS.

NA NOSSA SOCIEDADE, "OS DICIONÁRIOS (SEJAM MONOLÍNGUES, BILÍNGUES, GLOSSÁRIOS, IMPRESSOS, ONLINE ETC.) SÃO A PRINCIPAL FONTE DE CONSULTA PARA TODO AQUELE QUE QUER SABER ALGO A RESPEITO

DO FUNCIONAMENTO DO LÉXICO DE UMA LÍNGUA: GRAFIA, ORTOGRAFIA, CONJUGAÇÃO DE VERBOS, SIGNIFICADOS, PRONÚNCIA, O EQUIVALENTE EM OUTRO IDIOMA ETC.". (SEEMANN, 2011, P. 20)

ALÉM DISSO, SEGUNDO BIDERMAN (2001, P.17), OS DICIONÁRIOS POSSUEM EXTREMA IMPORTÂNCIA E RELEVÂNCIA NAS CIVILIZAÇÕES MODERNAS. COMO OBRAS DE REFERÊNCIA,

OS DICIONÁRIOS RECEBEM DA POPULAÇÃO GERAL O STATUS DE "AUTORIDADE", POIS SE ACREDITA QUE ELES FORAM CRIADOS SEM NENHUMA IMPERFEIÇÃO; AQUILO QUE ESTÁ NO DICIONÁRIO ESTÁ CORRETO (JACKSON, 2002).

AO INVESTIGAR OS PRINCIPAIS DICIONÁRIOS DA LÍNGUA PORTUGUESA, DO BRASIL E DE PORTUGAL, NAS VERSÕES IMPRESSAS E ELETRÔNICAS, CONTUDO, NÃO SE ENCONTRA O

VERBETE ÁUDIO-DESCRIÇÃO, E, POR CONSEGUINTE, NÃO SE PODE CONFIRMAR A HIPÓTESE DE OS LEXÓGRAFOS CONCORDAREM QUE ÁUDIO-DESCRIÇÃO É UM VOCÁBULO DERIVADO E NÃO UM LÉXICO NOVO, COM SIGNIFICADO ESPECIALIZADO, COMPOSTO DE DUAS OUTRAS PALAVRAS COM SIGNIFICADOS DISTINTOS. POR OUTRO LADO, A LITERATURA PÁTRIA E LUSITANA ORA GRAFAM OS TERMOS ÁUDIO E DESCRIÇÃO UNIDOS COM HÍFEN, ORA OS GRAFAM UNIDOS SEM HÍFEN, E HÁ MESMO OS QUE GRAFAM EM SEPARADO OU JUNTO COM ACENTO AGUDO EM ÁUDIO (LIMA ET AL, 2009).

O INSTITUTO ANTÔNIO HOUAISS, NO LIVRO ESCREVENDO PELA NOVA ORTOGRAFIA, AFIRMA QUE:

" NO QUE RESPEITA AO EMPREGO DO HÍFEN, NÃO HÁ PROPRIAMENTE DIVERGÊNCIAS ENTRE A NORMA ORTOGRÁFICA LUSITANA E A BRASILEIRA. AO COMPULSARMOS, PORÉM, OS DICIONÁRIOS PORTUGUESES E BRASILEIROS E AO LERMOS, POR EXEMPLO, JORNAIS E REVISTAS, DEPARAM-SE-NOS MUITAS OSCILAÇÕES E UM LARGO NÚMERO DE FORMAÇÕES VOCABULARES COM GRAFIA DUPLA, OU SEJA, COM HÍFEN E SEM HÍFEN, O QUE AUMENTA DESMESURADA E DESNECESSARIAMENTE AS ENTRADAS LEXICAIS DOS DICIONÁRIOS. ESTAS OSCILAÇÕES VERIFICAM-SE SOBRETUDO NAS FORMAÇÕES POR PREFIXAÇÃO E NA CHAMADA RECOMPOSIÇÃO, OU SEJA, EM FORMAÇÕES COM PSEUDOPREFIXOS DE ORIGEM GREGA OU LATINA." (2009:124).

COM A ATUAL AUSÊNCIA DO TERMO ÁUDIO-DESCRIÇÃO NOS DICIONÁRIOS, MUITOS BRASILEIROS BUSCAM OUTRA FONTE DE REFERÊNCIA DE IGUAL (OU ATÉ, MAIOR) PRESTÍGIO: A ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS (ABL). NA INTERNET, A INSTITUIÇÃO OFERECE A POSSIBILIDADE DE SE SANAR DÚVIDAS REFERENTES À LÍNGUA POR MEIO DE PERGUNTAS ("ABL RESPONDE",

DISPONÍVEL EM: ; ACESSO EM 07.11.2011).

DESSA FORMA, ENVIAMOS A PERGUNTA SOBRE QUAL SERIA A GRAFIA CORRETA ("AUDIODESCRIÇÃO" OU "ÁUDIO-DESCRIÇÃO"), ACOMPANHADA DE UMA BREVE EXPLICAÇÃO SOBRE A

QUE ESTAMOS NOS REFERINDO; O SIGNIFICADO DO TERMO. EM MENOS DE DUAS HORAS A PERGUNTA FOI RESPONDIDA (VIA CORREIO ELETRÔNICO):

"RESPOSTA: PREZADO, SEGUINDO OS REGISTROS DO VOLP (VOCABULÁRIO ORTOGRÁFICO DA LÍNGUA PORTUGUESA), DA ABL, PARA AUDIOFONE, AUDIOAMPLIFICAR, AUDIOFREQUÊNCIA, AUDIOVISUAL, AUDIOTRANSFORMADOR, ESCREVA AUDIODESCRIÇÃO."

OU SEJA, SEGUNDO A ABL, O TERMO NÃO TEM HÍFEN, O QUE, PARA MUITAS PESSOAS, SERIA O FINAL DA DISCUSSÃO; COMO SE COSTUMA DIZER NAS CONVERSAS INFORMAIS: SE

A ABL FALOU, ESTÁ FALADO. É O STATUS DE AUTORIDADE A QUE NOS REFERIMOS ACIMA. PORÉM, FICA CLARA A TOTAL FALTA DE JUSTIFICATIVA MINIMAMENTE SATISFATÓRIA NA RESPOSTA DA ABL, SEQUER HOUVE QUALQUER CITAÇÃO DAS NORMAS DO ACORDO ORTOGRÁFICO OU OUTRA FONTE DE REFERÊNCIA QUE SUSTENTASSE A POSIÇÃO DA INSTITUIÇÃO SOBRE O FATO.

AO CONTRÁRIO, A RESPOSTA DA ABL REFORÇA O EQUÍVOCO EM SE ATRIBUIR A AUSÊNCIA DO HÍFEN NA GRAFIA POR ANALOGIA A OUTRAS PALAVRAS JÁ DICIONARIZADAS, MAS QUE, CONFORME JÁ DISCUTIMOS, TÊM SIMILARIDADE APENAS ENTRE OS SIGNIFICANTES.

COMO EXPLICADO, O TERMO QUE AQUI DISCUTIMOS É COMPOSTO POR DOIS SUBSTANTIVOS, "ÁUDIO" E "DESCRIÇÃO". AMBOS MANTÊM O ACENTO PRÓPRIO E CONSTITUEM UMA UNIDADE SINTAGMÁTICA E SEMÂNTICA. PORTANTO, PELA BASE XV DO NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO DA LÍNGUA PORTUGUESA, O TERMO DEVE SER GRAFADO COM HÍFEN: "ÁUDIO-DESCRIÇÃO".
7- CONSIDERAÇÕES FINAIS

CLARO ESTÁ QUE "AUDIODESCRIÇÃO", POIS, É DIFERENTE DE "ÁUDIO-DESCRIÇÃO". AQUELA SE CONSTITUI SEMANTICAMENTE COMO DESCRIÇÃO EM ÁUDIO, ENQUANTO ESTA SE ESTRUTURA EM TORNO DE UM GÊNERO TRADUTÓRIO, CUJAS TÉCNICAS VISAM À TRADUÇÃO DE UM EVENTO VISUAL EM PALAVRAS, QUE POR SUA VEZ ELICIARÃO IMAGENS NA MENTE DE QUEM AS RECEBE.

SIMPLIFICAR QUE ÁUDIO-DESCRIÇÃO É APENAS PASSAR DA IMAGEM VISTA PARA O ÁUDIO A SER OUVIDO, SERIA DESCONSIDERAR O OBJETIVO DE TRADUZIR EM PALAVRAS EVENTOS VISUAIS INACESSÍVEIS AOS QUE ESTÃO, TEMPORÁRIA OU PERMANENTEMENTE, INCAPAZES DE OS VER, IGNORANDO QUE A ÁUDIO-DESCRIÇÃO PRIMA POR EMPODERAR SOBRETUDO AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA A RESPEITO DO EVENTO VISUAL, ESTÁTICO OU DINÂMICO.

DE OUTRA FORMA, DO PONTO DE VISTA MORFOLÓGICO, E EM CONSONÂNCIA COM O ACORDO ORTOGRÁFICO DA LÍNGUA PORTUGUESA, SIGNIFICA REITERAR QUE GRAFAR ÁUDIO-DESCRIÇÃO

COM HÍFEN É ENTENDER QUE ESTE LÉXICO SE FORMOU PELO PROCESSO DE COMPOSIÇÃO, E QUE O TERMO ENCERRA UM CONCEITO NOVO E ESPECIALIZADO, QUE NÃO SE CONSTITUI POR UM PROCESSO DE DERIVAÇÃO, POSTO QUE NÃO É A SIMPLES DESCRIÇÃO FALADA, MAS QUE SE CONSTITUI POR UM PROCESSO DE COMPOSIÇÃO, DADO QUE É UMA TRADUÇÃO VISUAL DOS EVENTOS VISUAIS/IMAGÉTICOS, DESTINADA, PRINCIPALMENTE ÀS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL, PESSOAS CEGAS OU COM BAIXA VISÃO.

PORTANTO, GRAFAR ÁUDIO-DESCRIÇÃO (COM HÍFEN) NÃO É MERAMENTE UM PRECIOSISMO LINGUÍSTICO. É, AO CONTRÁRIO, A OBSERVÂNCIA DO QUE DETERMINA A BASE XV DO DECRETO Nº. 6.583/2008 E É, PRINCIPALMENTE, ASSUMIR POSIÇÃO DIFERENCIADA SOBRE A CONCEITUAÇÃO DO TERMO ÁUDIO-DESCRIÇÃO, DISTINGUINDO-O DE DESCRIÇÃO EM ÁUDIO (DESCRIÇÃO FALADA) PARA CONCEITUÁ-LO COMO TRADUÇÃO VISUAL (ÁUDIO-DESCRIÇÃO DAQUELES EVENTOS VISUAIS, OS QUAIS, POR ALGUMA RAZÃO, NÃO ESTEJAM DISPONÍVEIS AO INDIVÍDUO COM DEFICIÊNCIA VISUAL E/OU OUTRAS), SEJA PORQUE TAIS EVENTOS NÃO SÃO/ESTÃO DEDUZIDOS PELOS SONS, PELA TRILHA SONORA DA OBRA, SEJA PORQUE NÃO SÃO/ESTÃO DEDUZIDOS PELA COGNIÇÃO OU PELO INTELECTO DO ESPECTADOR/OBSERVADOR.

REFERÊNCIAS

ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS. DISPONÍVEL EM: HTTP://WWW.ACADEMIA.ORG.BR. ACESSO EM 07.11.2011.

BASÍLIO, MARGARIDA. ESTRUTURAS LEXICAIS DO PORTUGUÊS. PETRÓPOLIS: VOZES, 1980

__________. FORMAÇÃO E CLASSES DE PALAVRAS NO PORTUGUÊS DO BRASIL. SÃO PAULO: CONTEXTO, 2004.

BECHARA, EVANILDO. MODERNA GRAMÁTICA PORTUGUESA. ED. REVISTA E AMPLIADA. SÃO PAULO: COMPANHIA EDITORA NACIONAL, 2002.

BIDERMAN, MARIA TEREZA CAMARGO. AS CIÊNCIAS DO LÉXICO. IN: OLIVEIRA, A. M. P. E ISQUERDO, A. N. (ORGS.). AS CIÊNCIAS DO LÉXICO: LEXICOLOGIA, LEXICOGRAFIA, TERMINOLOGIA.

2ª ED. CAMPO GRANDE: UFMS, P. 13-22, 2001.

BLOG DA AUDIODESCRIÇÃO. DISPONÍVEL EM: HTTP://WWW. BLOGDAAUDIODESCRICAO.COM.BR/. ACESSO EM 07.08.2012.

BORBA, FRANCISCO DA SILVA. DICIONÁRIO GRAMATICAL DE VERBOS DO PORTUGUÊS CONTEMPORÂNEO DO BRASIL. SÃO PAULO: EDITORA DA UNESP. (1990, 1ª EDIÇÃO), 1991.

BRASIL, DECRETO Nº. 5.296/2004. DISPONÍVEL EM HTTP://AGENDA.SACI.ORG.BR

BRASIL, DECRETO Nº. 6.583/2008. DISPONÍVEL EM HTTP://WWW.PLANALTO.GOV.BR/CCIVIL_03/_ATO2007-2010/2008/DECRETO/D6583.HTM

CASTILHO, ATALIBA TEIXEIRA DE (ORG). GRAMÁTICA DO PORTUGUÊS FALADO, VOLUME III: AS ABORDAGENS. SÃO PAULO: EDITORA DA UNICAMP, 1996.

CHOMSKY, NOAM. LINGUAGEM E MENTE: PENSAMENTOS ATUAIS SOBRE ANTIGOS PROBLEMAS. TRADUÇÃO LÚCIA LOBATO. BRASÍLIA: EDITORA UNB, 1998.

ESCREVENDO PELA NOVA ORTOGRAFIA: COMO USAR AS REGRAS DO NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO DA LÍNGUA PORTUGUESA. INSTITUTO ANTÔNIO HOUAISS. COORDENAÇÃO E ASSISTÊNCIA DE

JOSÉ CARLOS DE AZEREDO. 3 ª ED. SÃO PAULO: PUBLIFOLHA, 2009

FERREIRA, AURÉLIO BUARQUE DE HOLANDA. NOVO DICIONÁRIO AURÉLIO DA LÍNGUA PORTUGUESA. 4ª ED. CURITIBA: EDITORA POSITIVO, P. 228, 2009.

GRAMÁTICA ON LINE, DISPONÍVEL EM HTTP://WWW.GRAMATICAONLINE.COM.BR/TEXTO/ ACESSO EM 11.11.2012.

JACKSON, HOWARD. LEXICOGRAPHY - AN INTRODUCTION. LONDON: ROUTLEDGE, 2002.

LIMA, F. J. O QUE É A ÁUDIO-DESCRIÇÃO E QUEM A UTILIZA. REVISTA BRASILEIRA DE TRADUÇÃO VISUAL (RBTV), 2010. DISPONÍVEL EM < HTTP:// WWW. RBTV.A SSOCIA DOSDAINCLUSAO.COM.BR/INDEX.PH
P/PRINCIPAL/ANNOUNCEMENT / VIEW/41> ACESSO: 20 JUN 2010.

LIMA, FRANCISCO JOSÉ, E LIMA, ROSÂNGELA A. FERREIRA. LIÇÕES BASILARES PARA A FORMAÇÃO DO ÁUDIO-DESCRITOR EMPODERATIVO. REVISTA BRASILEIRA DE TRADUÇÃO VISUAL

(RBTV), VOL. 11. 2012. DISPONÍVEL EM < HTTP://WWW.RBTV.ASSOCIADOS DAINCLUSAO.COM.BR. > ACESSO: 14 OUTUBRO DE 2012.

LIMA, FRANCISCO JOSÉ DE; LIMA, R.A.F., VIEIRA, P. A. M. O TRAÇO DE UNIÃO DA ÁUDIO-DESCRIÇÃO: VERSOS E CONTROVÉRSIAS, VOL. 1. REVISTA BRASILEIRA DE TRADUÇÃO VISUAL

(RBTV) 2009. DISPONÍVEL EM < HTTP://WWW. RBTV. ASSOCIADOS DAINCLUSAO .COM.BR/INDEX.PHP/. > ACESSO: 14 MAIO 2009.

LIMA, F. J.; LIMA, R. A.F., GUEDES, L. C. EM DEFESA DA ÁUDIO-DESCRIÇÃO: CONTRIBUIÇÕES DA CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. VOL 1. REVISTA BRASILEIRA

DE TRADUÇÃO VISUAL (RBTV) 2009. DISPONÍVEL EM < HTTP://WWW.RBTV.ASSOCIADOSDAINCLUSAO.COM.BR/INDEX.PHP/. > ACESSO: 28 FEV. 2010.

LIMA, FRANCISCO J., GUEDES, LÍVIA C; GUEDES, MARCELO C. GUEDES. ÁUDIO-DESCRIÇÃO: ORIENTAÇÕES PARA UMA PRÁTICA SEM BARREIRAS ATITUDINAIS. REVISTA BRASILEIRA DE TRADUÇÃO

VISUAL (RBTV) 2010. DISPONÍVEL EM < HTTP://WWW.RBTV.ASSOCIADOSDAINCLUSAO.COM.BR/INDEX.PHP/> ACESSO: 28 ABR 2010.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. FUNDAMENTOS DE METODOLOGIA CIENTÍFICA. 7ª ED. SÃO PAULO: ATLAS, 2010.

MARTINS, EDUARDO. USO DO HÍFEN. BARUERI: MANOLE, 2006.

MARTINS (2006, P.79). MANUAL DE REDAÇÃO DA PUC-RS. DISPONÍVEL EM: ; ACESSO EM 11.11.2012.

MATTOSO CÂMARA JR, JOAQUIM. DICIONÁRIO DE FILOLOGIA E GRAMÁTICA REFERENTE À LÍNGUA PORTUGUESA. RIO DE JANEIRO: ACADÊMICA, 1977.

__________. ESTRUTURA DA LÍNGUA PORTUGUESA. PETRÓPOLIS: VOZES, 1970.

RONALD W. LANGACKER. LINGUAGEM E SUA ESTRUTURA. PETRÓPOLIS: ED. CORTEZ, 1987.

SAUSSURE, FERDINAND DE. CURSO DE LINGUÍSTICA GERAL. TRADUÇÃO ANTÔNIO CHELINI, JOSÉ PAULO PAES E IZIDORO BLIKSTEIN. 25ª EDIÇÃO. SÃO PAULO: EDITORA CULTRIX, 2003 (1916).

SEEMANN, PAULO AUGUSTO ALMEIDA. A CONSTRUÇÃO DE UM GLOSSÁRIO BILÍNGUE DE FUTEBOL COM O APOIO DA LINGUÍSTICA DE CORPUS. DISSERTAÇÃO (MESTRADO EM LETRAS) - FACULDADE

DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO, SÃO PAULO, 2011.

SILVA, MARIA CECILIA P. DE S.E KOCK, INGEDORE VILLAÇA. LINGUISTICA APLICADA AO PORTUGUÊS: MORFOLOGIA.14ª ED. SÃO PAULO: CORTEZ, 2003.

SILVA, PROF. SÉRGIO NOGUEIRA DUARTE - REFORMA ORTOGRÁFICA. DISPONÍVEL EM: ;

ACESSO EM 11.11.2012.

SNYDER, JOEL. ÁUDIO-DESCRIÇÃO: UMA AJUDA PARA A LITERACIA. REVISTA BRASILEIRA DE TRADUÇÃO VISUAL (RBTV), 2011. VOL. 6. DISPONÍVEL EM < HTTP://WWW.RBTV.ASSOCIADOSDAINCLUSAO.COM.BR


/INDEX.PHP/. > ACESSO: 10 JUN 2012.

TAVARES, FABIANA S. S.; BONA, VIVIANE DE; SILVA, ANDREZA DA NÓBREGA ARRUDA; CARVALHO, ISIS CARVALHO; SILVA, ELISANGELA VIANA DA. REFLEXÕES SOBRE O PILAR DA ÁUDIO-DESCRIÇÃO:

"DESCREVA O QUE VOCÊ VÊ". REVISTA BRASILEIRA DE TRADUÇÃO VISUAL (RBTV), 2010. VOL. 4. DISPONÍVEL EM < HTTP://WWW.RBTV. ASSOCIADOS DAINCLUSAO .COM.BR/INDEX.PHP/.

> ACESSO: 20 SET 2010.


1 PROFESSOR, TRADUTOR E RADIALISTA. MESTRE EM LETRAS (USP), GRADUADO EM LETRAS - ESPANHOL/PORTUGUÊS (USP) E EM COMUNICAÇÃO SOCIAL - RÁDIO E TV (FAAP).

2 PROFESSORA ADJUNTO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO (UFPE), DEPARTAMENTO DE LETRAS; PESQUISADORA DO CENTRO DE ESTUDOS INCLUSIVOS (CEI/UFPE); ÁUDIO-DESCRITORA

(RAFLIM@IG.COM.BR)

3 PROFESSOR ADJUNTO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO (UFPE); COORDENADOR DO CENTRO DE ESTUDOS INCLUSIVOS (CEI/UFPE); IDEALIZADOR E FORMADOR DO CURSO DE TRADUÇÃO

VISUAL COM ÊNFASE EM ÁUDIO-DESCRIÇÃO "IMAGENS QUE FALAM" (CEI/UFPE); PROFESSOR DA DISCIPLINA DE ÁUDIO-DESCRIÇÃO NO CURSO DE RÁDIO, TV E INTERNET DA UFPE; IDEALIZADOR/RESPONSÁVEL

PELA PÁGINA SOBRE DIREITO INCLUSIVO "DIREITO PARA TODOS" (WWW.DIREITOPARATODOS.ASSOCIADOSDAINCLUSAO.COM.BR). (LIMAFJ@ASSOCIADOSDAINCLUSAO.COM.BR E LIMAFJ.BR@GMAIL.COM)

4 SOBRE O CONCEITO DE PALAVRA, FORMA LIVRE, FORMA PRESA, FORMA DEPENDENTE, PALAVRA PRIMITIVA, CONSULTE MATTOSO CÂMARA (1970).

5 VER EM MARTINS (2006, P.79), MANUAL DE REDAÇÃO DA PUC-RS (DISPONÍVEL EM: ; ACESSO EM 11.11.2012); PROF. SÉRGIO NOGUEIRA

DUARTE DA SILVA - REFORMA ORTOGRÁFICA (DISPONÍVEL EM: ; ACESSO

EM 11.11.2012), ETC.

6 DISPONÍVEL EM HTTP://WWW.GRAMATICAONLINE.COM.BR/TEXTO/; ACESSO EM 11.11.2012)

7 (DISPONÍVEL EM: ; ACESSO EM 07.08.2012)

8 (DISPONÍVEL EM: ; ACESSO EM 07.08.2012)

9 (DISPONÍVEL EM: ; ACESSO EM

07.08.2012)"
Espero que as dúvidas a respeito da grafia correta da áudio-descrição tenham sido dirimidas após a leitura analítica do texto supratranscrito!

#11. PAINEL ACESSIBILIDADE


Colunista DEBORAH PRATES (deborahprates@oi.com.br)

* Quando as oprimidas viram opressoras


Frequento alguns coletivos feministas na Cidade Maravilhosa. Um deles realizou, neste final de março, um evento em um cinema. Antes do filme aconteceu um debate com abordagem feminista. Pensei em não ir pela ausência de audiodescrição para o filme que seria exibido após a roda de conversa.
É que eu já havia solicitado e reiterado essa acessibilidade e, em resposta, ouvi o de praxe: - Ah, não temos recursos. Dormi arrasada. Acordei fortalecida e com a certeza de que deveria ir. Fui!

Dei sorte por que fui convidada para falar pelo movimento. Então, fiz questão de enfatizar que não faria um mero desabafo, como comumente ouço as moças dizerem, e sim uma nova reivindicação para a efetivação dos direitos fundamentais das pessoas com deficiência. Contei à plateia a importância da audiodescrição para a compreensão do contexto do filme. Alertei que se houvesse sororidade e solidariedade dos humanos sem deficiência, com o mesmo dinheiro poderia ter sido decidido pelo filme dublado. Seria uma boa chance de exercitar a acessibilidade atitudinal, de sorte que pouco importaria se muitos e muitas só gostassem de filmes nas suas línguas originais. Finalizei informando que as acessibilidades compunham o rol dos nossos direitos fundamentais e que não poderíamos falar de democracia sem igualdade e liberdade sem acessibilidade. Despedi-me informando que não ficaria para o filme por todos os motivos já explicados. Afinal, nunca perdi a minha dignidade!

Na saída ouvi vozes femininas retrucando os meus argumentos. Revidavam que eu não poderia ter dito tudo o que disse ali, já que não seria o momento certo para "desabafar".

Percebi naquelas vozes a encarnação da opressão pelo poder das mulheres sem deficiência contra as suas iguais com deficiência. Pena que a minha manifestação fora renegada às escondidas! Ah, se elas tivessem me chamado e não retrucado por trás!

Inequívoco o olhar assistencialista que retira as mulheres com deficiência de cena! Vivemos tuteladas. Sem independência e autonomia até para fazer as próprias escolhas!

Voltando para casa, no sacolejo do metrô, lembrei-me da obra do antropólogo Roberto da Matta, "O que faz o brasil, Brasil?" Os argumentos tocantes às desigualdades no ano de 1985 se encaixavam como uma luva naquela sofrida experiência.

O autor demonstra que o povo brasileiro adora a desigualdade. Porém, sempre dá um jeitinho de conciliar as visões diferentes, fingindo uma harmonia entre todas e todos. Procura agregar os opostos numa mesma fôrma. Contudo, com muita sutileza, sabe deixar nítido quem são os brasileiros principais e, no contraponto, quem são os brasileiros coadjuvantes.

A questão é que a nossa sociedade não constrói barreiras físicas claras. Mas, ninguém tem dúvidas de que elas existem no nosso cotidiano.

A desigualdade traz a ideia de que existem pessoas melhores que outras. No nosso Brasil, em tese, os desiguais convivem nos mesmos espaços num tom de igualdade formal. Todavia, a diferença é patente. Não pelas barreiras físicas, mas pelas barreiras simbólicas, atitudinais.

O exemplo do vestibular dá a impressão de que todos concorrem igualmente. Mas, sabemos que a maioria que passa para as universidades públicas vem de escolas particulares. É um país de faz de conta. A noção de igualdade nunca pegou no Brasil.

A nossa história é feita de privilégios atrás de privilégios. Tenho a impressão que o brasileiro parece ter vergonha desse modo de viver, pelo que finge se misturar com os diferentes. E, por esse jeitão, inventou uma hierarquia de valores. É tudo simbólico, velado, maquiado.

Funciona assim: a pele branca vale mais que a pele negra; a pessoa sem deficiência vale mais que a pessoa com deficiência; o brasileiro jovem vale mais que o idoso, etc. O brasileiro que ostenta um símbolo, acertado como maior pela sociedade, tem mais direitos. Há um véu da igualdade passando por trás das desigualdades. Naquele cinema éramos todas iguais! A prova estava nas imagens de uma mulher com deficiência e outra negra no palco.

As pessoas com deficiência, ainda em 2017, são - simbolicamente - tidas como quase alguém. Como quase brasileiras. Assim, o CNJ baixou a Resolução 185/2013. É o famoso PJe. Esse sistema de peticionamento eletrônico não fora desenvolvido conforme o Consórcio W3C, de modo que baniu os advogados cegos da advocacia ante a ausência das acessibilidades. Esse mau exemplo não deixa dúvida de que, de modo simbólico, as pessoas sem deficiência têm peso maior que as "iguais" com deficiência.

Nessa balada a sociedade vai eternizando o preconceito sobre as pessoas com deficiência e IGNORANDO, solenemente, a efetivação das acessibilidades como direito fundamental desse seguimento.

Nos movimentos feministas a situação se repete. Nas reuniões eu falo, falo, falo... nada acontece. Mas, a causa é bonita! Os políticos adoram! Deixamos as fotografias com um ar de inclusão para serem postadas no facebook em busca de dezenas de curtidas e comentários clichês. Ai, maldito véu da igualdade que recobre as nossas cabeças!

Normal, pois, o comentário das mulheres sem deficiência depois da minha constitucional manifestação. Essas opressoras não sabiam o que falavam. A ignorância é que atravanca o progresso.

Diziam que eu tinha que esperar. O quê? A morte? A Lei de Cotas, por ilustração, tem 26 anos sem cumprimento. A nossa Convenção de Nova Iorque (com status de Emenda Constitucional) tem 9 anos e não é cumprida. Temos a melhor legislação do planeta totalmente ignorada pela sociedade brasileira. E as moças vêm dizer que não era hora de falar, de brigar pela efetivação dos nossos direitos fundamentais!

Qual será a nossa hora de reivindicar o cumprimento das leis? Querem nos amordaçar! Não! Para os que têm uma crença religiosa, talvez na vida eterna seja o momento oportuno. Vivemos no tempo presente. No aqui e agora. Quem restituirá às pessoas com deficiência o tempo de vida perdido? Mulheres sem deficiência oprimindo as suas iguais com deficiência! Pode isso?

Roberto da Matta intitula esse comportamento como desigualdade simpática. A tradução desse termo para o caso exposto é: eu sou a sua opressora e vou sugar o seu sangue até a última gota. Mas, o farei de modo simpático. E você - mulher com deficiência - me sorrirá de volta para os registros fotográficos. Somos absurdamente desiguais, mas vamos fingir que somos iguais! Num clique somos deletadas, caramba!

Por essa desigualdade simpática é que fica muito difícil combater os preconceitos e seguidas discriminações.

Os movimentos feministas hão que entender que enquanto existirem as discriminações negativas deverão existir as discriminações positivas. Não tenho dúvida de que é a sociedade que tem que sair da inércia, da zona de conforto e enxergar a outra e o outro com deficiência e as diversidades em geral. Quem é a cega nessa narrativa?

# 12. PERSONA


Colunista: IVONETE SANTOS (ivonete.euclides@gmail.com)
* Entrevista exibida no programa especial da TV Brasil com a youtuber Natália Santos, Estudante de Jornalismo
1- Quantos anos você tem e a quanto tempo ficou cega?

R. tenho 23 anos, e tinha baixa visão. Estou totalmente cega desde os 15 anos.?


2- Fale sobre suas atividades de trabalho e estudo.

R. Sou estudante de jornalismo, trabalho como comentarista num programa de TV, e tenho um vlog na internet, que se chama (como assim cega)


3- O que lhe motivou a criar o vlog?

R. A motivação veio das perguntas que as pessoas fazem todos os dias, ou seja, Como eu me visto, como escolho minhas roupas, como estudo, como coloco minha maquiagem. Me perguntam como eu saio sozinha, como ando de bicicleta, como trabalho e outras curiosidades que as pessoas querem saber como faço sendo cega.


4- Qual o objetivo do vlog?

R. Foi criado com o objetivo de mostrar para as pessoas que não tem deficiência, que eu tenho capacidade de fazer tudo que eu me proponho, do meu jeito e também, para encorajar aos meus colegas com deficiência visual ou outras deficiências, a fazerem o que desejam.


5- Que tipo de vídeos você coloca?

R. Coloque vídeos meus, fazendo atividades como, cozinhando, me maquiando, escolhendo minhas roupas para sair, importante destacar que eu faço do meu jeito, e acho que cada um deve encontrar o seu jeito para fazer as coisas.


6- Quem te ajuda na edição e na filmagem dos vídeos?

R. Os vídeos são filmados e editados pelo meu irmão mais novo.


7- Seus vídeos têm recursos de acessibilidade?

R. Infelizmente, ainda não estou conseguindo colocar audiodescrição, mas, essa é uma das minhas lutas. As legendas estou colocando aos poucos.


8- Como é a sua relação com seus seguidores?

R. Tenho uma relação bem bacana, respondo perguntas de pessoas com deficiência e de pessoas sem deficiência.


9- Para você qual a importância de ter um vlog?

R. Considero muito importante, porque me sinto útil e com voz. Eu posso mostrar para a sociedade, que sou uma menina de 23 anos, que mesmo cega, tenho sonhos, que tenho capacidade e que faço coisas que todas as pessoas têm capacidade de fazer.


10- Qual sua mensagem para as pessoas cegas?

R. Penso que não é porque não enxergamos que deveremos ser pessoas apagadas, usar roupas com tons apagados, ficar fora da moda. Devemos tentar ser o que desejamos e como gostamos de ser e viver.


#13. IMAGEM PESSOAL


Colunista: TÂNIA ARAÚJO (contato@taniaaraujo.com.br)

* A ELEGÂNCIA DO COMPORTAMENTO

As pessoas geralmente se preocupam com a aparência física e se esmeram para mostrar uma certa elegância, de acordo com suas possibilidades.
Isso é natural do ser humano.

Tanto que muitos buscam escolas que ensinam boas maneiras.

No entanto, existe uma coisa difícil de ser ensinada e que, talvez por isso, esteja cada vez mais rara: a elegância do comportamento.

É um dom que vai muito além do uso correto dos talheres e que abrange bem mais do que dizer um simples obrigado diante de uma gentileza.


É a elegância que nos acompanha, da primeira hora da manhã até a hora de dormir e que se manifesta nas situações mais corriqueiras, quando não há festa alguma nem fotógrafos por perto: é uma elegância desobrigada.

É possível detectá-la nas pessoas que elogiam mais do que criticam.

Nas pessoas que escutam mais do que falam; e quando falam, passam longe da fofoca, das maldades ampliadas de boca em boca.

É possível detectá-la também nas pessoas que não usam um tom superior de voz.

Nas pessoas que evitam assuntos constrangedores porque não sentem prazer em humilhar os outros.
É uma elegância que se pode observar em pessoas pontuais, que respeitam o tempo dos outros e seu próprio tempo.
Elegante é quem demonstra interesse por assuntos que desconhece.

É quem cumpre o que promete e, ao receber uma ligação, não recomenda à secretária que pergunte antes quem está falando e só depois manda dizer se está ou não.


É elegante não ficar espaçoso demais.

Não mudar seu estilo apenas para se adaptar ao de outro.

É muito elegante não falar de dinheiro em bate-papos informais.

É elegante retribuir carinho e solidariedade.


Sobrenome, cargo e joias não substituem a elegância do gesto.
Não há livro de etiqueta que ensine alguém a ter uma visão generosa do mundo e a viver nele sem arrogância.
Pode-se tentar capturar esta delicadeza natural através da observação, mas tentar imitá-la é improdutivo.
A pessoa de comportamento elegante fala no mesmo tom de voz com todos os indivíduos, indistintamente.
Ter comportamento elegante é ser gentil sem afetação.

É ser amigo sem conivência negativa.

Ser sincero sem agressividade.

É ser humilde sem relaxamento.

Ser cordial sem fingimento.

É ser simples com sobriedade.

É ter capacidade de perdoar sem fazer alarde.

É superar dificuldades com fé e coragem.

É saber desarmar a violência com mansuetude e alcançar a vitória sem se vangloriar.

Enfim, elegância de comportamento não é algo que se tem, é algo que se é.

Mais do que decorar regras de etiqueta e elaborar gestos ensaiados, à© preciso desenvolver a verdadeira elegância de comportamento.

Importante que cada gesto seja sincero, que cada atitude tenha sobriedade.

A verdadeira elegância é a do caráter, porque procede da essência do ser.

#14. REENCONTRO


(COLUNA LIVRE)
* Reencontro com Regivaldo Figueiredo
Nome: Regivaldo Figueiredo

Formação: Universitária (Incompleta)

Estado civil:

Profissão: Massoterapeuta

Período em que esteve no I B C.: 1961/76

Breve comentário sobre este período:

Um tempo definitivo sobretudo para minha formação intelectual.

Residência Atual: Fortaleza CE

Objetivos Neste Reencontro: Que reencontro? Ôba!
Contatos: (fones e/ou e-mails)

regivaldo.figueiredo@gmail.com

Tel residencial: 85 3123-0556

Celular: 85 98180-3642


#15 OBSERVATÓRIO EXALUIBC


Colunista: VALDENITO DE SOUZA (valdenitodesouza@gmail.com)
* Bertioga tem a praia mais acessível para pessoas com deficiência
Praia Grande ficou em segundo lugar, com as praias Guilhermina e Tupi.

OAB avaliou as condições de 223 praias do litoral sul e norte paulista.


As praias de Bertioga e Praia Grande, no litoral de São Paulo, têm as melhores condições para receber as pessoas com deficiência, segundo um levantamento realizado pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) que avaliou 223 praias do litoral paulista.
O ranking de acessibilidade começou a ser feito em setembro e foi tabulado nos meses de outubro e novembro de 2016. Segundo a entidade, foram avaliados 11 itens em cada uma das praias. Membros da OAB, que trabalham com a temática dos direitos da pessoa com deficiência nas 12 subseções no litoral sul e norte, ajudaram na coleta dos dados.
Eles procuraram saber, por exemplo, se há informações acessíveis nas praias para todos os tipos de deficiência, serviços de apoio às pessoas com mobilidade condicionada, salva-vidas no local, se a página da prefeitura divulga informações para esse tipo de público, se há estacionamento com vagas exclusivas para deficientes, se existem percursos pedonais acessíveis e livres de obstáculos, se as instalações são adaptadas e acessíveis e se há cadeiras de rodas anfíbias para o banho e passeio na praia para as pessoas com mobilidade reduzida. Eles ainda checaram se existem hotéis que possuem acomodações adaptadas.
A praia da Enseada, em Bertioga, ficou em primeiro lugar no ranking de acessibilidade. Segundo o levantamento, a praia conta com informações acessíveis para todos os tipos de deficiência, apoiadores, salva-vidas, vagas exclusivas, percursos pedonais, sanitários adaptados, postos de primeiros socorros, cadeira de rodas anfíbia, vestiários, duchas e lava-pés. Há também hotéis com acomodações adaptadas e a o site da prefeitura divulga informações ao público sobre acessibilidade.
Dividem a segunda colocação, Guilhermina e Tupi, na Praia Grande. Na terceira posição estão as praias Indaiá, também em Bertioga, Aviação, Boqueirão, Caiçara, Mirim, Cidade Ocian e Solemar, em Praia Grande.
Segundo a última pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2015,
6,2% da população brasileira tem algum tipo de deficiência. Marcos da Costa, presidente da Secional paulista da OAB, diz que o órgão tem uma comissão muito atuante no assunto e que começou a verificar que a questão da acessibilidade nas praias variava de acordo com a política local. Por isso, resolveram fazer um raio-x da situação no litoral paulista.
"Essa primeira pesquisa foi para chamar atenção para o tema. A praia é um bem público. Não é porque a pessoa tem alguma deficiência que deixa de ter acesso à praia. Quando a gente vê essas pessoas na praia é uma alegria, é uma conquista da pessoa", diz ele.
Com os resultados do ranking em mãos, os integrantes das comissões podem levar essas informações para o poder público e cobrar melhorias para as pessoas com deficiência. "Identificar quais os itens de acessibilidade que os municípios têm adotado e, a partir disso, criar uma divulgação cultural para que a sociedade passe a cobrar itens de inclusão", afirma.
Ainda segundo ele, as subseções estão marcando reuniões com os prefeitos, mostrando que há praias com boa acessibilidade, como Bertioga. Para ele, ter uma estrutura a mais para as pessoas com deficiência é um diferencial, inclusive, para o setor do turismo. Além disso, de acordo com Costa, as adaptações que devem ser feitas são muito simples.
"Duchas públicas com apoiador são essenciais. A questão das informações físicas, com placas e em braile. Informações no site. Só o fato de estar divulgando faz com que as pessoas parem para pensar sobre isso", explica.

A ideia é que o levantamento seja atualizado a cada seis meses e que seja possível ver alterações nas cidades e os prefeitos se preocupando com o tema.


Costa enfatiza que os cidadãos também podem ajudar a deixar as praias um ambiente cada vez mais frequentado por qualquer um. "Tem que cobrar da municipalidade, das câmaras municipais. É direito do cidadão ter acesso aos locais públicos. A praia é um local público", finaliza.
//Fonte: http://g1.globo.com/sp/santos-regiao/verao/2017/noticia/2017/02/bertioga-tem-praia-mais-acessivel-para-pessoas-com-deficiencia.html
Nota do colunista:
Muito boa medida, usufruir da natureza é sempre positivo. Cabe ao segmento, apoiar o projeto, acompanhando-o, interagindo com as autoridades responsáveis, enfim, tomar posse de tão salutar empreendimento.
Fim da Nota

Ps. Neste espaço, também publicamos manifestações de companheiros, que tenham como temática o nosso segmento.Informações para a redação do Contraponto (contraponto.exaluib@gmail.com).


#16. PANORAMA PARAOLÍMPICO


Colunista: ROBERTO PAIXÃO (rnpaixao@gmail.com)
* Ao final de março e início de abril foram eleitos os presidentes da Confederação Brasileira de desportos de deficientes Visuais (CBDV) e Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) respectivamente:
1. Em eleições realizadas no domingo (26 de março), no Instituto Benjamim Constant, no Rio de Janeiro, José Antônio Ferreira Freire foi eleito e ficará à frente da CBDV pelos próximos quatro anos. Ao seu lado estará o secretário-geral Helder Maciel Araújo.
A chapa Consolidação CBDV venceu a eleição para a Diretoria Executiva com 43 votos, contra 25 votos da chapa Unidos pela CBDV, formada pelo presidente da Federação Paulista de Desporto para Cegos, Luiz Antônio Pedrosa, e o ex-presidente da CBDV, Sandro Laina Soares. Houve apenas uma abstenção.
Também foram conhecidos os novos membros dos Conselhos Deliberativo e Fiscal. Veja a lista e os seus respectivos números de votos:
Conselho Deliberativo

Sandro Rodrigues, com 45 votos;

Erondi Mocelin, com 44 votos;

Antônio Sérgio Oliveira Soares, com 42 votos.

Conselho Fiscal

Jackson Bulhões, com 57 votos;

Sandro Luis da Silva, com 53 votos;

Carlos Ajur Cardoso Costa, com 33 votos;

Kellerson Souto Viana, com 23 votos, na condição de suplente;

Edvaldo Ribeiro de Lima, com 22 votos, na condição de suplente.

2. Mizael Conrado é eleito presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro O Comitê Paralímpico Brasileiro elegeu na sexta-feira, 31/03/2017, o quarto presidente de sua história. O ex-atleta de futebol de 5 (para cegos) e bicampeão paralímpico Mizael Conrado foi eleito por aclamação para o

mandato de quatro anos à frente da entidade. Formam a diretoria executiva junto com Mizael o primeiro e segundo vice-presidentes, respectivamente, Naíse Pedrosa e Ivaldo Brandão. Mizael assume agora o cargo que era ocupado por Andrew Parsons desde 2009.


Mizael Conrado é o primeiro medalhista paralímpico a assumir o cargo de presidente do CPB. O ex-atleta, além das medalhas de ouro nos Jogos de Atenas, em 2004, e de Pequim, em 2008, ainda foi considerado o melhor jogador de futebol de 5 do mundo em 1998.
- "É com grande emoção que assumo essa presidência. Sei que teremos grandes desafios e maior ainda será a responsabilidade. Essa responsabilidade vem com o compromisso de dar o melhor de mim para dar a oportunidade para aqueles que ainda não tiveram acesso ao esporte paralímpico. Quero estar à altura deste movimento e honrar os outros presidentes que formaram o alicerce do que temos hoje. Meu antecessor, Andrew, deixou como grande legado a harmonização do movimento

paralímpico e assumo aqui o compromisso de manter essa harmonia. Juntos nos fortalecemos!" - Disse Mizael.


O novo presidente ocupou o cargo de vice-presidente durante os dois mandatos de Andrew Parsons. Agora ex-presidente, Parsons acredita que o CPB continuará com o bom trabalho em busca do desenvolvimento do esporte paralímpico do Brasil.
- Desejo a maior sorte do mundo para a nova diretoria executiva. São três pessoas extremamente capazes. Com o Brandão tive uma parceria de quatro anos, com o Mizael, de oito anos. A visão do Mizael de ex-atleta, aliado com a experiência que agora ele tem como gestor, vai levá-lo a ser um grande presidente. Tenho certeza que vai levar o movimento paralímpico não só a lugares mais altos do quadro de medalhas dos Jogos de Tóquio, mas também trará avanços dando oportunidade às pessoas com deficiência para a prática de esporte em todos os seus níveis – observou Parsons.
Enquanto vice-presidente do CPB na gestão de Parsons, Mizael teve importante atuação na questão da aprovação do estatuto da pessoa com deficiência, a Lei Brasileira da Inclusão (Lei 13.146/2015), que, entre outros benefícios, aumentou os investimentos no esporte paralímpico nacional.
Os relatores da lei no Senado, Romário, e na Câmara dos Deputados, Mara Gabrilli, peças importantíssimas para a aprovação do estatuto, apoiaram a escolha de Mizael para o cargo mais alto do movimento paralímpico nacional.
- Mizael Conrado assumir a presidência do Comitê Paralímpico Brasileiro é um fato que me enche de orgulho. Ter uma pessoa cega e ex-atleta à frente do CPB é muito simbólico. Especialmente no nosso país, onde quase não vemos ex-atletas gerindo o esporte. Isso, com certeza, fará toda

diferença, porque a experiência da prática traz um ponto de vista privilegiado. Além disso, Mizael é advogado por formação. Fica, então, meu desejo de sucesso a ele e ao esporte paralímpico brasileiro – disse Romário, que além de senador, é embaixador paralímpico.


- Mizael é um amigo e grande parceiro que tenho na luta pelos direitos das pessoas com deficiência. Além de ter defendido com suor e muita garra as cores da bandeira brasileira mundo afora como atleta, onde se consagrou como um dos melhores do mundo, é um grande conhecedor da

legislação sobre as pessoas com deficiência. Desejo todo o sucesso à frente do CPB e tenho a certeza de que a partir de agora vamos trabalhar ainda mais juntos para fortalecer o esporte paralímpico do Brasil - afirmou Mara Gabrilli.


Conselhos Fiscal e Deliberativo e Representante de Entidade Olímpica
Além da diretoria executiva, também foram escolhidos na tarde desta sexta-feira os membros dos Conselhos Fiscal e Deliberativo e ainda o representante das entidades nacionais de administração do desporto olímpico.
Para o Conselho Fiscal, os escolhidos foram Gustavo Delbin (12 votos),

Marcelo Corrêa (8 votos) e Sidney de Oliveira (7 votos). No Conselho

Deliberativo, Márcia Campeão (11 votos) e Jesus Thomaz Tarja (7 votos)

foram os mais votados. O representante de entidades nacionais olímpicas junto ao Conselho Deliberativo será Alaor Azevedo, indicado pela Confederação Brasileira de Tênis de Mesa.


Entenda a eleição
Para a eleição da diretoria executiva do CPB, votam entidades esportivas com representação no esporte paralímpico e o conselho de atletas. Ao todo, 14 votos são contabilizados no pleito.
3. considerações finais:

Quero parabenizar aos novos presidentes, José Antônio Ferreira e Mizael Conrado!

Desejo muito sucesso aos dois!

#17. TIRANDO DE LETRA


COLUNA LIVRE:
* O Grêmio do Meu Tempo
Provavelmente o golpe militar de 1964 limitou o Grêmio Benjamin Constant à condição de órgão recreativo, o que fez com que os então alunos se dedicassem quase exclusivamente ao serviço de alto-falantes. Antes o Grêmio era a voz dos alunos junto à direção da escola. Certamente,

o novo regime silenciara aquela voz, extinguindo a representatividade como se mostrou com os acontecimentos violentos vividos por colegas nossos, sem que se pudesse lutar para a correção das injustiças.


A greve promovida pelo Grêmio em 23 de março de 1960, provavelmente marca o apogeu político de uma entidade que crescia rapidamente, crescimento frustrado a partir de 1964.
Quanto ao serviço de alto-falantes, todavia, necessário é dizer que ele antecede à existência do Grêmio. Em 1952 já funcionava este serviço com programação inteligente e bem preparada. Daquele ano lembram-se programas como Atendendo aos Ouvintes, produzido e apresentado pelo

saudoso Paulo Soares, o mesmo que anos mais tarde foi um dos solistas do Coral de prata, e Flagrantes cariocas, um programa de humor notavelmente produzido e apresentado pelo Cleto, de quem eu não me lembro bem já que na época eu era guri. Se não me lembro do Cleto pessoalmente, não esqueço as gostosas gargalhadas que eu e os guris como eu, dávamos ouvindo aqueles programas.


O saudoso Paulo Soares, além do seu atendendo aos Ouvintes, apresentava ainda Um Brinde Para Você, programa que algum tempo depois passou a ser feito diretamente do auditório, com participação de cantores e instrumentistas nossos. Havia ainda sorteios de brindes para os assistentes, acredito que ofertados pelo próprio Paulo Soares, tais eram o amor e o carinho com que ele fazia o programa. Cada um que chegava recebia, à entrada do auditório, um papelzinho numerado com o qual participava dos sorteios.
Pelo serviço de alto-falantes, chamado à época de serviço de amplificação, acompanhávamos os principais jogos do campeonato carioca, com a narração do Oduvaldo Cozzi e os comentários do Valdemar de Barros.
Em 1952 as dificuldades eram grandes, fazendo mais árdua a luta de quantos trabalhavam para o funcionamento do serviço de amplificação.

Prevaleciam os discos em 78 rotações, discos de difícil armazenamento já que, frágeis e mais pesados, se quebravam com facilidade. Além disto cada um tinha apenas duas músicas, uma de cada lado. Lembro-me dos locutores e apresentadores dos programas falando em uma campanha visando

aumentar o acervo musical do Serviço de Amplificação, movimento denominado a campanha dos 100 discos. Parece que ainda ouço a voz do Paulo Soares dizendo a pequenos intervalos: "A campanha dos 100 discos continua de pé".
Acredito que dificuldades tenham ocasionado a interrupção do funcionamento do serviço de alto-falantes nos 2 anos seguintes, tempo em que o Instituto Benjamin Constant preparou, organizou e concretizou a programação com que comemorou em 1954 seu centenário de fundação.

Uma curiosidade que ficou como marca expressiva da saudade como memória daquele distante 1952, é que a característica musical com que o serviço de amplificação iniciava e encerrava suas transmissões não era um dobrado, fato comum ao serviço de alto-falantes do Grêmio Benjamin

Constant. As transmissões eram iniciadas e encerradas com uma valsa orquestrada, mas não é este o motivo da lembrança saudosa. Acontece que nosso saudoso Paulo Soares, flamenguista convicto e sem remissão, disse certa vez que a frase musical com que a valsa se iniciava, frase que se repetia algumas vezes, dizia: "Flamengo 2, Flamengo 2". Desde aí, ele não perdia oportunidade de cantarolar a característica musical do Serviço de Amplificação com a frasezinha ... convenhamos ... chata! Mas a saudade ficou.
Em 1955, com a criação do Grêmio Benjamin Constant foi restabelecido o serviço de alto-falantes, já em condições mais favoráveis e, consequentemente, com funcionamento mais regular.
O grêmio nascia não apenas como órgão recreativo, mas também e talvez principalmente como órgão político dos alunos para orientá-los no conhecimento dos seus direitos e representá-los junto à direção da escola. A partir do Grêmio, alunos aprenderam a conhecer e elaborar documentos como atas, relatórios, ofícios, memorandos, etc, além de receberem noções valiosas de como participarem de reuniões de órgãos e departamentos referentes a uma organização político-social.
Enquanto a diretoria, o conselho fiscal e as assembleias cuidavam da organização política dos alunos, com as necessárias orientações e os proveitosos ensinamentos nesta área, os departamentos artístico, social e de intercâmbio cultural, trabalhavam sem descanso na produção de programas no serviço de alto-falantes e na organização de eventos recreativos, incluindo passeios.
A partir de então, alunos que gostavam destas atividades e se interessavam em trabalhar nelas, se desenvolveram grande e rapidamente produzindo e apresentando programas de inegável qualidade, como nosso Raimundo Sales.
Com apoio de entidades como a Ames, Associação metropolitana dos estudantes secundários, e Une, União Nacional dos Estudantes, nosso Grêmio Benjamin Constant pôde proporcionar àqueles alunos que se interessaram ganho real no concernente à política, principalmente no que dizia respeito ao interesse estudantil.
Sem dúvida o aluno que mais prosperou com estes contatos foi o nosso brilhante Carlos de Souza, que chegou à presidência do Grêmio e promoveu a nossa greve em 1960, movimento com participação ativa de membros das associações citadas.
Se a greve foi um movimento vitorioso, parece que nós não estávamos preparados para conviver de forma realmente proveitosa com aquele triunfo. Uma espécie de delírio de liberdade tomou conta dos alunos e os anos que se seguiram não foram verdadeiramente proveitosos. As próprias autoridades pareciam meio confusas com relação ao I B C, como mostra a sequência de diretores com passagens relâmpagos, como mostra a lista seguinte:
Pedro Pope Girão, 1960.

Nelson Pita Martins, 1960.

Davi Waquinin Netto, 1960 - 1961.

Pedro Paulo Vandick de Leoni Ramos, 1961.

Raimundo Ribeiro Fontes Lima, 1961 - 1963.

Ronald, Nyr, Allonso da Costa, 1963 - 1964.


De acordo com a lista mostrada, tivemos 6 diretores em um período de 4 anos. Acho, todavia, que há na lista uma falha e que os diretores terão sido 7 na verdade, já que, se não estou enganado, antes do Dr. Pedro Pope Girão tivemos o capitão Tarso Coimbra. De qualquer forma, caso alguém com melhor condição de pesquisa deseje fazê-la, poderá confirmar ou negar esta minha crença.
Finalmente, em 1964, talvez ainda ignorantes da nova situação política do país, e confiantes na liberdade e na força que tinham até então, alguns colegas se tentaram insurgir contra abusos de autoridade cometidos e houve o epílogo já sobejamente conhecido. Indubitavelmente, ali desapareceu o Grêmio Benjamin Constant, com os propósitos concebidos para sua existência, e surgiu uma entidade meramente recreativa, sem qualquer poder representativo. Estava decretado o fim de uma era luminosa do corpo discente do I B C. Mais que isto, tudo já indicava que o próprio I B C começava a caminhar para o fim.
Ary Rodrigues da Silva,
* Espaço para trabalhos literários (prosa ou verso) do segmento.

#18. BENGALA DE FOGO


O Cego versus o Imaginário Popular (coluna livre)
* Um cego de Paris:
Um cego mendigava em Paris; colocou um pequeno cartaz que dizia: “Sou cego. Ajudem-me”. O povo passava e ninguém se compadecia. Passou um poeta (que, segundo a lenda, podia ser um publicitário, mas não importa: prefiro esta versão), que, pegando o cartaz, reescreveu-o. E lá se foi, deixando o mendigo a mendigar. Horas depois, retornou ao local e viu que a bandeja do mendigo estava repleta de moedas. Ao sentir a aproximação do poeta (através de seus outros aguçados sentidos), o mendigo lhe perguntou acerca do que escrevera no cartaz... E o poeta respondeu: “em lugar de ‘sou cego. Ajudem-me’, escrevi: ‘É primavera em Paris... e eu não posso vê-la’”.
OBS.: Os fatos, por uma questão, meramente didática/pedagógica/cultural, foram tornados públicos...
PS.: se você tem histórias, causos, experiências próprias, do gênero, mande para nossa redação, sua privacidade será rigorosamente preservada.

19. CONTRAPONTO NO AR # MARCOS RANGEL


Colunista: MARCOS RANGEL (marcosvgrangel@gmail.com)
* A Rádio Contraponto, canal da Associação dos Ex-alunos do IBC, radiocontraponto.org.br, tem uma programação diferenciada das emissoras tanto web, quanto via ondas artesianas.
Em sua programação ao vivo, voltamos ao sonho de Roquette Pinto, um rádio voltado para a cultura e a informação. A escola Virtual: José Álvares de Azevedo, dá suporte para alguns desses programas, como por exemplo os programas voltados para a tecnologia: (Amigos tatch e Universo Win), todos voltados para a disseminação do ensino das novas tecnologias para cegos ou pessoas de baixa visão. O primeiro todas as segundas-feiras e o segundo, às quintas-feiras, ambos às 20 horas.
A Escola Virtual José Álvares de Azevedo, chegou a oferecer diversos outros cursos, o que certamente, ainda voltará a fazer. Alguns desses não veiculados.
O programa: Um Companheiro em Cena - levado ao ar às quartas quartas-feiras do mês, entrevista um ex-aluno do nosso velho Casarão Rosa da Praia Vermelha, ou simplesmente, IBC. Fornece assim, excelente fonte de pesquisa e conhecimento a todos quantos queiram ter um perfil do Instituto Benjamin Constant de todos os tempos. Por motivos de impossibilidade temporária, os produtores e apresentadores deste programa, só deverão voltar a produzi-lo neste mês de maio.
A coluna Psicolhar - produzida e apresentada por profissionais da psicologia, apresenta num breve programa diário, em 2 (duas) edições, às 14 e 19:30 horas, análises de situações, onde o equilíbrio emocional, possa ser envolvido.
O Contraponto Entrevista - É um programa eventual, onde são entrevistadas pessoas que tenham algo à falar, sobretudo, no que diz respeito às pessoas cegas ou de baixa visão.
A programação musical é diferenciada, pela qualidade. São 12 (doze) horas de música instrumental, das 00:00 às 12:00, quando entra um programa de música brasileira de qualidade, (Tardes Brasileiras).
Quando os sinos batem 18 horas, entra no ar o programa: "BOSSA NOVA PONTO COM", uma volta aos anos dourados da Bossa Nova.
Às 19 horas, é a hora de entrar no túnel do tempo e mergulhar na saudade, chega o (Arquivo X) com muito Flash Back.
Ás sextas-feiras, o - Bate-papo Musical - às 21:00 horas, vem fechar a semana, proporcionando ao ouvinte, boas lembranças de um repertório de música popular brasileira, que há muito não se houve nas outras emissoras.
Os programas: "PROJETO RÁDIO" e "O QUE DIZ A MÚSICA", temporariamente estão fora do ar, mas com a esperança de breve poder retornar.
Rádio CONTRAPONTO, o SOM MAIS CLARO DA WEB, convida você para ouvir sua programação, bem como, convida você que se interessa por rádio, a vir se juntar a nós, e fazermos juntos um rádio cada vez melhor!!!
Marcos Rangel - DIRETOR DE MARKETING

marcosvgrangel@gmail.com

#20. CLASSIFICADOS CONTRAPONTO


COLUNA LIVRE:
* Direitos do cliente no tema telefonia
Os serviços de telecomunicações costumam estar entre os setores com o maior número de reclamações dos consumidores. Porém, nem todos os clientes conhecem os seus direitos quando o assunto é telefonia fixa, móvel, TV por assinatura e internet de banda larga.
Veja alguns direitos que você tem como consumir e talvez não saiba:
1. Viagens

O consumidor tem o direito de suspender os serviços de internet, TV por assinatura e telefone fixo a cada 12 meses, sendo que a interrupção pode ser de no mínimo 30 dias e máximo, 120 dias. Durante esse período, o consumidor não precisa pagar os serviços suspensos e a empresa tem um prazo de 24 horas para atender o pedido de bloqueio.


2. Reajustes de preços

Os reajustes de preços dos serviços só podem acontecer de 12 em 12 meses e a empresa deve informar, tanto no contrato quanto no espaço reservado ao consumidor em seu site, qual é o índice utilizado para calcular o reajuste.


3. Fidelização

Muitas prestadoras oferecem serviços de fidelização, que é quando o consumidor deve ficar vinculado à empresa por um período mínimo para ter direito a benefícios, como descontos em aparelhos ou gratuidade em taxas de instalação. Porém, isso não é obrigatório e não pode durar mais de 12 meses, no caso de pessoas físicas.


4. Combo

No caso de "combos", que é a contratação de mais de um produto em um mesmo pacote, a prestadora tem de informar o preço de cada serviço no conjunto e também quanto eles custam de forma avulsa. Além disso, a operadora não pode obrigar o consumidor a contratar um combo para ter acesso a somente um serviço - isso se caracteriza como venda casada e é proibido pelo Código de Defesa do Consumidor.


5. Serviço fora do ar

O assinante que tiver o serviço interrompido por tempo superior a 30 minutos no mês, de forma contínua ou não, deve ser compensado pela empresa por meio de abatimento ou de ressarcimento correspondente ao período de interrupção. O ressarcimento não será feito em casos de manutenções preventivas de rede, desde que a prestadora avise ao assinante sobre a data e a hora da interrupção com, pelo menos, três dias de antecedência.


6. Ativação de equipamento

No caso de TV por assinatura, a empresa não pode se recusar a ativar o decodificador do assinante, desde que o equipamento esteja homologado pela Anatel e seja compatível com as especificações técnicas da prestadora.


7. Cancelamentos

As empresas devem oferecer ao consumidor uma forma de cancelar os serviços através de um sistema de autoatendimento, sem precisar da intervenção do atendente.


8. Vencimento da conta

A prestadora deve oferecer ao consumidor, no mínimo, seis possíveis datas de vencimento da conta. Caso seja necessária a mudança da data escolhida, a prestadora deve entrar em contato com o consumidor e negociar a alteração, oferecendo outras seis possíveis datas.


9. Portabilidade

O consumidor pode pedir a portabilidade de uma linha fixa ou móvel para uma outra operadora sempre que desejar, com exceção dos casos de fidelização, com um custo máximo de R$ 4. Além disso, ele pode passar de um plano de pré-pago para um pós-pago e vice-versa.


10. Mensagens publicitárias

As operadoras só podem enviar mensagens publicitárias se o consumidor permitir. Caso não queira receber as mensagens, o consumidor pode enviar uma mensagem de texto para a prestadora com a palavra "Sair" e o cancelamento deve ser feito em 24 horas. A medida não se aplica a mensagens informativas, incluindo dados de crédito de celular e pagamento de fatura.


//Fonte: Via: Anatel
- - -
PS. Anuncie aqui: materiais, equipamentos, prestação de serviços...

Para isto, contate a redação.


#21. FALE COM O CONTRAPONTO


CARTAS DOS LEITORES:
*Valdenito Pereira de Souza
Salve,
Embate (no bom sentido é claro), como este, valoriza nossa lista, parabéns aos dois companheiros.

Maturidade, elegância, respeito mútuo entre os debatedores, deu um toque de classe ao diálogo.

Diria mesmo, uma verdadeira _ode a dialética, o q vem a enriquecer nosso espaço.

Parabéns rapazes, brindemos hoje e sempre " o tempo da delicadeza".


- - -
Em 02/02/2017 22:28, wil escreveu:

> bem, meu caro poeta e contista. Nossas opiniões divergem, nesse tema.

> apesar, de saber o quanto é maçante ler sobre os tópicos citados, creio já me

> ter habituado em fazê-lo. Faltar-me-ia algo, se assim agisse. Concernente

> às ficções, realmente, não me vejo em recorrê-las novamente. Prefiro os

> fatos ácidos, porém reais, do cotidiano. Também aprendemos com os mesmos. o jeito,

> é tentar, na medida do possível, separar o joio do trigo.

> contudo, sigamos em frente!

> um abraço!

>

> wil


* De: Ary
> Prezado Wil, gosto imensamente da sinceridade e, por isto mesmo, dou ao

> seu e-mail um valor que não se calcula. A despeito disto, ouso sugerir

> que você reveja, pelo menos em parte, os seus conceitos. Observe que:

> 1 - O noticiário jornalístico é pouco confiável, além de mal

> selecionado. Nossa imprensa, a exemplo do corvo, vive e se alimenta do

> que é podre. Poucas são as notícias sobre assuntos que representem ganho

> para o povo. Notícias como:

> "Um homem estupra uma menina de 5 anos", ou "Mulher é covardemente

> assassinada pelo marido", ou "filha mata os pais para receber seguro",

> são notícias que mexem prejudicialmente com nosso emocional, e reafirmam

> sempre nossa impotência para melhorar este quadro social.

> Além disto, o noticiário político -- e agora envolvendo mesmo o STF

> -- serve apenas para gerar revolta. A teia de escândalos que a gente não

> sabe como começou e, muito menos, se vai terminar, é motivo que nos leva

> a perder a crença no nosso país e no nosso povo. Por quê no nosso povo?

> porque profissionais, bons ou maus, e os políticos, esmagadoramente

> maus, são originários exatamente do povo.

> 2 - Porque a ficção literária não provém de mentira, como a maior parte

> do noticiário jornalístico, mas da imaginação. Livros, filmes e novelas,

> não são mentiras, mas histórias que, assim como as infantis servem para

> ajudar a educar a criança divertindo-a, servem para divertir o adulto

> roubando sua mente por algum tempo do contato nefasto das notícias

> mentirosas e, quase sempre, tendenciosas buscando atender interesses que

> não são os do povo.

> 3 - A ficção literária, além de divertir aquele que abusca, instrui o

> indivíduo sem submetê-lo à pressão de ter que demonstrar que aprendeu,

> em provas que, principalmente para o adolescente, são sempre motivos de

> angústia e nervosismo. Por causa desta diferença, o aprendizado com a

> ficção literária é bem mais fácil e sólido. Contos, crônicas, romances e

> poesias, por exemplo, além de mostrarem diferentes estilos de composição

> de texto, possibilitam aumento significativo de vocabulário, fatores

> determinantes de correção e embelezamento das composições feitas pelos

> leitores destes tipos de trabalho.

> 4 - O que, todavia, eu acho que você deve abandonar definitivamente, é o

> ler um trabalho de alguém pelo fato dele ser cego. Entendo que, fazendo

> isto, você não está privilegiando o trabalho, nem mesmo o artista, mas a

> cegueira. Quando escrevo meus trabalhos, escrevo para que cada um seja

> analisado por ter ou não ter valor, mas não pelo fato de ser eu um cego.

> Quero acreditar que minhas virtudes ou meus defeitos, existam pelo fato

> de competência ou incompetência minha ao escrever, mas nunca por causa

> da minha cegueira. Cego, eu sou por imposição da vida ou do destino;

> poeta, eu sou por escolha minha. Sou bom poeta? Sou mau poeta? Sou

> merecedor de aplauso? Sou merecedor de apupos? Tais respostas terão que

> resultar de análise de cada trabalho meu que venha a ser conhecido.

> Se alguém gostar ou não gostar de um trabalho meu por achá-lo bom ou

> ruim, ele terá lido e emitirá uma opinião em acordo com seu conhecimento

> ou com seu gosto, mas será uma opinião digna de respeito; mas se o

> trabalho foi avaliado pelo fato de eu ser cego, do crítico ser meu

> amigo, pelo fato de ser eu um ex-aluno do I B C, então o conceito

> emitido não tem valor. Na maioria das vezes, o trabalho talvez nem tenha

> passado pelo crivo da leitura do crítico.

> Claro que tudo quanto acabei de dizer é resultado das minhas formas

> de sentir e pensar tendo como resultado, por isto mesmo, minha opinião

> sobre estes assuntos. Seus conceitos merecem todo meu respeito, mas

> eu afirmo que o dito no item 4 não está enquadrado nestas

> considerações finais. Expressa algo que considero muito sério e

> representa um juízo de valor do qual não abro mão.

> A amizade é um sentimento tão belo quanto raro. Por isto, saibamos

> preservar as que temos, e agradeçamos a Deus pela ventura de tê-las.

> Abraços de um amigo.

> Ary Rodrigues da Silva,

- - -
* Cadastro de Leitores: Se você deseja ser um leitor assíduo de nosso jornal, envie uma

mensagem (solicitando inscrição no cadastro de leitores), para: contraponto.exaluibc@gmail.com
* Todas as edições do Contraponto estão disponibilizadas no site do jornal contraponto, confira em: jornalcontraponto.exaluibc.org.br
* Participe (com criticas e sugestões), ajudem-nos aprimorá-lo, para que, se transforme realmente num canal consistente do nosso segmento.

* Acompanhe a Associação dos Ex-alunos do I B C no Twitter: @exaluibc


* Faça parte da lista de discussão dos Ex-alunos do I B C, um espaço onde o foco é: os deficientes visuais e seu universo.

solicite sua inscrição no e-mail: tecnologia.exaluibc@gmail.com


* Ouça a rádio Contraponto acessando seu blog oficial radiocontraponto.org.br; a web-rádio da associação: programas, músicas e muitas informações úteis.
* Conheça a Escola Virtual José Álvares de Azevedo (escola.exaluibc.org.br): a socialização da informação em nome da cidadania.
* Visite o portal da associação (exaluibc.org.br), um acervo de informações pertinentes ao segmento dos deficientes visuais.
* Venha fazer parte da nossa entidade:

Associação dos Ex-Alunos do Instituto Benjamin Constant (existem vários desafios esperando por todos nós).

Lutamos pela difusão e socialização ampliada de atividades, eventos e ações voltadas para Defesa dos Direitos dos Deficientes Visuais.
---
* Solicitamos a difusão deste material na Internet: pode vir a ser útil para pessoas que você sequer conhece.

*Redator Chefe:

Valdenito de Souza, o nacionalista místico Rio de Janeiro/RJ
*****

---
"Enquanto houver uma pessoa discriminada, todos nós seremos discriminados." Por que é mais fácil desintegrar um átomo do que desfazer um preconceito?!


Associação dos Ex-alunos do Instituto Benjamin Constant (fundação: junho/1960)

Baixar 173.5 Kb.

Compartilhe com seus amigos:




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
Processo seletivo
ensino fundamental
ensino médio
terapia intensiva
Conselho nacional
minas gerais
oficial prefeitura
Curriculum vitae
Boletim oficial
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
saúde mental
educaçÃo infantil
direitos humanos
Centro universitário
educaçÃo física
Poder judiciário
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
Conselho regional
ensino aprendizagem
ciências humanas
políticas públicas
ResoluçÃo consepe
outras providências
secretaria municipal
catarina prefeitura
recursos humanos
Dispõe sobre
Conselho municipal
Colégio estadual
consentimento livre
psicologia programa
ministério público
conselho estadual
público federal
Serviço público