BeléM 2013 andré benassuly arruda



Baixar 1,22 Mb.
Página29/60
Encontro01.12.2019
Tamanho1,22 Mb.
1   ...   25   26   27   28   29   30   31   32   ...   60
2.8. A Biopolítica

Durante o século XVIII, no que tange a toda essa tecnologia disciplinar que esboçada no tópico anterior, novos desdobramentos possibilitaram relações de saber-poder não direcionados ao “homem-corpo”, mas ao “homem-espécie”. Essas novas práticas de governo deixam de se voltar ao detalhe do corpo para “[...] tentar reger a multiplicidade dos homens [...]” (FOUCAULT, 2005, p.286).

Após inúmeras vicissitudes entre o mercantilismo e a formulação de uma razão de Estado, no século XVII, atrelados a uma “[...] primeira racionalização do exercício do poder como prática de governo” (p.286), emerge uma “ciência de governo” centrada nos fenômenos que são próprios da população: deslocamentos quanto ao problema teórico jurídico da soberania ou da economia baseada no modelo da família, no século XVIII, foram disparados.

Os estudos estatísticos da época levaram os estudiosos à conclusão de que a população possui processos que lhe são intrínsecos: médias de acidentes, de tipos de morte, de doenças, de nascimento. Surge um conhecimento muito mais aprimorado sobre as epidemias, a mortalidade endêmica; também em relação a regularidades possíveis no mundo do trabalho e à produção de riquezas: é a época das primeiras demografias. Passa a ficar claro, em um nível que ainda não havia sido compreendido e que não era de importância primeira, para o funcionamento do poder soberano, os movimentos de saúde e morte da população e suas repercussões na economia, “[...] de subtração das forças, diminuição do tempo de trabalho, baixa de energias, custos econômicos, tanto por causa da produção não realizada quanto dos tratamentos que podem custar” (FOUCAULT, 2005, p. 290-91).

Com a ampliação da visão sobre esses acontecimentos macrossociais, que não eram possíveis de ser quantificados e observados sem o desenvolvimento da estatística, a economia ganhou uma nova dimensão de realidade, deixando para trás sua antiga concepção relacionada ao bom governo de si e da família, em quadro jurídico restrito da soberania (PASSOS, 2005). A economia deixa de ser a forma de gestão da família e esta passa para um nível secundário com respeito à população:
Foi através do desenvolvimento da ciência do governo que a economia pôde centralizar-se em um certo nível de realidade que nós caracterizamos hoje como econômico; foi através do desenvolvimento desta ciência do governo que se pôde isolar os problemas específicos da população; mas também se pode dizer que foi graças á percepção dos problemas específicos da população, graças ao isolamento deste nível de realidade, que chamamos a economia, que o problema do governo pôde enfim ser pensado, sistematizado e calculado fora do quadro jurídico da soberania. (FOUCAULT, 1989a, p.288)
A essas mudanças é que Foucault vai denominar biopolítica: acontecimentos que abalaram (mas que não quer dizer que substituíram, mas que levaram a novas atualizações) a soberania e a constituição de novo personagem na história, a população “[...] como problema político, como problema a um só tempo científico e político, como problema biológico e como problema do poder [...]” (FOUCAULT, 2005, p. 192-93)

Seus principais efeitos são o governo sobre a vida. A vida humana, como espécie, começa a entrar nos meandros do poder estatal e de das práticas que se lhe avizinham, passando de um governo de “fazer morrer e deixar viver”17, típico do poder soberano, ao governo do “fazer viver e deixar morrer”, ligado à biopolítica. Com isso, atua-se potencializando a vida, pois fortalecer a população é uma forma também de aumentar as relações de poder instituídas. Como explica Foucault:


Doenças mais ou menos difíceis de extirpar, e que não são encaradas como as epidemias, título de causa de morte mais freqüente, mas como fatores permanentes – e é assim que as tratam – de subtração das forças, diminuição do tempo de trabalho, baixa de energias, custos econômicos, tanto por causa da produção não realizada, quanto dos tratamentos que podem custar. Em suma, a doença como fenômeno da população; não mais como a morte que se abate brutalmente sobre a vida – é a epidemia – mas como a morte permanente, que se introduz sorrateiramente na vida, a corrói perpetuamente, a diminui e a enfraquece. (FOUCAULT, 2005, p. 291).

Entender a morte como algo que ameaça constantemente a vida e traçar estratégias para combatê-la é uma maneira de governar a vida, mas, sobretudo, de qualificar formas de vida, dizer à população como se deve viver, para preservar a força das relações de poder que atravessam o Estado, normatizando-as. Não se trata apenas, portanto, de um conjunto de instituições, procedimentos, análises que permitiam conservar a força de trabalho, mas igualmente de subjetivá-la.





Compartilhe com seus amigos:
1   ...   25   26   27   28   29   30   31   32   ...   60


©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
santa catarina
Prefeitura municipal
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
Processo seletivo
ensino fundamental
Conselho nacional
terapia intensiva
ensino médio
oficial prefeitura
Curriculum vitae
minas gerais
Boletim oficial
educaçÃo infantil
Concurso público
seletivo simplificado
saúde mental
Universidade estadual
direitos humanos
Centro universitário
Poder judiciário
saúde conselho
educaçÃo física
santa maria
Excelentíssimo senhor
assistência social
Conselho regional
Atividade estruturada
ciências humanas
políticas públicas
catarina prefeitura
ensino aprendizagem
outras providências
recursos humanos
Dispõe sobre
secretaria municipal
psicologia programa
Conselho municipal
Colégio estadual
consentimento livre
Corte interamericana
Relatório técnico
público federal
Serviço público
língua portuguesa