BeléM 2013 andré benassuly arruda


Algumas considerações sobre a juventude na modernidade



Baixar 1,22 Mb.
Página24/60
Encontro01.12.2019
Tamanho1,22 Mb.
1   ...   20   21   22   23   24   25   26   27   ...   60
2.3. Algumas considerações sobre a juventude na modernidade

O pesquisador francês Philippe Ariès (1981), em sua obra História Social da Criança e da Família, interroga o conceito ou a ideia que se tem da infância e busca demonstrar que estes foram historicamente construídos e que a criança, por muito tempo, não foi vista como um ser em desenvolvimento, com características e necessidades próprias, porém, como um adulto em miniatura.

Com efeito, se no fim do século XVI e início do XVII, a infância ainda era praticamente ignorada como uma fase especial de desenvolvimento distinta dos demais ciclos da vida humana, mudanças radicais nos séculos seguintes foram produzidas, como veremos a seguir.

As crianças seriam tidas como seres produtivos e substituíveis com funções utilitárias para a sociedade, pois, a partir dos sete anos de idade, eram inseridas na vida adulta e se tornavam úteis na economia familiar, realizando tarefas, imitando seus pais e suas mães, acompanhando-os em seus ofícios, cumprindo, assim, seus papéis perante a coletividade.

As crianças antes cresciam em um ambiente social com maiores liberdades de comportamento e de locomoção. Brincadeiras e condutas de cunho sexual eram mais toleradas entre crianças e adultos. Para o autor supracitado, não havia um sentimento de respeito à condição de infantes, nem se acreditava na inocência destes, da maneira como lhes atribuímos, na modernidade.

Os locais de habitação eram indiferenciados, não havendo espaços separados entre crianças e adultos. Elas ouviam e viam tudo o que se passava no mundo dos adultos. O uso da mesma cama era hábito comum em todas as camadas sociais, sendo a liberdade de linguagem também natural naquela época.

Posteriormente, as crianças foram concebidas como seres cheios de fragilidades e começaram, principalmente durante o período do Romantismo, a serem comparadas com os anjos. Dentro de uma concepção moral da infância, passou-se a associar sua fraqueza com inocência, na medida em que refletia a pureza divina da criança.

A educação veio a ser vista como uma das obrigações humanas mais importantes, de sorte que espaços educacionais começaram a proliferar. Se antes as crianças conviviam misturadas com os adultos e grande parte de seus aprendizados provinha de suas experiências comunitárias indiferenciadas, elas foram progressivamente separadas dos adultos, tanto a partir dos novos modelos escolares, quanto no espaço familiar, por uma nova organização espacial da casa. Tais transformações tiveram seus momentos fundamentais entre os séculos XVII e XVIII.

Em ambas as séries, a casa e as escolas, práticas disciplinares rigorosas, foram efetivadas visando sempre à moralidade, à obediência dócil, com o preparo dos corpos para o trabalho.

Temos, portanto, um percurso onde o privilégio da vida social fora da família cai em declínio pela valorização das relações familiares como lócus privilegiado para o desenvolvimento da afetividade e da missão educacional, sempre associado aos espaços educacionais fora da família. “O grande acontecimento foi, portanto o reaparecimento mo início dos tempos modernos da preocupação com a educação” (ARIÈS, 1981, p. 276).

Os próximos tópicos contribuem para avançarmos sobre aspectos que transversalizam o tema da pesquisa e demonstram as práticas desenvolvidas pelo poder disciplinar e suas características.




Compartilhe com seus amigos:
1   ...   20   21   22   23   24   25   26   27   ...   60


©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
santa catarina
Prefeitura municipal
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
Processo seletivo
ensino fundamental
Conselho nacional
terapia intensiva
ensino médio
oficial prefeitura
Curriculum vitae
minas gerais
Boletim oficial
educaçÃo infantil
Concurso público
seletivo simplificado
saúde mental
Universidade estadual
direitos humanos
Centro universitário
Poder judiciário
saúde conselho
educaçÃo física
santa maria
Excelentíssimo senhor
assistência social
Conselho regional
Atividade estruturada
ciências humanas
políticas públicas
catarina prefeitura
ensino aprendizagem
outras providências
recursos humanos
Dispõe sobre
secretaria municipal
psicologia programa
Conselho municipal
Colégio estadual
consentimento livre
Corte interamericana
Relatório técnico
público federal
Serviço público
língua portuguesa