Atividade Prática Disciplina: Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem Aluno



Baixar 24,59 Kb.
Encontro28.11.2019
Tamanho24,59 Kb.

Atividade Prática
Disciplina: Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem

Aluno: Cristiane de oliveira souza

matricula:201602109273

Período 4 Período de Pedagogia

Desenvolvimento de criança de (02 a 11 anos) -A criança observada possui 3 anos e 10 meses.

Local: Em sua residência e em praça.

Nome: joão Pedro de oliveira diniz

Idade4 anos e 06 meses
PRIMEIRO DIA DE OBSERVAÇÂO:10/10/2017

Aspecto psicomotor: Peso e medida dentro do normal. Tem uma grande capacidade e controle dos movimentos. Consegue alimentar sozinho. Gosta de correr e saltar sobre e em torno de obstáculos, tem muita facilidade em pular, sobe e desce com desenvoltura. Consegui empilhar objetos com facilidade.

Aspecto cognitivo: Já sabe seu nome completo, o sexo e a idade. Gosta de interagir, fala fluentemente, usa frases completas, porém tem dificuldades de pronunciar a letra R. Adora inventar palavras e historias é muito comunicativo, puxa conversar, faz muitas perguntas, e responde com facilidade as perguntas que lhe são feitas. Memoriza e repete e inventa histórias.

Aspecto Emocional: É criança muito feliz, porém tem muito ciúmes da irmãzinha de 1 ano. Já fica longe da mãe por um tempo. Tem medos de monstros escuros e de alguns animais. Tem amigos imaginários com os quais brincam.

Aspecto Social: Relaciona bem com pais, tem grande afinidade com avô e avó materna, convive muito bem com tios e tias e com as pessoas próximas, gosta de criar amizades.

Aspecto Emocional: É uma criança feliz, porém chora e faz birras para ficar mais tempo onde está brincando e não quer voltar para casa. É muito entusiasta, tem sempre muita pressa em tudo.


SEGUNDO DIA DE OBSERVAÇÃO:11/10/2017

Aspecto psicomotor: Tira sapatos, calça e meia sem necessitar de ajuda, veste a calça, porém para vestir a camiseta necessita de ajuda. Penteia cabelo e escova dentes sozinho. Segura bem no lápis e faz desenhos, não esquece de colocar olhos, a boca, o nariz e os ouvidos; e dá nome para todos os desenhos.

Aspecto cognitivo: Canta canções e rimas. Já conhece muitas letras do alfabeto. Reconhece caminho de sua residência, natação e casa dos avós paternos. Já distingue quantidades: pouco ou muito; e gosta de contar; tamanho: grande ou pequeno; e medidas: pesado ou leve.

Aspecto Emocional: Tem dificuldade de separar realidade de fantasia. Tem imaginação muito vívida. É muito cooperante. Faz birra em relação a pequenas coisas.

Aspecto Social: Gosta de brincar com crianças que tem a mesma idade dele. Consegue brincar em grupo. Sabe partilhar com outras crianças, e entrosa bem com todos. Embora goste de brincar com crianças de ambos sexos, tem maior preferência por brincar com crianças do mesmo sexo e idade, que a sua. As vezes quer ditar normas ou ser líder.
TERCEIRO DIA DE OBSERVAÇÃO:13/10/2017

Aspecto Psicomotor: Anda em linha reta de forma direita. Salta de um pé só. Sabe usar tesoura infantil, adora cortar papel. Pedala velocipede e ou carrinho.

Aspecto Cognitivo: Reconhece bem seus feitos sucessos. Já sabe distinguir dia,tarde e noite;entre ontem ,hoje e amanhã. Consegue concentrar-se na mesma atividade por bom tempo. Já percebe os conceitos relacionados com: quantidade, tamanho, pesos, medidas, texturas, cores, distancia, tempo e posições. Conta até sete objetos em voz alta de forma correta ,um a um e separa grupos por quantidades.

Aspecto Emocional: Partilha com outras crianças,na maioria das vezes;porem tem reserva com sua irmã de 1 ano. É muito carinhoso com a irmãzinha,beija abraça. Declara amor pela mãe. Gosta de alterar regras de brincadeiras à medida que se brinca. Gosta de atenção todo tempo;tem medo de monstros e fantasmas.

Aspecto Social: Está mais independente com relação aos adultos. Gosta de chocar os outros com histórias de monstros sem nexo dizendo ser assustadoras. Está constantemente a perguntar porquê. Gosta de usar palavras proibidas. Adora fazer bolos, pizzas e cachorro quentes e servir para todos.
Avaliação do desenvolvimento e aprendizagem
Teoria de Jean Piaget
Piaget propôs método da observação para a educação da criança. Daí a necessidade de uma pedagogia experimental que colocasse claramente como a criança organiza o real. Criticou a escola tradicional que ensinava a copiar e não a pensar. Para obter bons resultados, o professor deveria respeitar as leis e as etapas do desenvolvimento da criança. O objetivo da educação não deveria ser repetir ou conservar verdades acabadas, mas aprender por si próprio a conquista do verdadeiro. (GADOTI 2004, pg 146)

Como dito anteriormente, no ato de amadurecimento da gênese do conhecimento a criança passa por estágios de desenvolvimento psicológico. Apesar das características peculiares, apresentam uma ligação de desenvolvimento do saber. Assim, pode-se distinguir quatro estágios de desenvolvimento lógico:



  • estágio sensório-motor: de 0 a aproximadamente 18 ou 24 meses

  • Sensório Motor (0-2 anos)

  • estágio pré-operatório: aproximadamente de 2 a 6/7 anos

  • estágio operatório-concreto: de cerca de 7 até aproximadamente 11/12 anos

  • estágio formal: a parti de 11/12 anos.

Tratando-se da fase inicial do desenvolvimento da vida, este nível é caracterizado como pré-verbal constituída pela organização reflexiva e pela a inteligência prática. Neste estágio a criança baseia-se em esquemas motores para resolver seus problemas, que são essencialmente práticos. Além disso, o indivíduo vive o momento presente sendo incapaz de referir-se ao futuro, ou evocar o passado.

Durante esta fase os bebês começam a desenvolver símbolos mentais e utilizar palavras, um processo conhecido como simbolização. O bebê relaciona tudo ao seu próprio corpo como se fosse o centro do mundo
Pré-operatório (2-7 anos)
Este período é o que mais teve atenção de Piaget. É caracterizado pela explosão linguística e a utilização de símbolos. Dada a esta capacidade da linguagem, os esquemas de ação são interiorizados (esquemas representativos ou simbólicos) Nota-se ainda a ausência de esquemas conceituais, assim como o predomínio da tendência lúdica. Prevalece nesta fase a transdução, modelo primitivo de raciocínio, que se orienta de particular para particular.

A partir dos quatro anos o tipo dominante de raciocínio é o denominado intuição, fundamentado na percepção e que desconhece a reversibilidade e a conservação.

A criança ainda é incapaz de lidar como dilemas morais, embora possua senso do que é bom ou mal. O indivíduo apresenta um comportamento egocêntrico, tendo um papel limitado e a impossibilidade assumir o papel de outras pessoas, é rígido (não flexível) que tem como ponto de referência a própria criança. Ainda é latente a incapacidade de analisar vários aspectos de uma dada situação.

O egocentrismo traz algumas manifestações características. Aparece neste período o pensamento animista – tendência de atribuir características psicológicas, como sentimentos ou intenções a eventos e objetos físicos; o antropomorfismo– que é a atribuição de uma forma humana a objetos ou animais (nuvens como grandes rostos, por exemplo; o artificialismo– que atribui uma origem artesanal humana a todas as coisas (a montanha foi esculpida por um homem muito grande); o finalismo é a tendência egocêntrica na qual a criança acha que todos os objetos tem a finalidade de servi-la.

Uma conseqüência deste egocentrismo é a incapacidade da criança de colocar seu próprio ponto de vista como igual aos demais. Desconhecendo a opinião alheia, o indivíduo não sente necessidade de justificar seus raciocínios perante outros.

Aparece a incapacidade de descentração- a criança fixa apenas em um aspectos particular da realidade, geralmente o dela.


Operatório concreto (7-11 anos)

Recebe este nome, já que a criança age sobre o mundo concreto, real e visível. Surge o declínio do egocentrismo, sendo substituído pelo pensamento operatório (envolvendo vasta gama de informações externas à criança). O indivíduo pode, desde já, ver as coisas a partir da perspectiva dos outros.

Surgem os processos de pensamento lógico, limitados, sendo capazes de serializar, ordenar e agrupar coisas em classes, com base em características comuns. Assim como a capacidade de conservação e reversibilidade através da observação real (o pensamento da criança ainda é de natureza concreta).

O pensamento operatório é denominado concreto, pois a criança somente pensa corretamente se os exemplos ou materiais que ela utiliza para apoiar o pensamento existem mesmo e podem ser observados. Ela ainda não consegue pensar abstratamente, tendo como base proposições e enunciados. Com o desenvolvimento destas habilidades notamos aparecimento de esquemas conceituais.

As crianças começam a desenvolver um senso moral, juntamente com um código de valores.

Operatório formal (12 anos em diante)


Característica essencial a distinção entre o real e o possível. A criança se torna capaz de raciocinar logicamente, mesmo se o conteúdo do seu raciocínio é falso. Logo, surge a determinação da realidade tendo como base o caráter hipotético-dedutivo, representando a última aquisição mental quando o adolescente se liberta do concreto. Assim o jovem obtém a capacidade de pensar abstratamente e compreender o conceito de probabilidade.

Aparecimento da reversibilidade e sua explicação mediante inversão ou negação e comparada à reciprocidade de relações.


Documentário Piaget explica Piaget parte 1 de 3
https://blogdonikel.wordpress.com/2014/07/03/os-quatro-grande-estagios-do-desenvolvimento-da-inteligencia-de-jean-piaget/
Conclusão da avaliação
Baseado na teoria de Jean Piaget, joão pedro está no estágio Pré Operatório (2 a 7 anos),


Compartilhe com seus amigos:


©psicod.org 2019
enviar mensagem

    Página principal