Ataque de pânico e síndrome conversiva



Baixar 37 Kb.
Página1/2
Encontro20.05.2018
Tamanho37 Kb.
  1   2



Sumário


1. Ataque de pânico 1

2. Transtorno conversivo 2

Fonte 3




ATAQUE DE PÂNICO E SÍNDROME CONVERSIVA

 

1. Ataque de pânico



O ataque de pânico é uma experiência marcante, inesquecível na vida do indivíduo. Caracteriza-se por uma crise súbita, inesperada, de medo intenso, acompanhado da sensação de perigo ou morte iminente e de sintomas e sinais somáticos, os quais incluem: Palpitações, sudorese, tremores ou abalos, sensações de falta de ar ou sufocamento, sensação de asfixia, dor ou desconforto torácico, náusea ou desconforto abdominal, tontura ou vertigem, desrealização ou despersonalização, medo de perder o controle ou enlouquecer, medo de morrer, parestesias e calafrios ou ondas de calor.
Os ataques iniciam-se subitamente, com os sintomas em um crescendo, atingindo um pico em 10 minutos e durando em média de 20 a 30 minutos.
Existem três tipos de ataque: os ataques Inesperados (não evocados), em que não há um ativador situacional; os Ligados a Situações (evocados), nos quais o ataque, quase que invariavelmente, ocorre logo após a exposição a um ativador situacional; e os Predispostos pela Situação, que tendem a ocorrer ligados a um ativador, mas não dependem deste.
O comprometimento dos indivíduos é variável, desde aqueles que são capazes de controlar as manifestações até os que são obrigados a fugir do local, procurar ajuda, pela incapacidade de se adaptar à crise.
A etiologia dos ataques é indefinida atualmente, mas há hipóteses baseadas em fatores genéticos, biológicos e psicossociais. Os genéticos se baseiam no fato da concordância entre parentes de primeiro grau e, principalmente, entre gêmeos monozigóticos, ser aumentada. As teorias biológicas se iniciaram com o fato dos sintomas se reduzirem com o uso de antidepressivos tricíclicos. Há várias teorias, baseadas em alterações do locus coeruleus noradrenérgico, no pH do Sistema Nervoso Central, entre outras. É importante ressaltar a associação entre ataques de pânico e prolapso de válvula mitral. A importância reside no fato de serem muitos dos sintomas comuns a ambos distúrbios. A teoria psicossocial considera os ataques como uma defesa mal sucedida contra impulsos provocadores de ansiedade.
Os ataques podem comprometer qualquer indivíduo, sendo uma causa freqüente de consultas psiquiátricas nos EUA. São mais freqüentes no sexo feminino, assim como na idade entre a puberdade e os 35 anos.
O ataque de pânico não é um transtorno por si só, ele deve estar inserido em um diagnóstico específico. Podem ocorrer ataques de pânico em vários transtornos de ansiedade, como o Transtorno de Pânico, Fobia Social, Fobia Específica e outros. Para o diagnóstico diferencial é importante caracterizar o contexto em que o ataque se dá.
No diagnóstico diferencial dos ataques entram as fobias, depressão, ansiedade, histeria, doenças orgânicas e abuso de álcool e drogas, feocromocitoma.
É importante salientar a existência do Transtorno de Pânico, caracterizado pela recorrência dos ataques associada a um mês ou mais de preocupações acerca da ocorrência de novos ataques, de sua implicações e consequências. A Agorafobia ou medo de lugares abertos, está freqüentemente associada ao Transtorno de Pânico, se apresentando como um medo de sair de casa ou de situações em que torna-se impossível obter auxílio imediato ou fugir.
O Transtorno de Pânico e a Agorafobia podem implicar em alterações importantes no curso da vida dos pacientes, podendo levar a um elevado grau de incapacitação.
O manejo dos ataques de pânico é baseado no esclarecimento do paciente acerca da enfermidade, na eliminação de uma doença orgânica como etiologia e no tratamento farmacológico. Benzodiazepínicos são usados para um efeito "antipânico", podendo se associar beta-bloqueadores para a remissão/redução dos sintoma somáticos como a taquicardia. No caso do Transtorno de Pânico, considera-se ainda a psicoterapia e o uso de antidepressivos: Tricíclicos, Inibidores da Monoamina Oxidase e Inibidores Seletivos da Recaptação da Serotonina.
Deve-se sempre considerar que o uso de Benzodiazepínicos pode causar dependência física, o que faz com que seu uso no Transtorno de Pânico fique restrito aos casos de ansiedade extrema por curtos períodos - até um mês - enquanto se aguarda a instalação dos efeitos dos antidepressivos.

 



Baixar 37 Kb.

Compartilhe com seus amigos:
  1   2




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino fundamental
ensino médio
Processo seletivo
Conselho nacional
terapia intensiva
oficial prefeitura
minas gerais
Curriculum vitae
Boletim oficial
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
educaçÃo física
Poder judiciário
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
Conselho regional
ensino aprendizagem
ciências humanas
outras providências
secretaria municipal
ResoluçÃo consepe
políticas públicas
Dispõe sobre
catarina prefeitura
recursos humanos
Conselho municipal
Colégio estadual
conselho estadual
ministério público
consentimento livre
psicologia programa
público federal
Serviço público