AssociaçÃo de cultura e educaçÃO



Baixar 1.74 Mb.
Página1/58
Encontro05.10.2018
Tamanho1.74 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   58


ASSOCIAÇÃO DE CULTURA E EDUCAÇÃO

SANTA TERESA
FACULDADE GAMA E SOUZA


PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE

ENFERMAGEM

(versão 01 / ILAPE)

CONFORME PUBLICAÇÃO NO E-MEC

Nº 200810941

CADASTRADO EM 25/09/2008 – 19:57:47 h
Rio de Janeiro, 31 de março de 2009
CURSO DE ENFERMAGEM

DADOS GERAIS   

 



  Tipo *:

     Seqüencial

     Bacharelado

    Licenciatura

     Curso Superior de Tecnologia
 

 

  Modalidade Presencial



 

  Código do Curso Antigo :

      Código de Habilitação Antigo :   

  Denominação do Curso *:



  Habilitação:



  Local da Oferta *:



  Campus III - Bonsucesso - Laboratórios

  Unidade SEDE

 

  TURNO DE FUNCIONAMENTO



 

  Nº. Total de Vagas ao Ano *:   Carga Horária do Curso *:        


TURNO

Nº DE VAGAS 

C. HORÁRIA



   MATUTINO

100

4000

  

   NOTURNO

200

4000

  

   TOTAL

300

   

   



 

  COORDENADOR DO CURSO

 


  Nome *:

    Marcelo de Lemos Gonçalves Lassala

  Regime *:







PERFIL DO CURSO

JUSTIFICATIVA DA OFERTA DO CURSO

O Brasil depara-se hoje, dentro de um contexto de mundo globalizado, com a necessidade imperativa de formação e atualização continuada de recursos humanos para o trabalho na área de saúde. E esta situação, aplica-se também ao curso de Enfermagem, da qual indagamos: Qual o tipo de enfermeiro que temos? Que tipo de enfermeiro necessitamos? Qual é o tipo de enfermeiro que é possível de se ter? Estabelecendo um verdadeiro paradigma na formação profissional do enfermeiro no Brasil, a realidade social nós leva a situação de conflito e, portanto, vislumbramos a necessidade real de como devemos formar este profissional.

Além disso, o enfermeiro brasileiro tem que enfrentar problemas relativos aos complexos fenômenos de saúde da clientela associados à necessidade de redução dos custos com a prestação dos serviços, sem prejuízo da qualidade. Há que se ter, então, o discernimento em aplicar técnicas e soluções desenvolvidas em outros países e, principalmente, estudar as soluções nacionais que configuram as melhores práticas.

A Faculdade Gama e Souza pretende enfrentar essa situação, oferecendo um curso que possibilite uma formação adequada à realidade do país, porém, em conformidade com as normas e exigências que a profissão estabelece.

Assim, o enfermeiro incorporou o modelo biomédico da saúde principalmente a partir da década de 50 quando na América do Norte iniciou-se um movimento para a definição das competências profissionais, gerando os princípios científicos constituintes das ações práticas. Era necessário estabelecer a amplitude e a singularidade da Enfermagem. Estas ações, ao mesmo tempo em que representaram avanços na construção do corpo de conhecimentos da Enfermagem, solidificaram a idéia de que o enfermeiro deveria primar pela competência técnica e levou a Enfermagem a trilhar o caminho do conhecimento biologicista, embora tenha mantido o discurso de assistência holística.

Seguindo o avanço tecnológico e da medicina, o profissional passou a ocupar cada vez mais os espaços hospitalares, responsabilizando-se pelas rotinas administrativas e distanciando-se do cuidar e conseqüentemente da pessoa (o paciente). Este passado recente refletido no presente nos dá um enfermeiro que detém uma prática mecanizada, alienada e que não conseguiu reconhecimento social. Tem relativo conhecimento e domínio na prática dentro do modelo biomédico e pouca intimidade com o corpo de conhecimentos da Enfermagem. Este é o enfermeiro que temos.

Todavia, é possível compreender que este enfermeiro também sofreu a imposição da exigência de um modelo assistencial curativo, centrado na figura hegemônica do médico e prioritariamente praticado na instituição hospitalar. Em um aspecto positivo, este enfermeiro que temos pôde, a partir desta realidade vivida, formular questões e buscar respostas que de certo modo, o levaram ao reencontro da essência da Enfermagem.

O enfermeiro que necessitamos não é somente aquele extremante tecnicista, dotado de hábil organização e poder de liderança e suficientemente maduro para não envolver-se com as emoções de seus pacientes. Guardadas suas competências administrativas e técnicas, necessitamos de um enfermeiro capaz de propor, gerenciar e intervir em modelos holísticos de saúde que atendam às demandas humanas de cuidado e de saúde, reconhecendo as necessidades das pessoas.

A possibilidade de se atender a necessidade é um desafio epistemológico e prático, mesmo assim, não suprime tal necessidade. O enfermeiro que necessitamos precisa ser dotado de sólida base de conhecimento científico, englobando as ciências naturais, comportamentais, sociais e humanas somadas a virtudes éticas e morais que deveriam ser trabalhadas ao longo de seu desenvolvimento humano, intelectual e social.

Além do exposto acima, justifica-se também a necessidade do curso de bacharelado em Enfermagem no município do Rio de Janeiro pelas seguintes razões:

 a existência de enfermeiros capacitados para o exercício profissional, bem como o significado para a região sudeste de se investir mais na educação superior na área de saúde;

 a formação de profissionais com qualidade e competência, sendo requisito para se implantar e implementar com êxito mudanças sócio-econômico-culturais, visando o pleno desenvolvimento;

 o oferecimento de uma educação profissional e formação tecnológica, ética e política na área de Enfermagem, dotando a Região, de pessoal de nível superior para colaborar no processo de melhoria das condições de vida em que ela já se encontra engajada;

 propor um curso superior que conduzirá, necessariamente, à realização de iniciação científica e pesquisa, estimulando o desenvolvimento de soluções políticas e éticas de forma criativa, e estendendo seus benefícios à comunidade local e regional;

 o compromisso de oferecer educação e proporcionar atualização e aperfeiçoamento profissionais na área da saúde, em sintonia com o mundo do trabalho;

 o papel social que irá desempenhar um curso superior de qualidade, como o que se pretende implantar;

 que um curso assim deve suscitar no alunado o desejo de aperfeiçoamento cultural e profissional e possibilitar a correspondente concretização de seus ideais e aspirações.



Baixar 1.74 Mb.

Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   58




©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
Prefeitura municipal
santa catarina
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino fundamental
Processo seletivo
ensino médio
Conselho nacional
minas gerais
terapia intensiva
oficial prefeitura
Curriculum vitae
Boletim oficial
seletivo simplificado
Concurso público
Universidade estadual
educaçÃo infantil
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
Poder judiciário
educaçÃo física
saúde conselho
santa maria
assistência social
Excelentíssimo senhor
Atividade estruturada
Conselho regional
ensino aprendizagem
ciências humanas
secretaria municipal
outras providências
políticas públicas
catarina prefeitura
recursos humanos
Conselho municipal
Dispõe sobre
ResoluçÃo consepe
Colégio estadual
psicologia programa
consentimento livre
ministério público
público federal
extensão universitária
língua portuguesa