As Cinco Linguagens do Amor


Descobrindo sua Primeira Linguagem do Amor



Baixar 0,63 Mb.
Página34/62
Encontro29.11.2019
Tamanho0,63 Mb.
1   ...   30   31   32   33   34   35   36   37   ...   62

9. Descobrindo sua Primeira Linguagem do Amor


Descobrir a primeira linguagem do amor de seu cônju­ge é essencial para você manter sempre cheio o seu “tanque do amor”. Porém, vamos primeiramente nos certificar de que você sabe qual é a sua própria linguagem. Após conhecer as cinco:

Palavras de Afirmação;

Qualidade de Tempo;

Receber Presentes;

Formas de Servir;

Toque Físico,

algumas pessoas saberão instantaneamente a primeira lin­guagem tanto delas como a de seus cônjuges. Outros, po­rém, não terão tanta facilidade. Alguns são como Bob, de Parma Heights, Ohio, que após ouvir sobre as cinco lingua­gens do amor, disse-me:

— Não sei, não... Estou em dúvida entre duas dessas linguagens. Não sei onde me encaixar.

— Quais delas? — perguntei.

— Toque Físico e Palavras de Afirmação —, respondeu Bob.

— O que você entende por Toque Físico? — perguntei.

— Bem, principalmente, sexo — Bob respondeu. Procurei sondá-lo um pouco mais, por intermédio de mais perguntas:

— Você não aprecia quando sua esposa passa a mão em seu cabelo, faz uma massagem em suas costas, dá-lhe beijos e abraços, mesmo fora da relação sexual?

— Eu gosto disso tudo, e jamais rejeito isso; porém o mais importante para mim é a relação sexual. Só assim sinto que minha esposa realmente me ama.

Mudando do Toque Físico para Palavras de Afirmação, perguntei:

— Quando você diz que Palavras de Afirmação tam­bém são importantes, a quais se refere?

— A palavras positivas. Quando ela diz que estou bem arrumado e sou um profissional competente; quando ela ex­pressa apreciação pelas coisas que faço em casa; quando elo­gia o tempo que fico com as crianças; quando diz que me ama — todas essas coisas são realmente importantes para mim.

— Você costumava ouvir esse tipo de elogio de seus pais em sua infância e juventude?

— Raramente — Bob respondeu. O que eu sempre ou­via de meus pais eram críticas ou cobranças. Pensando bem, acho que essa foi a primeira coisa que me atraiu em Carol. Ela sempre me dizia Palavras de Afirmação.

— Deixe-me perguntar-lhe mais uma coisa: Se Carol supre suas necessidades, ou seja, se os dois tiverem relações sexuais de “alta qualidade” todas as vezes que você desejar, mas por outro lado ela o criticar e fizer uma série de cobran­ças e, algumas vezes, até o desprezar perante amigos, você acha que ainda se sentiria amado por ela?

— Acho que não. Sentir-me-ia traído, profundamente magoado e deprimido.

Então lhe disse:

— Bob, acho que sua primeira linguagem do amor é Palavras de Afirmação. Relações sexuais são extremamente importantes para você e seu senso de intimidade com Carol. Porém, as Palavras de Afirmação que ela lhe diz são mais necessárias para sua parte emocional. Veja bem: se ela fosse verbalmente crítica o tempo todo, chegaria uma hora em que você não teria mais desejo de ter relações com ela, porque estaria muito magoado.

Bob cometeu um erro comum a muitos outros: assumir que o Toque Físico é a sua primeira linguagem do amor, de­vido ao intenso desejo por sexo que possui. Para o homem, o prazer sexual tem base física. Ou seja, as relações sexuais são estimuladas pela formação das células dos espermas e do fluido nos canais seminais. Quando eles estão cheios, há um impulso para liberá-los. Portanto, o desejo sexual masculino tem raiz fisiológica.



A maioria dos problemas sexuais

no casamento tem pouco a

ver com técnicas físicas,

mas tudo a ver com o suprimento

das necessidades emocionais.

Para a mulher, entretanto, o desejo pelo sexo baseia-se nas emoções e não na fisiologia. Não há alguma base física que a motive e impulsione para ter relações sexuais. O pra­zer feminino tem sua motivação no emocional. Se ela se sen­tir amada, admirada e apreciada por seu marido, então terá o desejo de ter intimidade com ele. Porém, sem a proximida­de emocional, ela terá pouco desejo físico.

Devido ao fato do homem possuir impulsos físicos a serem liberados em bases regulares, ele automaticamente assume que essa é sua primeira linguagem do amor. Mas, se ele não aprecia toques físicos em outros momentos que não no interlúdio sexual, essa é uma grande indicação de que o toque físico não seja sua primeira linguagem do amor. O desejo sexual é muito diferente de suas necessidades emocio­nais de ser amado. Isso não significa que a relação sexual não seja importante para ele — é extremamente necessária — mas, apenas o relacionamento sexual não suprirá sua ne­cessidade de ser amado. Sua esposa, da mesma forma, deve­rá aprender a falar sua primeira linguagem do amor.

Quando a esposa fala a primeira linguagem do amor do marido, e enche assim seu tanque do amor”, e ele fala a primeira linguagem do amor dela, de forma que seu “tan­que do amor” também esteja cheio, o fator sexual desse rela­cionamento ocorrerá de forma automática. A maioria dos problemas sexuais no casamento tem pouco a ver com técni­cas físicas, mas tudo a ver com o suprimento das necessida­des emocionais.

Após conversarmos mais um pouco, Bob refletiu e dis­se:

— E, acho que o senhor está certo. Palavras de Afirma­ção é definitivamente minha primeira linguagem do amor. Quando ela é ríspida e crítica comigo, minha tendência é me afastar sexualmente dela e fantasiar com outra mulher. Mas, quando ela diz que me admira e gosta de mim, meus desejos sexuais automaticamente se voltam para ela.

Bob fizera ali, em nossa breve conversa, uma descober­ta muito significativa.

Qual é a sua primeira linguagem do amor? O que faz com que você se sinta mais amado (a) por seu cônjuge? O que você mais deseja? Se a resposta a essas perguntas não surge imediatamente em sua cabeça, talvez eu o possa aju­dar o ajude a dar uma olhada na utilização negativa das lin­guagens do amor:

O que seu cônjuge faz, ou diz, ou deixa de expressar ou realizar, que mais o (a) magoa? Se, por exemplo, o que mais o (a) aborrece forem críticas e julgamentos, então talvez sua linguagem do amor seja Palavras de Afirmação. Se a sua pri­meira linguagem do amor for usada de forma negativa por seu cônjuge, ou seja, se ele realizar exatamente o contrário daquilo que deveria fazer para encher seu “tanque do amor”, então aquela atitude machucá-lo-á mais do que a outra pes­soa, pois além de negligenciar o fato de falar sua primeira linguagem, utiliza-a como uma faca para feri-lo (la).

Lembro-me de Mary, em Kitchener, Ontario, quando me disse:

“Dr. Chapman, o que mais me fere é Ron, meu marido, nunca levantar uma palha para me ajudar em casa. Ele assis­te televisão enquanto realizo todo trabalho. Não entendo como pode fazer isso, se diz que me ama!”

O fato dela ficar tão magoada por Ron não a ajudar com as coisas da casa era a chave para se perceber sua primeira linguagem do amor: Formas de Servir. Se você fica muito triste porque faz muito tempo que seu cônjuge não lhe dá um presente, então, talvez, sua primeira linguagem do amor seja Receber Presentes. Se sua maior dor é proveniente de que seu cônjuge raramente lhe dedica um momento de aten­ção, então Qualidade de Tempo é sua primeira linguagem do amor.

Outra forma de se descobrir sua primeira linguagem do amor é olhar para o passado do seu casamento e perguntar:

“O que eu mais solicitei de meu cônjuge?”

Aquilo que você mais requisitou é, possivelmente, algo que faz parte de sua linguagem do amor. Tais solicitações que, provavelmente, foram interpretadas por seu cônjuge como “superficiais”, são, no entanto, tentativas de assegurar o amor dele para com você.

Elizabeth, que mora em Maryville, Indiana, utilizou-se dessa forma para descobrir sua primeira linguagem do amor. Ela partilhou comigo, ao final de um sessão do seminário:

“Ao olhar para trás, aos dez anos de meu casamento e perguntar a mim mesma o que mais solicitei de Peter, minha linguagem do amor tornou-se óbvia. Tenho, quase sempre, requisitado dele “Qualidade de Tempo”. Repetidamente su­giro que façamos um piquenique; passemos um fim-de-se­mana na praia; desliguemos a televisão e conversemos por, pelo menos uma hora; caminhemos juntos e assim por dian­te. Sinto-me negligenciada e mal-amada porque ele raramente aceita minhas propostas. Tenho recebido lindos presentes em meu aniversário e em ocasiões especiais e Peter não entende por que não tenho demonstrado mais entusiasmo com eles.”

Fez uma pequena pausa e continuou:

“Durante seu seminário, surgiu uma luz no fim do tú­nel e nós dois percebemos isso. Durante o intervalo, meu marido pediu-me perdão por, durante todos estes anos, ter sido tão duro e resistente às minhas solicitações. Ele prome­teu que as coisas serão diferentes daqui para frente, e eu acre­dito que sim.”

Outra forma para seu cônjuge descobrir sua primeira linguagem do amor é observando o que você faz e diz para expressar amor a ele. Há grandes chances de que o que reali­za por ele (ela), seja exatamente aquilo que gostaria que ele (ela) fizesse por você. Se, porventura, constantemente se uti­liza de Formas de Servir para com seu cônjuge, talvez (nem sempre) essa seja sua linguagem do amor. Se Palavras de Afir­mação fazem com que você se sinta amado (a), há grandes chances de que as utilize para transmitir amor ao seu cônju­ge. Portanto, você pode descobrir sua própria linguagem do amor ao perguntar-se: Como, de forma consciente, expresso amor a meu cônjuge?

Mas... lembre-se de que essa é apenas uma possível dica para se descobrir sua linguagem do amor; não é um indica­dor infalível. Por exemplo: um marido que aprendeu com seu pai a expressar amor à esposa através de presentes, faz isso por seguir os passos de seu pai. No entanto, Receber Presentes talvez não seja sua primeira linguagem. Ele, sim­plesmente, faz o que via seu pai praticar.




Compartilhe com seus amigos:
1   ...   30   31   32   33   34   35   36   37   ...   62


©psicod.org 2019
enviar mensagem

    Página principal