As Cinco Linguagens do Amor



Baixar 0,63 Mb.
Página21/62
Encontro29.11.2019
Tamanho0,63 Mb.
1   ...   17   18   19   20   21   22   23   24   ...   62

Atividades de Qualidade


Além da linguagem básica do amor “Qualidade de Tem­po” — que é dedicar total atenção a seu cônjuge — há um outro dialeto que se chama atividades de qualidade. Em um recente seminário sobre casamento, pedi que os casais completassem a seguinte sentença: “Sinto mais amor por meu cônjuge quando ________”. Veja as respostas dadas por um jovem marido, casado há oito anos:

“Sinto-me mais amado por minha esposa quando exer­cemos atividades em conjunto, ou seja, coisas que eu goste de fazer e ela também aprecie. Dessa forma conversamos mais. É como se estivéssemos namorando outra vez”.

Essa é uma linguagem típica de pessoas cuja primeira linguagem do amor é “Qualidade de Tempo”. A ênfase é dada no estarem juntos, em realizarem ao lado um do outro as mesmas atividades, e em dedicarem atenção total às suas necessidades.

Entende-se por atividades de qualidade qualquer coi­sa pela qual um ou os dois se interessem. A ênfase não está no que se faz, mas no porquê decidiu-se realizá-lo. O objeti­vo é terem uma experiência juntos, e terminá-la de forma a afirmarem: “Ele (ela) se interessa por mim. Ele quis fazer comigo algo que eu apreciava e realizou-o com uma atitude muito positiva”. Isso é amor e, para algumas pessoas, é a forma em que ele fala mais alto.

Tracie cresceu em meio a concertos. Em toda sua infân­cia, a casa sempre esteve repleta de música clássica. Pelo menos uma vez ao ano ela acompanhava seus pais a um fes­tival. Larry, por outro lado, gostava de música “country”. Ele nunca fora a um concerto e seu rádio estava sempre liga­do em estações de música popular. Ele chamava a preferên­cia de sua esposa de sinfonia de elevador. Se ele não tivesse se casado com Tracie, teria atravessado sua vida sem jamais assistir a um concerto. Antes do casamento, enquanto atra­vessava a fase da paixão obcecada, ele chegou até a assistir a alguns espetáculos musicais. Porém, mesmo apaixonado, ele perguntou se ela chamava “aquilo” de música!

Após o casamento, decidiu que nunca mais sairia de casa para ouvir um concerto. No entanto, quando anos mais tarde descobriu que “Qualidade de Tempo” era a primeira linguagem do amor de Tracie e ela apreciava de forma espe­cial o dialeto das atividades de qualidade, quis acompanhá-la e o fez entusiasmado. Seu propósito era claro. Ele não ia para assistir ao concerto, mas para demonstrar amor a Tracie e falar alto em sua linguagem. Com o passar do tempo, che­gou a apreciar os concertos e, ocasionalmente, a deleitar-se com um ou dois movimentos. Talvez ele nunca se torne um amante da música erudita, mas provavelmente diplomou-se em demonstrar amor à sua esposa.



Um dos pontos positivos das

atividades de qualidade é que elas

possibilitam o armazenamento

de um banco de memórias ao

qual podemos nos reportar

pelos anos futuros.

Entre as atividades de qualidade citamos plantar um jardim, descobrir e ir a liquidações, colecionar antiguidades, ouvir música, fazer piqueniques, caminhar, lavar o carro jun­tos durante o verão, etc. Essas atividades limitam-se apenas pelo interesse e desejo de tentar, ou não, novas experiências. Os ingredientes especiais para uma atividade de qualidade, são:

1. Desejo de fazê-la, proveniente de um dos dois.

2. O outro estar disposto a executá-la.

3. Ambos estarem conscientes porque devem realizá-la — expressar amor de forma a permanecerem juntos.

Um dos pontos positivos das atividades de qualidade é que elas possibilitam o armazenamento de um banco de me­mórias ao qual podemos nos reportar pelos anos futuros. Fe­liz é o casal que se lembra de uma caminhada feita de manhã ao longo da praia; de uma árvore plantada no jardim; do tem­po em que colocaram iscas para acabar com as formigas do pomar; do projeto de pintura dos quartos; da noite em que foram juntos ter aulas de patim e um deles caiu e quebrou a perna; dos passeios pelo parque; dos concertos; dos recitais e, como esquecer, do tempo gasto apreciando uma cascata após a longa caminhada de bicicleta até encontrá-la? Podem até sentir os respingos que caíram em seus rostos. Essas são me­mórias de amor, especialmente para aquelas pessoas cuja pri­meira linguagem for “Qualidade de Tempo”.

E, como achar tempo para tais atividades, especialmente se ambos trabalham fora? Achamos a ocasião da mesma for­ma que a encontramos para almoçar e jantar. Por quê? Por­que são tão essenciais para nosso casamento como as refei­ções o são para nossa saúde.

Isso é difícil? E preciso planejamento?

Sim!

Implica em que tenhamos de abrir mão de algumas ati­vidades particulares?



Talvez!

Significa que faremos algumas coisas que, particular­mente, não apreciamos?

Certamente!

Será que compensa?

Sem sombra de dúvida!

O que posso aprender com isso?

O prazer de viver com um cônjuge que é amado e sabe disso, pois compreende que o (a) esposo (a) aprendeu a falar sua primeira linguagem de forma fluente.

Gostaria de dar uma palavra de agradecimento a Bill e Betty Jo, de Little Rock, que me ensinaram o valor da pri­meira linguagem do amor — “Palavras de Afirmação”, e tam­bém a segunda — “Qualidade de Tempo”.

Agora, vamos até Chicago para encontrarmos a tercei­ra linguagem do amor.




Compartilhe com seus amigos:
1   ...   17   18   19   20   21   22   23   24   ...   62


©psicod.org 2019
enviar mensagem

    Página principal