As Cinco Linguagens do Amor


A Segunda Linguagem do Amor: Qualidade de Tempo



Baixar 0,63 Mb.
Página15/62
Encontro29.11.2019
Tamanho0,63 Mb.
1   ...   11   12   13   14   15   16   17   18   ...   62

5. A Segunda Linguagem do Amor: Qualidade de Tempo


Era o meu dever perceber qual a primeira linguagem do amor de Betty Jo, logo no início, pelo que ela me disse naquela noite de primavera quando os visitei em Little Rock:

“Bill é um bom provedor, mas não gasta tempo algum comigo! Do que me servem a casa, o carro novo e as demais coisas se não os “curtimos” juntos?”

O que ela desejava? Ter um tempo de qualidade com seu marido. Ela queria que ele focalizasse nela a sua atenção, que lhe dedicasse mais tempo e pudessem realizar algumas atividades juntos.

Quando digo “Qualidade de Tempo” desejo afirmar que você deve dedicar a alguém sua inteira atenção, sem dividi-la. Não significa sentar no sofá e assistir televisão. Quando o tempo é gasto dessa forma, quem recebe a atenção são as estações de TV, e não o cônjuge. O que pretendo afirmar é algo como sentar-se ao sofá com a televisão desligada, olhar um para o outro e conversar, no processo de dedicação mu­tua. É dar um passeio juntos, só os dois. É ambos saírem para comer fora, é um olhar nos olhos do outro e conversar. Você já percebeu que, nos restaurantes, é perfeitamente possível notar a diferença entre um casal de namorados e um de casa­dos? Os namorados miram-se nos olhos e “batem papo”. Os casados sentam-se à mesa e olham ao redor do restaurante. Pode-se dizer que foram ali apenas para comer!

Quando me sento ao sofá com minha esposa e dedico-lhe vinte minutos de minha inteira atenção e ela faz o mes­mo por mim, concedemos um ao outro vinte minutos de nossa existência. Nunca mais teremos aquele tempo nova­mente! Entregamos ali parte de nossas vidas um ao outro. Esse é um poderoso comunicador do amor emocional.

Um único remédio não pode curar todas as enfermidades existentes. Em meu aconselhamento para Bill e Betty Jo, cometi um erro muito sério, pois afirmei que palavras de afirmação teriam o mesmo significado para os dois. Esperava com isso que, se cada um deles desse ao outro uma afirmação verbal, o clima emocional mudaria e ambos sentir-se-iam amados. Isso funcionou para Bill. Seus sentimentos em relação a Betty Jo tor­naram-se mais positivos. Ela passou a apreciar mais o trabalho duro que ele desempenhava. Porém, o mesmo não ocorreu com Betty Jo, porque “Palavras de Afirmação” não era sua primeira linguagem do amor, mas sim a qualidade de tempo.

Peguei novamente o telefone, liguei para Bill e agrade­ci-lhe o esforço feito nos últimos dois meses. Disse-lhe que ele fizera um bom trabalho ao dizer palavras de afirmação para Betty Jo e ela as ouvira. Ele me disse:

— Mas Dr. Chapman, ela ainda continua triste. Acho que as coisas não melhoraram muito para ela!

E eu lhe respondi:

— Você tem razão, Bill. E acho que sei o porquê. O pro­blema é que sugeri a linguagem do amor errada!

Bill não tinha a menor noção do que eu estava falando. Expliquei-lhe então que os motivos que levam uma pessoa a experimentar o amor emocional por outra não são necessari­amente os mesmos.

Ele concordou comigo que a sua linguagem do amor era

realmente “Palavras de Afirmação”. Contou-me então que desde menino isso era importante para ele e estava contente ouvir Betty Jo expressar apreciação pelas coisas que ele fazia. Expliquei, então, que a linguagem de Betty Jo não era “Pala­vras de Afirmação”, mas sim qualidade de tempo. Passei-lhe também o conceito de dedicar atenção integral ao cônjuge, dizendo-lhe que não deveria ouvi-la enquanto lia jornal ou assistia televisão, mas sim olhá-la nos olhos e dedicar-lhe toda a atenção; fazer com o cônjuge algo que ele aprecia, e ser real­mente sincero nessa atividade. Ele então me disse: “Algo como ir com ela a um concerto...” As luzes começavam a brilhar em Little Rock.

— Dr. Chapman, ela sempre reclamou disso! Nós não temos atividades em comum. Realmente não gasto sequer um momento com ela. Betty Jo lembra-me o tempo todo que antes de nos casarmos, costumávamos passear e tínhamos várias atividades juntos, mas agora vivo ocupado demais. Essa é realmente sua linguagem do amor, sem sombra de dúvida. Mas... Dr. Chapman, o que eu posso fazer, se meu trabalho realmente exige muito de mim!?

Pedi-lhe, então, que me falasse sobre seu serviço. Por dez minutos ele me contou a história de como subira os de­graus de sua firma, de quão arduamente trabalhara para isso e orgulhava-se de seus feitos. Falou-me também de seus pla­nos para o futuro e que, pelos seus cálculos, dentro de cinco anos chegaria ao posto que sonhava.

Perguntei-lhe então:

— Você quer chegar lá sozinho, ou deseja a companhia de Betty Jo e de seus filhos?

— Quero que eles estejam comigo. É por isso que sofro tanto quando ela reclama do tempo que gasto no serviço. Realizo o que faço por nós. Quero que ela participe disso, mas Betty insiste em reagir negativamente.

— Você começa a entender o porquê dela ser tão negativa Bill? A linguagem do amor de Betty Jo é “Qualidade de Tem­po”. Você lhe dedica tão pouco tempo que o “tanque do amor” dela está vazio. Ela não sente segurança em seu amor. Por isso, em sua mente, ela rejeita o que o afasta dela, ou seja, seu traba­lho. Ela realmente não odeia sua profissão. Ela detesta o fato de sentir tão pouco amor de sua parte. Só há uma solução para isso, Bill, e o preço é alto. Você terá de arrumar um tempo para gastar com Betty Jo. Você precisa amá-la na linguagem dela.

— O senhor está certo, Dr. Chapman. Como devo co­meçar?

— Você ainda tem o caderno onde anotou as caracterís­ticas positivas de Betty Jo?

— Tenho, está bem aqui.

— Ótimo. Faça uma outra lista. O quê, em sua opinião, Betty Jo gostaria de realizar em sua companhia? Procure lem­brar-se de coisas que ela já mencionou ao longo dos anos.

E a lista de Bill ficou assim:

• Pegar nosso carro novo e irmos para as montanhas passar uma semana (às vezes com as crianças, ou somente nós dois);

• Encontrá-la para almoçar (em um bom restaurante ou, al­gumas vezes, até no McDonald’s);

• Contratar uma babá para cuidar das crianças e juntos jan­tarmos fora (só nós dois);

• Todas as vezes que eu chegar em casa à noite, sentar e con­tar a ela sobre meu dia e ouvir o que ela tem a dizer sobre o dela (ela não gosta que eu veja televisão ou leia quando conversamos);

• Gastar um tempo com os filhos, e discutir a vida escolar deles;

• Gastar um tempo só brincando com as crianças;

• Fazer em um determinado sábado um piquenique com ela e as crianças e não reclamar das formigas e nem das moscas;

• Tirar férias com a família, pelo menos uma vez por ano;

• Sair para conversarmos, enquanto caminhamos (mas sem andar na frente dela).

Ao terminar a lista, Bill disse:

— São essas as coisas das quais me recordo, que ela fala ao longo de todos estes anos.

— Você já sabe o que eu vou sugerir-lhe, não é, Bill?

— Colocar essa lista em prática, não é? — respondeu ele.

— É isso mesmo. Um tópico da lista por semana, durante os próximos dois meses. Como você vai arrumar tempo? Dê um jeito. Você é um homem inteligente e não estaria onde está se não soubesse tomar decisões importantes. Você possui a habilidade para planejar sua vida e incluir Betty Jo em seus planos.

— Está certo. Vou dar um jeito.

— Outra coisa, Bill. Tal projeto não implica na diminui­ção de seus alvos. Significa que, quando você chegar ao topo, Betty Jo e seus filhos estarão lá com você.



O aspecto central da “Qualidade

de Tempo” é estar próximo.

Não quero dizer simples proximidade...

O estar junto tem a ver

com o focalizar a atenção.

— E isso o que eu mais desejo! Esteja eu no topo ou não, quero que ela seja feliz e pretendo desfrutar a vida ao seu lado e das crianças.

E os anos se passaram... Bill e Betty Jo chegaram ao topo, apesar de um pequeno revés na vida, graças à linguagem do amor. O mais importante, porém, é que alcançaram a vitória juntos. Os filhos já deixaram o ninho e eles concordam que vi­vem os melhores anos de suas vidas. Bill tornou-se um sincero apreciador de concertos e Betty Jo aumentou a lista dos tópicos que aprecia no esposo. Ele não se cansa de ir ao teatro. Come­çou recentemente sua própria companhia e está novamente próximo ao topo. Seu trabalho já não é uma ameaça para Betty Jo. Ela está animada e encoraja-o bastante. Ela sabe que está em primeiro lugar na vida do marido. Seu “tanque do amor” está cheio, e se começar a esvaziar, ela sabe que uma simples solici­tação sua fará com que Bill conceda-lhe atenção irrestrita.




Compartilhe com seus amigos:
1   ...   11   12   13   14   15   16   17   18   ...   62


©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
santa catarina
Prefeitura municipal
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
ensino fundamental
Processo seletivo
terapia intensiva
Conselho nacional
Curriculum vitae
oficial prefeitura
ensino médio
minas gerais
Boletim oficial
Concurso público
educaçÃo infantil
Universidade estadual
seletivo simplificado
saúde mental
direitos humanos
Centro universitário
Poder judiciário
saúde conselho
educaçÃo física
santa maria
Excelentíssimo senhor
Conselho regional
assistência social
ciências humanas
Atividade estruturada
políticas públicas
catarina prefeitura
ensino aprendizagem
Dispõe sobre
outras providências
recursos humanos
secretaria municipal
Conselho municipal
psicologia programa
Colégio estadual
consentimento livre
ResoluçÃo consepe
Relatório técnico
Corte interamericana
público federal
ministério público