Antonio Arantes é doutor em antropologia pela Universidade de Cambridge, Kings College, pós doutor em cultura e política pela University of London e professor titular convidado pelo departamento de antropologia social da Unicamp



Baixar 107,46 Kb.
Página26/26
Encontro11.10.2018
Tamanho107,46 Kb.
1   ...   18   19   20   21   22   23   24   25   26
Bibliografia
Arantes, A. A. (Ed.). (1984). Produzindo o passado. São Paulo, SP, Brasil: Brasiliense.
Arantes, A. A. (1987). La preservación de bienes culturales y del folklore como práctica social en Brasil. Folklore Americano, 44, 63-71.
Arantes, A. A. (2000a). Paisagens paulistanas. Campinas, SP, Brasil: Editora da Unicamp.
Arantes, A. A. (Ed.). (2000b). O espaço da diferença. Campinas, SP, Brasil: Papirus.
Arantes, A. A. (2004). O patrimônio imaterial e a sustentabilidade de sua salvaguarda. Revista Da Cultura, 4(7), 9-14. Disponível em http://www.funceb.org.br/pdf.html.
Arantes, A. A. (2007). Diversity, heritage and cultural politics. Theory, Culture & Society, 24(7-8), 290-296.
Arantes, A. A. (2009). Heritage as culture. In T. Kono (Ed.), Intangible cultural heritage and intellectual

Property, 51-75. Antwerp, Belgium: Intersentia. Versão em português: Sobre inventários e outros instrumentos de salvaguarda do patrimônio cultural: ensaio de antropologia pública. Anuário Antropológico, Brasília, 2009, 173-222. Trad. Ilana S. Goldstein.
Canani, A. S. K. B. (2005). Herança, sacralidade e poder: sobre as diferentes categorias do patrimônio histórico e cultural no Brasil. Horizontes Antropológicos, 11(23), 163-175.
Gow, P. (1996). River people: Shamanism and history in Western Amazonia. In N. Thomas & C. Humphrey (Eds.), Shamanism, history, and the state. Ann Arbor, MI: University of Michigan Press.
Instituto Nacional de Cultura (2008, June 24). Declaración Patrimônio Cultural de la nación a los conocimientos y usos tradicionales de la ayahuasca praticados por comunidades nativas amazónicas. Resolución Directoral Nacional, no. 836. Lima, Peru: Author. Disponivel em http://www.bialabate.net/wp-content/uploads/2008/08/declarion_ayahuasca_patrimonio_cultural_peru.pdf. Disponivel em inglês em: http://www.bialabate.net/wp-content/uploads/2008/08/declaration_ayahuasca_patrimony_peru_20081.pdf
Labate, B. C. (2004). A reinvenção do uso da ayahuasca nos centros urbanos. Campinas, SP, Brasil: Mercado de Letras.
Labate, B. C., & MacRAE, E. (Eds.). (2006) The light from the forest: The ritual use of ayahuasca in Brazil. Fieldwork in Religion, 2(3), 197-414.
Labate, B. C., Rose, I. S., & Santos, R. G. (2009). Ayahuasca religions: A comprehensive bibliography and critical essays. Santa Cruz, CA: MAPS.
MacRae, E. (1992). Guiado pela lua: Xamanismo e uso ritual da ayahuasca no culto do Santo Daime. São Paulo, SP, Brazil: Brasiliense. Available in English translation (Guided by the moon: Shamanism and the ritual use of ayahuasca in the Santo Daime religion in Brazil) at http://www.neip.info/downloads/edward/ebook.htm
Shepard, G. (1998). Psychoactive plants and ethnopsychiatric medicines of the Matsigenka. Journal of Pyschoactive Drugs, 30(4), 321-332.
Velho, G. (2006). Patrimônio, negociação e conflito. Mana, 12(1), 237-248.

Sobre as autoras


(*) Beatriz Caiuby Labate é Pesquisadora Associada do Instituto de Psicologia Médica da Universidade de Heidelberg e membro do Grupo Especial de Pesquisa (SFB 619) “Dinâmicas do ritual – Processos socioculturais sob uma perspectiva comparativa histórica e cultural” (http://www.ritualdynamik.de; http://bialabate.net; blabate@blabate.net)
(**) Ilana Seltzer Goldstein é mestre em Ciências Sociais pela USP e doutoranda em Antropologia Social na UNICAMP, além de fazer parte do comitê editorial da Proa - Revista de Arte e Antropologia (http: www.ifch.unicamp.br/proa, ilagolds@yahoo.com). É autora de O Brasil best-seller de Jorge Amado: literatura e identidade nacional (Ed. SENAC, 2003).



i Traduzido pelos autores de: Labate, Beatriz C. & Goldstein, Ilana (2009). "Ayahuasca - From Dangerous Drug to National Heritage: An Interview with Antonio A. Arantes". International Journal of Transpersonal Studies, 28, 53-64.

ii Pedido de tombamento - relativo ao patrimônio material - foi encaminhado pelo Alto Santo simultaneamente ao Iphan, às autoridades municipais e estaduais. O ofício data de 14 de julho de 2006, mas ainda não obteve resposta.

iii Conforme dispõe o art. 216 da Constituição Federal de 1988, constituem patrimônio cultural brasileiro “os bens de natureza material e imaterial, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasileira”. São consideradas formas de expressão: os modos de criar, fazer e viver; as criações científicas, artísticas e tecnológicas; as obras, objetos, documentos, edificações e demais espaços destinados às manifestações artístico-culturais; os conjuntos urbanos e sítios de valor histórico, paisagístico, artístico, arqueológico, paleontológico, ecológico e científico.

iv Documento disponível na íntegra em: http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001325/132540por.pdf.





Compartilhe com seus amigos:
1   ...   18   19   20   21   22   23   24   25   26


©psicod.org 2017
enviar mensagem

    Página principal