Ano II – Edição Especial nº 07 :: Assédio Moral e Assédio Sexual 1ª Parte


Exmo. Juiz Ben-Hur Silveira Claus. Processo nº 00197-2004-561-04-00-8 – Vara do Trabalho de Carazinho. Publicação em 24.06.2004



Baixar 0,76 Mb.
Página58/72
Encontro28.11.2019
Tamanho0,76 Mb.
1   ...   54   55   56   57   58   59   60   61   ...   72

3.3. Exmo. Juiz Ben-Hur Silveira Claus. Processo nº 00197-2004-561-04-00-8 – Vara do Trabalho de Carazinho. Publicação em 24.06.2004.


(...)

2. INDENIZAÇÃO POR DANO MORAL.

A reclamante postula indenização por dano moral em valor equivalente a 100 salários-mínimos, sustentando ter sido vítima de assédio sexual por parte de Paulo Roberto Lemos, supervisor e auditor da reclamada. Esclarece que trabalhava há poucos dias quando foi convidada por Paulo Roberto Lemos para ir até o depósito da empresa, localizado em andar superior ao da loja. Aduz que, lá chegando, Paulo Roberto Lemos chaveou a porta e passou a fazer perguntas de caráter íntimo - se a reclamante era casada, se não queria ser promovida e ganhar salário melhor. Prossegue referindo que, em seguida, Paulo Roberto Lemos a agarrou pelos braços e tentou beijá-la, dizendo que, se cedesse, seria promovida. Refere que resistiu ao assédio, tentando desvencilhar-se enquanto Paulo Roberto Lemos insistia, tentando convencê-la a manter relação sexual em troca de vantagens profissionais. Informa que, quando conseguiu se afastar de Paulo Roberto Lemos, abriu a porta e desceu as escadas aos prantos, tendo se dirigido até os colegas Estela e Leandro, os quais lhe recomendaram falar com o gerente. Diz que esse, visando abafar o caso e não criar repercussão acerca do fato, ignorou a situação. Noticia que Paulo Roberto Lemos não trabalhava apenas em Carazinho, atuava como auditor e supervisor em todas as filiais, o que, argumenta, poderia justificar sua ousadia e irresponsabilidade. Sustenta estar caracterizada a hipótese de assédio sexual praticada por superior hierárquico, o que enseja indenização pecuniária como forma de reparar o dano moral sofrido. Alega ser pessoa trabalhadora, casada e que restou com a saúde abalada pelo fato de, após poucos dias de trabalho, ter sido assediada por um superior, como se fosse uma "garota de programa" ou de "vida fácil".






Compartilhe com seus amigos:
1   ...   54   55   56   57   58   59   60   61   ...   72


©psicod.org 2019
enviar mensagem

    Página principal