Ano II – Edição Especial nº 07 :: Assédio Moral e Assédio Sexual 1ª Parte


INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS. MAJORAÇÃO DO VALOR



Baixar 0,76 Mb.
Página44/72
Encontro28.11.2019
Tamanho0,76 Mb.
1   ...   40   41   42   43   44   45   46   47   ...   72
INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS. MAJORAÇÃO DO VALOR

A sentença condenou a reclamada ao pagamento de indenização no valor 03 (três) salários básicos do reclamante do mês de abril/2005 em decorrência de dano moral sofrido no curso do contrato. Considerou que o tratamento ofensivo dispensado pelo supervisor da reclamada ao reclamante atingiu diretamente a honra subjetiva do autor.

Em suas razões recursais, a reclamada defende que não restou configurada agressão pessoal capaz de ensejar a condenação. Menciona que em processos anteriores, que tiveram o mesmo objeto deste feito, não se constatou agressão capaz de justificar a condenação. Alega que em nenhum momento compactuou com os fatos ou tomou conhecimento dos mesmos.

O reclamante, a seu turno, não se conforma com a indenização arbitrada. Sustenta que o valor nada representa em matéria financeira para uma empresa do porte da reclamada. Salienta que a indenização deve ter duplo caráter: sancionatório e compensatório.

volta ao índice

Na inicial, o reclamante narra que recebia tratamento ofensivo do supervisor do setor de graxaria, Sr. Egídio, sendo ofendido com palavras e expressões de baixo calão, tais como “vai a p... que pariu”, “sai daqui seu corno”, “filho-da-p...”, “veado”, “burro”, entre outras. Afirma que o procedimento do supervisor gerou uma reclamação dos funcionários junto ao setor de Recursos Humanos, que não tomou providências para fazer cessar as agressões. Refere, também, que o presidente do Sindicato teve uma reunião com a gerente de Recursos Humanos da empresa, mas nenhuma atitude foi tomada.

A reclamada, em contestação, alegou não ter conhecimento da situação, na época.

A prova testemunhal confirma o tratamento ofensivo do supervisor em relação aos subordinados e confirma, também, que a reclamada tinha ciência de tal fato.

A testemunha Romildo dos Santos diz que: “...o depoente e o reclamante eram subordinados ao Egídio; que o Egídio tinha um tratamento inadequado com os funcionários do setor, pois costumava chamar todos ali de ‘corno, filho da p..., vai pra p... que pariu’, etc; que o

depoente reclamou para a direção da empresa por 3 vezes, sendo que sempre diziam que iriam resolver mas nunca resolveram nada; que em uma oportunidade o depoente se lembra de que estar no horário de intervalo, assim como outros funcionários que estavam ali, sendo que Egídio estava jogando cartas com o pessoal; que nessa oportunidade o reclamante entrou para pegar sacos plásticos de lixo; que esses sacos cheiram mal e, em razão disso, o Egídio começou a gritar com o reclamante, dizendo para ele ‘ir a p... que o pariu e se mandar dali com aquele saco’; que Egídio já vinha ofendendo o pessoal a longo tempo, sendo que começou a pegar mais pesado com o pessoal no final do ano de 2004 em diante; que esses palavrões passaram a ser utilizados pelo Egídio de forma reiterada no tratamento de seus subordinados ali do setor; que o Egídio não respeitava se tivesse alguém de outro setor ou não, ou algum vendedor ou servente.” (grifou-se, fl. 236)

A prova emprestada dos processos 01002-2005-771-04-00-1 e 01003-2005-771-04-00-6 confirma as ofensas do supervisor Egídio contra seus subordinados, a partir de 2004, e confirma, também, que a reclamada tinha ciência da situação, mas demitiu o supervisor somente no mês de maio de 2005 (fls. 260-4). A testemunha Romaldo Kilian afirma que todos os empregados do setor de graxaria faziam queixa do Sr. Egídio (fl. 263). A testemunha Gerson Padilha refere que era uma situação constante o uso de palavrões pelo supervisor Egídio quando se dirigia aos empregados e informa que houve uma queixa de empregados junto à direção da empresa, envolvendo a conduta de Egídio (fl. 264). A testemunha Romildo dos Santos acrescenta que o Sr. Egídio não respeitava se tivesse alguém de outro setor ou não, ou algum vendedor ou servente (fl. 236).






Compartilhe com seus amigos:
1   ...   40   41   42   43   44   45   46   47   ...   72


©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
santa catarina
Prefeitura municipal
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
Processo seletivo
ensino fundamental
Conselho nacional
terapia intensiva
ensino médio
oficial prefeitura
Curriculum vitae
minas gerais
Boletim oficial
educaçÃo infantil
Concurso público
seletivo simplificado
saúde mental
Universidade estadual
direitos humanos
Centro universitário
Poder judiciário
saúde conselho
educaçÃo física
santa maria
Excelentíssimo senhor
assistência social
Conselho regional
Atividade estruturada
ciências humanas
políticas públicas
catarina prefeitura
ensino aprendizagem
outras providências
recursos humanos
Dispõe sobre
secretaria municipal
psicologia programa
Conselho municipal
Colégio estadual
consentimento livre
Corte interamericana
Relatório técnico
público federal
Serviço público
língua portuguesa