Ano II – Edição Especial nº 07 :: Assédio Moral e Assédio Sexual 1ª Parte


DO ASSÉDIO MORAL E INJUSTA DESPEDIDA



Baixar 0,76 Mb.
Página39/72
Encontro28.11.2019
Tamanho0,76 Mb.
1   ...   35   36   37   38   39   40   41   42   ...   72
DO ASSÉDIO MORAL E INJUSTA DESPEDIDA.

A recorrente sustenta ter sido vítima de assédio moral por parte da reclamada. Relata que prestou concurso público para ingresso no quadro docente da reclamada - Universidade de Passo Fundo - em junho de 2003; que foi classificada em primeiro lugar para área/disciplina de Desenvolvimento Ambiental e Tecnologia da Informação Geográfica - Curso de Geografia, Instituto de Ciências Exatas, com carga horária de 20h/semanais; que a recorrida fez um edital público de concurso para preenchimento de vaga, vinculado em todo território nacional; que, após ser aprovada, mudou-se e constituiu residência na cidade de Passo Fundo; que, menos de um ano depois, foi dispensada pelo fato de ser considerada prescindível no contrato laboral. Invoca o princípio da boa-fé objetiva, que a seu entender, restou violado. Salienta que, no mês de março, pouco mais de seis meses do contrato em vigor, a reclamada determinou que ficasse sem alunos, impondo-lhe severa e ilícita alteração na base contratual, a teor do que dispõem os artigos 9º e 468 da CLT. Destaca o depoimento da primeira testemunha, quando fica expressa a conduta equivocada da preposta da reclamada que afirmou em reuniões da congregação do Curso de Geografia “que a reclamante não iria esquentar o banco na reclamada” e “que a reclamante não preenchia o perfil profissional desejado pelo departamento não obstante tivesse qualificação acadêmica”, afirmando também que o alunos tiveram conhecimento dos fatos; que alguns até se manifestaram protestando contra o tratamento recebido pela reclamante. Diz ainda que, na semana de 27 a 29 de janeiro de 2004, foram realizadas reuniões, sem ser convocada, quando a Coordenadora do Curso de Geografia sustentou a sua disponibilidade, argumento construído sob o pretexto de “não possuir o perfil profissional da instituição”, fato comprovado pela prova testemunhal. Invoca os artigos 1º, incisos III e IV, combinado com o artigo 5º, inciso X, da Constituição Federal.

O conceito do dano moral foi muito bem definido na obra de Antonio Jeová Santos, “Dano moral indenizável”. Entre as várias definições, fica-se com a de “lesão de razoável envergadura produzida no equilíbrio espiritual, cuja existência a lei presume - e tutela - que pertence a uma pessoa” (por Cipriano, in Daño Moral. Concepto. La Ley, l982).

Os episódios narrados pela reclamante, em tese, podem se adequar perfeitamente à hipótese de assédio moral - fato social há muito conhecido, novo apenas enquanto fenômeno juslaboralista - que Marie-France Hirigoyen, em “Assédio Moral: violência perversa no cotidiano”, assim conceitua: “toda e qualquer conduta abusiva manifestando-se sobretudo por comportamentos, palavras, atos, gesto, escritos que possam trazer dano à personalidade, à dignidade ou à integridade física ou psíquica de uma pessoa, põe em perigo seu emprego ou degradar o ambiente de trabalho” e, no conceito de Margarida Barreto, em “Uma Jornada de Humilhações”, é caracterizado pela “exposição dos trabalhadores e trabalhadoras a situações humilhantes e constrangedoras, repetitivas e prolongadas durante a jornada de trabalho e no exercício de suas funções, sendo mais comuns em relações hierárquicas autoritárias e assimétricas, em que predominam condutas negativas, relações desumanas e aéticas de longa duração, de um ou mais chefes dirigida a um ou mais subordinado(s), desestabilizando a relação da vítima com o ambiente de trabalho e a organização, forçando-o a desistir do emprego” (www.assédiomoral.org.br). Uma das características do assédio moral é que visa justamente a conduzir a vítima à demissão. Segundo Marie-France “a pessoa atacada é colocada numa posição de debilidade e agredida direta ou indiretamente por uma ou mais pessoas de modo sistemático, freqüentemente por largo tempo, com o objetivo e/ou conseqüência da sua demissão do mundo do trabalho”. Essa análise é, contudo, apenas no plano em abstrato.

volta ao índice

No caso em concreto, exige-se que a apreciação dos fatos observe os elementos subjetivos que envolvem o pedido de indenização por dano moral. É que para a responsabilização do empregador por conduta ilícita devem ser atendidos requisitos clássicos: dano, nexo causal e culpa do empregador. A análise dos dois primeiros é particularmente importante no caso dos autos. “No tocante ao dano alegado, é necessária a evidenciação de sua existência. Ainda que se saiba não ser essa evidência necessariamente material, ela tem de ser aferida, no caso concreto, com consistente segurança. (...) No dano moral, “torna-se mais subjetiva a aferição do dano e, desse modo, sua própria evidenciação processual. De todo modo, essa evidência tem de emergir do processo, sob pena de faltar um requisito essencial à incidência da indenização viabilizada pela ordem jurídica.” Quanto ao nexo causal, é também “decisivo que haja evidência bastante da relação de causalidade entre a conduta do empregador ou de seus prepostos e o dano sofrido pelo empregado.” (DELGADO, Maurício Godinho. Curso de Direito do Trabalho, 3.ed. São Paulo, LTr, 2004).

Justamente porque é subjetiva a aferição do dano moral deve se pautar essencialmente nos fatos trazidos pelo autor da demanda, pois revelam a sua inconformidade e informam o dano alegado. Fala-se aqui da causa de pedir. Veja-se que a pretensão da autora é de “indenização pelo dano moral sofrido, em decorrência da tristeza e danos tanto físicos, espirituais como financeiros”.

Essa é a dimensão do dano reclamado pela autora e que deve ser considerada na apreciação do feito. A observância da causa de pedir como definidora dos limites da lide é relevante, reitera-se, justamente porque o dano é subjetivo.

Conforme Contrato de Trabalho datado de 11.8.2003, juntado nas fls. 18/19, a reclamante foi contratada, como docente, no cargo de Professor Iniciante II, pela Fundação Universidade de Passo Fundo, para desempenhar suas atividades junto ao Setor Direção - ICEG, com carga horária de 20 (vinte) horas semanais, a ser cumprida mediante o ministério de aulas em cursos de graduação, pós-graduação e extensão, atividades de pesquisa e em outras atividades inerentes à Universidade (ensino, pesquisa e extensão). Referido contrato encontra-se registrado na Certeira de Trabalho da reclamante (fl. 28), assim como atestado pelo “Registro de Empregado” (fls. 101/103).

Nos termos do Regulamento de Administração de Pessoal Docente da UPF (fls. 118/121), a admissão de docentes far-se-á mediante aprovação em processo de seleção; os professores serão admitidos em regime de trabalho nos termos da legislação trabalhista, que regulará as rescisões de contratos e demais condições de trabalho dos docentes, competindo ao Conselho da Unidade na qual estiver lotado o professor deliberar sobre a sua demissão.

Segundo consta do Termo de Compromisso da fl. 30, as provas de seleção de docentes para o magistério na Universidade de Passo Fundo são regulamentadas pelo artigo 14 da Resolução CONSUN nº 4/2002 (Regulamento do ingresso e da promoção dos professores no quadro de carreira do magistério da Universidade de Passo Fundo - fls. 122/124). O documento da fl. 74, da Coordenação do Curso de Geografia para Comissão de Seleção Docente, comprova que a reclamante obteve o primeiro lugar no processo seletivo na área de Desenvolvimento Ambiental e Tecnologia da Informação Geográfica, e aponta o interesse do Curso de Geografia e a aquiescência dos professores selecionados na respectiva contratação.

A reclamante participou de Seleção Interna de Docente para a área de Pedagogia Anos Iniciais do Ensino Fundamental (fls. 31). Nas fls. 36/38 e 47/49, constam, respectivamente, as Fichas de Avaliação do Professor e Programa de Avaliação Institucional.

Nas fls. 57/61, a reclamante junta cópia do requerimento encaminhado ao setor jurídico da Universidade, no qual relata as “pressões” e “perseguições” a que estava sendo submetida pela coordenadora do curso professora Ana Maria Radaelli da Silva. Em 03 de março de 2004 (fl. 65), a Coordenadora do Curso de Geografia - Ana Maria Radaelli da Silva - convocou uma reunião referente ao processo no qual foi tratada a demissão da reclamante em razão da solicitação pela Coordenadoria.

Conforme Ata 174 (fls. 135/137), do Conselho de Unidade do Instituto de Ciências Exatas e Geociências, em sessão realizada no dia 23 de junho de 2004, foi aprovado o desligamento da reclamante de suas atividades por prescindibilidade, tendo em vista que a carga horária docente já estava completa pelo quadro institucional. O desligamento foi aprovado por 13 dos 15 conselheiros presentes, com abstenção dos demais. Observa-se que, na mesma sessão, também foi aprovado, com uma abstenção, o desligamento de outra professora da área de química, igualmente por prescindibilidade.

volta ao índice

Em 12.8.2004, a reclamante recebeu aviso prévio da rescisão de seu contrato de trabalho, com o qual não concordou em face de ser concursada e estar sendo dispensada sem justa causa, fazendo constar no verso do Termo Rescisório, dentre outras ressalvas, que iria discutir a reintegração judicialmente tendo em vista ter sido vítima de assédio moral (fls. 55 e 56).

A testemunha da reclamante - Teresinha Naujorks (fls. 207/208) -, que trabalhou para a reclamada no período de março de 1969 a agosto de 2004, na função de professora, no Instituto de Ciências Exatas e Geociências, diz que lembra que na primeira reunião do conselho de departamento, a coordenadora Ana Maria Radaelli da Silva afirmou a todos que a reclamante não “iria esquentar o banco” na reclamada; que lembra ocorreram outras reuniões; que a reclamante participou de algumas delas, mas sempre que assuntos envolvendo seu nome estavam em pauta, ela não era convocada para as reuniões; que nas outras reuniões a coordenadora Ana Maria Radaelli da Silva objetou o nome da reclamante; que ela sempre afirmou que a reclamante não preenchia o perfil profissional desejado pelo departamento, não obstante tivesse qualificação acadêmica; que não lembra de ter ouvido ou sabido qual o perfil desejado pela coordenadora; que houve repercussão do tratamento dado à reclamante no âmbito do curso; que os alunos tiveram conhecimento dos fatos; que alguns até se manifestaram protestando contra o tratamento recebido pela reclamante; que numa reunião tumultuada foi colocada em votação a dispensabilidade da reclamante; que não sabe se tais atitudes foram levadas ao conhecimento da administração através de procedimento formal; que sabe apenas que foi convocada algumas vezes pelas vice-reitorias (principalmente a acadêmica) para falar sobre os fatos que envolviam a reclamante. Já a testemunha Luiz Carlos Naujorks (fl. 208), salienta que no processo de desligamento de professor, a avaliação institucional é apenas um dos elementos que balizam a decisão.

A reclamante não gozava de qualquer estabilidade no emprego, à luz do que dispõe a legislação que regrou seu contrato de trabalho (CLT e Regulamento da Universidade). A contração seguiu as normas estabelecidas no Estatuto da Universidade. O processo de seleção de docentes não se equipara ao certame do concurso público, previsto no inciso II do artigo 37 da Constituição Federal, sendo aquele a forma pela qual a Universidade seleciona os professores aptos a exercerem as atividades exigidas, porém sem a garantia de estabilidade no emprego.

Não se vislumbra hipótese de impedimento para a despedida sem justa causa, que inclusive foi precedida de discussão pelos órgãos competentes da Universidade, muito embora possa ser indagado porquê a reclamante foi contratada se, pouco depois, de assumir a entidade concluiu que o quadro institucional estava completo. De outra parte, as restrições impostas à reclamante não extrapolaram o poder potestativo do empregador. Desta sorte, conclui-se que a despedida seguiu interesses da entidade, não se podendo creditar a rescisão contratual à ação individual, mesmo que o processo tenha sido deflagrado pela Coordenadora do Curso, o que por si só, não autoriza concluir de que se tratava de perseguição e tivesse por objetivo puramente o desligamento da autora. Da mesma forma quanto ao alegado assédio moral, não se tem como configurado. A prova testemunhal aponta para a total ausência de afinidades entre a coordenadora e a reclamante, porém não a define como causa específica da rescisão contratual, tampouco há a comprovação de que a reclamante tenha tido dificuldades (...) maiores que aqueles naturais à execução do contrato de trabalho em que a relação caracteriza-se pela subordinação do empregado.

Nega-se provimento.

(...)




Compartilhe com seus amigos:
1   ...   35   36   37   38   39   40   41   42   ...   72


©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
santa catarina
Prefeitura municipal
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
Processo seletivo
ensino fundamental
Conselho nacional
terapia intensiva
ensino médio
oficial prefeitura
Curriculum vitae
minas gerais
Boletim oficial
educaçÃo infantil
Concurso público
seletivo simplificado
saúde mental
Universidade estadual
direitos humanos
Centro universitário
Poder judiciário
saúde conselho
educaçÃo física
santa maria
Excelentíssimo senhor
assistência social
Conselho regional
Atividade estruturada
ciências humanas
políticas públicas
catarina prefeitura
ensino aprendizagem
outras providências
recursos humanos
Dispõe sobre
secretaria municipal
psicologia programa
Conselho municipal
Colégio estadual
consentimento livre
Corte interamericana
Relatório técnico
público federal
Serviço público
língua portuguesa