Ano II – Edição Especial nº 07 :: Assédio Moral e Assédio Sexual 1ª Parte



Baixar 0,76 Mb.
Página26/72
Encontro28.11.2019
Tamanho0,76 Mb.
1   ...   22   23   24   25   26   27   28   29   ...   72
volta ao índice

volta ao sumário

1.14. Relator o Exmo. Juiz José Felipe Ledur. 1ª Turma. Processo nº 00574-2004-016-04-00-3 RO. Publicação em 13.01.2006.

EMENTA: INDENIZAÇÃO POR DANO MORAL. REVISTA ÍNTIMA VEXATÓRIA. A prática de revista íntima de empregados é vexatória e configura censurável assédio moral no meio ambiente do trabalho e que deve ser indenizado. (...)

(...)

2. INDENIZAÇÃO POR DANO MORAL. REVISTA ÍNTIMA VEXATÓRIA. VALOR ARBITRADO

A sentença condenou a reclamada ao pagamento de indenização por dano moral ao fundamento de que a prova oral confirmou a alegação de que eram realizadas revistas íntimas vexatórias no período em que a reclamante trabalhava no cofre, arbitrando o valor em R$ 10.000,00.

A reclamada nega a realização de revistas vexatórias e busca a absolvição da condenação ao pagamento de indenização por dano moral.

A reclamante sustenta que o valor arbitrado pela sentença não atinge os objetivos da indenização por dano moral, uma vez que insuficiente para reparar o dano e também para punir a agressora. Alega que a prática de revista íntima é vedada pela legislação municipal e que configura mobbing. Pede a majoração para R$ 100.000,00 (cem mil reais).

Por partes.

Em relação à ocorrência da revista íntima, não há como acolher a tese da reclamada, pois todas as testemunhas corroboraram a tese da reclamante, inclusive a testemunha trazida pela reclamada informou que “Há uma revista específica para os funcionários que trabalham no cofre.” (sic, fl. 384). A negativa por parte da reclamada de ocorrência de revistas no cofre beira a litigância de má-fé.

volta ao índice

Tal prática por parte da empregadora configura censurável assédio moral no meio ambiente do trabalho. A esse respeito, bem abordado o tema no acórdão 00064-2003-015-04-00-9, julgado em 20-10-04, em que foi relator o Exmo. Juiz Carlos Alberto Robinson, in verbis: “O assédio moral, embora não se constitua em fato novo, uma vez que é tão antigo quanto o próprio trabalho, somente recentemente vem sendo estudado. É também conhecido como hostilização no trabalho, ou assédio psicológico no trabalho ou também, ainda, como ‘psicoterror, mobbing ou bullying’. Considera-se assédio moral no trabalho a exposição de empregados a situações humilhantes e constrangedoras ao longo da jornada laboral. Humilha-se o empregado fazendo-o sentir-se ofendido, menosprezado, rebaixado, magoado, envergonhado, etc. O empregado passa a sentir-se um ninguém, um inútil, sem qualquer valor.”

Superada a questão relativa à ocorrência do dano, passa-se à avaliação do valor da indenização. O juízo do arbitramento da indenização do dano moral segue critério de eqüidade posto que, ao contrário do dano material, é inviável de ser aferido pelo que efetivamente se perdeu e o que se deixou de lucrar. Certo é que o valor arbitrado a título de dano moral deve levar em conta duas finalidades: punir o infrator e compensar a vítima, em valor razoável, o suficiente para que se reprima a atitude lesiva, sem ser um valor inócuo ou que propicie o enriquecimento sem causa. E para tal balizamento utilizam-se critérios de eqüidade. O contexto de fragilidade do trabalhador na própria forma em que entrega sua energia produtiva, ou seja, enquanto cumpre o objeto principal do contrato de trabalho, origina efeitos conexos que dizem respeito justamente à dignidade humana, princípio que, por ser o núcleo central dos direitos fundamentais, deve ser o primeiro a compor a fórmula que o julgador utiliza na atividade de concreção jurídica (arts. 1º, III, e 5º, X, da CF/88).

As conseqüências negativas na esfera pessoal da vítima, vale dizer, o dano, são presumíveis, já que atingiram diretamente a honra subjetiva e objetiva da reclamante. De fato, a existência de prejuízo, de dor e indignidade se originou do abalo à honra subjetiva da autora enquanto revistada e “apalpada” diariamente, o que acabou por atingir sua honra objetiva, já que a situação de constrangimento é evidente.

A sentença abordou muito bem os critérios a serem considerados para o arbitramento de um valor, porém o fixou aquém do razoável (fl. 395). Assim, considerados o elevado grau de sujeição econômica de trabalhadora mal remunerada (salário de R$ 390,00), o dano à honra, o abalo emocional e a sensação de constrangimento; ainda, que a reclamada é empresa de grande porte do ramo de supermercados (fl. 434), e bem assim as finalidades punitivo-educativo e de compensação à vítima da indenização, considera-se razoável o valor de R$ 25.000,00. Por aproximação, o montante resulta do valor do salário - R$ 390,00 por mês - multiplicado por 10, atendendo-se, ainda, para o fato de que o trabalho no cofre com submissão à situação vexatória ter durado, aproximadamente, 07 (sete) meses (de junho a dezembro de 2003).

Por todo o exposto, nega-se provimento ao recurso da reclamada e dá-se provimento parcial ao recurso da autora, para aumentar o valor da indenização por dano moral para R$ 25.000,00.

(...)




Compartilhe com seus amigos:
1   ...   22   23   24   25   26   27   28   29   ...   72


©psicod.org 2020
enviar mensagem

    Página principal
Universidade federal
santa catarina
Prefeitura municipal
processo seletivo
concurso público
conselho nacional
reunião ordinária
prefeitura municipal
universidade federal
ensino superior
Processo seletivo
ensino fundamental
Conselho nacional
terapia intensiva
ensino médio
oficial prefeitura
Curriculum vitae
minas gerais
Boletim oficial
educaçÃo infantil
Concurso público
seletivo simplificado
saúde mental
Universidade estadual
direitos humanos
Centro universitário
Poder judiciário
saúde conselho
educaçÃo física
santa maria
Excelentíssimo senhor
assistência social
Conselho regional
Atividade estruturada
ciências humanas
políticas públicas
catarina prefeitura
ensino aprendizagem
outras providências
recursos humanos
Dispõe sobre
secretaria municipal
psicologia programa
Conselho municipal
Colégio estadual
consentimento livre
Corte interamericana
Relatório técnico
público federal
Serviço público
língua portuguesa