Análise dos pais separados de uma amostra de crianças de 1ª a 5ª SÉrie de escola estadual olívia bianco em piracicaba



Baixar 106,71 Kb.
Página4/4
Encontro06.05.2018
Tamanho106,71 Kb.
1   2   3   4
RESULTADOS E DISCUSSÃO:
Dos 424 alunos entrevistados, 119 tem os pais separados, representando 28% do total da amostra. Os 119 alunos que possuíam os pais separados responderam as questões sobre com quem moravam e de quanto em quanto tempo viam seus pais ou mães que estavam separados, cujas respostas foram organizadas segundo as tabelas abaixo:


Distribuição dos alunos de pais separados de acordo com quem eles moram




Moram com a mãe

Moram com o pai

Moram com avô (a)

Moram com Tio (a)

Quantidade de alunos

98

12

7

2

Representação do total

82,3%

10,1%

5,9%

1,7%

Representação gráfica:






De quanto em quanto tempo o filho vê seu pai ou sua mãe que está separado




Dos que moram com a mãe

(sobre o pai)



Dos que moram com o pai (sobre a mãe)

Dos que moram com tios e avós (sobre pai ou mãe)

Todo dia

9

9,2%

0

--

1

11,1%

1 a 3 vezes por semana

37

37,8%

3

25%

4

44,4%

1 vez por mês

24

24,5%

4

33,3%

0

--

1 vez por ano

20

20,4%

5

41,7%

4

44,4%

Nunca viu

8

8,2%

0

--

0

--

TOTAL

98

100%

12

100%

9

100%

Podemos perceber que entre os alunos com pais separados, existe uma pequena porcentagem de alunos que não moram nem com o pai e nem com a mãe (7,6 %), porém a grande maioria (82,3 %) mora somente com a mãe. Já em relação à freqüência com que os filhos vêem os pais que não moram com eles, a maioria tem contato com o pai ou mãe pelo menos uma vez por mês (somando-se as porcentagens de quem vê todo dia até quem vê uma vez por mês) conforme gráfico abaixo:




Os alunos também apontaram se achavam bom ou ruim a separação e se sofriam com isso. A grande maioria (85%) respondeu que achava a separação ruim e também que sofriam com essa separação (58,8%), segundo os gráficos abaixo:

Pode-se perceber que os alunos entrevistados mesmo não tendo chegado à adolescência ainda, se entristecem por não estarem juntos do pai e da mãe. Alguns alunos durante as entrevistas também disseram que pai ou mãe, e às vezes ambos, haviam falecido e estavam morando com pais adotivos, por esse motivo não foi dada continuidade às perguntas para esses alunos por se tratar de um assunto muito delicado e que poderia trazer à tona lembranças desagradáveis. Só foi contabilizado na pesquisa o número de crianças realmente entrevistadas até o fim.

Separação dos pais é um assunto muito sério e que às vezes passa despercebido pelos brasileiros. Segundo Fabiano Hueb ( citado por Mauro Ventura em seu blog ), que é médico e pai, e também separado há 8 anos, conta em seu livro as conseqüências da síndrome da alienação parental, onde crianças de pais separados sofrem, tanto depressão crônica, sentimento de culpa, isolamento, suicídio, até alcoolismo e uso de drogas. Esse livro relata que independente do casal estar junto ou separado, a relação homem/mulher acaba, mas o papel de pai/mãe é para sempre.

No Brasil, a justiça familiar é conservadora. Em 90% das “famílias quebradas”, a guarda fica com as mães no esquema 7 por 1 ou 14 por 1. O que significa que os filhos passam sete ou quatorze dias com a mãe e um com o pai (GERALDINI, 2008).

Segundo Araújo (2008), em nossa cultura ainda somos educados para o casamento, no que eu concordo, pois em uma determinada idade a sociedade cobra que você se case, e você procura a pessoa que melhor se encaixe nos seus padrões e preferências. Com o tempo passamos a conhecer a pessoa melhor, uma vez que a fase do namoro não permite ver os defeitos. Passando esta fase, vem a rotina do dia a dia e começam a surgir os problemas, como perda do romantismo, ganho de peso, inibição de ambas as partes. Com o nascimento do filho a situação se agrava, pois as atribuições do casamento aumentam sobrando menos tempo para o casal e causando muitas vezes por conseqüência a separação, e filhos morando com apenas um de seus pais, o que pode provocar diversos transtornos à criança como já dito anteriormente.

Este trabalho comprova a opinião de alguns autores citados, de que a separação não é boa para as crianças, e desde a idade de 6 ou 7 anos já dizem achar a separação ruim e sofrer com isso, como foi mostrado nos resultados da pesquisa. Sabendo destas conseqüências é importante começarmos a prestar mais atenção na quantidade de crianças com pais separados, o que foi o objetivo deste trabalho ao contabilizar 28% de alunos da escola pesquisada nesta situação.



CONCLUSÃO:
Podemos concluir neste trabalho, que 28% dos alunos de 1ª a 5ª séries da Escola Estadual Prof.ª Olívia Bianco possuem pais separados. Destes, a maioria mora com a mãe e vê o seu pai pelo menos uma vez por mês. Porém, não podemos deixar de notar que alguns alunos não moram com nenhum dos pais, sendo criados por outros parentes, bem como alguns alunos que nem sequer conhecem os pais ou os vêem somente uma vez ao ano. Os alunos quando entrevistados em sua grande maioria responderam que não acham boa a separação e que sofrem com isso.

Sabendo que o desenvolvimento social e psicológico da criança pode ser prejudicado com a separação dos pais, é necessário que façamos mais pesquisas a fim de levantar os números de crianças e jovens nesta situação em nosso país, bem como analisar em que aspectos o desenvolvimento destes está sendo afetado, e como podemos resolver este problema, o que fica de sugestão para os próximos trabalhos que estudem estes aspectos.



REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
ARAUJO, CERES. Disponível em: . Acesso em: 14/06/2008.
COSTA, CAROLINA SEVERINO LOPES da,. Envolvimento materno e desempenho acadêmico: comparando crianças residindo com a mãe e com ambos os pais. Psicol. esc. educ. [online]. dez. 2007, vol.11, no.2 [citado 15 Junho 2008], p.339-351. Disponível em: . Acesso em: 15/06/2008.
GERALDINI, MAYARA. Filhos de pais separados podem ser felizes. Disponível em: < http://delas.ig.com.br/mae/noticias/2008/05/14/filhos_de_pais_separados_podem_ser_felizes_1310994.html>. Acesso em: 14/05/2008.
VENTURA, MAURO. Síndrome da alienação parental ou aproveitando para vender seu livro. Disponível em: < http : // o globo. globo. com / rio / ancelmo / dizventura/ post.asp?t=sindrome_da_

alienacao_parental_ou_aproveitando_para_vender_seu_livro&cod_Post=102126&a=296>. Acesso em: 12/05/2008.
: phpg -> inscricao -> enic -> documentos
documentos -> Título: a linguagem gráfica na criançA
documentos -> Atitudes e valores de alunos e professores da área de humanas relacionados à ciência, tecnologia e sociedade
documentos -> Colégio piracicabano
documentos -> Michely bervely maranha da cunha
documentos -> Auto-mutilaçÃO: juventude e angústia
documentos -> Entidades de atençÃO À infância e adolescência: práticas educativas com crianças e adolescentes em situaçÃo de risco
documentos -> Análise social sobre preconceitos agregados aos grupos de minoria em empresas e locais públicos
documentos -> Bullying – esse fenômeno ocorre na escola em que estudo
documentos -> Serial killers: culpados ou vítimas
documentos -> Título: Lições de Cidadania e Direitos Humanos: “Bullying, Tô Fora


Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4


©psicod.org 2017
enviar mensagem

    Página principal