Anexo a- guiões de entrevista Guião de Entrevista para Alunos efta


Educação para o Empreendedorismo: Competências construídas e impactes esperados



Baixar 310,99 Kb.
Página23/35
Encontro11.10.2018
Tamanho310,99 Kb.
1   ...   19   20   21   22   23   24   25   26   ...   35
Educação para o Empreendedorismo: Competências construídas e impactes esperados

1. Quais são para si as competências mais importantes a adquirir num grupo como este? A nível pessoal (motivação, autoestima, pró-atividade…), interpessoal, social e profissional.

O saber fazer e o saber ser. A forma de estar na vida e em sociedade. Saber comunicar e uma coisa que é importante se tiver um problema não o consigo esconder mas não é por isso que trato mal alguém. Quando estou bem gosto muito de brincar de ser amiga de ajudar e fazer algo útil. Nós quando ficamos muito tempo desempregadas e estamos isoladas em casa muito tempo “estupidificam” começamos a achar que não sabemos nada, que não temos competências, perdemos a coragem e a voz. A vida nem sempre é fácil e às vezes dá vontade de desistir, mas há outros dias em que me olho ao espelho e me forço a ir à luta a enfrentar as dificuldades e a encarar a vida. Digo para mim mesma. “A….. vamos embora, vamos à luta, seja o que deus quiser.” Há dia que estamos mais confiantes e outros que não. O grupo Artes de coração ajuda-me a ver a Aura que está do outro lado do espelho, corajosa, lutadora, que tem muito para ensinar e muito para aprender e que ainda vai conseguir fazer muitas coisas uteis. Já tenho pensado muitas vezes que aqui tem um espaço grande onde era bom se, se fizesse uma área de lazer com máquina de café, onde as pessoas pudessem conviver. Temos qui uma biblioteca que está fechada, e eu gosto tanto de ler. Quantas vezes penso “ meu deus tantos livros aqui fechados e era tão bom para as pessoas ler umas tardes era tão bom chamar o pessoal para vir para aqui. Com uma máquina de café, uns sumos, umas águas e começar a dinamizar o espaço e trazer as pessoas. Depois de estar no grupo comecei a ter mais atenção e a ver os recursos que podem ser rentabilizados em prol das pessoas e comecei a conseguir ter ideias coerentes e validas para melhorar a vivência nesta freguesia.

Antes não estava a ver a imensidão de possibilidades que com vontade e empenho podem ser feitas para melhorar a nossa realidade e capacitar mais as pessoas. Antes era muito raro eu vir cá para cima. Há dois anos eu também vim aqui mas estava cá outra assistente social que não a Dr.ª Vânia que não puxava as pessoas e não dava o apoio tinha outra maneira de ser. Depois que veio a Dr.ª Vânia nós começamos a vir mais e ela puxa mais por nós, tudo o que ela está a fazer e o que ela tem feito para puxar. Foi através dela que o projeto RiAgir veio também integrar esta comunidade. Dou muito valor ao que se gerou aqui. Também a Dr.ª Vânia é uma pessoa humilde e esta maneira de ser cativou-nos e ela faz-nos sentir importantes.

2. Quais são as competências que considera que já possuía antes deste projeto e quais aquelas que esperava e espera vir a desenvolver ao longo da sua participação neste grupo?

Quero saber mais quero aprender com as minhas colegas, quero aprender a fazer outras coisas e gostava muito que o nosso grupo seguisse em frente, crescesse numa perspetiva de negócio, onde tivéssemos clientes e fizéssemos do nosso, grupo um grupo dinamizador e que fosse possível, através deste grupo, encontrarmos uma forma de sustento. No fundo que o grupo fosse um meio de trabalho.

No fundo o grupo constituísse um motor de desenvolvimento da nossa freguesia e de uma atividade profissional. Mesmo através deste grupo juntamente com as competências pudéssemos ganhar credibilidade e promovesse a empregabilidade por conta de outras instituições.

3. Até que ponto as atividades desenvolvidas neste grupo se adequam às suas expectativas e necessidades de aprendizagem?

Eu achava que (não agora porque estamos mais ocupadas com os cursos e temos menos tempo) mas eu penso que de maio junho para a frente nós deveríamos ter até mais um dia de atelier, além do atelier de segunda-feira devíamos ter mais um dia. Porque depois as atividades com os nossos velhinhos são de quinze em quinze dias. Também nos dava uma margem maior de produção e aprendizagem. Se nós tivéssemos mais um dia isso seria uma mais-valia. Como uma aposta numa maior dimensão aos ateliers desenvolvidos. Porque há muita coisa que nós paramos isto e aquilo e o tempo acaba por escassear. Fica curto. E se tivéssemos mais um dia era melhor.

4. Percebe alguma lacuna que se fosse ultrapassada permitiria que o grupo funcionasse melhor?

Como já dei a entender, a meu ver uma das lacunas é o tempo dedicado aos ateliers ser pouco. Porque só com a Segunda-feira, dá-nos pouco espaço. O Hélder está a ver? Eu dei os ateliers de arraiolos. Os quatro ateliers de arraiolos não foram o suficiente para as pessoas saberem tudo o que é fazer arraiolos. Porque as pessoas saíram dos ateliers a saber fazer o ponto corrido. Os arraiolos não são apenas o ponto corrido. Há que aprender a fazer os cantos, tem o subir, tem o descer, tem o contornar a fazer o desenho. Ninguém saiu destes ateliers a saber fazer. Ninguém Pode dizer que sabe fazer arraiolos. Houve uma serie de interrupções e houve muitas coisas que ficaram por saber nos arraiolos. Fazer a bainha que os arraiolos têm bainha para fazer, há muita coisa, fazer franja. Os arraiolos precisam de mais tempo de atelier. Se houvesse mais tempo o grupo ainda poderia funcionar melhor.

Acho que houve muitas pessoas que começaram connosco e que acabaram por desistir. Só elas é que poderão dizer o porquê mas quando nós nos metemos numa coisa destas é preciso assumir o compromisso. Elas ou porque deixaram de gostar ou porque entraram pessoas que elas não gostavam. Das primeiras pessoas muitas desistiram. O grupo agora está mais consistente com pessoas mais comprometidas, mais assíduas a vir. Era bom entrarem mais pessoas e continuarem nesta linha de trabalho, empenho e consistência para irmos para a frente.

5. Seria possível melhorar alguns aspetos numa outra fase deste grupo? Em termos de organização, duração, estrutura, metodologias …

Sim. O aspeto dos arraiolos, numa próxima necessita de dois meses. Porque num mês vão haver mais interrupções e é preciso antever imprevistos.

6. Mediante as aprendizagens adquiridas ao longo da sua participação neste grupo encararia a possibilidade de vir a criar outros projetos sociais ou profissionais? Porquê?

Sim. Se formos todas juntas a puxar para o mesmo lado.

7. Que tipos de dificuldades poderão surgir na criação de outros projetos sociais ou profissionais? Quais as estratégias que utilizaria para superar/ minimizar essas dificuldades?

Em princípio, num negócio encontramos sempre algumas dificuldades, espaço financeiro. Mas o espaço não seria problema com o apoio da Drª Vâ… tínhamos espaço. Mas financeiro poderia ser. Mas com força de vontade e em grupo haveríamos de conseguir apoios e ganhar fundo de maneio para começar.

8. Gostaria de acrescentar mais alguma informação relevante para este estudo?

Não.


9. Dados caracterização do entrevistado

(Nome e Idade não revelados por questões de confidencialidade)

Nacionalidade: Portuguesa

Habilitações Literárias 4ª Classe.

Curso a frequentar (Módulos de Geriatria, não conferente a grau.)

Duração do curso:50 horas por módulo.



Muito obrigado pela sua colaboração!




Compartilhe com seus amigos:
1   ...   19   20   21   22   23   24   25   26   ...   35


©psicod.org 2017
enviar mensagem

    Página principal