Anexo a- guiões de entrevista Guião de Entrevista para Alunos efta


Educação para o Empreendedorismo: Competências construídas e impactes esperados



Baixar 310,99 Kb.
Página20/35
Encontro11.10.2018
Tamanho310,99 Kb.
1   ...   16   17   18   19   20   21   22   23   ...   35
Educação para o Empreendedorismo: Competências construídas e impactes esperados

1. Quais são para si as competências mais importantes a adquirir num projeto deste tipo? A nível pessoal (motivação, autoestima, pró-atividade…), interpessoal, social e profissional.

Acho que projetos como estes assumem uma importância crescente no desenvolvimento de capacidades ao nível interpessoal e social, pois é necessário ligar connosco e com os outros. Nesse processo é importante ter a consciência que temos feitios diferentes e que cada um tem as suas especificidades. As competências aqui desenvolvidas ajudam-me a nível pessoal, sobretudo no que respeita os meus objetivos pessoais A acreditar nas minhas capacidades de concretização de objetivos. Este projeto serve-nos também para nos ensinar a discernir até que ponto é que é viável ou não a execução de um projeto. Permite-nos avaliar /ponderar até que ponto vou poder fazer isto com esta pessoa com estas características. Considero que a nível profissional isto também constitui uma mais-valia. Por exemplo se eu não conheço as pessoas não me sinto à vontade para abordar. E o clube de alunos ajuda-me a exprimir-me e a libertar-me do medo de ser exposto ao ridículo mediante alguma das minhas ideias expostas.

2. Quais são as competências que considera que já possuía antes deste projeto e quais aquelas que espera vir a desenvolver ao longo deste projeto?

As competências que eu tinha era a competência de ser solidário. Eu já sabia que tinha esta competência porque a minha mãe e a minha família sempre me induziram a ser solidário e a estar atento às necessidades dos outros. Neste momento eu não tenho aquela coisa de “vamos fazer” porque tenho sempre algum receio de dar a cara por uma causa e de falhar. Não me sair bem. Uma preocupação que eu tenho muito é falhar. Mas acredito que aos poucos se eu continuar a trabalhar neste grupo eu penso que com o tempo e a experiencia vou conseguir ganhar mais confiança e um dia destes conseguir sentir maior segurança em tomar mais a iniciativa. Nisso considero que o clube de Alunos está a ser um grande contributo. Este aspeto era algo que eu esperava que o projeto clube de Alunos me viesse a ajudar. Por exemplo ao nível das ideias que eu vou tendo acho que é uma boa ajuda estar no clube de Alunos, porque nos conhecemos este associação ou aquela pessoa chave. Acho que na troca de ideias é sempre uma mais vaia há sempre um contributo que alguém pode dar. Uma outra característica que se desenvolve no clube de alunos é deixar fluir as ideias. No meu caso eu sempre fui capaz de exprimir uma ideia depois de bem ponderada. Se depois de ponderar considerasse que a ideia era pertinente então comunicava-a. Embora por vezes as ideias que parecem despropositadas possam dar grandes projetos. Tenho essa experiencia no clube de alunos.

3. Até que ponto este projeto se adequa às suas expectativas e necessidades de aprendizagem?

Considero que este projeto é um bom projeto e adequa-se a mim porque me sinto completamente identificado com a missão e objetivos deste projeto.

Percebe alguma lacuna neste projeto que ultrapassada permitisse o projeto funcionar melhor?

Aquilo que eu acho uma limitação é que o clube de alunos tem alguns elementos que dizem que assumem a participação nas iniciativas e depois não cumprem. As pessoas aparecem nas reuniões do Clube de Alunos e participam em representação da turma mas chegam a meio do ano e falham, não aparecem é o único problema que identifico. Porque o clube de Alunos é uma boa iniciativa só que o problema é que há pessoas que dizem que vão assumir participar nas atividades, o grupo compromete-se com iniciativas e depois os que ficam e trabalham até ao fim tem dificuldade em levar as atividades a cabo, como previsto. No meu entender o sentido de compromisso de alguns colegas deixa a desejar. De resto acho que está tudo a funcionar bem.

5. Seria possível melhorar este alguns aspetos em futuros projetos? Em termos de duração, estrutura, metodologias …

Sim. Eu acho que isto já tinha quer depender das pessoas. Porque é assim, se, se assume uma coisa, imaginemos que em determinado dia não posso mesmo estar presente na reunião por algum motivo, posso sempre tentar saber o que é que se passou na reunião, para ficar a par das atividades e das tarefas. As pessoas podiam ter uma palavra: “eu não pude aparecer mas quero saber o que se passou. Há alguma coisa que eu possa fazer até a próxima reunião?” Porque às vezes as pessoas têm os tais compromissos mas devem tentar saber para ficar dentro do que está a ser fito. No fundo a pessoa não devia precisar que andassem atrás dela. A pessoa deveria comprometer-se e sentir-se responsável pelo grupo. Deveria haver um sentido de compromisso com a missão. Em termos de tempo dedicado ao clube de alunos como é uma atividade extracurricular, não se pode esperar mais do que aquela hora entre as 17 e as 18 horas. No fundo eu acho que era bom se houvesse um período de tempo maior para estas reuniões, mas é complicado. Considero é que se a escola reservasse um tempo próprio para os alunos terem as atividades extracurriculares sem ter que ser necessariamente ao fim do dia, as pessoas não teriam tanta pressa para ir embora. Que eu considero que faz com que as reuniões sejam menos produtivas. Se o tempo fosse num intervalo entre aulas que fosse de cerca de uma hora e meia, as pessoas sabiam que tinham aulas a seguir por isso estariam mais dedicadas e sem pressa para ir embora.

6. Mediante as aprendizagens adquiridas ao longo do projeto encararia a possibilidade de vir a criar outros projetos sociais ou profissionais depois de terminar a sua formação profissional? Porquê?

É assim, participar até me vejo a participar agora a criar, poderei faze-lo no futuro. Está dentro dos meus planos poder desenvolver um projeto criado por mim, no futuro, quando já tiver todas as competências reunidas. Quando terminar o curso quem sabe. Se eu terminasse o curso neste momento e me sentisse que tinha as capacidades e com todos os conhecimentos e habilitações para avançar com esses projetos aí eu avançava. Encaro essa possibilidade tanto a nível profissional como a nível social. O clube de alunos tem-me ajudado muito nesse ponto. Fazendo com que eu acredite mais nas minhas capacidades e na possibilidade de um dia vir a desenvolver projetos de solidariedade e mesmo pensar na possibilidade de criar o meu próprio emprego.

7. Que tipos de dificuldades poderão surgir na criação de outros projetos sociais ou profissionais depois de terminar a sua formação profissional? Quais as estratégias que utilizaria para superar/ minimizar estas dificuldades?

Há tantas dificuldades que podem surgir… Por exemplo, as parcerias. Acho que nem sempre as entidades estão dispostas a colaborar com as iniciativas. Por exemplo na disponibilização de espaços, não é fácil. Penso que a questão de conseguir um espaço poderá ser uma dificuldade. Supondo que eu preciso de ter um gabinete seja no âmbito de um projeto social seja um serviço criado a nível empresarial. Ter um espaço é muito importante e é um dos encargos maiores que se pode ter e pode ser difícil inicialmente arranjar um espaço. Nem sempre aparece o espaço ideal ao preço ideal Nem sempre as pessoas estão dispostas a dar as indicações mais corretas. Existem certas pessoas e situações que nos colocam entraves que nos impedem de concluir um projeto.

Acho que as pessoas deviam ser mais abertas e não colocar tantos entraves. Não deviam ser tão exploradoras na hora de se arrendar um espaço.

Vêem-se tantos espaços em centros comerciais pouco frequentados ou em ruas, tantas lojas fechadas durante anos e ninguém as arrenda e o proprietário em vez de baixar os preços e ter a manutenção assegurada, não. Preferem não ganhar nada e ter o espaço a deteriorar-se.

Uma boa estratégia era os municípios promoverem a ocupação destes espaços a custos reduzidos e dessa forma dinamizar a economia local.

8. Gostaria de acrescentar mais alguma informação relevante para este estudo?

Não. Acho que foi uma boa entrevista.

9. Dados caracterização do entrevistado

(Nome e idade não relevados por questão de confidencialidade)

Nacionalidade: Portuguesa

Habilitações Literárias: 9º Ano

Curso a frequentar: Técnico de Turismo

Duração do curso:3 anos

Muito obrigado pela sua colaboração!




Compartilhe com seus amigos:
1   ...   16   17   18   19   20   21   22   23   ...   35


©psicod.org 2017
enviar mensagem

    Página principal